Siga-nos

Perfil

Expresso

Prémio Produção Nacional 2015

O pai queria que Luís fosse engenheiro. Ele cumpriu e ingressou no clube dos que vivem da terra

  • 333

Começaram com 11 hectares e sete funcionários. Hoje são um dos maiores produtores de dióspiros do país

Luís Sabbo gosta do que faz e não quer deixar cair o que o pai construiu. Vai a Espanha aprender com os melhores para fazer crescer uma das maiores produções de dióspiro em Portugal e inovar na diversidade com culturas ainda pouco expressivas, como é o caso da romã. É assim desde os 22 anos. Acompanhe nas próximas semanas as histórias de produtores e produtos inovadores que estão a surgir e a evolução dos distinguidos no Prémio Intermarché Produção Nacional 2014, que este ano volta a ser um projeto do Expresso e da SIC Notícias.

Raquel Pinto

Raquel Pinto

Jornalista

Pensava ir para fora, um ou dois anos, ganhar experiência para regressar mais tarde à exploração do pai, pioneira na produção de dióspiros em Tavira, Algarve, há mais de duas décadas. Só que a morte prematura do pai obrigou Luís Sabbo a trocar os planos de vida aos 22 anos. Estava a acabar o curso de Agronomia na Universidade do Algarve quando teve de assumir o comando do negócio de família.

Hoje, com 30 anos, licenciado em engenharia, olha para trás e reconhece que o percurso não foi fácil.  “Foi passar de uma responsabilidade nula que tinha na vida para, de um dia para o outro, ser total”, descreve. A chegada ao mundo agrícola foi ainda mais dura. Era “descredibilizado" todos os dias pelos mais velhos: "Ninguém acredita em nós". O trabalho e o esforço resumem os resultados que obtém com o apoio fundamental da mãe, da irmã e da namorada. 

Sabia que queria trabalhar no campo. Isso era ponto assente. Mas foi “quase obrigado” pelo pai a tirar um curso superior. “Eu queria era trabalhar com o meu pai. Recordo-me de, ainda no primeiro ano da universidade, ligar-lhe a dizer que queria desistir. O meu pai saiu do trabalho e foi ter comigo para conversarmos. E disse-me: "Tem calma, tens a vida toda para trabalhar. Tens que estudar porque eu não preciso de ti para um trator. Preciso de ti como engenheiro'”.

Aprender só no estrangeiro

Com a ideia clara de que era preciso domínio de outras ferramentas, estava empenhado em prosseguir os estudos nas melhores escolas agrícolas lá fora e, eventualmente, trabalhar em empresas agrícolas, para ganhar experiência e depois trazer mais-valias. Só que a perda do pai alterou-lhe o rumo. Ainda assim, não dispensa idas ao estrangeiro quatro a cinco vezes por ano, para formar-se, em feiras, congressos e fazer contactos.

Espanha tem sido um viveiro. “Aqui pouco ou nada se aprende em termos agrícolas”, diz perentório. Para quem quer trabalhar com um produto diferente do que aquele que está implementado em Portugal  a alternativa é “ou vai para fora ou vai para fora”. Já o pai o fazia. Luis tentou ir de encontro a essa máxima. “Estão muito mais à frente que nós", afiança. E dá como exemplo o Instituto Valenciano de Investigação Agrária (IVIA) que possui oito departamentos a trabalhar em exclusivo no dióspiro, desde a fertilização às pragas, as podas, a pós-colheita, as variedades”. Na opinião de Luís Sabbo, Portugal peca pela falta de investigação para os agricultores. O principal obstáculo enquanto jovem agricultor é a “falta de informação disponível para as culturas com que se trabalha”.

A produção ocupa agora 54 hectares, 25 dos quais destinados apenas à cultura do dióspiro Roxo Brilhante

A produção ocupa agora 54 hectares, 25 dos quais destinados apenas à cultura do dióspiro Roxo Brilhante

Testam outras culturas quatro anos antes de investir

A produção da Luís Sabbo – Frutas do Algarve desenvolve-se em 54 hectares, 25 dos quais exclusivos a dióspiros. Tem 11 trabalhadores fixos. Começaram com 11 hectares e sete funcionários. São um dos maiores produtores de dióspiros mas resolveram diversificar a produção para prolongarem a sazonalidade. Romãs, abacates, figos, lima, limões e damascos. Mas não querem dar um passo maior que a perna. O investimento só se faz “depois de testes de três ou quatro anos de determinada cultura”. É preciso ver se funcionam.

Plantam ainda abóboras, como cultura intermédia, para que a terra não esteja parada e possa servir de mealheiro a investimentos principais. A produção destina-se ao consumo interno, uma parte dirigida à grande distribuição, mercados abastecedores de Lisboa, Coimbra e Porto. A outra é vendida a produtores que depois a exportam. Exportação direta só é feita a um cliente francês.

Luís acredita que escolheu as pessoas certas. “Consegui formar uma equipa de trabalho competente. Rodeei-me de consultores que me apoiaram bastante e de professores da universidade. Estou a conseguir”, diz o jovem agricultor que até agora não precisou de recorrer à banca, beneficiando dos apoios comunitários nos vários projetos que já apresentou. Luis Sabbo lembra: “Ser agricultor não é a imagem do velhote de boné que vai com a enxada resolver as coisas. É preciso estudar a atividade todos os dias.

A razão do seu sucesso: “Gostar muito disto e querer levar para a frente o que o meu pai fez”.

Clique em baixo para se candidatar até 30 de junho à 2.ª edição do Prémio Intermarché Produção Nacional



  • Gestora muda de vida, instala-se no Alentejo e dedica-se aos figos da índia

    Teresa Laranjeiro foi à procura de um sonho e descobriu uma cultura à primeira vista sem interesse e desconhecida - já se imaginou a pedir um gaspacho de figo da índia? - mas que acredita ter "potencial". O ano passado lançou o desafio para se associarem em cooperativa: 75 produtores disseram "sim".  Nas próximas semanas acompanhe, no site e no Expresso Diário, mais histórias dos produtores de quem se fala e os produtos mais inovadores que estão a surgir. Saiba também a evolução de alguns projetos distinguidos em 2014 no Prémio Intermarché Produção Nacional.

  • O azeite de Abrantes que ganha prémios no mundo inteiro

    Aliam a tecnologia aos métodos tradicionais e já ensinam na Austrália, Perú e Chile.  O azeite de excelência da SAOV traduz-se nas dezenas de prémios no país e no estrangeiro. A mais recente distinção foram duas medalhas de ouro na Feira Nacional de Agricultura. Acompanhe nas próximas semanas as histórias de produtores e produtos inovadores que estão a surgir e a evolução dos distinguidos no Prémio Intermarché Produção Nacional 2014, que este ano volta a ser um projeto do Expresso e da SIC Notícias.

  • Potencial de batata-doce portuguesa descoberto por alemães

    Tudo começou com a compra da quinta Montes de Cima, em São Teotónio, Odemira. Havia exploração agrícola, mas curiosamente não se produzia batata-doce. Uma empresa alemã apostou com tecnologia no potencial do produto 'tosco' e levou-o para outros mercados na Europa.  Acompanhe nas próximas semanas as histórias de produtores e produtos inovadores que estão a surgir e a evolução dos distinguidos no Prémio Intermarché Produção Nacional 2014, que este ano volta a ser um projeto do Expresso e da SIC Notícias. 

  • Sérgio Baltazar trabalha 15 horas por dia. Triplicou a produção de leite na exploração do pai

    Recebeu um prémio por ser jovem agricultor e dinamizou a exploração de vacas leiteiras em Sousel, num sector em que o problema não passa por escoar o produto mas a balança entre o custo de produção e o preço final. Acompanhe nas próximas semanas as histórias de produtores e produtos inovadores que estão a surgir e a evolução dos distinguidos no Prémio Intermarché Produção Nacional 2014, que este ano volta a ser um projeto do Expresso e da SIC Notícias.

  • A 'Estória d'um Cogumelo' que nasceu num campo de ténis

    Um arquiteto de Vila Nova de Famalicão estava desempregado quando iniciou a produção do shiitake no court da casa dos pais. E resultou num negócio familiar rentável . Conheça a “Estória d' um cogumelo”. Acompanhe nas próximas semanas as histórias de produtores e produtos inovadores que estão a surgir e a evolução dos distinguidos no Prémio Intermarché Produção Nacional 2014, que este ano volta a ser um projeto do Expresso e da SIC Notícias.

  • A planta que é uma alternativa ao sal: antes era uma praga, agora é uma erva gourmet

    Há um investimento na Ilha dos Puxadoiros, na laguna de Aveiro, para o cultivo de uma erva gourmet. Fresca, em conserva ou em pó. A Universidade de Aveiro já estuda outras potencialidades. Acompanhe nas próximas semanas as histórias de produtores e produtos inovadores que estão a surgir e a evolução dos distinguidos no Prémio Intermarché Produção Nacional 2014, que este ano volta a ser um projeto do Expresso e da SIC Notícias.

  • Três universitários inovam nos Açores com produtos de consumo fácil

    João Monteiro, Emanuel Barcelos e Andreia Marques, dois açorianos e uma madeirense na casa dos 30, que se conheceram na universidade, ergueram um projeto hortofrutícola que dá que falar. Ousaram agitar a tradicional produção agrícola nos Açores.  Acompanhe nas próximas semanas as histórias de produtores e produtos inovadores que estão a surgir e a evolução dos distinguidos no Prémio Intermarché Produção Nacional 2014, que este ano volta a ser um projeto do Expresso e da SIC Notícias

  • A fruta feia e com toques que se transforma num puré digno de prémio

    Dar outra vida à fruta 'património' e reduzir os desperdícios dos produtos frescos. É a proposta da Cooperfrutas de Alcobaça, dedicada à produção de pêras, maçãs, ameixas e pêssegos. Ganhou o Prémio Intermarché Produção Nacional de 2014, na categoria Frutas e Preparados de Frutas.

  • Já tinha ouvido falar em arroz para bebés? Existe. É português e único

    Em plena lezíria ribatejana cresce um arroz singular no país. Dá pelo nome de baby rice e destina-se à alimentação infantil. O segredo começa na produção e termina na embalagem de atmosfera controlada. Já quebrou fronteiras e está de olho na China. Por cá, tem passado despercebido. A partir desta segunda-feira e durante as próximas semanas acompanhe, no site e no Expresso Diário as histórias dos produtores de quem se fala e os produtos mais inovadores que estão a surgir. Saiba também a evolução de alguns projetos distinguidos em 2014 no Prémio Intermarché Produção Nacional