Anterior
Alice Vieira descobre a careca a Carvalho da Silva
Seguinte
Um oligarca russo vale mais que um desempregado português
Página Inicial   >  Blogues  >  É preciso topete  >   Imposto sobre depósitos rendia 13 mil milhões de euros em Portugal

Imposto sobre depósitos rendia 13 mil milhões de euros em Portugal

|

Qual seria o resultado de um imposto extraordinário em Portugal sobre os depósitos bancários,  semelhante ao que o Chipre foi obrigado este fim-de-semana a aplicar para receber ajuda financeira da troika (9,9% de taxa sobre valores superiores a 100 mil euros e 6,75% para valores inferiores a esta quantia)?  

O relatório do Fundo de Garantia de Depósitos publicado no ano passado (respeitante a 2011) refere que há 16,4 milhões de titulares de depósitos bancários em Portugal.

Destes, apenas 197.276 depositantes têm valores superiores a 100 mil euros, o que corresponde a 1% do número total de depositantes.

Estes 197.276 depositantes são detentores, segundo o relatório do Fundo de Garantia de Depósitos, de 65,6 mil milhões de euros, o que corresponde a 41,5% do montante total de depósitos em Portugal, que é de 158,1 mil milhões de euros.

Os números da poupança portuguesa são, como se vê, bastante impressivos em termos das assimetrias existentes.  

1% de portugueses é detentor de 41,5% dos depósitos bancários.

Os depositantes com saldos inferiores a dez mil euros representam, segundo os números do relatório do Fundo, 83% do número total de depositantes, ou seja 11 milhões de depositantes.

Estes 83% de depositantes detêm apenas 14,5 do total de depósitos.

Por sua vez, 16% de depositantes, cerca de 5 milhões de titulares, têm depósitos entre dez mil euros e 100 mil euros, representando 44% dos depósitos.

É  fazer as contas, aplicando as mesmas taxas do Chipre.   

9,9% de taxa sobre 197.276 depositantes com mais de 100 mil euros, perfazendo 65,6 mil milhões rende cerca de 6,5 mil milhões de euros de receitas de impostos.

6,75% de taxa sobre os restantes depositantes com menos de 100 mil euros, perfazendo 92,5 mil milhões de euros, gera cerca de 6,2 mil milhões de euros.   

Um total de quase 13 mil milhões de euros de receitas em impostos.        


Opinião


Multimédia

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 

Crumble. A sobremesa mais fácil do mundo

Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida, especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 17 Comentar
ordenar por:
mais votados
E ELES A DAREM-LHE COM "O CHIPRE"...
É "Chipre", Homem!!!

O que eles inventam para nos lixar.
E que tal no fim lavar o rabo com água de colónia?
Só uma correcção...
Falta considerar que muita gente tem vários depósitos pequenos, em vez de um grande; muitas aplicações são em fundos, logo, não contemplados.
Neste momento, se isso fosse aplicado em Portugal, penso que iria haver uma revolução. No Chipre vai ser aplicado, como primeira medida, para reduzir o impacto face a outras que cá, já foram tomadas.
'Imposto sobre depósitos rendia 13 mil milhões
O exercício é interessante (a começar pelas assimetrias que revela) mas estou com o capy aqui: é só?
Limita-se a explorar o que aconteceria quantitativamente a Portugal se aplicassem esta ideia, ou existe um juízo implícito também?
A exploração da ideia também está incompleta. A medida é cega e indiscriminativa, não distinguindo entre depósitos de poupanças (que neste momento, servem para o que serve a poupança, para moderar os tempos difíceis) e os depósito de operação ou de ativos de firmas. Um tal imposto reduziria automaticamente a massa monetária, e faria entrar automaticamente milhares de empresas na falência no próprio momento... e muitas outras mais, mais tarde, à medida o dominó das imparidades se fosse desenrolando ou o sistema bancário se retraísse com a perda de confiança naquele sistema. E depois, há o swap forçado do imposto por ações dos bancos... em outras palavras, o Estado recebe os bancos (nacionaliza-os) em pagamento dos impostos... mas que valor terão estes depois deste tipo de operações?
É um exercício interessante mas não funciona mais do que como desejo. E porque não um imposto de 100%? Sempre se podia cortar 157 mil milhões à dívida... não teríamos, era país depois disso.
Desculpem...
Mas estes técnicos da UE querem apenas começar uma honesta carreira numa quadrilha de assaltantes! Uma pessoa já não pode querer ser um profissional competente em nada!
Este apoia os lobos e o roubo organizado...
Sem mais comentários, os uivos não o merecem...
PS: em que offshore tem os seus depósitos?? curiosidade não mata...
E?
Fiquei sem perceber se Gaião apoia o roubo ou não?
Implícito,senão explícito
retificação : offshores
Segundo li a taxa de 9,9% aplica-se para valores
acima dos 100.000 euros. assim, uma cont ade 150.000 será taxada do seguinte modo:

100.000 * 6,75% + 50.000*9,9%

Entretanto, em Portugal, já se rouba descaradamente as contas à ordem com saldos medios trimestrais abaixo dos 2500 ou 3000 euros, pagam uma taxa de manutenção ???, de 15 na CGD, 21 no milleniun, se nao erro.

Sendo que de futuro se fala na possibilidade de desaparecer qq pagamento forma d epagamento líquido, os bancos vão continuar a rir-se na cara das pessoas.
re: Segundo li a taxa de 9,9% aplica-se para valor
Isso...
... dêem ideias ao Gaspar...
Off off ...
E se nacionalizassem os off-shores! E 30% aos lucros bancários? E 40% aos lucros acima de € 900.000?
para o Chipre e em Força
Taxas para nao residentes em Chipre:
dividendos e mais valias - 0%
Para empresas em Chipre: IRC - 10%

E depois queixam-se que o dinheiro é de fontes menos limpas, ahahahah. É também um aviso para as politicas agressivas de captação de recursos. Há sempre um outro lado da moeda.
O que é que este gajo está a sugerir?
Este tipo de gajos que pomposamente se intitulam de comentaristas, na sua grande maioria são a escumalha da escumalha.

Este indivíduo está sugerir que nos roubem as nossas poupanças. Não é um artigo de opinião, não. É uma espécie de anestesia para nos preparar para mais um roubo a juntar aos outros que esta canalha tem feito ao povo português.

Eu pessoalmente, vou retirar as minhas poupanças que ainda tenho em Portugal.

Deixei de enviar remessas desde o bandido do Sócrates, que foi deposto por outro bandido, mas ainda maior. Agora se me vão roubar o fruto de muitos anos de trabalho de emigrante. Não vou aceitar!!!! Vou abrir um depósito em um país que não tenha a me... do Euro. Um país que não esteja sujeita a essa cáfila de gente não eleita da CE, BCE, FMI, que mais não são do que os testas de ferro da máfia financeira.

Pagam uma caca de juros, se me cobrarem 9,9 % vão me retirar a renumeração dos 3,5 e meio.

Caro Paulo Gaião!
Com o devido respeito Vilfredo Pareto escreveu o seu artigo em 1906...
Lei de Pareto
Comentários 17 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub