Siga-nos

Perfil

Expresso

Mês da Energia

O sol gira mesmo à nossa volta

  • 333

Os fundadores da Copérnico nunca esperaram um crescimento tão “robusto”

D.R.

No arranque do Mês da Energia, conheça a Cooperativa Coopérnico, uma comunidade que investe em energias renováveis para integrar na rede elétrica. Estão nomeados para os prémios europeus e fornecem energia equivalente à que é gasta por 130 famílias

Há uns anos não havia dúvidas falava-se em Coopérnico e a associação imediata era com o pai da teoria heliocêntrica. Hoje há mais uma hipótese. Coopérnico é também o nome da primeira, e única, cooperativa portuguesa que através das energias renováveis apoia projetos de natureza social.

“O que estamos a fazer é completamente novo em Portugal, mas na Europa somos um no meio de trinta mil”, explica Nuno Brito Jorge. Aqui o “nós” não é majestático. É que na Cooperativa Coopérnico há uma comunidade que investe em energias renováveis e essa energia é integrada na rede. Numa tradução da expressão anglo-saxonica win-win, aqui todos ganham — tanto o ambiente como os investidores a quem são entregues parte dos lucros. Afirmam-se não como oposição a nada, mas como uma alternativa ao que existe, sobretudo ao meio ambiente.

Parece ir longe o dia de 2013 em que 16 amigos se juntaram para criar a Coopernico. Três anos passados o crescimento tem sido “robusto” e um olhar mais otimista dirá que a nomeação para os prémios europeus de energia terá sido o seu pico. Nuno Brito Jorge acredita muito no projeto e garante que “ainda há muitas provas para dar”.

No primeiro trimestre deste ano a Coopernico já angariou 180 mil euros de investimentos, que serve para capacitar mais locais com a instalação de painéis solares e fotovoltaicos. Normalmente as Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) ou as Organizações Não Governamentais (ONG) beneficiam entre 8 a 10% da venda de eletricidade à rede.

Na cooperativa todos os que assim desejarem são incluídos nas tomadas de decisão, e há ainda os que querem participar sem investir dinheiro, mas investindo tempo ou serviços.“Diferenciar” tem sido o mote até agora e continuará a ser o grito de comando para o futuro. O fator comunidade é o mais diferenciador na cooperativa, que já fornece energia equivalente à que é gasta por 130 famílias.

  • O aeroporto que é uma cidade que nunca dorme

    África do Sul está a desenvolver esforços para se tornar na nação amarela, vermelha ou laranja dependendo da cor do sol. Já há um aeroporto que está quase a ser movido 100% a energia solar e o objetivo é que até 2018 haja três a funcionar

  • As histórias que dão luz

    Conheça o Mês da Energia, o projeto do Expresso e da EDP que dá a conhecer o que de melhor se faz com recursos energéticos em Portugal e no mundo