Siga-nos

Perfil

Expresso

Mês da Energia

Eucalipto, energia doce

  • 333

Os açúcares fermentáveis — glicose, frutose e galactose — presentes na casca do eucalipto tornam esta planta uma boa aposta

Michael Steele/Getty Images

Um hectare de floresta de eucalipto tem capacidade de produzir 23 toneladas de biomassa durante um ano. O cultivo desta árvore apresenta inúmeras vantagens ambientais e energéticas

É a fonte de energia que os coalas preferem — se bem que para um animal que passa pelo menos 18 horas diárias a dormir não é necessária muita energia —, mas os eucaliptos, bem presentes nas florestas portuguesas, têm mais biomassa que capacidade de produzir sombra.

É de biomassa que se trata, e de uma muito doce. Os açúcares fermentáveis — glicose, frutose e galactose — presentes na casca do eucalipto tornam esta planta uma boa aposta no que a energias renováveis diz respeito. Tanta que, durante um ano, um hectare desta plantação tem hipótese de produzir entre 23 a 25 toneladas de biomassa.

A juntar-se às vantagens energéticas do eucalipto, acresce o facto de esta árvore ser extremamente fácil de plantar, mesmo em terrenos mais áridos e menos férteis. Além de tudo isto, e como se já não houvesse um superavit de benefícios, as florestas de eucalipto são extremamente rentáveis e um ótimo filtro de renovação de oxigénio.

O Brasil, onde pelas condições climatéricas e de solo a árvore se dá especialmente bem, tem investido muito no seu potencial energético. No país do samba é comum encontrar-se hectares até perder de vista desta plantação, que já representam 15,8% da energia da rede.

Em Portugal este tipo de floresta é normalmente apresentado como tendo mais desvantagens que vantagens, com os especialistas a dizerem que provocam uma elevada erosão dos solos, tomam o lugar das espécies autóctones e, em caso de incêndio, as chamas ficam mais difíceis de controlar. Por cá a floresta ainda é, na sua maioria, utilizada para a produção de pasta de papel e ainda não há conhecimento de qualquer projeto enérgico… doce.

Acompanhe o Mês da Energia ao longo de junho, de segunda a sexta, no Expresso Diário e Online

  • O sol gira mesmo à nossa volta

    No arranque do Mês da Energia, conheça a Cooperativa Coopérnico, uma comunidade que investe em energias renováveis para integrar na rede elétrica. Estão nomeados para os prémios europeus e fornecem energia equivalente à que é gasta por 130 famílias

  • O aeroporto que é uma cidade que nunca dorme

    África do Sul está a desenvolver esforços para se tornar na nação amarela, vermelha ou laranja dependendo da cor do sol. Já há um aeroporto que está quase a ser movido 100% a energia solar e o objetivo é que até 2018 haja três a funcionar

  • As histórias que dão luz

    Conheça o Mês da Energia, o projeto do Expresso e da EDP que dá a conhecer o que de melhor se faz com recursos energéticos em Portugal e no mundo

  • Vinho quente

    Na fronteira entre o Brasil e o Uruguai, uma herdade de 270 mil hectares faz toda a sua produção de vinha através de energia solar

  • A energia de Bill

    A inovação não se faz sem investimento nem pesquisa e, depois de trazer ao mundo a Microsoft, Bill Gates aposta na energia de fissão nuclear. O presidente da TerraPower espera que em 2030 já haja energia a ser produzida desta forma

  • Nas renováveis, a Índia já não está em desenvolvimento

    Em muitos assuntos, a Índia é caracterizada como país em desenvolvimento mas a definição torna-se incompatível com os esforços energéticos que o país asiático tem feito e que o estão a transformar num autêntico laboratório energético a céu aberto

  • O Sol quando nasce é para todos

    Aproveitar o melhor dos dois mundos, aquilo que sempre disseram ser impossível, torna-se agora a inspiração para o objeto fetiche daqueles que se querem libertar das energias fósseis

  • Exército brasileiro ajuda na segurança… energética

    Numa rápida associação de palavras não será difícil perceber a ligação entre exército, segurança e energia. A partir deste ano o exército brasileiro mudou esta analogia sendo a segurança energética e a energia renovável

  • Sol, praias e energias limpas

    C-SERMS, ou Caribbean Sustainabble Energy Roadmap and Strategy. Assim se chama a união de 15 países do Caricom que querem gerar 48% de energia renovável até 2027