Siga-nos

Perfil

Expresso

Projeto 20+20

Análises com uma gota de sangue e resultados em cinco minutos? A Biosurfit tem a solução

  • 333

João Fonseca deseja que a Biosurfit chegue a todo o mundo no espaço de três a quatro anos

Nuno Botelho

A solução que já ganhou várias distinções nacionais e internacionais é a 13.ª das 20 histórias sobre empresas que ganharam fundos europeus e que o Expresso e o BCP Capital apresentam até ao final do mês

Miguel Ângelo Pinto

No início eram apenas seis pessoas numa startup de I&DT, a que o capital de risco começou a dar forma. Hoje são já 90 os colaboradores da Biosurfit, agora uma empresa industrial e comercial, que inventou, desenvolveu, produz e comercializa a plataforma ‘spinit’, uma solução única a nível mundial para responder à necessidade de análises médicas completas. A solução é única por permitir a realização de análises junto do doente com apenas uma gota de sangue, apresentando resultados em cinco minutos, para diferentes tipos de parâmetros. A combinação destes diferentes parâmetros (como hemograma e CRP, hemograma e lípidos ou hemoglobina glicada, por exemplo) num único equipamento tornam esta solução absolutamente inovadora a nível mundial.

€20 milhões
É o investimento que a Biosurfit se propõe efetuar, com o programa Portugal 2020 a contribuir com €3,8 milhões

O administrador João Fonseca revela que “o desenvolvimento tecnológico inicial surgiu no âmbito de I&DT universitária no Centro de Física da Matéria Condensada da Universidade de Lisboa, sendo que a produtização foi um processo que exigiu forte investimento e muito esforço ao longo dos últimos anos, como é característico em soluções disruptivas e complexas”. A Biosurfit tem o seu portfólio suportado em “21 famílias de patentes internacionais, que constituem um dos principais ativos da empresa”.

Para o desenvolvimento do seu plano estratégico, a empresa tem previsto um investimento global superior a 20 milhões de euros, dos quais seis milhões se destinam a aumentar a sua capacidade de produção. Neste quadro, a empresa viu aprovado um incentivo financeiro do Portugal 2020 de aproximadamente 3,8 milhões de euros para apoiar a instalação de uma nova unidade fabril e a construção de uma linha de produção automatizada e de grande capacidade. Além disso, viu ainda aprovado um incentivo na ordem dos 500 mil euros, destinados à internacionalização dos seus produtos.

O foco da Biosurfit é oferecer diferentes descartáveis para as mais comuns situações clínicas, utilizando um único equipamento de pequena dimensão, com os mercados iniciais a centrarem-se nos médicos de medicina geral e familiar, pediatria e triagem de urgências. Esta solução já recebeu diversos prémios nacionais e internacionais, recolhendo ainda o entusiasmo de pessoas de referência da indústria de diagnóstico mundial, que têm vindo a colaborar como advisors ou mesmo reforçando a equipa. Como Ian Gilham, ex-CEO da Axis-Shield, que desenvolveu e lançou um produto pioneiro neste mesmo segmento, e que ocupa agora o lugar de Chairman da Biosurfit.

Outro produto em desenvolvimento, designado ‘spinit cloud’, tem como objetivo oferecer soluções de diagnóstico para doentes crónicos, a realizar em casa das pessoas, com os resultados a serem enviados para os médicos. Neste caso, o equipamento é mais pequeno, simples e barato, mas os descartáveis são exatamente os mesmos da gama de produtos ‘spinit’.

Em termos internacionais, a Biosurfit iniciou a comercialização no Benelux, países nórdicos e Reino Unido e prepara a entrada em mercados como Suiça, Itália, Alemanha ou países do Leste europeu. Mas o alvo é global, daí que o Médio Oriente, os Estados Unidos da América e o mercado asiático também estejam no ponto de mira. Como refere João Fonseca: “O nosso negócio é global e queremos chegar a todo o mundo nos próximos três a quatro anos”.

Até 26 de fevereiro, o Expresso e o BCP Capital vão contar histórias de 20 empresas que já ganharam os fundos do Portugal 2020 e têm projetos para inovar e internacionalizar. E cinco guias práticos, às sextas, caso deseje candidatar-se ao programa comunitário