Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Tentativa de golpe de Estado no Burundi

  • 333

GORAN TOMASEVIC/REUTERS

Fortes combates tiveram inicio na capital do país africano, horas depois do Presidente, que anunciara ir candidatar-se para um terceiro mandato, ter saído do país.

O chefe das forças armadas do Burundi anunciou esta quinta-feira que a tentativa de golpe de Estado falhou, mas a informação foi desmentida pelo comissário da polícia, Venon Ndabaneze, que se encontra entre os revoltosos e afirmou que têm sob seu controle diversas infraestruturas, entre as quais o aeroporto internacional de Bujumbura.
Fortes combates tiveram inicio na quarta-feira na capital do Burundi, horas depois do Presidente Pierre Nkurunziza ter saído do país para participar numa cimeira na Tanzânia. A revolta surge em sequência de Nkurunziza ter anunciado, a 26 de abril, que tenciona concorrer para um terceiro mandato nas eleições de junho, o que dera lugar a acesos protestos.
Godefroid Niyombare, antigo responsável pelos serviços secretos que fora demitido no ano passado. chegou mesmo a anunciar na quarta-feira, através de uma rádio pirata, que o Presidente fora deposto.
Um alto responsável militar indicou que à BBC Afrique que as tropas lealistas têm sob controle o palácio presidencial, a rádio pública e o aeroporto de Bujumbura e os correspondentes da estação britânica indicam que as forças policiais, afetas ao Presidente, parecem estar a controlar a situação nas ruas.
As duas rádios privadas do Burundi foram encerradas e as emissões da rádio pública chegaram a ser interrompidas, na sequência dos combates pelo seu controle.
“Nós paramos de transmitir durante o ataque. Agora que os combates pararam podemos retomar. Os soldados lealistas continuam a controlá-la”, afirmou em antena o diretor da rádio Jerome Nzokirantevye.
A rádio emitiu uma mensagem do Presidente a apelar aos soldados revoltosos para se entregarem. “Eu agradeço aos soldados que estão a colocar a situação em ordem, e eu perdoo-o a qualquer soldado que se renda”, disse Nkurunziza.