Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Coreia do Norte testa míssil balístico subaquático

  • 333

O líder norte-coreano, Kim Jong-Un, supervisionou o teste de mísseis balísticos subaquáticos

EPA

A ser verdade, este lançamento revela progressos no plano norte-coreano de desenvolvimento de mísseis balísticos. A informação foi avançada este sábado pela agência oficial de notícias do país.  

A Coreia do Norte realizou, com sucesso, um lançamento de teste de um novo míssil balístico submarino, segundo a informação divulgada pela agência oficial de notícias norte-coreana, KCNA, na madrugada deste sábadoA agência avança que o míssil "foi desenvolvido por iniciativa pessoal do Comandante Supremo das Forças Armadas do povo da Coreia do Norte, Kim Jong-Un" e reúne a mais recente tecnologia científica e militar.  

Ainda não há certezas em relação à data e local exato dos testes, mas a Reuters avança, citando outro comunicado da KCNA, que o líder norte-coreano supervisionou o lançamento a partir de um complexo de pesca na cidade portuária de Sinpo, na costa leste do país, onde se localiza uma base submarina.  

A ser verdade, este lançamento revela progressos no plano norte-coreano de desenvolvimento de mísseis balísticos"A aquisição desta tecnologia permitiu ao KPA [Exército Popular norte-coreano] obter uma arma estratégica a nível mundial, capaz de liquidar na água qualquer forma hostil que viole a soberania e a dignidade" do país, refere ainda a agência noticiosa. 

Este anúncio surge após a Coreia do Norte ter censurado os Estados Unidos, por este país ter alegado que a pesquisa espacial norte-coreana é um programa disfarçado de mísseis balísticos - o país enfrenta, aliás, sanções por parte das Nações Unidas por esse mesmo motivo. Também recentemente Kim Jong-Un revelou que poderá atacar os navios do Sul que entrem em águas norte-coreanas.  

Segundo a Coreia do Norte, na primeira semana de maio, 17 navios de patrulha sul-coreanos entraram nas suas águas, "sob pretexto" de intercetar barcos de pesca chineses. O Ministério sul-coreano desmente estas acusações, acusando Pyongyang de escalar a tensão entre os dois países.  

Recorde-se que as duas Coreias continuam tecnicamente em guerra, vivendo sob um cessar-fogo desde 1953. Desde essa altura, já existiram vários confrontos - violentos, mas breves - em 1999, 2002 e 2009.