Siga-nos

Perfil

Expresso

Mês da Energia

Levar luz ao feminismo

  • 333

No Nepal, onde mais de 60% da população não tem acesso a eletricidade, a população feminina vê-se obrigada a desistir da escola cedo

Prakash Mathema/AFP/Getty Images

Enquanto meio mundo pensa soluções para usar menos energia, outra metade tenta ter acesso à eletricidade. Anya Cherneff junta o melhor dos dois mundos, movimentando uma causa social e levando energia limpa ao Nepal

A vida dela é o feminismo, fazer com que as mulheres tenham direitos iguais aos dos homens mesmo nas sociedades mais patriarcais. Anya Cherneff lutou cheia de energia por uma vida melhor para todos até ao dia que percebeu que, às vezes, a luta precisa mais de energia do que apenas aquela que lhe corre nas veias.

Habituada a liderar projetos ONG (Organizações Não Governamentais), Anya Cherneff uniu-se ao marido Bennett Cohen. Os dois pensaram numa solução para levar energia limpa aos países onde ela não existe. Os fundos para o projeto chegaram da Empower Generation, e o país escolhido foi o Nepal. Ali, onde mais de 60% da população não tem acesso à eletricidade, a falta de energia está diretamente ligada com a falta de força do feminismo e, por isso, a população feminina vê-se obrigada a desistir da escola cedo, muitas vezes entrando no mundo da prostituição. Além disso, os métodos utilizados pelas famílias para terem energia são muitas vezes perigosos, tanto para o ambiente como para a saúde pública.

Na Empower Generation dizer-se que levam luz ao feminismo não é uma metáfora disparatada, pois a organização fornece a mulheres fundos e mentoria para que possam pensar e fazer projetos de energia limpa, na sua maioria lâmpadas de energia solar. Os fundos arranjados por fornecedores e investidores privados são também distribuídos pelas aldeias pobres do país, de forma a que estas possam comprar as soluções energéticas pensadas por aquelas mulheres. Todos estes movimentos de capital são geridos por cooperativas locais.

Uma centena de mulheres já teve acesso a formação de marketing e pelo menos mil nepaleses já tiveram acesso ao microcrédito para comprar as lâmpadas solares por elas vendidas.

Acompanhe o Mês da Energia ao longo de junho, de segunda a sexta, no Expresso Diário e Online

  • O sol gira mesmo à nossa volta

    No arranque do Mês da Energia, conheça a Cooperativa Coopérnico, uma comunidade que investe em energias renováveis para integrar na rede elétrica. Estão nomeados para os prémios europeus e fornecem energia equivalente à que é gasta por 130 famílias

  • O aeroporto que é uma cidade que nunca dorme

    África do Sul está a desenvolver esforços para se tornar na nação amarela, vermelha ou laranja dependendo da cor do sol. Já há um aeroporto que está quase a ser movido 100% a energia solar e o objetivo é que até 2018 haja três a funcionar

  • As histórias que dão luz

    Conheça o Mês da Energia, o projeto do Expresso e da EDP que dá a conhecer o que de melhor se faz com recursos energéticos em Portugal e no mundo

  • Vinho quente

    Na fronteira entre o Brasil e o Uruguai, uma herdade de 270 mil hectares faz toda a sua produção de vinha através de energia solar

  • A energia de Bill

    A inovação não se faz sem investimento nem pesquisa e, depois de trazer ao mundo a Microsoft, Bill Gates aposta na energia de fissão nuclear. O presidente da TerraPower espera que em 2030 já haja energia a ser produzida desta forma

  • Nas renováveis, a Índia já não está em desenvolvimento

    Em muitos assuntos, a Índia é caracterizada como país em desenvolvimento mas a definição torna-se incompatível com os esforços energéticos que o país asiático tem feito e que o estão a transformar num autêntico laboratório energético a céu aberto

  • O Sol quando nasce é para todos

    Aproveitar o melhor dos dois mundos, aquilo que sempre disseram ser impossível, torna-se agora a inspiração para o objeto fetiche daqueles que se querem libertar das energias fósseis

  • Exército brasileiro ajuda na segurança… energética

    Numa rápida associação de palavras não será difícil perceber a ligação entre exército, segurança e energia. A partir deste ano o exército brasileiro mudou esta analogia sendo a segurança energética e a energia renovável

  • Sol, praias e energias limpas

    C-SERMS, ou Caribbean Sustainabble Energy Roadmap and Strategy. Assim se chama a união de 15 países do Caricom que querem gerar 48% de energia renovável até 2027

  • Eucalipto, energia doce

    Um hectare de floresta de eucalipto tem capacidade de produzir 23 toneladas de biomassa durante um ano. O cultivo desta árvore apresenta inúmeras vantagens ambientais e energéticas

  • A conferência do Mês da Energia

    A 30 de junho, quinta-feira, realiza-se no auditório EDP, em Lisboa, a conferência que marca o final do projeto do Expresso em conjunto com a EDP que, ao longo deste mês, tem discutido nas diversas plataformas do grupo Impresa, as grandes tendências que marcam (e vão marcar) o futuro de um assunto tão fulcral para a sociedade. Consulte o programa e veja onde se inscrever