Siga-nos

Perfil

Expresso

Mês da Energia

A energia inteligente não é só nos campos do Euro

  • 333

O grande trunfo das chamadas “smart grids”, vulgo redes inteligentes, é a antecipação de problemas

Jeff J Mitchell/Getty Images

Fala-se de Europa e de energia no mês de junho e não é de futebol que se trata. Há novos demonstradores de redes elétricas inteligentes e Lisboa já tem um

É possível nestes dias falar em Portugal, Espanha, Suécia e Polónia sem ter como motivo o campeonato europeu de futebol. Se nesta competição encontra-se muita energia à mistura, há uma razão pela qual estes quatro países estão todos no mesmo grupo sem estarem a concorrer pelo primeiro lugar. Chama-se UPGRID. Um investimento de €15,7 milhões vai permitir instalar até 2017 quatro demonstradores de redes elétricas inteligentes.

Em Portugal o demonstrador que vai monitorizar e controlar os gastos energéticos será instalado no Parque das Nações. Com apoio da EDP Distribuição, Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência, Withus e NOS. E por ali vão passar os consumos de mais de 20 mil consumidores residenciais daquela junta de freguesia.

A ideia é que depois dos quatro demonstradores estarem a funcionar, se crie um sistema integrado e eficiente de forma a monitorizar e controlar as redes de média e baixa tensão. O grande trunfo das chamadas “smart grids”, vulgo redes inteligentes, é a antecipação de problemas, e neste caso é a possibilidade de incluir “os consumidores finais na operação”, explica Luís Seca, coordenador do Centro de Sistemas de Energia do INESC TEC.

É espectável que o impacto do UPGRID faça com que se tenham que introduzir “novas políticas regulatórias e de modelos de negócio que deverão diminuir os custos gerais de fornecimento do sistema, beneficiando os consumidores finais e fazendo com que estes participem num ambiente de mercado. Vai, também, ser efetuada uma avaliação do impacto social da solução, tendo em consideração questões sensíveis, como preocupações com a proteção de dados e a aceitação pública pelos cidadãos e outros stakeholders”.

Acompanhe o Mês da Energia ao longo de junho, de segunda a sexta, no Expresso Diário e Online

  • O sol gira mesmo à nossa volta

    No arranque do Mês da Energia, conheça a Cooperativa Coopérnico, uma comunidade que investe em energias renováveis para integrar na rede elétrica. Estão nomeados para os prémios europeus e fornecem energia equivalente à que é gasta por 130 famílias

  • O aeroporto que é uma cidade que nunca dorme

    África do Sul está a desenvolver esforços para se tornar na nação amarela, vermelha ou laranja dependendo da cor do sol. Já há um aeroporto que está quase a ser movido 100% a energia solar e o objetivo é que até 2018 haja três a funcionar

  • As histórias que dão luz

    Conheça o Mês da Energia, o projeto do Expresso e da EDP que dá a conhecer o que de melhor se faz com recursos energéticos em Portugal e no mundo

  • Vinho quente

    Na fronteira entre o Brasil e o Uruguai, uma herdade de 270 mil hectares faz toda a sua produção de vinha através de energia solar

  • A energia de Bill

    A inovação não se faz sem investimento nem pesquisa e, depois de trazer ao mundo a Microsoft, Bill Gates aposta na energia de fissão nuclear. O presidente da TerraPower espera que em 2030 já haja energia a ser produzida desta forma

  • Nas renováveis, a Índia já não está em desenvolvimento

    Em muitos assuntos, a Índia é caracterizada como país em desenvolvimento mas a definição torna-se incompatível com os esforços energéticos que o país asiático tem feito e que o estão a transformar num autêntico laboratório energético a céu aberto

  • O Sol quando nasce é para todos

    Aproveitar o melhor dos dois mundos, aquilo que sempre disseram ser impossível, torna-se agora a inspiração para o objeto fetiche daqueles que se querem libertar das energias fósseis

  • Exército brasileiro ajuda na segurança… energética

    Numa rápida associação de palavras não será difícil perceber a ligação entre exército, segurança e energia. A partir deste ano o exército brasileiro mudou esta analogia sendo a segurança energética e a energia renovável

  • Sol, praias e energias limpas

    C-SERMS, ou Caribbean Sustainabble Energy Roadmap and Strategy. Assim se chama a união de 15 países do Caricom que querem gerar 48% de energia renovável até 2027

  • Eucalipto, energia doce

    Um hectare de floresta de eucalipto tem capacidade de produzir 23 toneladas de biomassa durante um ano. O cultivo desta árvore apresenta inúmeras vantagens ambientais e energéticas

  • A conferência do Mês da Energia

    A 30 de junho, quinta-feira, realiza-se no auditório EDP, em Lisboa, a conferência que marca o final do projeto do Expresso em conjunto com a EDP que, ao longo deste mês, tem discutido nas diversas plataformas do grupo Impresa, as grandes tendências que marcam (e vão marcar) o futuro de um assunto tão fulcral para a sociedade. Consulte o programa e veja onde se inscrever

  • Levar luz ao feminismo

    Enquanto meio mundo pensa soluções para usar menos energia, outra metade tenta ter acesso à eletricidade. Anya Cherneff junta o melhor dos dois mundos, movimentando uma causa social e levando energia limpa ao Nepal