Siga-nos

Perfil

Expresso

Mês da Energia

Sol, praias e energias limpas

  • 333

Um grupo de países das Caraíbas juntou-se para estimular a utilização de energias limpas

Hector Retamal

C-SERMS, ou Caribbean Sustainabble Energy Roadmap and Strategy. Assim se chama a união de 15 países do Caricom que querem gerar 48% de energia renovável até 2027

O Caribe quer tornar-se mais que a região do sol e da praia. Um grupo de quinze países daquela zona uniu-se para estimular a utilização de energias limpas. Além da clara aposta ambiental a iniciativa foi levada a cabo tendo em conta o aumento dos preços do petróleo, que obriga a que estes países comecem a procurar alternativas ao ouro negro.

Depois de uma reunião em Washington e da assinatura do Acordo de Paris, com o vice-presidente norte-americano, Joe Biden, chegou-se à conclusão de que o C-SERMS está a tornar aquelas nações cada vez mais energeticamente independentes. Para já, ainda numa fase embrionária, estão a focar-se na coordenação de atração de financiamento e investimento em novos projectos.

O objetivo primordial é alcançar a meta de 48% de energia produzida de forma limpa até 2027, diminuir 33% a dependência da rede e ainda baixar 47% a emissão de dióxido de carbono. O projeto foi desenhado durante dois anos e reuniram todas as ferramentas para que saísse do papel.
Na zona que encanta pela beleza natural, preserva-la é o mote.

Além da aposta nas energias renováveis, o CARICOM espera que ao longo do desenvolvimento do C-SERMS se consiga atingir um crescimento económico mais sustentável. Já em 2013 o CARICOM tinha sido a primeira região a assinar um acordo conjunto com a chancela das Nações Unidas para uma politica ambiental conjunta.

Como desvantagem, os países têm pela frente a necessidade de alteração das políticas e das molduras legais que ainda estão muito longe da revolução ambiental. Até agora todos os esforços para melhorar este aspeto têm sido em vão, e, como resposta, é sempre dado o argumento financeiro.

Acompanhe o Mês da Energia ao longo de junho, de segunda a sexta, no Expresso Diário e Online

  • O sol gira mesmo à nossa volta

    No arranque do Mês da Energia, conheça a Cooperativa Coopérnico, uma comunidade que investe em energias renováveis para integrar na rede elétrica. Estão nomeados para os prémios europeus e fornecem energia equivalente à que é gasta por 130 famílias

  • O aeroporto que é uma cidade que nunca dorme

    África do Sul está a desenvolver esforços para se tornar na nação amarela, vermelha ou laranja dependendo da cor do sol. Já há um aeroporto que está quase a ser movido 100% a energia solar e o objetivo é que até 2018 haja três a funcionar

  • As histórias que dão luz

    Conheça o Mês da Energia, o projeto do Expresso e da EDP que dá a conhecer o que de melhor se faz com recursos energéticos em Portugal e no mundo

  • Vinho quente

    Na fronteira entre o Brasil e o Uruguai, uma herdade de 270 mil hectares faz toda a sua produção de vinha através de energia solar

  • A energia de Bill

    A inovação não se faz sem investimento nem pesquisa e, depois de trazer ao mundo a Microsoft, Bill Gates aposta na energia de fissão nuclear. O presidente da TerraPower espera que em 2030 já haja energia a ser produzida desta forma

  • Nas renováveis, a Índia já não está em desenvolvimento

    Em muitos assuntos, a Índia é caracterizada como país em desenvolvimento mas a definição torna-se incompatível com os esforços energéticos que o país asiático tem feito e que o estão a transformar num autêntico laboratório energético a céu aberto

  • O Sol quando nasce é para todos

    Aproveitar o melhor dos dois mundos, aquilo que sempre disseram ser impossível, torna-se agora a inspiração para o objeto fetiche daqueles que se querem libertar das energias fósseis

  • Exército brasileiro ajuda na segurança… energética

    Numa rápida associação de palavras não será difícil perceber a ligação entre exército, segurança e energia. A partir deste ano o exército brasileiro mudou esta analogia sendo a segurança energética e a energia renovável