Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Nepal. Mais de 7000 mortos retirados dos escombros

  • 333

As vítimas do sismo no Nepal têm sido retiradas de helicóptero e levadas para áreas seguras, mas há ainda muitas à espera de ajuda

Navesh Chitrakar/Reuters

O Nepal continua a contar os mortos da catástrofe que se abateu sobre o país há uma semana. Pelo menos 7040 corpos foram já recuperados e as autoridades não esperam encontrar mais sobreviventes. Os mais de 14 mil feridos precisam de apoio urgente. 

A responsável das Nações Unidas pela ajuda humanitária ao Nepal, Valerie Amos, pediu ao Governo nepalês que alivie os controlos alfandegários que têm prejudicado a entrega de mantimentos e de outros bens urgentes às populações mais afetadas pelo terramoto de 25 de abril.     

Uma semana depois do sismo, cuja intensidade foi de 7,8, há muitas zonas onde ainda não chegaram os bens essenciais trazidos de avião até ao aeroporto de Katmandu. Um responsável pelo departamento de gestão de catástrofes informou que muitas das vítimas do sismo continuam à espera de ser aerotransportadas para zonas de segurança.

Amos fez saber, este sábado, que recordou ao primeiro-ministro, Sushil Koirala, o acordo assinado pelo Nepal com a ONU, em 2007, e no qual se previa uma simplificação das burocracias alfandegárias numa situação de calamidade como a que se vive atualmente no país.    

"Ele comprometeu-se a garantir que isso aconteça, por isso espero que a partir deste momento possamos ter uma melhoria nos problemas administrativos", disse Amos à AFP.

O Nepal suprimiu impostos sobre as lonas e tendas importadas, esta sexta-feira, mas o porta-voz do Ministério do Interior, Laxmi Prasad Dhakal, defendeu que todos os bens trazidos para o país devem ser inspecionados.

A tragédia em números 

Os deslizamentos de terras e o mau tempo no território têm dificultado a ação dos que estão envolvidos nas operações de resgate, sobretudo nos distritos mais isolados. Em Sindhupalchok, a norte de Katmandu, 95% das casas ficaram destruídas, informou um responsável nepalês à BBC.

Desconhece-se o destino de milhares de pessoas nas áreas mais remotas, o que leva a crer que a contabilidade dos mortos continuará a subir nos próximos dias. As equipas de resgate trabalham contra o tempo nas zonas montanhosas de Dhading, Rasuwa e Sindhupalchok, informou o Governo.  

Segundo os últimos números da tragédia, avançados pelas Nações Unidas, o Nepal precisa de €370 milhões de ajuda financeira para acudir às pessoas afetadas pelo sismo.

Três milhões de pessoas necessitam de alimentos e pelo menos 24 mil estão a viver em acampamentos improvisados, uma vez que não é seguro regressarem às suas casas - mais de 130 mil edifícios ficaram em escombros. Cerca de 20 equipas trabalham de forma incansável para encontrar os familiares de crianças que ficaram desacompanhadas.