Siga-nos

Perfil

Expresso

Prémio Produção Nacional 2015

Três universitários inovam nos Açores com produtos de consumo fácil

  • 333

João Monteiro, Emanuel Barcelos e Andreia Marques, dois açorianos e uma madeirense na casa dos 30, que se conheceram na universidade, ergueram um projeto hortofrutícola que dá que falar. Ousaram agitar a tradicional produção agrícola nos Açores.  Acompanhe nas próximas semanas as histórias de produtores e produtos inovadores que estão a surgir e a evolução dos distinguidos no Prémio Intermarché Produção Nacional 2014, que este ano volta a ser um projeto do Expresso e da SIC Notícias

Raquel Pinto

Raquel Pinto

Jornalista

Da teoria à prática. Demoraram sete meses a construir uma exploração agrícola na freguesia do Rosário, em São Miguel, Açores. À primeira vista pode parecer simples. Mas esta história está longe disso. Fez-se da necessidade de encontrar um rendimento. Da vontade de três universitários não se limitarem à investigação e colocarem literalmente as mãos na terra. Queriam quebrar o modo tradicional de produção nos Açores. 

Se dizem que a sorte também se procura, neste caso é sinónimo de "acreditar, persistência, teimosia e uma dose de loucura", brinca João Monteiro, natural de São Miguel, que ergueu a Easy Fruits & Salads, com os dois amigos. São jovens, agricultores, sócios de um projeto sustentável para levar produtos regionais de excelência à mesa dos açorianos. 

Começaram a  matutar no assunto em 2008. E o assunto era: produzir hortofrutícolas regionais e ter indústria de quarta gama (produtos lavados, embalados e prontos a consumir ou confecionar). Seguiu-se uma exaustiva tarefa de prospeção de mercado, a maioria junto de grandes superfícies e distribuidores. A oferta destes produtos era residual e toda importada, mas havia um crescente interesse dos consumidores.

Lançaram-se aos apoios comunitários através do Programa de Desenvolvimento Rural da Região Autónoma dos Açores (PRORURAL). Desempregados, sem capitais ou conhecimentos empresariais, enfrentaram dificuldades até obterem um pequeno financiamento bancário, exigência do programa. Em março de 2012 arrancaram com a construção da exploração e ao fim de sete meses estava concluída a obra. 

1 / 10

2 / 10

3 / 10

4 / 10

5 / 10

6 / 10

7 / 10

8 / 10

9 / 10

10 / 10

São 16 estufas em 1,5 hectares, à qual se uniram mais 7000 metros quadrados para produção ao ar livre. Todos os dias há colheitas. Ao fim de quase três anos, em junho, vão chegar os equipamentos para iniciar a indústria de quarta gama. Mas durante todo este tempo não baixaram os braços à espera. Queriam rentabilizar desde logo o negócio e optaram pela matéria prima de primeira gama (produtos frescos) com uma diferença. Em vez de irem a granel, embalaram os produtos para associar à marca. Apostaram em variedades com caraterísticas distintas daquelas a que o mercado açoriano estava habituado. Tiveram muita aceitação, por exemplo, com as alfaces multifolhas, primeiro produto que lançaram para o mercado, ou os pimentos amarelos ou laranjas, produzidos esporadicamente na região.

A sustentabilidade é uma das suas marcas. Usam um sistema integrado de produção, através do uso racional de recursos hídricos, através da captação e armazenamento da água da chuva para rega. Fazem análises periódicas aos solos para fertilizações equilibradas. E até uma alfaia agrícola construíram de raiz.


1 / 4

2 / 4

3 / 4

4 / 4

Os produtos já são vendidos na Terceira, Faial e Santa Maria. A distribuição pode levá-los ao continente e já há contactos nesse sentido. Cientes de que não têm capacidade para consumo de massas, preferem falar em nichos, como mercados gourmet. Até porque todo o trabalho de bastidores é também assegurado por eles nas "horas vagas". Não têm fins de semana: pensam na estratégia, no marketing, desenham e produzem.


Clique em baixo para se candidatar até 30 de junho à 2.ª edição do Prémio Intermarché Produção Nacional







  • A fruta feia e com toques que se transforma num puré digno de prémio

    Dar outra vida à fruta 'património' e reduzir os desperdícios dos produtos frescos. É a proposta da Cooperfrutas de Alcobaça, dedicada à produção de pêras, maçãs, ameixas e pêssegos. Ganhou o Prémio Intermarché Produção Nacional de 2014, na categoria Frutas e Preparados de Frutas.

  • Já tinha ouvido falar em arroz para bebés? Existe. É português e único

    Em plena lezíria ribatejana cresce um arroz singular no país. Dá pelo nome de baby rice e destina-se à alimentação infantil. O segredo começa na produção e termina na embalagem de atmosfera controlada. Já quebrou fronteiras e está de olho na China. Por cá, tem passado despercebido. A partir desta segunda-feira e durante as próximas semanas acompanhe, no site e no Expresso Diário as histórias dos produtores de quem se fala e os produtos mais inovadores que estão a surgir. Saiba também a evolução de alguns projetos distinguidos em 2014 no Prémio Intermarché Produção Nacional