Siga-nos

Perfil

Expresso

Projeto 20+20

A investigadora portuguesa que chamou a atenção da NASA com 'ouro negro'

ESPAÇO: Ana Júlia Cavaleiro espera que o trabalho com a Agência Espacial Norte-Americana lhe permita aplicar a sua pesquisa na exploração do universo

STEVE NESIUS/REUTERS

Ana Júlia Cavaleiro teve a segunda melhor Apresentação Oral num workshop sobre Sustentabilidade nas Missões Espaciais com um trabalho sobre o uso de microrganismos no tratamento de locais contaminados com petróleo.

Os derrames de petróleo são um dos desastres ambientais mais graves provocados pelo homem no meio ambiental. As consequências podem ser letais e as alterações sentem-se por décadas e, às vezes, centenas de anos. Situação que Ana Júlia Cavaleiro quer ajudar a evitar com um projeto de prevenção que foi distinguido pela Agência Espacial Norte-Americana, a NASA.

"Este trabalho é inovador porque usa microrganismos anaeróbios, capazes de consumirem os hidrocarbonetos do petróleo e de os transformar em substâncias inócuas, na ausência de oxigénio. O nosso trabalho traz novas alternativas - ambientalmente corretas - que exploram o potencial dos microrganismos anaeróbios para a recuperação dos locais contaminados", explica ao Expresso Diário.

Habitualmente, o tratamento dos locais contaminados com derrames de petróleo fazia-se através de oxidantes químicos ou com a extração das matrizes contaminadas para descontaminação fora do local de origem. Soluções pouco ideais do ponto de vista ambiental, às quais existiam poucas alternativas viáveis. Algo que a investigadora do Centro de Engenharia Biológica da Universidade do Minho tenta mudar.

Rumo ao espaço

"As técnicas de trabalho em anaerobiose são complexas, e há poucos grupos de investigação que as dominem. O reconhecimento da dimensão e gravidade do problema, associado ao conhecimento especializado existente no grupo, levou-nos a avançar para este novo tópico de investigação. É um assunto apaixonante e assumi a procura de novas soluções ambientalmente corretas como um verdadeiro desafio", revela.

O prémio da NASA foi um "motivo de grande realização pessoal" e Ana Júlia Cavaleiro espera que a ligação a uma instituição de tanto prestígio chame a atenção para o problema que estuda e origine outros projetos bem como mais apoios institucionais.

Aprofundar o estudo do potencial dos micro-organismos para contribuir para um "futuro global sustentável" é o grande objetivo para os próximos tempos da cientista que espera que o trabalho com a Agência Espacial Norte-Americana lhe permita aplicar a sua pesquisa a "ambientes extremos, como o espaço."

Acompanhe no Expresso Diário as histórias de 20 investigadores portugueses até 8 de janeiro