Siga-nos

Perfil

Expresso

Prémio Produção Nacional 2015

Potencial de batata-doce portuguesa descoberto por alemães

  • 333

A Atlantic Sun Farms tem 12 trabalhadores fixos. Nos picos - plantação e colheita - são 30 a 40 pessoas. A batata-doce é colhida entre setembro e outubro

Tudo começou com a compra da quinta Montes de Cima, em São Teotónio, Odemira. Havia exploração agrícola, mas curiosamente não se produzia batata-doce. Uma empresa alemã apostou com tecnologia no potencial do produto 'tosco' e levou-o para outros mercados na Europa.  Acompanhe nas próximas semanas as histórias de produtores e produtos inovadores que estão a surgir e a evolução dos distinguidos no Prémio Intermarché Produção Nacional 2014, que este ano volta a ser um projeto do Expresso e da SIC Notícias. 

Raquel Pinto

Raquel Pinto

Jornalista

Ipomea batatas L, nome científico atribuído à planta herbácea de raízes tuberosas vulgarmente designada por batata-doce. Originária da América do Sul, conhecem-lhes muitas variedades e as polpas diferenciam-se na cor. Há brancas, amarelas, laranjas e roxas. Do valor nutricional que lhe surge associado, destaque-se o baixo índice glicémico. A grande produção em Portugal concentra-se na zona do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina, graças ao clima moderado, solos arenosos, localização perto do mar, e, onde, as geadas são menos frequentes. Inserida na região, a empresa portuguesa Atlantic Sun Farms iniciou um projeto inovador em 2012 dedicando-se em exclusivo ao seu cultivo.

A Atlantic Sun Farms, maior produtora do país, com 100 hectares e 2500 toneladas por ano, é dirigida pelo parceiro alemão Fritz Marshall, depois do produto tradicional desta região ter captado a atenção para um investimento estrangeiro diferenciador. A Fritz, primeiro adquiriu a quinta Montes de Cima, em São Teotónio, Odemira, à qual se juntariam depois a Quinta da Azenha e a do Monte Paris. Depois, trouxe a modernização. 

No último ano foram produzidas nove variedades de batata-doce, cinco das quais destinadas aos mercados alemão e holandês

No último ano foram produzidas nove variedades de batata-doce, cinco das quais destinadas aos mercados alemão e holandês

“Queremos ser muito bons a produzir, a vender, a prestar o serviço completo de produção e comercialização”, destaca Margarida Carvalho, gestora de vendas e marketing da Atlantic Sun Farms. Ao "saber fazer” português, juntou-se a tecnologia do parceiro alemão. A parte que facilita o trabalho e o torna mais eficiente. Com máquinas desenhadas à medida, afinam o cultivo, a produção e a colheita, sendo esta de particular relevância no manuseamento de um produto com uma casca tão sensível.

A estratégia delineada associa-se à forte procura de mercados não produtores, como a Alemanha e Holanda, onde o consumo de batata-doce está em grande crescimento, e às potencialidades de um mercado abastecedor mais perto que os EUA. “Os produtos portugueses têm uma boa imagem na Alemanha. São associados a qualidade”, destaca Margarida Carvalho. A batata-doce nacional segue na sua esmagadora maioria para exportação e já é introduzida no Reino Unido e Bélgica. Captar o norte da Europa está sem dúvida no horizonte. 

Por serem membros da Associação Nacional de Produtores de Batata Doce de Aljezur têm o selo europeu IGP (Indicação Geográfica Protegida) para a Lira, certificação da variedade que é produzida apenas naquela zona. A restante produção da Atlantic Sun Farms possui certificação internacional GlobalGAP, de boas práticas agrícolas, e uma garantia adicional denominada GRASP que atesta as boas práticas sociais. Qualidade para o produto e para quem trabalha a terra.

O projeto da batata-doce foi um dos vencedores do Prémio Intermarché Produção Nacional de 2014. Apostados em “ter batata até à colheita seguinte”, lançaram-se este ano num novo investimento: viveiros em estufas para produzirem plantas isentas de vírus. Alargaram os armazéns e as condições de armazenamento, introduzindo mais câmaras de ambiente controlado entre 12 e 14 graus, assegurando uma maior durabilidade e qualidade do produto. Não existe nenhuma lavagem nem embalamento antes de haver uma encomenda. Vão ainda aumentar a área de produção para assegurar o fornecimento ao mercado ao longo de todo o ano.


Clique em baixo para se candidatar até 30 de junho à 2.ª edição do Prémio Intermarché Produção Nacional




  • Sérgio Baltazar trabalha 15 horas por dia. Triplicou a produção de leite na exploração do pai

    Recebeu um prémio por ser jovem agricultor e dinamizou a exploração de vacas leiteiras em Sousel, num sector em que o problema não passa por escoar o produto mas a balança entre o custo de produção e o preço final. Acompanhe nas próximas semanas as histórias de produtores e produtos inovadores que estão a surgir e a evolução dos distinguidos no Prémio Intermarché Produção Nacional 2014, que este ano volta a ser um projeto do Expresso e da SIC Notícias.

  • A 'Estória d'um Cogumelo' que nasceu num campo de ténis

    Um arquiteto de Vila Nova de Famalicão estava desempregado quando iniciou a produção do shiitake no court da casa dos pais. E resultou num negócio familiar rentável . Conheça a “Estória d' um cogumelo”. Acompanhe nas próximas semanas as histórias de produtores e produtos inovadores que estão a surgir e a evolução dos distinguidos no Prémio Intermarché Produção Nacional 2014, que este ano volta a ser um projeto do Expresso e da SIC Notícias.

  • A planta que é uma alternativa ao sal: antes era uma praga, agora é uma erva gourmet

    Há um investimento na Ilha dos Puxadoiros, na laguna de Aveiro, para o cultivo de uma erva gourmet. Fresca, em conserva ou em pó. A Universidade de Aveiro já estuda outras potencialidades. Acompanhe nas próximas semanas as histórias de produtores e produtos inovadores que estão a surgir e a evolução dos distinguidos no Prémio Intermarché Produção Nacional 2014, que este ano volta a ser um projeto do Expresso e da SIC Notícias.

  • Três universitários inovam nos Açores com produtos de consumo fácil

    João Monteiro, Emanuel Barcelos e Andreia Marques, dois açorianos e uma madeirense na casa dos 30, que se conheceram na universidade, ergueram um projeto hortofrutícola que dá que falar. Ousaram agitar a tradicional produção agrícola nos Açores.  Acompanhe nas próximas semanas as histórias de produtores e produtos inovadores que estão a surgir e a evolução dos distinguidos no Prémio Intermarché Produção Nacional 2014, que este ano volta a ser um projeto do Expresso e da SIC Notícias

  • A fruta feia e com toques que se transforma num puré digno de prémio

    Dar outra vida à fruta 'património' e reduzir os desperdícios dos produtos frescos. É a proposta da Cooperfrutas de Alcobaça, dedicada à produção de pêras, maçãs, ameixas e pêssegos. Ganhou o Prémio Intermarché Produção Nacional de 2014, na categoria Frutas e Preparados de Frutas.

  • Já tinha ouvido falar em arroz para bebés? Existe. É português e único

    Em plena lezíria ribatejana cresce um arroz singular no país. Dá pelo nome de baby rice e destina-se à alimentação infantil. O segredo começa na produção e termina na embalagem de atmosfera controlada. Já quebrou fronteiras e está de olho na China. Por cá, tem passado despercebido. A partir desta segunda-feira e durante as próximas semanas acompanhe, no site e no Expresso Diário as histórias dos produtores de quem se fala e os produtos mais inovadores que estão a surgir. Saiba também a evolução de alguns projetos distinguidos em 2014 no Prémio Intermarché Produção Nacional