Siga-nos

Perfil

Expresso

Prémio Produção Nacional 2015

Sérgio Baltazar trabalha 15 horas por dia. Triplicou a produção de leite na exploração do pai

  • 333

Esta exploração em Sousel tem cerca de 100 hectares e 150 vacas leiteiras da mesma raça (Frisia)

Recebeu um prémio por ser jovem agricultor e dinamizou a exploração de vacas leiteiras em Sousel, num sector em que o problema não passa por escoar o produto mas a balança entre o custo de produção e o preço final. Acompanhe nas próximas semanas as histórias de produtores e produtos inovadores que estão a surgir e a evolução dos distinguidos no Prémio Intermarché Produção Nacional 2014, que este ano volta a ser um projeto do Expresso e da SIC Notícias.

Raquel Pinto

Raquel Pinto

Jornalista

“Ser agricultor não é menos que ser doutor ou outra profissão qualquer”. É esta a forma categórica como Sérgio Baltazar retrata a sua escolha. Tem 30 anos e trabalhar na terra é “um gosto” para ele. Só assim se encara uma média de 15 horas diárias  na Alecrimrubro que se dedica à exploração de vacas leiteiras no Monte da Rodinha, em Sousel, Portalegre.

Em tenra idade pensou em veterinária. A ligação com os animais, e estes em específico, tem-na desde que se lembra de ser gente. Na adolescência, “já com a cabeça mais assente”, percebeu que o seu modo de vida passaria por “ficar na agricultura”. O “bichinho” já vinha do avô, produtor de leite. O pai herdou o negócio e Baltazar ponderou ainda outra área da agricultura. A vocação falou, no entanto, mais alto e acabaria por dar continuidade aos conhecimentos de família. Concluído o 12.º ano, ali se fixou profissionalmente e assumiu em 2013 as rédeas desta exploração pouco depois de submeter um projeto à Associação dos Jovens Agricultores de Portugal num investimento de 300 mil euros. Obteve um apoio de 60% a fundo perdido e um prémio de 30 mil euros por ser jovem agricultor. Com este dinheiro, tratou logo de investir em modernizar os cerca de 100 hectares.

“Triplicámos o volume de produção mensal. Neste momento, fazemos 80 mil litros, com tendência a subir. Vamos brevemente chegar aos 90/95 mil litros”, diz. A dimensão da área é a mesma, mas antes tinham 70 vacas, hoje são mais do dobro – 150. Com ele, mantém-se o pai, a mãe também ajuda, e mais dois colaboradores.Construíram um estábulo novo, proporcionando maior conforto e qualidade de vida aos animais, e implementaram um sistema de regadio. Passaram a produzir toda a alimentação das vacas leiteiras. Queriam a autosuficiência e conseguiram-na. Fazem ainda produção de animais por inseminação artificial. 

Pai e filho canalizaram parte do prémio de 30 mil euros para assegurarem a própria alimentação dos animais

Pai e filho canalizaram parte do prémio de 30 mil euros para assegurarem a própria alimentação dos animais

Nesta exploração adquirida no final dos anos 80, uma vaca come por dia, em média, 33 quilos de silagem (erva cortada ou milho verde em silos conservados com humidade), 10 quilos de ração e 1,5 quilos de palha. Vivem entre seis a sete anos e produzem ao longo da vida 28 a 30 mil litros. A ordenha é feita duas vezes por dia, todo o ano.

Teme o que aí vem com o fim do regime de quotas leiteiras na União Europeia, sendo este sector em Portugal muito dependente das importações. Mas está determinado, para já, em manter a estratégia seguida até aqui, apesar das dificuldades. Reduzir custos e jogar com o que pode ser mais rentável, como a saúde dos animais.“Uma vez que o sector do leite se encontra péssimo, já que os preços são mais baixos do que há 20 anos e continuam a baixar, tento não mexer no preço final que vendemos, mas antes no preço de custo”.

Sem nenhum problema de escoamento, a situação exige, porém, ginástica financeira. “O custo de uma vaca leiteira ronda quatro a cinco euros por dia e o preço por litro pago aos produtores anda nos 29 cêntimos. No ano passado, nesta altura estava a 37 cêntimos”.

Pensou alguma vez desistir? “Quando as coisas correm mal e de cabeça quente... Mas a teimosia leva-nos longe. Gosto de ver as coisas crescerem, de ver o resultado do meu trabalho". Hoje, mais uma vez, começa cedo, às 07h00. Vai terminar provavelmente entre as 21h30 e as 22h00. É assim desde os 19 anos.


Clique em baixo para se candidatar até 30 de junho à 2.ª edição do Prémio Intermarché Produção Nacional




  • A 'Estória d'um Cogumelo' que nasceu num campo de ténis

    Um arquiteto de Vila Nova de Famalicão estava desempregado quando iniciou a produção do shiitake no court da casa dos pais. E resultou num negócio familiar rentável . Conheça a “Estória d' um cogumelo”. Acompanhe nas próximas semanas as histórias de produtores e produtos inovadores que estão a surgir e a evolução dos distinguidos no Prémio Intermarché Produção Nacional 2014, que este ano volta a ser um projeto do Expresso e da SIC Notícias.

  • A planta que é uma alternativa ao sal: antes era uma praga, agora é uma erva gourmet

    Há um investimento na Ilha dos Puxadoiros, na laguna de Aveiro, para o cultivo de uma erva gourmet. Fresca, em conserva ou em pó. A Universidade de Aveiro já estuda outras potencialidades. Acompanhe nas próximas semanas as histórias de produtores e produtos inovadores que estão a surgir e a evolução dos distinguidos no Prémio Intermarché Produção Nacional 2014, que este ano volta a ser um projeto do Expresso e da SIC Notícias.

  • Três universitários inovam nos Açores com produtos de consumo fácil

    João Monteiro, Emanuel Barcelos e Andreia Marques, dois açorianos e uma madeirense na casa dos 30, que se conheceram na universidade, ergueram um projeto hortofrutícola que dá que falar. Ousaram agitar a tradicional produção agrícola nos Açores.  Acompanhe nas próximas semanas as histórias de produtores e produtos inovadores que estão a surgir e a evolução dos distinguidos no Prémio Intermarché Produção Nacional 2014, que este ano volta a ser um projeto do Expresso e da SIC Notícias

  • A fruta feia e com toques que se transforma num puré digno de prémio

    Dar outra vida à fruta 'património' e reduzir os desperdícios dos produtos frescos. É a proposta da Cooperfrutas de Alcobaça, dedicada à produção de pêras, maçãs, ameixas e pêssegos. Ganhou o Prémio Intermarché Produção Nacional de 2014, na categoria Frutas e Preparados de Frutas.

  • Já tinha ouvido falar em arroz para bebés? Existe. É português e único

    Em plena lezíria ribatejana cresce um arroz singular no país. Dá pelo nome de baby rice e destina-se à alimentação infantil. O segredo começa na produção e termina na embalagem de atmosfera controlada. Já quebrou fronteiras e está de olho na China. Por cá, tem passado despercebido. A partir desta segunda-feira e durante as próximas semanas acompanhe, no site e no Expresso Diário as histórias dos produtores de quem se fala e os produtos mais inovadores que estão a surgir. Saiba também a evolução de alguns projetos distinguidos em 2014 no Prémio Intermarché Produção Nacional