Siga-nos

Perfil

Expresso

Mês da Energia

Bairro do tempo dos cravos ganha futuro energético

  • 333

A nova fachada dos edifícios reflete a renovação que o bairro está a viver

D.R.

O Bloco Habitacional de Urgezes, em Guimarães, está a receber um investimento de 140 mil euros para a instalação de coletores solares térmicos e de painéis fotovoltaicos

Foi em abril que começaram os trabalhos no Bloco Habitacional de Urgezes, um investimento de cerca de 140 mil euros da Câmara Municipal de Guimarães que pretende reabilitar em várias frentes aquele bairro de habitação social. De um lado está a reabilitação estética, estrutural e arquitetónica do edifício. Do outro, a renovação energética.

Para esta, o plano passa pela instalação de coletores solares térmicos e de painéis fotovoltaicos, com a Câmara Municipal de Guimarães a esperar que este processo tenha como último benefício a redução do custo da fatura energética. Mas, acima de tudo, no final das obras os munícipes, habitantes deste edifício, poderão contar com um “modelo de autoconsumo de baterias recorrendo a painéis fotovoltaicos para a produção de energia elétrica, destinada ao abastecimento das áreas comuns do prédio, ou seja, às zonas de condomínio” e ainda beneficiar “do sistema solar térmico que permitirá o aquecimento das águas sanitárias”.

A par destas mudanças na utilização de energia verde também serão reabilitadas todas as “fachadas e caixilharias, conferindo-lhe um superior desempenho energético e simultaneamente arquitetónico”. O edifício foi erigido um ano depois da revolução dos cravos e, 41 anos mais tarde, volta-se a revolucionar aquele espaço, naquilo que o presidente da câmara Domingos Bragança diz ser uma revolução para um edifício “estruturalmente estável e visualmente reabilitado com evidentes benefícios para os seus condóminos, designadamente através das poupanças nas faturas de energia que esta intervenção irá proporcionar”.

E se de revoluções se trata e se de ambiente se fala, o Mestre José de Guimarães irá pintar na fachada um jardim com árvores e cores transmitindo para o exterior a energia que a partir de agora irá dar luz e aquecer o edifício.

Acompanhe de segunda a sexta o Mês da Energia ao longo de junho, no Expresso Diário e Online

  • O sol gira mesmo à nossa volta

    No arranque do Mês da Energia, conheça a Cooperativa Coopérnico, uma comunidade que investe em energias renováveis para integrar na rede elétrica. Estão nomeados para os prémios europeus e fornecem energia equivalente à que é gasta por 130 famílias

  • O aeroporto que é uma cidade que nunca dorme

    África do Sul está a desenvolver esforços para se tornar na nação amarela, vermelha ou laranja dependendo da cor do sol. Já há um aeroporto que está quase a ser movido 100% a energia solar e o objetivo é que até 2018 haja três a funcionar

  • As histórias que dão luz

    Conheça o Mês da Energia, o projeto do Expresso e da EDP que dá a conhecer o que de melhor se faz com recursos energéticos em Portugal e no mundo