Siga-nos

Perfil

Expresso

Prémio Produção Nacional 2015

A fruta feia e com toques que se transforma num puré digno de prémio

  • 333

Dar outra vida à fruta 'património' e reduzir os desperdícios dos produtos frescos. É a proposta da Cooperfrutas de Alcobaça, dedicada à produção de pêras, maçãs, ameixas e pêssegos. Ganhou o Prémio Intermarché Produção Nacional de 2014, na categoria Frutas e Preparados de Frutas.

Raquel Pinto

Raquel Pinto

Jornalista

No princípio, existiam três sabores disponíveis: maçã de Alcobaça, pêra rocha e a combinação maçã/pêra. A ideia era "adicionar valor aos recursos existentes" - como nos explica João Pereira Silva, responsável pelo Departamento de Gestão da Cooperfrutas - “diminuir o desperdício da fruta fresca sem interesse comercial, feia e com pequenos toques", além de fazer escoar a produção dos associados, valorizando produtos tradicionais e de qualidade como a Maçã de Alcobaça (IGP) e Pêra Rocha do Oeste (DOP), com certificação europeia.

A ideia era simples mas a imaginação das pessoas deu-lhe asas e, desde do lançamento, os produtores têm sido surpreendidos. Cada um começou a utilizar o puré de fruta 100% natural como bem entendeu no dia a dia: há quem consuma à colher, outros comem no intervalo do trabalho ou levam para o ginásio, existem os que simplesmente o adicionam aos iogurtes, fazem sumos ou batidos, mas também há aqueles que usam o puré para a confeção de pratos e sobremesas, como crepes, folhados e gelados.

Conquistou pela inovação a primeira edição do Prémio Intermarché Produção Nacional de 2014, na categoria Frutas e Preparados de Frutas.

O puré serve para a confeção de pratos mas também de sobremesas, como crepes, folhados e gelados

O puré serve para a confeção de pratos mas também de sobremesas, como crepes, folhados e gelados

Depois do prémio, a fruta transformada da Cooperfrutas passou a ser vendida de norte a sul do país. Podemos encontrá-la ainda em lojas gourmet e no canal Horeca. Escolas de hotelaria na zona centro e em Lisboa testam a "reinvenção" do produto em múltiplas outras aplicações na gastronomia e confeitaria. Têm ainda tido contactos de alguns restaurantes sediados no Algarve, que pretendem satisfazer as exigências de turistas, em particular britânicos, pela tradição de purés no acompanhamento de carnes.

A cooperativa agrega 102 produtores para responder às solicitações do mercado. Eram 200 na sua fundação, em 1998, no entanto hoje está mais modernizada e produz treze vezes mais.


Clique em baixo para se candidatar até 30 de junho à 2.ª edição do Prémio Intermarché Produção Nacional




  • Três universitários inovam nos Açores com produtos de consumo fácil

    João Monteiro, Emanuel Barcelos e Andreia Marques, dois açorianos e uma madeirense na casa dos 30, que se conheceram na universidade, ergueram um projeto hortofrutícola que dá que falar. Ousaram agitar a tradicional produção agrícola nos Açores.  Acompanhe nas próximas semanas as histórias de produtores e produtos inovadores que estão a surgir e a evolução dos distinguidos no Prémio Intermarché Produção Nacional 2014, que este ano volta a ser um projeto do Expresso e da SIC Notícias

  • Já tinha ouvido falar em arroz para bebés? Existe. É português e único

    Em plena lezíria ribatejana cresce um arroz singular no país. Dá pelo nome de baby rice e destina-se à alimentação infantil. O segredo começa na produção e termina na embalagem de atmosfera controlada. Já quebrou fronteiras e está de olho na China. Por cá, tem passado despercebido. A partir desta segunda-feira e durante as próximas semanas acompanhe, no site e no Expresso Diário as histórias dos produtores de quem se fala e os produtos mais inovadores que estão a surgir. Saiba também a evolução de alguns projetos distinguidos em 2014 no Prémio Intermarché Produção Nacional