Siga-nos

Perfil

Expresso

Prémio Produção Nacional 2015

Professora de educação física aposta na agricultura para ultrapassar incertezas da profissão

  • 333

A docente descobriu um nicho: os produtos hortícolas básicos são as necessidades locais

Aquilo que começou como rendimento complementar está a ser mais do que isso. Sílvia Silva é do Porto e mudou-se para Sousel convencida pelo marido. Este ano parou de dar aulas. Ir todos os dias para Évora era incomportável. Recebia menos do que o ordenado mínimo. Acompanhe nas próximas semanas as histórias de produtores e produtos inovadores que estão a surgir e a evolução dos distinguidos no Prémio Intermarché Produção Nacional 2014, que este ano volta a ser um projeto do Expresso e da SIC Notícias.

Raquel Pinto

Raquel Pinto

Jornalista

"Já é uma alternativa. Não podemos andar para trás". Sílvia Silva é professora de Educação Física e tem 40 anos. Concorreu ao Proder há dois. O apoio ainda não chegou só que meteu "mãos à horta" para experimentar. Os testes ganharam contornos inesperados.

Vive em Sousel. Nunca imaginou que um dia poderia trocar a cidade e a proximidade com o mar pelo campo e o interior profundo. "Diria que era impossível", conta.

Mudou-se de malas e bagagens para o Alentejo há sete anos. O marido é portuense, ela também. Conheceram-se precisamente no Porto, mas Jorge, de 42 anos, que esteve ligado à mecânica de motos, já se tinha instalado na Herdade Monte Ruivo anos antes. A propriedade era de família. Não tinha condições de habitabilidade. Nem luz havia. Reconstruiu as estuturas do monte, fez a casa, e rumou. Sozinho. Viu na criação de borrego biológico uma alternativa e procurou fundos comunitários. O namoro com Sílvia veio depois. E alguém teve que ceder. Silvia viajou para o Alentejo. Ia tendo dificuldades por causa das colocações como professora. Parte do percurso profissional passou pelo privado e não tinha tempo de serviço.


Banca, o único apoio até agora

Instalada a sul, nunca trabalhou a menos de 60 quilómetros de casa. Este ano conseguiu Évora. Os mais de 150 quilómetros para trazer menos do ordenado mínimo levaram-na a parar de fazer o que gosta. Até porque tudo se tornou mais difícil de gerir com o nascimento da filha. "Queria ser uma mãe presente". Tentou outras opções de rendimento. Nada feito. "Diziam-me que tinha currículo a mais".

A docente não esconde que gostaria de conciliar o ensino com a agricultura. Ganhou-lhe o gosto. Ainda não sabe se o projeto de hortícolas de estufa e ar livre, com um investimento superior a 200 mil euros, irá ser viabilizado. Apresentou-o em 2013, mas em 2014, teve que ser alterado. A análise no terreno concluiu que a produção nas estufas durante os meses de julho e agosto teria de estar parada, por causa do calor. Teve que reformular o projeto. Concluiu as formações exigidas e ainda fez um curso empresarial. 


Financiamento bancário permitiu construir estufa de 2000 m2

Financiamento bancário permitiu construir estufa de 2000 m2


Demoraram dois anos a pensar num negócio. Não queriam meter-se numa situação complicada. O borrego ia sustentando a família. Ao mesmo tempo, Sílvia vivia a incerteza profissional e procurava um rendimento complementar. Pensaram nos mirtilos, caracóis, morangos... "Fizemos análises de mercado durante dois anos. Tudo tinha um problema. Estamos no fim da linha, localizados no interior do Alentejo. Seria difícil escoar aqueles produtos. Ou por sermos pequenos demais ou porque não éramos suficientemente grandes para pormos um camião cheio", explica.

Perceberam que havia um nicho básico. "Quando ia a qualquer supermercado daqui era um caos. Só existiam produtos frescos um dia por semana. No Porto, não estava habituada a isto".

Iniciar um projeto sem financiamento estava fora de hipótese. Só que a experiência de produtos na herdade, transformou-se num "passa palavra" e pedidos constantes para supermercados locais. Trabalham com dois grossistas e vendem tudo o que produzem nos dois hectares e 2000 metros quadrados de estufa. O financiamento bancário possibilitou as estruturas. Dão um passo de cada vez. Ainda não têm máquinas, a maior dificuldade do momento para fazer face à procura. Socorrem-se de três colaboradores que contrataram para evitar um novo crédito à banca. Mas sentem-se sempre aquém.

E se o financiamento do PRODER não vier? Sílvia mostra-se determinada: "A esta altura do campeonato não dá para voltar atrás. Esta é nossa opção de vida.".

Clique em baixo para se candidatar até 30 de junho à 2.ª edição do Prémio Intermarché Produção Nacional

  • Era investigadora na Torre do Tombo. Agora faz caviar de caracol

    Ana e Daniel mudaram a vida profissional para a helicicultura e rumaram a Alenquer. Tiveram de recomeçar do zero ao fim de dez meses de projeto. Levantaram-se, tiveram novos percalços, mas mantêm-se e a crescer. Acompanhe nas próximas semanas as histórias de produtores e produtos inovadores que estão a surgir e a evolução dos distinguidos no Prémio Intermarché Produção Nacional 2014, que este ano volta a ser um projeto do Expresso e da SIC Notícias.

  • Os nove e a uva Frutalmente sem grainha

    Mário Rodrigues é o mentor da organização que agrega nove produtores, com idades entre os 30 e os 70 anos. Diferentes visões e formações que se traduzem em resultados. Acompanhe nas próximas semanas as histórias de produtores e produtos inovadores que estão a surgir e a evolução dos distinguidos no Prémio Intermarché Produção Nacional 2014, que este ano volta a ser um projeto do Expresso e da SIC Notícias.

  • O pai queria que Luís fosse engenheiro. Ele cumpriu e ingressou no clube dos que vivem da terra

    Luís Sabbo gosta do que faz e não quer deixar cair o que o pai construiu. Vai a Espanha aprender com os melhores para fazer crescer uma das maiores produções de dióspiro em Portugal e inovar na diversidade com culturas ainda pouco expressivas, como é o caso da romã. É assim desde os 22 anos. Acompanhe nas próximas semanas as histórias de produtores e produtos inovadores que estão a surgir e a evolução dos distinguidos no Prémio Intermarché Produção Nacional 2014, que este ano volta a ser um projeto do Expresso e da SIC Notícias.

  • Gestora muda de vida, instala-se no Alentejo e dedica-se aos figos da índia

    Teresa Laranjeiro foi à procura de um sonho e descobriu uma cultura à primeira vista sem interesse e desconhecida - já se imaginou a pedir um gaspacho de figo da índia? - mas que acredita ter "potencial". O ano passado lançou o desafio para se associarem em cooperativa: 75 produtores disseram "sim".  Nas próximas semanas acompanhe, no site e no Expresso Diário, mais histórias dos produtores de quem se fala e os produtos mais inovadores que estão a surgir. Saiba também a evolução de alguns projetos distinguidos em 2014 no Prémio Intermarché Produção Nacional.

  • O azeite de Abrantes que ganha prémios no mundo inteiro

    Aliam a tecnologia aos métodos tradicionais e já ensinam na Austrália, Perú e Chile.  O azeite de excelência da SAOV traduz-se nas dezenas de prémios no país e no estrangeiro. A mais recente distinção foram duas medalhas de ouro na Feira Nacional de Agricultura. Acompanhe nas próximas semanas as histórias de produtores e produtos inovadores que estão a surgir e a evolução dos distinguidos no Prémio Intermarché Produção Nacional 2014, que este ano volta a ser um projeto do Expresso e da SIC Notícias.

  • Potencial de batata-doce portuguesa descoberto por alemães

    Tudo começou com a compra da quinta Montes de Cima, em São Teotónio, Odemira. Havia exploração agrícola, mas curiosamente não se produzia batata-doce. Uma empresa alemã apostou com tecnologia no potencial do produto 'tosco' e levou-o para outros mercados na Europa.  Acompanhe nas próximas semanas as histórias de produtores e produtos inovadores que estão a surgir e a evolução dos distinguidos no Prémio Intermarché Produção Nacional 2014, que este ano volta a ser um projeto do Expresso e da SIC Notícias. 

  • Sérgio Baltazar trabalha 15 horas por dia. Triplicou a produção de leite na exploração do pai

    Recebeu um prémio por ser jovem agricultor e dinamizou a exploração de vacas leiteiras em Sousel, num sector em que o problema não passa por escoar o produto mas a balança entre o custo de produção e o preço final. Acompanhe nas próximas semanas as histórias de produtores e produtos inovadores que estão a surgir e a evolução dos distinguidos no Prémio Intermarché Produção Nacional 2014, que este ano volta a ser um projeto do Expresso e da SIC Notícias.

  • A 'Estória d'um Cogumelo' que nasceu num campo de ténis

    Um arquiteto de Vila Nova de Famalicão estava desempregado quando iniciou a produção do shiitake no court da casa dos pais. E resultou num negócio familiar rentável . Conheça a “Estória d' um cogumelo”. Acompanhe nas próximas semanas as histórias de produtores e produtos inovadores que estão a surgir e a evolução dos distinguidos no Prémio Intermarché Produção Nacional 2014, que este ano volta a ser um projeto do Expresso e da SIC Notícias.

  • A planta que é uma alternativa ao sal: antes era uma praga, agora é uma erva gourmet

    Há um investimento na Ilha dos Puxadoiros, na laguna de Aveiro, para o cultivo de uma erva gourmet. Fresca, em conserva ou em pó. A Universidade de Aveiro já estuda outras potencialidades. Acompanhe nas próximas semanas as histórias de produtores e produtos inovadores que estão a surgir e a evolução dos distinguidos no Prémio Intermarché Produção Nacional 2014, que este ano volta a ser um projeto do Expresso e da SIC Notícias.

  • Três universitários inovam nos Açores com produtos de consumo fácil

    João Monteiro, Emanuel Barcelos e Andreia Marques, dois açorianos e uma madeirense na casa dos 30, que se conheceram na universidade, ergueram um projeto hortofrutícola que dá que falar. Ousaram agitar a tradicional produção agrícola nos Açores.  Acompanhe nas próximas semanas as histórias de produtores e produtos inovadores que estão a surgir e a evolução dos distinguidos no Prémio Intermarché Produção Nacional 2014, que este ano volta a ser um projeto do Expresso e da SIC Notícias

  • A fruta feia e com toques que se transforma num puré digno de prémio

    Dar outra vida à fruta 'património' e reduzir os desperdícios dos produtos frescos. É a proposta da Cooperfrutas de Alcobaça, dedicada à produção de pêras, maçãs, ameixas e pêssegos. Ganhou o Prémio Intermarché Produção Nacional de 2014, na categoria Frutas e Preparados de Frutas.

  • Já tinha ouvido falar em arroz para bebés? Existe. É português e único

    Em plena lezíria ribatejana cresce um arroz singular no país. Dá pelo nome de baby rice e destina-se à alimentação infantil. O segredo começa na produção e termina na embalagem de atmosfera controlada. Já quebrou fronteiras e está de olho na China. Por cá, tem passado despercebido. A partir desta segunda-feira e durante as próximas semanas acompanhe, no site e no Expresso Diário as histórias dos produtores de quem se fala e os produtos mais inovadores que estão a surgir. Saiba também a evolução de alguns projetos distinguidos em 2014 no Prémio Intermarché Produção Nacional