Siga-nos

Perfil

O Meu Futuro

O Meu Futuro

Notícias do deserto

  • 333

A opinião de Paulo Cleto Duarte, presidente da Associação 
Nacional das Farmácias

"Não é lapso, é a realidade: Portugal está a ficar deserto. Neste início de século, fecharam 75% das escolas primárias, 70% das Urgências básicas, metade das extensões dos centros de saúde e já um terço dos postos de correio. Se regressasse, D. Sancho I, o rei povoador, havia de desembainhar a espada com a fúria que dedicou aos mouros nas margens do rio Guadalquivir. 
O sociólogo António Barreto usa um conceito farmacêutico para descrever o problema: dose, excesso de dose. As causas e as consequências do fenómeno já se confundem e aceleram mutuamente. A retirada de serviços, a destruição de economias locais, o caminho de ferro que encolheu, o recorde europeu de incêndios e as autoestradas sem carros mostram como a desertificação está a ganhar a guerra ao sonho democrático. 
O outro problema somos nós. No início da década de 80, só havia 45 portugueses com mais de 65 anos por cada 100 crianças até aos 15. Agora, há 134 cidadãos a entrar na idade da reforma por cada 100 alunos na escola. Estatisticamente, o envelhecimento é uma pandemia. 
Para um sistema de saúde desenvolvido, como é o nosso, já não é bem assim. O SNS foi essencial ao aumento da esperança média de vida. Estamos perante um caso de sucesso, dos profissionais e das tecnologias. Como é evidente, a solução para o envelhecimento não é morrermos mais cedo, mas termos mais crianças, bem como políticas inteligentes de imigração jovem.
Os portugueses estão a esforçar-se por envelhecer sem perder a saúde. Fumam menos, praticam mais exercício, informam-se e comem melhor. Se não podemos deixar de dar combate aos problemas de saúde pública, também será um erro desvalorizar estes sinais.
As políticas públicas têm de aprender a nadar nesta onda. Não basta falar de prevenção e de promoção de estilos de vida saudáveis. É preciso força política para os implementar. Queremos aumentar a natalidade? Então, precisamos de dar aos cidadãos a possibilidade de terem emprego e constituírem família em todo o território. O sistema de saúde tem de garantir-lhes médicos de família e enfermeiros nas aldeias e nos bairros urbanos. São indispensáveis, do parto aos cuidados paliativos.
Também devemos aproveitar as farmácias. Como fazem os países com sistemas de saúde desenvolvidos. São a rede de serviços de saúde mais bem distribuída. Os portugueses reconhecem-lhes competência para apoio no controlo de doenças crónicas e na solução de pequenos problemas de saúde. Como diz António Arnaut, “as farmácias são o braço longo do SNS”. Não seria inteligente amputá-lo."

Texto publicado originalmente no Expresso de 19 de Dezembro de 2015

  • Quem ganha o salário mínimo livra-se dos impostos... no Dia do Trabalhador. Marcelo Rebelo de Sousa e António Costa em agosto. Os presidentes das grandes empresas uns dias antes do outono. E você?

  • O Meu Futuro: os objetivos deste projeto

    "O Meu Futuro" é um projeto que pretende ajudar as pessoas a refletir neste início de um novo ciclo político e económico para o país nas áreas centrais para os portugueses. Daremos respostas em áreas centrais para os portugueses ao longo do próximo ano nas diversas plataformas do Expresso e do grupo Impresa

  • Governo promete Simplex na Saúde

    Mudança: o novo rumo político chega a Portugal com promessas de um ciclo renovado nos cuidados assistenciais garantidos pelo Estado. Acessível, informatizado e humanizado são traços do perfil proposto para o Serviço Nacional de Saúde. Dirigentes no terreno dão voto de confiança ao novo ministro

  • População quer tratamento a tempo, afável e acessível

    Os portugueses que utilizam
o sistema público de saúde querem o mesmo que qualquer pessoa que necessita de assistência: rapidez, qualidade
e pagar pouco. As unidades do Estado não satisfazem em pleno e os utentes que economicamente podem optam cada vez mais pelo privado,
até mesmo quando a doença é muito grave

  • Ajuda reforçada para quem toma mais medicamentos

    Confiança: portugueses acreditam na qualidade dos fármacos e já não receiam os genéricos. Falta divulgar os biossimilares e incentivar maiores poupanças para ter como pagar a inovação. Responsáveis do sector afirmam que chegou o tempo de rever os regimes de comparticipação para melhorar o apoio aos doentes que mais precisam

  • Ao longo dos próximos meses, analisaremos nas páginas do semanário as principais variáveis que condicionam a carga e as escolhas fiscais dos portugueses com o projeto “O Meu Futuro, o meu orçamento”

  • Novo simulador: o que muda no meu salário

    Como será o meu salário se tiver mais filhos ou mudar de estado civil? E se for aumentado? Experimente o simulador do Expresso e da EY - que integram o projeto O Meu Futuro - e veja o que pode esperar do seu orçamento