Anterior
João Pereira, a identidade e as fugas de informação
Seguinte
Custódio: "Ambiente porreiro" e "Ronaldo que ninguém consegue parar"
Página Inicial   >  Dossiês  >  Dossies Desporto  >  Euro 2012  >   Inglaterra volta a cair num 'precipício' de 11 metros

Euro 2012

Inglaterra volta a cair num 'precipício' de 11 metros

Itália elimina Inglaterra e marca nova cimeira com Alemanha nas meias-finais do Euro. Buffon, Pirlo, Balotelli e Diamanti foram os 'Quatro Magníficos' que mantiveram os transalpinos na senda dos Invencíveis; Young e Cole os dois vilões que colocaram os ingleses na rota... de casa.

Clique para visitar o dossiê Euro 2012
|
Festa italiana
Festa italiana / Kerim Okten/EPA
Classe: Pirlo bateu um penálti "à Panenka"
Classe: Pirlo bateu um penálti "à Panenka" / Fehim Demir/EPA

Clique para aceder ao índice do Dossiê Euro 2012
A história da squadra azzurra dava um livro aos quadradinhos, com duas personagens mais velhas (Buffon, o 'Plastic Man'; Pirlo, um autêntico Super-Homem com nervos de aço) e uma mais nova (Balotelli, ex-Super Mario agora relegado a Peter Pan). Mas o Euro-2012 trouxe mais uma figura - Diamanti, o avançado do Bolonha que valeu ouro após marcar o penálti decisivo no desempate. Eis os 'Quatro Magníficos' que mantêm a Itália na senda dos Invencíveis e a colocaram agora na rota da única equipa apenas com vitórias na prova: a Alemanha.

Roy Hodgson, que ainda não tinha perdido ao serviço da seleção inglesa, acabou por ficar refém da sorte quando voltou a assumir a 'italianização' do futebol britânico - linhas recuadas, pouca profundidade do ataque, 37% de posse de bola... - e teve azar ao cruzar-se de novo com o precipício dos 11 metros que condena sempre o conjunto dos três Leões à eliminação em fases finais do Euro: foi assim em 1996, com a Alemanha (meias-finais); foi assim em 2004, com Portugal (quartos-de-final); foi assim agora, contra uma Itália que não conseguiu quebrar o nulo ao longo de 120 minutos mas contornou o infortúnio do desempate nas grandes penalidades (em 2008, foi afastada assim pela Espanha)   

O MINUTO 101', quando um bom cruzamento de Diamanti só não se tornou um belo golo por culpa do poste, que voltou a ajudar Joe Hart quando nem o golpe de vista lhe valia. Os tempos do golo de ouro - o fator que, por exemplo, deu o título à França em 2000 contra... a Itália - já lá vão mas o avançado do Bolonha poderia ter 'acabado' com a partida em cima do intervalo do prolongamento 

O MOMENTO Os primeiros cinco minutos de jogo, com uma intensidade supersónica e tudo o que se gosta no futebol - oportunidades (De Rossi acertou no poste logo aos três minutos, Buffon fez uma grande defesa só com uma mão a um remate à queima de Glen Johnson logo a seguir), passes certos, diagonais, pressão, futebol corrido (nem uma falta para amostra nesse período). Ou quase tudo: faltou o golo que mudaria tudo 

O HERÓI Buffon, que já tinha feito uma defesa 'impossível' logo no início do encontro e teve papel preponderante no desfecho das grandes penalidades ao travar a marcação de Ashley Cole. Buffon e Pirlo, claro - depois de ter enchido o campo de classe, transformou o seu penálti com grande categoria à Panenka... quando a Itália estava a perder 

A ESTRELA Mario Balotelli, o Peter Pan que voltou a ser Super Mario dentro do jogo que ele gosta, sempre atrás do cogumelo com pontos extra - o golo. E foi sempre a subir: nas primeiras ações, o disco rígido fez reset na altura de passar de nível (remate do nada tão fraco que mal chegou à baliza; remate falhado por corte da defesa britânica quando estava isolado); a seguir, sonhou tão alto que os disparos, dentro e fora da área, saíram por cima da baliza; por fim, só falhou o bónus especial da exibição porque apanhou pela frente uma parede intransponível chamada Joe Hart. Certo é que a squadra azzurra teve o melhor de Balotelli e nem sempre Balotelli teve o melhor da squadra azzurra 

O JOKER Walcott, pela Inglaterra; Diamanti, pela Itália. Quando metade dos jogadores já estava com o depósito na reserva e a outra metade a poupar gasolina para aguentar o prolongamento sem gripar o motor, os avançados aceleras travaram um duelo individual em torno de quem conseguia quebrar os 'tratores' defensivos contrários. E uma coisa é certa: não marcaram nem fizeram assistências para golo (pelo menos concretizadas) mas foram os únicos capazes de evitar que os últimos 30 minutos fossem jogados a dez à hora 

Kerim Okten/EPA Buffon foi um dos heróis italianos

O VILÃO Há uma expressão que caiu em desuso no futebol mas que andava pelo top-5 no dicionário do 'futebolês' - os setores assimétricos de uma equipa, sobretudo no meio-campo. No caso inglês, não é tanto assim a nível do modelo de jogo mas torna-se assim no plano das características dos seus intérpretes. É aqui que entra Ashley Young, extremo a quem se pedia mais para esticar o futebol inglês uns 20 metros (até porque marcou alguns golos nessa posição pelo Manchester United). Porque se é certo que, na filosofia de Hodgson (qualquer parecença com a que utilizava na sua ex-equipa, o West Bromwich, pode não ser mera coincidência), as linhas atuam mais recuadas do que é normal, também é verdade que os alas não devem servir apenas para compensar. Young só desequilibrou uma vez - quando atirou a sua grande penalidade à trave e permitiu que a Itália entrasse de novo na discussão da eliminatória...

O SEGREDO A 'italianização' do futebol britânico. Esqueça aquela máxima do 'kick and rush' - que, verdade seja dita, soava melhor fonética do que visualmente -, o modelo de jogo inglês mudou com os tempos: a equipa joga com linhas mais baixas, os extremos são 'calmantes' dos laterais e não 'muletas' dos avançados; os elementos adiantados andam muitas vezes a proteger os homens recuados (Welbeck e Carroll, por mais do que uma vez, foram 'safar' a defesa nas bolas paradas e corridas). Mas é essa faceta mais pragmática que permitiu à equipa dos três Leões (que cantou toda o hino, como Hodgson pedira) recuperar os pergaminhos da altura em que tudo andava à volta do... 'kick and rush' 

O ERRO Não fazer um último 'forcing' para evitar o prolongamento: do lado inglês, com Gerrard preso por arames a arrastar-se com cãibras e Scott Parker sem pulmão para dar gás ao meio-campo, a atitude nos últimos minutos do tempo regulamentar foi a do pontapé para a corrida de Walcott, fé em Deus e... zero riscos de pecado nas transições defensivas; do lado italiano, com Balzaretti a nem saber já de que zona do corpo se devia queixar e Montolivo com o depósito na reserva, a postura nos últimos minutos do tempo regulamentar foi a do passe curto à frente, fé em Deus e... zero riscos de pecado nas transições defensivas. Os trinta minutos de prolongamento foram assim um... sacrifício

O NÚMERO 2, o número de cartões mostrados por Pedro Proença, que fez o último encontro no Euro em virtude da presença de Portugal nas meias-finais da competição. E foi sempre a subir, tal como a própria Seleção: nota 3 no Espanha-Rep. Irlanda; nota 3,5 no França-Suécia; nota 4 no Inglaterra-Itália. Passou todos os exames na primeira vez que esteve na escola das grandes competições por seleções sem favores nem cábulas. Ele e os auxiliares - o golo anulado a Nocerino (115') não era fácil mas foi mesmo ilegal 

O ACONTECIMENTO A Inglaterra até consegue mais ou menos equilibrar as contas nos encontros com a Itália: em 23, entre oficiais e particulares, ganhou sete, empatou sete e perdeu nove vezes. Ok, fica a perder mas nada que deixe muito corado as caras típicas dos ingleses, com pele tipicamente branquinha, que precisam de pouco para mostrarem a sua vergonha. O problema mesmo é quando entramos no domínio das decisões na fases finais - aí, a Itália ganhou 1-0 no Euro-1980 (Tardelli) e 2-1 no Mundial-1990 (Baggio e Schillaci; Platt). Sempre em solo transalpino 

O AMANHÃ Segue-se a Alemanha para a Itália e o regresso a casa para a Inglaterra. Mas, para uns e para outros, o díficil mesmo será o dia de amanhã. Literalmente - o desgaste após 120 minutos intensos de futebol foi mais que muito e, no caso dos transalpinos, terão ainda dois dias a menos para recuperar até à meia-final... 

FICHA DE JOGO Estádio Olímpico de Kiev (Ucrânia). Árbitro: Pedro Proença (Portugal). Inglaterra: Joe Hart; Glen Johnson, John Terry, Lescott, Ashley Cole; Scott Parker (Henderson, 94'), Gerrard, Milner (Walcott, 61'), Ashley Young; Rooney e Welbeck (Carroll, 60'). Treinador: Roy Hodgson. Itália: Buffon; Abate (Maggio, 90+1'), Barzagli, Bonucci, Balzaretti; Pirlo, Marchisio, De Rossi (Nocerino, 80'), Montolivo; Cassano (Diamanti, 78')e Balotelli. Treinador: Cesare Prandelli. Cartões amarelos: Barzagli (82') e Maggio (94'). Grandes penalidades: Balotelli (marcou, 0-1); Gerrard (marcou, 1-1); Montolivo (atirou ao lado, 1-1); Rooney (marcou, 2-1); Pirlo (marcou, 2-2); Ashley Young (atirou à trave, 2-2); Nocerino (marcou, 3-2); Ashley Cole (Buffon defendeu, 3-2); Diamanti (marcou, 4-2) 


Opinião


Multimédia

Cheesecake com manjericão e doce de tomate

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 3 Comentar
ordenar por:
mais votados
Re: Inglaterra volta a cair num 'precipício' de 11
Mas que conversa...parece que a Inglaterra teve muito azar e acabou por perder na lotaria dos penalties...a Inglaterra foi totalmente dominada pela Italia...os numeros falam por si...muita sorte sim teve a Inglaterra por nao ter saido derrotada no tempo regulamentar por 4 ou 5 golos de diferenca...o terem ido aos penalties foi uma benesse que a inglaterra nao merecia...
Re: Inglaterra volta a cair num 'precipício' de 11
Re: Inglaterra volta a cair num 'precipício' de 11
Comentários 3 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub