Siga-nos

Perfil

Expresso

Testemunhos

Miguel Pina Martins, CEO da Science4You

  • 333

Mike Sergeant

"De uma forma geral, sabe-se que a economia global pode tornar-se muito volátil. Por exemplo, com a desvalorização do euro face ao dólar, o investimento internacional das empresas pode tomar rumos diferentesNa minha opinião, a internacionalização é o futuro das empresas portuguesas"

"Essencialmente, o que vejo é uma competitividade crescente no panorama dos negócios e das PME no nosso país. A segurança para se arriscar num novo projeto, na abertura de uma empresa é hoje maior. E na minha opinião, isto deve-se sobretudo a dois factores: o primeiro prende-se com a própria retoma da economia do país, mas também com o espírito empreendedor, de sacrifício e vontade de superação, que envolve esta geração de jovens portugueses.

De uma forma geral, sabe-se que a economia global pode tornar-se muito volátil. Por exemplo, com a desvalorização do euro face ao dólar, o investimento internacional das empresas pode tomar rumos diferentes. Este acontecimento tem feito com que a exportação na zona euro se torne muito mais atrativa para as empresas que tenham os seus produtos e serviços com o preço de venda em dólares na zona euro, em que os respetivos custos são assegurados em euros.

Algumas empresas acabam também por utilizar esta desvalorização do euro para baixar os seus preços e tentar vender mais no exterior, tornando-se assim mais competitivas. Além disso, destaque para o facto de que as empresas da zona euro que tiverem operações fora do espaço comunitário também podem aproveitar esta desvalorização, caso tenham as receitas em moedas mais valiosas, neste caso o dólar.

E é certo que estas mudanças também podem vir a ter consequências para o nosso país e originar movimentações no setor empresarial. No entanto, a conjuntura dos últimos cinco anos não têm impedido a criação de start-ups e novas empresas promissoras que têm vindo a revolucionar diversos setores de atividade no nosso país. A competitividade é cada vez maior e as empresas têm de começar a olhar para o exterior, de forma a conseguirem perspetivas de crescimento ainda mais sustentáveis. Na minha opinião, a internacionalização é o futuro das empresas portuguesas, e é nesse sentido que a Science4you está a “remar”."