Siga-nos

Perfil

Expresso

Prémio Produção Nacional 2015

Era investigadora na Torre do Tombo. Agora faz caviar de caracol

  • 333

Ana Ferreira tem canudo. Licenciou-se em História

Ana e Daniel mudaram a vida profissional para a helicicultura e rumaram a Alenquer. Tiveram de recomeçar do zero ao fim de dez meses de projeto. Levantaram-se, tiveram novos percalços, mas mantêm-se e a crescer. Acompanhe nas próximas semanas as histórias de produtores e produtos inovadores que estão a surgir e a evolução dos distinguidos no Prémio Intermarché Produção Nacional 2014, que este ano volta a ser um projeto do Expresso e da SIC Notícias.

Raquel Pinto

Raquel Pinto

Jornalista

Ana Ferreira e Daniel Oliveira são um casal. Ela era investigadora e analisava documentos na Torre do Tombo, o maior arquivo nacional com mais de 600 anos. Licenciada em História, a instabilidade dos recibos verdes que vislumbrava como futuro, fizeram-na abrir outro leque de opções, aos 23 anos, juntamente com o atual companheiro. Ele, na altura com 27, engenheiro alimentar, também não estava satisfeito com os desafios profissionais e contratos a prazo e iniciaram uma odisseia em março de 2009. De Lisboa a Alenquer. Para a helicicultura. Que é como quem diz... criar caracóis para fins comerciais.

Começaram de raiz. Encontraram um terreno e foram à banca pedir financiamento, numa altura em que os apoios comunitários estavam fechados. Só mais tarde se candidataram ao PRODER.

Três hectares com uma área de produção de 7000 metros de estufas. Além da rentabilidade, conseguem ter maior controlo do que se fosse ao ar livre . A ActiveGarden é um dos  maiores produtores.

Três anos a viver em Lisboa, com 50 quilómetros diários pela frente, dez a 14 horas diárias de trabalho, para levar a diante um negócio próprio. O desgate fê-los mudar para Torres Vedras. Ficam agora a menos de 18 quilómetros.

Ana destaca o clima mais ameno da região Oeste como propício ao desenvolvimento deste tipo de produção. Além disso, ter familiares nesta zona era uma vantagem. Porém, as intempéries tem sido um calcanhar de aquiles. Os percalços começaram dez meses após o início da atividade. Um temporal em Dezembro de 2009 arrasou com a exploração. Perderam tudo. Mesmo tudo. Voltaram à estaca zero.

Sobreviveram a uma segunda tempestade de vento em janeiro de 2013, com menos área afetada. Voltaram a reconstruir. E como se não bastasse, mais tarde, foram atingidos também por um incêndio. "Não tem sido fácil", desabafa. Dos obstáculos fizeram desafios. E a luta diária deu frutos. Cresceram e hoje conseguem manter dois funcionários. "Vendemos para revendedores e não temos problemas em escoar os produtos".


Animais hermafroditas
Controlam todo o processo, desde a produção à transformação e ainda dão formações e consultadoria. E de que produtos falamos? "Criamos os caracóis bebés (alevins) de Helix aspersa maxima, que vão para as estufas crescer, depois apanhamo-los. Uma parte vendemos e a outra voltamos a usar como reprodutores".

Estes animais são hermafroditas, ou seja, machos e fêmeas ao mesmo tempo. A repodução é feita numa sala fechada em armazém, com temperatura controlada. Entre o dia que copulam até largarem os ovos demoram 15 a 20 dias. São precisos mais 20 a 25 para que nasçam os bebés. A maior parte dos caracóis morre durante a desova, mas não se trata de um desperdício relevante, salienta Ana Ferreira, "tendo em conta que um deu origem entre 100 a 150 ovos".

Desenharam a sua fórmula de farinha para a engorda dos caracóis e vendem-na. Além da ração, os caracóis também se alimentam de ervas. Inovaram com a transformação. O primeiro produto foi o caviar de caracol, que tem tido resultado em variadas experiências na cozinha de autor. 

Um quilo para revenda pode custar até 900 euros. Frascos de 30 gramas custam 50 euros para o público. Só funcionam com encomendas de forma a garantir a máxima frescura do produto, com um prazo de validade até quatro meses. Inovaram também com edições limitadas de caviar com vinho do porto e vinho da madeira. Na panóplia, caracol recheado com ervas aromáticas e manteiga (à francesa), miolo de caracol ultracongelado e patés.

Ana Ferreira admite ter na manga outros subprodutos, mas recusa divulgá-los, porque o segredo é a alma do negócio. Um negócio que exporta seis toneladas para Espanha. E porque a imaginação não tem limites para esta iguaria, que se adora ou odeia, a Active Garden dá duas sugestões:

CARACOL À BRÁS
Ingredientes

- Azeite
- Alho, cebola e louro
- Batata palha
- Ovos
- Miolo de caracol
- Sal e pimenta
- Salsa e coentros

Confeção

Fazer refugado com azeite, alho, cebola e louro. Deixar apurar e juntar o miolo de caracol. Deixar apurar mais um pouco. Juntar as batatas, envolver bem e juntar os ovos já mexidos. Juntar sal e pimenta a gosto. Decorar com salsa e coentros e servir.

OU...

ARROZ DE CARACOL
Ingredientes

- Arroz
- Alho, cebola e azeite 
- Tomate aos pedaços e em polpa
- Louro, coentros
- Chouriço e bacon
- Miolo de caracol

Confeção

Fazer um refugado do azeite, alho e cebola. Deixar apurar um pouco e juntar o bacon, chouriço, louro e tomate. Deixar apurar mais um pouco e juntar o arroz e água. Deixar cozer durante cerca de 7 minutos e juntar o miolo de caracol. Deixar o arroz acabar de cozer, juntar sal e picante a gosto, os coentros e servir. 

Clique em baixo para se candidatar até 30 de junho à 2.ª edição do Prémio Intermarché Produção Nacional

  • Os nove e a uva Frutalmente sem grainha

    Mário Rodrigues é o mentor da organização que agrega nove produtores, com idades entre os 30 e os 70 anos. Diferentes visões e formações que se traduzem em resultados. Acompanhe nas próximas semanas as histórias de produtores e produtos inovadores que estão a surgir e a evolução dos distinguidos no Prémio Intermarché Produção Nacional 2014, que este ano volta a ser um projeto do Expresso e da SIC Notícias.

  • O pai queria que Luís fosse engenheiro. Ele cumpriu e ingressou no clube dos que vivem da terra

    Luís Sabbo gosta do que faz e não quer deixar cair o que o pai construiu. Vai a Espanha aprender com os melhores para fazer crescer uma das maiores produções de dióspiro em Portugal e inovar na diversidade com culturas ainda pouco expressivas, como é o caso da romã. É assim desde os 22 anos. Acompanhe nas próximas semanas as histórias de produtores e produtos inovadores que estão a surgir e a evolução dos distinguidos no Prémio Intermarché Produção Nacional 2014, que este ano volta a ser um projeto do Expresso e da SIC Notícias.

  • Gestora muda de vida, instala-se no Alentejo e dedica-se aos figos da índia

    Teresa Laranjeiro foi à procura de um sonho e descobriu uma cultura à primeira vista sem interesse e desconhecida - já se imaginou a pedir um gaspacho de figo da índia? - mas que acredita ter "potencial". O ano passado lançou o desafio para se associarem em cooperativa: 75 produtores disseram "sim".  Nas próximas semanas acompanhe, no site e no Expresso Diário, mais histórias dos produtores de quem se fala e os produtos mais inovadores que estão a surgir. Saiba também a evolução de alguns projetos distinguidos em 2014 no Prémio Intermarché Produção Nacional.

  • O azeite de Abrantes que ganha prémios no mundo inteiro

    Aliam a tecnologia aos métodos tradicionais e já ensinam na Austrália, Perú e Chile.  O azeite de excelência da SAOV traduz-se nas dezenas de prémios no país e no estrangeiro. A mais recente distinção foram duas medalhas de ouro na Feira Nacional de Agricultura. Acompanhe nas próximas semanas as histórias de produtores e produtos inovadores que estão a surgir e a evolução dos distinguidos no Prémio Intermarché Produção Nacional 2014, que este ano volta a ser um projeto do Expresso e da SIC Notícias.

  • Potencial de batata-doce portuguesa descoberto por alemães

    Tudo começou com a compra da quinta Montes de Cima, em São Teotónio, Odemira. Havia exploração agrícola, mas curiosamente não se produzia batata-doce. Uma empresa alemã apostou com tecnologia no potencial do produto 'tosco' e levou-o para outros mercados na Europa.  Acompanhe nas próximas semanas as histórias de produtores e produtos inovadores que estão a surgir e a evolução dos distinguidos no Prémio Intermarché Produção Nacional 2014, que este ano volta a ser um projeto do Expresso e da SIC Notícias. 

  • Sérgio Baltazar trabalha 15 horas por dia. Triplicou a produção de leite na exploração do pai

    Recebeu um prémio por ser jovem agricultor e dinamizou a exploração de vacas leiteiras em Sousel, num sector em que o problema não passa por escoar o produto mas a balança entre o custo de produção e o preço final. Acompanhe nas próximas semanas as histórias de produtores e produtos inovadores que estão a surgir e a evolução dos distinguidos no Prémio Intermarché Produção Nacional 2014, que este ano volta a ser um projeto do Expresso e da SIC Notícias.

  • A 'Estória d'um Cogumelo' que nasceu num campo de ténis

    Um arquiteto de Vila Nova de Famalicão estava desempregado quando iniciou a produção do shiitake no court da casa dos pais. E resultou num negócio familiar rentável . Conheça a “Estória d' um cogumelo”. Acompanhe nas próximas semanas as histórias de produtores e produtos inovadores que estão a surgir e a evolução dos distinguidos no Prémio Intermarché Produção Nacional 2014, que este ano volta a ser um projeto do Expresso e da SIC Notícias.

  • A planta que é uma alternativa ao sal: antes era uma praga, agora é uma erva gourmet

    Há um investimento na Ilha dos Puxadoiros, na laguna de Aveiro, para o cultivo de uma erva gourmet. Fresca, em conserva ou em pó. A Universidade de Aveiro já estuda outras potencialidades. Acompanhe nas próximas semanas as histórias de produtores e produtos inovadores que estão a surgir e a evolução dos distinguidos no Prémio Intermarché Produção Nacional 2014, que este ano volta a ser um projeto do Expresso e da SIC Notícias.

  • Três universitários inovam nos Açores com produtos de consumo fácil

    João Monteiro, Emanuel Barcelos e Andreia Marques, dois açorianos e uma madeirense na casa dos 30, que se conheceram na universidade, ergueram um projeto hortofrutícola que dá que falar. Ousaram agitar a tradicional produção agrícola nos Açores.  Acompanhe nas próximas semanas as histórias de produtores e produtos inovadores que estão a surgir e a evolução dos distinguidos no Prémio Intermarché Produção Nacional 2014, que este ano volta a ser um projeto do Expresso e da SIC Notícias

  • A fruta feia e com toques que se transforma num puré digno de prémio

    Dar outra vida à fruta 'património' e reduzir os desperdícios dos produtos frescos. É a proposta da Cooperfrutas de Alcobaça, dedicada à produção de pêras, maçãs, ameixas e pêssegos. Ganhou o Prémio Intermarché Produção Nacional de 2014, na categoria Frutas e Preparados de Frutas.

  • Já tinha ouvido falar em arroz para bebés? Existe. É português e único

    Em plena lezíria ribatejana cresce um arroz singular no país. Dá pelo nome de baby rice e destina-se à alimentação infantil. O segredo começa na produção e termina na embalagem de atmosfera controlada. Já quebrou fronteiras e está de olho na China. Por cá, tem passado despercebido. A partir desta segunda-feira e durante as próximas semanas acompanhe, no site e no Expresso Diário as histórias dos produtores de quem se fala e os produtos mais inovadores que estão a surgir. Saiba também a evolução de alguns projetos distinguidos em 2014 no Prémio Intermarché Produção Nacional