18 de abril de 2014 às 15:54
Página Inicial  ⁄  Atualidade / Arquivo   ⁄  Idosas encontradas em casa morreram de forma dramática

Idosas encontradas em casa morreram de forma dramática

Uma idosa terá morrido em casa, em Lisboa, devido a doença prolongada, deixando de poder auxiliar a irmã mais velha, acamada, que acabou por morrer sem comida e água.
Lusa

As circunstâncias da morte das duas idosas encontradas hoje na sua casa, em Lisboa, são condideradas dramáticas, uma vez que a mais nova morreu devido a doença prolongada e deixou de prestar auxílio à irmã, que acabou por morrer também.

Fonte da PSP adiantou à agência Lusa que as duas irmãs, de 74 e 80 anos, foram encontradas hoje à tarde mortas em casa, na Travessa do Convento de Jesus, freguesia das Mercês, em "avançado estado de decomposição", depois de um alerta dado por uma vizinha que regressou de umas férias no estrangeiro.

De acordo com a versão policial, a mulher de 80 anos estava acamada e era a sua irmã, portadora de doença cancerígena, que tomava conta dela.

A mais nova acabou por morrer devido à doença prolongada, deixando a irmã mais nova sem qualquer assistência e que acabou por falecer também, privada de comida e de água.

Só com o alerta da vizinha, que regressou de férias e achou estranho as duas irmãs não responderem aos toques de campainha, é que a PSP foi chamada a intervir, chamando uma equipa do Regimento de Sapadores Bombeiros para arrombar a porta.

Comentários 23 Comentar
ordenar por:
mais votados ▼
Não nos culpemos daquilo que não somos culpados
Há muitos casos idênticos.

É a miséria ou característica humana...

Ainda hoje tive conhecimento de um casal de velhos, que são tão quezilentos, que nem os filhos conseguem ter forma de os ajudar.

Ambos estão com a visão diminuída por serem diabéticos, mas ninguém (em termos de empregadas ou auxiliares) consegue ficar lá algumas semanas, porque eles são intratáveis e não gostam de 'intrusos'.

Ir para um lar, é uma ideia e sugestão da família, várias vezes colocadas e sempre recebidas com sinal de asco e desprezo, como se alguém quisesse leva-los para um monte.

Neste ambiente o casal vive sozinho, e qualquer dia estão mortos sem a família saber, nem os vizinhos darem conta, pois no prédio onde vivem, cada um entra e sai a correr.

Para tornar a realidade ainda mais estupidamente complicada, o casal de velhotes têm uma reforma de cerca de 1400 euros cada um, e têm uma fortuna nos bancos, porque o casal era muito trabalhador e nada gastador, tendo-se dedicado toda a vida a construir e a vender ou alugar habitações.

Perante esta situação, só resta à família deixá-los morrer sossegados...

Digo isto assim tão cruamente, porque ninguém, e já foram feitas várias tentativas, consegue demover os velhotes de casa, nem querem ninguém a «observar as suas intimidades ».

Sem ser à força, não há solução.
Também receiam que retirá-los daquele ambiente onde se sentem 'seguros', poderá provocar um fim de vida infeliz.

Cada ser humano é 'um Mundo'...
Estes escolheram, não foram abandonados. Ver comentário
Re: Estes escolheram, não foram abandonados. Ver comentário
Re: Estes escolheram, não foram abandonados. Ver comentário
Re: Estes escolheram, não foram abandonados. Ver comentário
Re: Não nos culpemos daquilo que não somos culpado Ver comentário
Re: Não nos culpemos daquilo que não somos culpado Ver comentário
Se aparecerem herdeiros, devem ser considerados?
Mais um triste caso em que os chamados "herdeiros legítimos" deviam ser legitimamente deserdados.

Não se morre de doença prolongada nem de subnutrição em 2 dias. Estas senhoras morreram de abandono e indiferença.

Não têm herdeiros legítimos no mundo.
Re: Se aparecerem herdeiros, devem ser considerado Ver comentário
Está garantido
o avolumar de casos destes. Infelizmente é só esperar... se a CS ainda tiver ordem para noticiar!
O isolamento e, muitas vezes, a forma como as
pessoas querem distância dos demais, acaba por ser uma armadilha certeira para um final no completo esquecimento. É um drama humano que parece chocar, mas o homem é um ser capaz de práticas impensáveis, mesmo que acarretem seu fim biológico. Rio Grande
Alguém me pode ajudar?
Quantas centenas de milhares de Euros deu a Câmara Municipal de Lisboa, no ano passado à Fundação Mário Soares?

Quantas centenas de milhares de euros, vai a câmara Municipal de Lisboa dar à Fundação Mário Soares este ano?

Não venham dizer que não há dinheiro para acudir a estas situações (Parece que os Sapadores de Lisboa têm até um serviço de apoio a idosos merecedor de um Nobel da Paz), o que ná há é vontade na Câmara em gastar dinheiro com estas situações lamentáveis.
Poderemos descer ainda mais baixo ?
Triste povo que chega a a isto !!!
As sociedades são julgadas pela forma como tratam os mais velhos e os mais necessitados.

Em que é que evoluimos ?
Nunca estivemos tão ligados como hoje...
Nunca estivemos tão ligados como hoje. Pergunto-me se agora temos mais o conhecimento das situações ou se estas estão a aumentar...

Ouvi a noticia no carro e pensei logo "Então a família e os vizinhos?".
E pensei no meu caso. Mal conheço os meus vizinhos, e vivo num bloco com 6 apartamentos. Não faço ideia quando estão ou não, ou como estão... E não é uma coisa que me preocupe ou que pense no dia-a-dia.
É uma situação de indiferença, não me dizem nada. Pode ser criticável, mas é uma posição honesta.

Já quanto à família, é muito difícil de compreender, tendo em conta a situação das duas idosas e o tempo que já terá acontecido.

Depois ouvi a Sra. da Junta a explicar que nunca tinham solicitado ajuda... Irritante. Revoltante.

Sabiam da situação, do estado e das condições das idosas e não se toma nenhuma atitude?

É preciso esperar que nos peçam para ajudar, quanto tudo é tão claro e evidente?

Nunca estivemos tão ligados como hoje, e nunca estivemos tão distantes daquilo que verdadeiramente nos une...
Re: Nunca estivemos tão ligados como hoje... Ver comentário
Re: Nunca estivemos tão ligados como hoje... Ver comentário
"ESTE É O PAÍS REAL"
Foram estes governantes que transformaram este país num grande pântano de insensibilidade por parte dos serviços que deviam seguir estas situações dramáticas mais de perto.As pessoas são abandonadas sem condições enquanto os políticos e a maltinha dos partidos dos governos mete a mão no saco faltando dinheiro para o básico funcionamento da nação.O outro está em Paris e estes estão na lua....
O Povo é quem mais ordena...
Ainda vai ser pior....vejam a noticia da escola a cobra 10 euros por cedder uma sala...quando nos países n´rdicos são os pais que escolhem os professores por entrevista e fazem parte activa do corpo dirigente..a comunidade envolve-se ..aqui estamos ada vez mais insensiveis mais igoistas..invejosos..mentirosos. Vivemos numa sociedade sem alegria em que as pessoas estão sózinhas no meio da multidãoe caminham de olhos pregados no chão...nem sorrir já sabem....e chamam a isto Democraca e liberdade.....
INGÉNUOS, governo poupa milhões não poupando vidas
A desumanização caótica dos serviços sociais, perpetrada pelo actual governo já começa a fazer-se sentir e da forma mais cruel... Paga-se com a vida, com a dor e a perda de dignidade.
O governo sempre hasteou a bandeira dos cortes colossais...
Garantiu ao povo, que iria realizar cortes históricos na despesa pública...
Mal sabíamos nós...ingénuos, a ameaça que esta promessa ocultava.
Ingénuos fomos levados a acreditar que eles se referiam a cortes na despesa pública, respeitantes aos luxos e mordomias da classe politica e dos gestores públicos.
Ingénuos acreditamos que eles iam abdicar dos carros de luxo, das ajudas de custo colossais, das reformas acumuladas, precoces e desproporcionadas, dos boys, das fundações e instituições despesistas e inúteis, do financiamento dos partidos, do financiamento das campanhas, dos salários colossais e acima da média da Europa, etc etc...
    http://apodrecetuga.blogs...
VERGONHA
A RR anda a pedir para os vicentinos, a cáritas pede a toda a hora, a santa casa idem aspas, as juntas de freguesia é mais do mesmo - querem todos segurar os seus tachos da caridadezinha.

ESTOU ENVERGONHADO !
A indiferença e a solidão ... Tristeza
Assuntos destes deviam ser aprofundados e o debate sensibilizador... mas mais uns dias e esquece-se. Oferecerem condições dignas a pessoas que trabalharam até não poderem mais e que têm familiares ou não disponíveis para os acompanharem é ir de encontro à dignidade humana.Por diversas razões nem todos os idosos estão sozinhos porque os familiares os abandonem. Há familiares que por melhores sentimentos que tenham não têm forma de acompanhar os familiares mais velhos. Tirando as famílias que vivem com (algum desafogo económico), que a grande maioria é obrigada a trabalhar para sobreviver para criar os filhos e cumprir os seus compromissos. Numa altura em que o estado, com a justificação que todos devem pagar a crise, pouco ou nada apoia as família, devia antes criar condições para que crianças e idosos tivessem um acompanhamento mais humano. E, se algum investimento tem sido feito a nível de creches e infantários, a nível dos mais velhos as coisas são diferentes para criar e acolher as pessoas com fraco poder económico, não têm nada nem ninguém, devia ser exemplo a seguir.Provavelmente acabar-se-iam com os lares ilegais, onde os idosos são maltratados..Não se pode escamotear o facto do envelhecimento em em Portugal é uma realidade, portanto,para evitar que os idosos continuem a morrer sozinhos é importante as respostas sejam repensadas numa unidade que não se dissociar que é estado,família,Igreja Instituições sociais,bem como sociedade olhar para além do seu umbigo.
GALINHAS OU IDOSOS
Uma morreu de doença, a outra porque, estando acamada, não teria perto de si um telefone ou dispositivo de emergência, ligado à Junta de Freguesia, IPSS, ou gabinete de assistência social vocacionado para receber apelos das centenas de idosos a viverem sózinhos, na NOSSA CAPITAL e no resto do país.
  Isto não é só uma falha da administração (SENDO NO ENTANTO ESSE UM FACTOR) isto é, claramente, uma FALHA DA SOCIEDADE, logo, uma falha de TODOS NÓS, cidadãos que nos julgamos de corpo inteiro, e perante uma notíca destas, descobrimos que nos estamos a tornar cidadãos amputados, da parte mais valiosa do ser humano, a solidariedade, o amor ao próximo e, acima de tudo a HUMANIDADE.
Num prédio, mesmo pequeno, vivem, regra geral mais de meia dúzia de famílias (1dúzia de pessoas). Onde anda a solidariedade voluntária que permitiria a cada um dos vizinhos zelar por um idoso que habitasse sózinho no mesmo prédio? Daria em média, um dia por semana, para cada vizinho ir bater à porta, saber se está tudo bem e se é preciso algo. Só por si, este gesto ajudava a viver com mais conforto e segurança e, a MORRER COM MAIS DIGNIDADE.
E isto não é política, nem compete aos políticos. Isto é voluntariado de proximidade, humanidade e humanização, mas acima de tudo é altruismo e amor ao próximo.
O desenvovimento de uma sociedade mede-se pela forma como trata os seus iguais, e não pelo tamanho e forma das gaiolas onde cria a suas galinhas, mas, aparentemente só há multas no segundo caso.
Re: GALINHAS OU IDOSOS Ver comentário
PUBLICIDADE
Expresso nas Redes
Pub