Anterior
João Pereira, a identidade e as fugas de informação
Seguinte
Custódio: "Ambiente porreiro" e "Ronaldo que ninguém consegue parar"
Página Inicial   >  Dossiês  >  Dossies Desporto  >  Euro 2012  >   Inglaterra volta a cair num 'precipício' de 11 metros

Euro 2012

Inglaterra volta a cair num 'precipício' de 11 metros

Itália elimina Inglaterra e marca nova cimeira com Alemanha nas meias-finais do Euro. Buffon, Pirlo, Balotelli e Diamanti foram os 'Quatro Magníficos' que mantiveram os transalpinos na senda dos Invencíveis; Young e Cole os dois vilões que colocaram os ingleses na rota... de casa.

Clique para visitar o dossiê Euro 2012
|
Festa italiana
Festa italiana /  Kerim Okten/EPA
Classe: Pirlo bateu um penálti "à Panenka"
Classe: Pirlo bateu um penálti "à Panenka" / Fehim Demir/EPA

Clique para aceder ao índice do Dossiê Euro 2012
A história da squadra azzurra dava um livro aos quadradinhos, com duas personagens mais velhas (Buffon, o 'Plastic Man'; Pirlo, um autêntico Super-Homem com nervos de aço) e uma mais nova (Balotelli, ex-Super Mario agora relegado a Peter Pan). Mas o Euro-2012 trouxe mais uma figura - Diamanti, o avançado do Bolonha que valeu ouro após marcar o penálti decisivo no desempate. Eis os 'Quatro Magníficos' que mantêm a Itália na senda dos Invencíveis e a colocaram agora na rota da única equipa apenas com vitórias na prova: a Alemanha.

Roy Hodgson, que ainda não tinha perdido ao serviço da seleção inglesa, acabou por ficar refém da sorte quando voltou a assumir a 'italianização' do futebol britânico - linhas recuadas, pouca profundidade do ataque, 37% de posse de bola... - e teve azar ao cruzar-se de novo com o precipício dos 11 metros que condena sempre o conjunto dos três Leões à eliminação em fases finais do Euro: foi assim em 1996, com a Alemanha (meias-finais); foi assim em 2004, com Portugal (quartos-de-final); foi assim agora, contra uma Itália que não conseguiu quebrar o nulo ao longo de 120 minutos mas contornou o infortúnio do desempate nas grandes penalidades (em 2008, foi afastada assim pela Espanha)   

O MINUTO 101', quando um bom cruzamento de Diamanti só não se tornou um belo golo por culpa do poste, que voltou a ajudar Joe Hart quando nem o golpe de vista lhe valia. Os tempos do golo de ouro - o fator que, por exemplo, deu o título à França em 2000 contra... a Itália - já lá vão mas o avançado do Bolonha poderia ter 'acabado' com a partida em cima do intervalo do prolongamento 

O MOMENTO Os primeiros cinco minutos de jogo, com uma intensidade supersónica e tudo o que se gosta no futebol - oportunidades (De Rossi acertou no poste logo aos três minutos, Buffon fez uma grande defesa só com uma mão a um remate à queima de Glen Johnson logo a seguir), passes certos, diagonais, pressão, futebol corrido (nem uma falta para amostra nesse período). Ou quase tudo: faltou o golo que mudaria tudo 

O HERÓI Buffon, que já tinha feito uma defesa 'impossível' logo no início do encontro e teve papel preponderante no desfecho das grandes penalidades ao travar a marcação de Ashley Cole. Buffon e Pirlo, claro - depois de ter enchido o campo de classe, transformou o seu penálti com grande categoria à Panenka... quando a Itália estava a perder 

A ESTRELA Mario Balotelli, o Peter Pan que voltou a ser Super Mario dentro do jogo que ele gosta, sempre atrás do cogumelo com pontos extra - o golo. E foi sempre a subir: nas primeiras ações, o disco rígido fez reset na altura de passar de nível (remate do nada tão fraco que mal chegou à baliza; remate falhado por corte da defesa britânica quando estava isolado); a seguir, sonhou tão alto que os disparos, dentro e fora da área, saíram por cima da baliza; por fim, só falhou o bónus especial da exibição porque apanhou pela frente uma parede intransponível chamada Joe Hart. Certo é que a squadra azzurra teve o melhor de Balotelli e nem sempre Balotelli teve o melhor da squadra azzurra 

O JOKER Walcott, pela Inglaterra; Diamanti, pela Itália. Quando metade dos jogadores já estava com o depósito na reserva e a outra metade a poupar gasolina para aguentar o prolongamento sem gripar o motor, os avançados aceleras travaram um duelo individual em torno de quem conseguia quebrar os 'tratores' defensivos contrários. E uma coisa é certa: não marcaram nem fizeram assistências para golo (pelo menos concretizadas) mas foram os únicos capazes de evitar que os últimos 30 minutos fossem jogados a dez à hora 

Kerim Okten/EPA Buffon foi um dos heróis italianos

O VILÃO Há uma expressão que caiu em desuso no futebol mas que andava pelo top-5 no dicionário do 'futebolês' - os setores assimétricos de uma equipa, sobretudo no meio-campo. No caso inglês, não é tanto assim a nível do modelo de jogo mas torna-se assim no plano das características dos seus intérpretes. É aqui que entra Ashley Young, extremo a quem se pedia mais para esticar o futebol inglês uns 20 metros (até porque marcou alguns golos nessa posição pelo Manchester United). Porque se é certo que, na filosofia de Hodgson (qualquer parecença com a que utilizava na sua ex-equipa, o West Bromwich, pode não ser mera coincidência), as linhas atuam mais recuadas do que é normal, também é verdade que os alas não devem servir apenas para compensar. Young só desequilibrou uma vez - quando atirou a sua grande penalidade à trave e permitiu que a Itália entrasse de novo na discussão da eliminatória...

O SEGREDO A 'italianização' do futebol britânico. Esqueça aquela máxima do 'kick and rush' - que, verdade seja dita, soava melhor fonética do que visualmente -, o modelo de jogo inglês mudou com os tempos: a equipa joga com linhas mais baixas, os extremos são 'calmantes' dos laterais e não 'muletas' dos avançados; os elementos adiantados andam muitas vezes a proteger os homens recuados (Welbeck e Carroll, por mais do que uma vez, foram 'safar' a defesa nas bolas paradas e corridas). Mas é essa faceta mais pragmática que permitiu à equipa dos três Leões (que cantou toda o hino, como Hodgson pedira) recuperar os pergaminhos da altura em que tudo andava à volta do... 'kick and rush' 

O ERRO Não fazer um último 'forcing' para evitar o prolongamento: do lado inglês, com Gerrard preso por arames a arrastar-se com cãibras e Scott Parker sem pulmão para dar gás ao meio-campo, a atitude nos últimos minutos do tempo regulamentar foi a do pontapé para a corrida de Walcott, fé em Deus e... zero riscos de pecado nas transições defensivas; do lado italiano, com Balzaretti a nem saber já de que zona do corpo se devia queixar e Montolivo com o depósito na reserva, a postura nos últimos minutos do tempo regulamentar foi a do passe curto à frente, fé em Deus e... zero riscos de pecado nas transições defensivas. Os trinta minutos de prolongamento foram assim um... sacrifício

O NÚMERO 2, o número de cartões mostrados por Pedro Proença, que fez o último encontro no Euro em virtude da presença de Portugal nas meias-finais da competição. E foi sempre a subir, tal como a própria Seleção: nota 3 no Espanha-Rep. Irlanda; nota 3,5 no França-Suécia; nota 4 no Inglaterra-Itália. Passou todos os exames na primeira vez que esteve na escola das grandes competições por seleções sem favores nem cábulas. Ele e os auxiliares - o golo anulado a Nocerino (115') não era fácil mas foi mesmo ilegal 

O ACONTECIMENTO A Inglaterra até consegue mais ou menos equilibrar as contas nos encontros com a Itália: em 23, entre oficiais e particulares, ganhou sete, empatou sete e perdeu nove vezes. Ok, fica a perder mas nada que deixe muito corado as caras típicas dos ingleses, com pele tipicamente branquinha, que precisam de pouco para mostrarem a sua vergonha. O problema mesmo é quando entramos no domínio das decisões na fases finais - aí, a Itália ganhou 1-0 no Euro-1980 (Tardelli) e 2-1 no Mundial-1990 (Baggio e Schillaci; Platt). Sempre em solo transalpino 

O AMANHÃ Segue-se a Alemanha para a Itália e o regresso a casa para a Inglaterra. Mas, para uns e para outros, o díficil mesmo será o dia de amanhã. Literalmente - o desgaste após 120 minutos intensos de futebol foi mais que muito e, no caso dos transalpinos, terão ainda dois dias a menos para recuperar até à meia-final... 

FICHA DE JOGO Estádio Olímpico de Kiev (Ucrânia). Árbitro: Pedro Proença (Portugal). Inglaterra: Joe Hart; Glen Johnson, John Terry, Lescott, Ashley Cole; Scott Parker (Henderson, 94'), Gerrard, Milner (Walcott, 61'), Ashley Young; Rooney e Welbeck (Carroll, 60'). Treinador: Roy Hodgson. Itália: Buffon; Abate (Maggio, 90+1'), Barzagli, Bonucci, Balzaretti; Pirlo, Marchisio, De Rossi (Nocerino, 80'), Montolivo; Cassano (Diamanti, 78')e Balotelli. Treinador: Cesare Prandelli. Cartões amarelos: Barzagli (82') e Maggio (94'). Grandes penalidades: Balotelli (marcou, 0-1); Gerrard (marcou, 1-1); Montolivo (atirou ao lado, 1-1); Rooney (marcou, 2-1); Pirlo (marcou, 2-2); Ashley Young (atirou à trave, 2-2); Nocerino (marcou, 3-2); Ashley Cole (Buffon defendeu, 3-2); Diamanti (marcou, 4-2) 


Opinião


Multimédia

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 

Crumble. A sobremesa mais fácil do mundo

Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida, especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.


Comentários 3 Comentar
ordenar por:
mais votados
Re: Inglaterra volta a cair num 'precipício' de 11
Mas que conversa...parece que a Inglaterra teve muito azar e acabou por perder na lotaria dos penalties...a Inglaterra foi totalmente dominada pela Italia...os numeros falam por si...muita sorte sim teve a Inglaterra por nao ter saido derrotada no tempo regulamentar por 4 ou 5 golos de diferenca...o terem ido aos penalties foi uma benesse que a inglaterra nao merecia...
Re: Inglaterra volta a cair num 'precipício' de 11
Re: Inglaterra volta a cair num 'precipício' de 11
Comentários 3 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Últimas


Pub