Siga-nos

Perfil

Expresso

Projeto 20+20

U-Safe é a bóia para a internacionalização da Noras Performance

  • 333

Jorge Noras, proprietário da empresa que criou um produto absolutamente inovador a nível mundial

António Pedro Ferreira

Tecnologia e inovação no socorro a náufragos é a grande proposta da sexta das 20 empresas que ganharam fundos do programa 2020 e que o Expresso e o BCP Capital apresentam nas próximas semanas

Miguel Ângelo Pinto

Alexandre O’Neill escreveu a frase publicitária “Há mar e mar, há ir e voltar” que se tornaria um adágio constantemente confundido com um provérbio. O surrealista tinha outra tirada para essa campanha que o mais provável era vingar também: “Passe um verão desafogado”.

Qualquer uma delas serviriam como uma luva para slogan da Noras Performance, empresa que aposta na segurança e nos cuidados fundamentais para evitar uma qualquer desgraça, que percebeu que a evolução no socorro a náufragos assenta numa perspectiva tecnológica e de inovação, tendente a acelerar a ajuda a quem está em dificuldades e proporcionar segurança a quem presta esse auxílio.

€ 7 milhões
A empresa tem em curso um investimento global neste valor. 3,8 milhões foram obtidos através da candidatura ao programa Portugal 2020

A pensar em todas estas variáveis, a Noras Performance desenvolveu a bóia salva-vidas U-Safe, um equipamento autopropulsionado e telecomandado que permite socorrer à distância, em qualquer condição de mar, com enorme rapidez e sem colocar em risco a vida do nadador-salvador. Este equipamento, em forma de U para facilitar a navegação, apresenta uma performance extraordinária, uma vez que funciona em qualquer posição, estando ainda dotada de um sistema electrónico próprio de navegação e orientação.
Segundo Jorge Noras, proprietário da empresa responsável pelo desenvolvimento deste produto, “a bóia pode ser usada em qualquer tipo de praia, barco de recreio ou cruzeiro, e navios militares, podendo ainda ser lançada de aeronaves em operações de busca e salvamento”. E sublinha: “Este equipamento foi desenvolvido tendo em consideração os requisitos operacionais do Instituto de Socorros a Náufragos”.

A Noras Performance, que começou a sua atividade com sistemas de propulsão especiais para jet-skis e compressores para motores, tem em desenvolvimento um processo de investigação em torno do modelo atual de bóia, assim como de outros produtos dedicados a ações de busca e salvamento marítimo. “O reconhecimento internacional pela qualidade dos nossos produtos permitiu desenvolver uma forte componente de inovação, criando-se algo totalmente inédito no mercado”, diz Jorge Noras (clique AQUI para ver uma reportagem da SIC Notícias sobre a Noras Performance).

A contínua busca de novas soluções inovadoras, obriga a novos investimentos. Neste momento, a Noras Performance tem um investimento na ordem dos sete milhões de euros, tendo obtido 3,8 milhões através da candidatura ao programa Portugal 2020. Está em curso a construção de uma nova fábrica, em Torres Vedras, que potenciará de forma decisiva a produção desta bóia inovadora a nível mundial.

Não obstante este projeto nascer em Portugal, é inegável a sua forte capacidade de internacionalização. A bóia já foi apresentada em diversos certames internacionais de busca e salvamento, tendo sido alvo do interesse de diferentes tipo de clientes institucionais e particulares, bem como de investidores internacionais. Neste momentos, os principais mercados em que a Noras performance aposta são os Estados Unidos da América, Japão, Austrália, França, Brasil e Reino Unido.

Até 26 de fevereiro, o Expresso e o BCP Capital vão contar histórias de 20 empresas que já ganharam os fundos do Portugal 2020 e têm projetos para inovar e internacionalizar. E cinco guias práticos, às sextas, caso deseje candidatar-se aos fundos