Siga-nos

Perfil

Expresso

Energia de Portugal 2014

Ganharam no Brasil o Bilhete para Lisboa

Alexandre Strumpf já ganhou vários prémios no Brasil e quer vencer também o Energia com a Beonpop

Caio Guimarães

Empreendedorismo: Estão encontradas as quatro equipas brasileiras que se juntam às portuguesas para desenvolver as suas startups.

Ainda a vendedora ambulante de cabelo preto comprido montava a banca de bolos e os outros camelôs preparavam os seus estaminés de sucos, água de coco e bugigangas em frente à estação de trem da Vila Olímpia, e já a primeira das 28 equipas selecionadas para tentarem num pitch de cinco minutos ganhar um mês de aceleração no Energia de Portugal - e concorrer ao prémio de €20 mil - dava o seu nome na portaria do edifício que alberga em São Paulo a EDP, parceira do Expresso na iniciativa que fomenta o empreendedorismo em Portugal e que, este ano, se internacionalizou. São 6h55 de segunda-feira, 8, e a cidade de Ayrton Senna e Rita Lee acorda debaixo de uma película de nuvens cinzentas, que antecederiam temperaturas acentuadas. Vão chegando, entretanto, as outras equipas que também querem ficar com um dos quatro golden tickets para Lisboa, onde, juntamente com mais 11 ideias de negócio, desenvolverão os projetos em sessões de trabalho organizadas pela Fábrica de Startups.

Os 28 selecionados, que saíram de um lote de mais de 80 candidaturas, vieram de todo o lado do Brasil. Gaúchos, mineiros e cariocas enfrentaram até às oito da noite o júri - que incluía Miguel Setas, CEO da EDP Brasil, João Brito Martins e Eduardo Pinto Basto, também da mesma empresa, António Lucena de Faria, da Fábrica de Startups, entre outros. No final do dia, o júri enalteceu a qualidade e o potencial dos projetos, a maioria de base tecnológica, e anunciou as quatro equipas que ganharam lugar nos bootcamps de outubro: a Me Passa Aí!, plataforma de educação à distância para alunos do ensino superior; a Beonpop, que descobre o grau de popularidade ou influência através da internet; o EstoqueUP, uma solução de gestão de compras e de inventário para PME; e o Say2me, que possibilita a avaliação do grau de satisfação dos clientes utilizando apenas um telemóvel.  

A importância de Lisboa

Comecemos pela história da única startup que obteve o consenso do júri. Sabendo que, no Brasil, em cada "100 universitários formam-se apenas 32 e há uma taxa de desistência na ordem dos 25%", Luiz Borges e César Marques, produtor e analista de sistemas respetivamente, criaram uma plataforma que ajuda quem abandona os estudos por falta de tempo ou dinheiro. A Me Passa Aí, produz "vídeos de aulas simplificadas" que duram até oito minutos, o "limite de tempo de aprendizagem de um aluno que trabalha de dia e estuda à noite". Lições curtas mas eficazes que têm feito os universitários que já experimentaram deixarem depoimentos elogiosos no Youtube: "Dizem que o que não aprendem em duas horas de aulas conseguem atingir em cinco minutos no Me Passa Aí!"

A questão do dinheiro estará também resolvida: "É muito mais barato do que ter um explicador ou outro género de auxílio. Estamos a pensar em três, quatro euros por mês ou 20 euros por ano. Assim todo o mundo pode pagar", diz César. Apesar dos preços baixos não será difícil para a Me Passa Aí crescer 6% ao ano como pretende. A equipa de Luiz e César já recebeu um "fomento" de 34 mil reais (€11,5 mil) de um organismo tutelado pelo governo, e 120 mil reais (€40,4 mil) de um business angel. Mas a fortuna poderá vir da incubação no Energia de Portugal: "Aparece no momento certo. Vamos ser acompanhados por 40 mentores e evoluir para crescer globalmente. Como diria Ivete Sangalo: vamos a Lisboa para 'Levantar Poeira'".

O medidor de popularidade

A música é outra para Alexandre Stumpf, 43 anos, fundador da Beonpop, ferramenta que mede, compara e acompanha, em tempo real, a variação de performance e popularidade de pessoas e marcas no digital. A aceleração em Portugal faz-lhe lembrar "Do Seu Lado", de Nando Reis: "Aparece na altura certa. Vamos fazer um ano e é uma oportunidade muito boa para perceber a visão exterior que o produto causa, perceber necessidades que não conhecemos, testar e validar a empresa ao lado da Fábrica de Startups". Alexandre diz que a Beonpop é a Nasdaq das redes sociais porque, tal como a conhecida bolsa nova-iorquina de empresas tecnológicas, mede as variações em tempo real. Stumpf e o seu sócio, Cléber Rodrigues, chamaram pop ao algoritmo que transforma as interações nas redes sociais em índices. "O objetivo global é ser a medida de referência para comparação de pessoas e marcas na internet. Para já tem 35 mil fãs no Brasil e em dez meses chegou a mais de 100 países.

A ideia surgiu por causa de vinho e das mulheres: nos jantares que Stumpf e os amigos regularmente fazem sábados à noite na casa uns dos outros, o casal que levar a garrafa mais pontuada na escala de Robert Parker, enólogo norte-americano, passa a "maior da festa". No final da noite, por norma os homens deitam-se e as mulheres ficam na sala a 'cuscar' no Facebook a vida das amigas para perceberem se estão (ou não) melhores do que elas na vida profissional e amorosa. Alexandre juntou a escala de Parker e a bisbilhotice das esposas e criou o algoritmo que deu a origem à Beonpop.

Gabriel Dimas e Marlon Blumer dizem que Lisboa será um trampolim para a internacionalização do EstoqueUP

Gabriel Dimas e Marlon Blumer dizem que Lisboa será um trampolim para a internacionalização do EstoqueUP

Caio Guimarães

As outras eleitas

O nascimento do EstoqueUP, outra das equipas escolhidas para desenvolver o projeto em Lisboa, deu-se quando o empreendedor Marlon Blumer e o empresário Gabriel Dimas, ambos de Carmo das Minas, descobriram que 60% das pequenas e médias empresas não tinham cadastro dos clientes ou controlo de 'estoques'. Fizeram as contas aos 6,3 milhões de empresas que existem no país e arriscaram uma startup munida de um conjunto de ferramentas para ajudar PME a gerir a compra, organização e venda de produtos. A aposta está ganha: a plataforma tem uma média de 2000 visitas por dia. O Energia de Portugal será o trampolim para a internacionalização: "Estaremos em contacto com  grandes formadores". É por isso que a música que lhes lembra Lisboa é "Valeu a Pena", do grupo O Rappa.

Para os três empresários do Recife, que formam o Say2me e entraram no grupo dos quatro escolhidos através de uma apresentação via Skype, o som que se adapta à participação na iniciativa é a batida do "Cidadão do Mundo", de Chico Science: "O mais valioso da experiência é o contacto que teremos com outras startups". O projeto de Filipe Magalhães, Luan Duarte e Francisco Pimentel consiste numa caixa de sugestões e comentários na internet onde "donos e administradores de estabelecimentos, produtos ou serviços têm a oportunidade de receber os feedbacks dos clientes sem interferência de terceiros. Torna-se, assim, mais fácil para os donos direcionar os investimentos para as áreas que vão agradar aos clientes atuais e atrair novos".

Em maio, o Say2me tinha 50 clientes a pagar por um plano médio 149 reais (€50) por unidade e prevê atingir o breakeven em 2015.

Lucena de Faria, o organizador do Energia de Portugal, acredita que "qualquer uma das equipas escolhidas" no Brasil "pode ganhar o prémio de 20 mil euros". 

Artigo originalmente publicado no Expresso Economia de 13 de setembro de 2014