Siga-nos

Perfil

Expresso

Notícias

Quatro anos a transformar novas ideias em negócios

  • 333

Luis Barra

Balanço: o Energia de Portugal acelerou desde 2012 mais de uma centena de ideias de negócio. No final de mais uma edição, recordamos a evolução do programa e a sua crescente aposta na internacionalização e em projetos ligados ao sector energético

Tal como o algodão, os números não enganam: milhares de candidaturas, muitas centenas de participantes, 130 ideias de negócio aceleradas, 24 bootcamps. Claro que estes dados não contam a narrativa toda mas servem como um bom ponto de partida para a história do Energia de Portugal ao longo de quatro anos. O projeto de empreendedorismo do Expresso e da EDP, com apoio da Fábrica de Startups, deu como terminada a mais recente edição no passado dia 27 de novembro, com o Investment Pitch que sagrou vencedoras as equipas da Mater Dynamics e da Thermosite (ler fotolegenda) entre 15 finalistas.

Desde o arranque oficial da competição a 29 de janeiro de 2012 que a adesão da comunidade empreendedora foi grande. Mais de 1600 candidaturas foram recebidas para colocar os seus projetos entre as 50 equipas que iriam entrar nessa verdadeira linha de montagem de ideias de negócio que dá pelo nome de FastStart. O método — que permite testar a aceitação do produto por parte dos clientes sem estar ainda desenvolvido e, por isso, dá a possibilidade de aferir do sucesso do projeto antes de se investir tempo e dinheiro — tem sido uma das pedras basilares do programa de aceleramento.

A primeira vitória coube a Ostra Lusa, que se apresentou com um conceito inovador de produção de ostras portuguesas em plataformas offshore. Já a segunda edição decorreu em 2013 e teve como grande novidade a introdução de um prémio monetário para os cinco primeiros classificados, com a equipa que chegasse no final em primeiro lugar a receber €25 mil. Os vencedores acabaram por ser a BetApp com um projeto de uma rede social para apostas de amigos.

2014 marcou o terceiro ano da competição e aquele que trouxe mais novidades ao formato das duas primeiras edições. Fez-se uma aposta clara na internacionalização, com a inclusão de quatro equipas brasileiras e uma chinesa, e reduziu-se o número de equipas de 50 para 15. Os grandes vencedores acabaram mesmo por vir do outro lado do Atlântico, com a Me Passa Aí! a impressionar com a sua plataforma de educação à distância para alunos do ensino superior.

Houve ainda espaço para uma nova distinção atribuída pela EDP — o prémio Energia (que este ano foi ganho pela Thermosite, com a plataforma digital que ajuda os clientes a encontrar a melhor climatização) — e que dava o ano passado seis meses de incubação no programa EDP Starter ao grupo que apresentasse o melhor projeto na área da energia. Com uma ideia baseada na recolha de dados da vida quotidiana do utilizador para criar estatísticas personalizadas, a portuguesa Pknoa acabou por ser a escolhida em 2014.

Em nome da sustentabilidade
O apoio a projetos energéticos que funcionem dentro de uma lógica de economia sustentável tem sido uma das características do projeto de incubação EDP Starter. Exemplo disso é o trabalho feito com a Zypho: “A ideia surgiu quando eu tinha 14 anos”, conta o CEO José Meliço. “Durante um duche percebi que durante o banho, a água é escoada, levando grande parte do calor produzido. Não faz sentido perder este calor para o esgoto!”

Nasceu assim a semente do seu sistema que se instala facilmente por baixo da base de duche ou da banheira para reaproveitar o calor e recuperar até 40% de energia. A “rede de contactos de know-how” adquiridos foi essencial para o crescimento da startup que hoje está presente “em dez países e tem duplicado a faturação de ano para ano desde 2012.”
Uma internacionalização que a Egg Electronics assume para se tornar “uma empresa de referência em todo o mundo”, de acordo com o COO Ricardo Roque. O conceito da empresa é transformar a tomada elétrica num produto portátil de “design sexy.” A Egg Power Station oferece ao utilizador “15 entradas, onde a ficha pode ser colocada em várias direções, e duas entradas USB.”

Após já ter vendido “milhares de unidades” o grande objetivo é continuar a evoluir “numa proposta de valor simplesmente diferente.”

Já a tecnologia internacionalmente patenteada da Omniflow combina energia eólica e solar num dispositivo para a produção de eletricidade. “Utilizam uma asa invertida para dirigir o vento de qualquer direção e acelerar o escoamento na direção da turbina de eixo vertical”, explica o CEO Pedro Ruão.
Trata-se de um sistema que “opera no mercado de produção de energia de pequena escala, podendo estar presente tanto no mercado residencial assim como para aplicações profissionais.” A expansão já está em decurso com a assinatura de acordos nos EUA, Alemanha, Brasil e Índia e China, com o responsável a não ter dúvidas: “O potencial de crescimento em alguns mercados estratégicos é gigantesco.”

A 4ª EDIÇÃO DO ENERGIA

No final de mais um ano do projeto de empreendedorismo do Expresso e da EDP, o sentimento dos participantes era de dever cumprido. Entre 120 candidaturas válidas foram escolhidas as 15 equipas — dez portuguesas e cinco brasileiras — com projetos mais prometedores para cumprir as intensas quatro semanas de aceleramento para dar toda uma nova estrutura e base ao seu modelo de negócio. Após um rigoroso processo de seleção, o projeto centrado no desenvolvimento de sensores para monitorizar a qualidade dos produtos com recurso ao nanosensor QStamp, a Mater Dynamics (com T-shirts azuis na foto), ganhou o grande prémio no valor de €20 mil euros. Já a Thermosite, que deu a conhecer uma ideia de negócio baseada numa plataforma digital que ajuda os clientes que têm dificuldade em encontrar instaladores de equipamentos de climatização, foi a selecionada para receber o prémio Energia. Trata-se de um investimento que pode ir até aos €50 mil da parte da EDP para a equipa com melhor projeto no sector da energia. Refira-se ainda que a Simplengine, a Triplin e a Near ganharam mais três meses de incubação nas instalações da Fábrica de Startups.

Artigo originalmente publicado no Expresso Economia de 12 de dezembro de 2015