Anterior
Incêndio em prédio na Avenida da República
Seguinte
Tiroteio em templo religioso nos EUA
Página Inicial   >  Atualidade / Arquivo   >   Incêndio na Av. da República só causou danos materiais

Incêndio na Av. da República só causou danos materiais

Fogo num prédio na Av. da República, em Lisboa, já foi extinto pelos bombeiros e ninguém ficou ferido entre a meia centena de habitantes.
|
Fotografia tirada por uma testemunha no local
Fotografia tirada por uma testemunha no local / João Lopes

Os bombeiros do Regimento de Sapadores de Lisboa deram como extinto, por volta das 20h, o incêndio no nr. 17, ao lado da pastelaria Versailles, na Avenida da República, em Lisboa. Não houve feridos. A Residencial Saldanha, que funciona no efifício afetado, mantém-se em laboração normal.

"A situação está resolvida, o fogo já está extinto, estamos na fase final do rescaldo. Os trabalhos estão praticamente terminados e, de seguida, vamos fazer uma avaliação com os proprietários, ou os ocupantes, para ver quais os estragos e as necessidades que têm, juntamente com a Proteção Civil", disse à imprensa o subchefe principal Rodrigues.

A estrutura do telhado do número 17 ficou "completamente danificada porque houve necessidade de retirar as telhas para apagar o fogo que se propagou ao madeiramento da estrutura da cobertura" e há "alguns compartimentos a céu aberto", precisou.

Ninguém precisou de ser transportado ao hospital


Não se registaram feridos, apenas uma senhora idosa foi assistida por uma ambulância do INEM no local, por inalação de fumo, mas não foi necessário transportá-la para o hospital.

Estiveram no local sete viaturas e 25 bombeiros a combater as chamas que deflagraram nas águas furtadas do prédio, que tem cinco andares.

Apesar de o incêndio ter afetado primeiro as traseiras do prédio, as chamas eram visíveis da Avenida da República onde, de resto, o trânsito foi imediatamente condicionado no sentido Entre Campos-Saldanha.

Segundo alguns empregados da pastelaria Versailles, no prédio em chamas não há gás canalizado, pelo que se temia a ocorrência de explosões.

Poucos minutos após a chegada dos bombeiros, e com a cobertura do prédio em chamas, alguns dos ocupantes dirigiam-se para as pequenas varandas, a tentar perceber melhor o que se passava.

A resposta do Regimento de Sapadores de Lisboa foi imediata e em pouco mais de 10, 15 minutos chegaram ao local vários carros de combate a incêndio - dois com escadas magirus - e uma ambulância do INEM, além de vários carros da polícia.

A Avenida Duque de Ávila estava completamente cheia de fumo, pois o vento forte empurrava as chamas de norte para sul.

Segunda-feira será feita uma vistoria


Em declarações à agência Lusa, Eugénia, uma cidadã búlgara de 42 anos que habita no terceiro andar do prédio e que deu o alarme do incêndio, explicou que no seu andar moram diversas pessoas em dez quartos arrendados e que nas águas furtadas, onde mora a filha, foi onde o fogo deflagrou.

Segundo Emília Castela, diretora da Proteção Civil de Lisboa, as pessoas que habitam na cobertura do edifício não poderão aí passar a noite e terão de ser realojadas.

Segunda-feira "será feita uma vistoria por parte de outros serviços da Câmara [Municipal de Lisboa], que vão determinar depois que tipo de trabalhos é preciso serem feitos para as pessoas ocuparem novamente o imóvel", acrescentou à Lusa, adiantando que na residencial do primeiro andar habitam 25 pessoas e no segundo e terceiro andares e águas furtadas, 19 pessoas.


Veja a fotogaleria:




Opinião


Multimédia

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 

Crumble. A sobremesa mais fácil do mundo

Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida, especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 3 Comentar
ordenar por:
mais votados
Os nossos políticos que desgovernam o País...
E assim vai acabando o nosso património habitacional.

Se não arde, desmorona-se. É em Lisboa e todas as cidades deste País.
Belíssimos edifícios em estado degradante.

Os políticos que passaram pelos vários governos deviam ser responsabilizados pela incúria com que governaram.

Todos sabem que a ruína é devido às rendas não actualizadas, mas nunca fizeram nada para resolver este problema, que já vinha do tempo de Caetano.

Re: Os nossos políticos que desgovernam o País...
Re: Os nossos políticos que desgovernam o País...
Comentários 3 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub