1
Anterior
Camané leva hoje fados "Do Amor e dos Dias" ao CCB
Seguinte
IC19 reabre ao trânsito nos dois sentidos
Página Inicial   >  Atualidade / Arquivo   >   IC19 cortado em ambos os sentidos

IC19 cortado em ambos os sentidos

Despiste de um veículo pesado obrigou ao corte do IC19 na zona de Queluz. E um choque em cadeia na A5 ajudou a ampliar o caos nos acessos a Lisboa. (Víder SIC no final do texto)
Lusa |
Camião despistou-se no IC 19, junto ao nó de Queluz
Camião despistou-se no IC 19, junto ao nó de Queluz / Mário Cruz/Lusa
Remoção do camião foi demorada e atrasou a reabertura do IC19
Remoção do camião foi demorada e atrasou a reabertura do IC19 / Mário Cruz/Lusa

O despiste de um veículo pesado no IC 19, perto de Queluz, provocou hoje um ferido ligeiro e o corte do trânsito nos dois sentidos, já que no sentido oposto, em consequência do primeiro acidente, uma viatura embateu num bloco de cimento deslocado pelo camião.

De acordo com fonte da PSP, o primeiro acidente aconteceu por volta das 6h50 de hoje, tendo o veículo pesado que transportava carne embatido contra o eixo central da estrada, tendo o condutor ficado ferido. No sentido oposto, um carro chocou contra um bloco de cimento e por muito pouco não provocou um choque em cadeia. O condutor também ficou ferido e já foi transportado para o hospital

O trânsito foi cortado nos dois sentidos, estando a polícia ainda a proceder à remoção da carga e das viaturas. 

Corte de circulação na A5


Entretanto, um choque em cadeia entre três viaturas na autoestrada Lisboa-Cascais (A5) provocou esta manhã o corte da circulação na direção de Cascais, tendo também o sentido inverso vários quilómetros de fila, constatou a Lusa no local. 

O acidente, provocado pelo embate de três automóveis cerca das 8h30, não provocou vítimas mas congestionou o trânsito nos acessos a Lisboa e Cascais. 

Na faixa de rodagem para Cascais, os veículos e condutores estão ainda parados na estrada, estando o trânsito bloqueado. 

Na faixa de sentido contrário e devido ao acidente que fechou hoje o IC19 devido ao despiste de uma viatura pesada, a fila compacta de carros atinge vários quilómetros, ultrapassando já a saída de Oeiras. 




Opinião


Multimédia

Cheesecake com manjericão e doce de tomate

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 1 Comentar
ordenar por:
mais votados
o desrespeito do costume...
É uma vergonha. Desde as 7 da manhã chega-se a Queluz de Baixo e o IC19 tem um carro patrulha da polícia a cortar o acesso, os milhares de automobilistas que se dirigem a Lisboa, aglomerados nas suas viaturas ficam bloqueados e seguem lentamente a única saída possível, o entroncamento que vai dar à rotunda e Queluz de Baixo, onde seria de esperar encontrar algum dos polícias de serviço a ajudar a controlar o trânsito numa artéria, com perda de prioridade, onde irão dar milhares de carros.
Mas não. Os polícias (3 ou 4) encontram-se de guarda à sua viatura no IC19 e ali ficam. Os automobilistam fazem pela vida sem qualquer ajuda (algo já usual). Uns vão aglomerar-se em Queluz onde já ninguém consegue andar, outros vão para Carnaxide encostar-se às filas ali existentes.
Enfim é o já habitual desrespeito em relação aos habitantes da zona metropolitana de Lisboa, cujos impostos sustentam este País.
Uma ideia: Não seria mais fácil fazer o desvio do trânsito um pouco atrás, na CREL onde o trânsito poderia ser desviado para outros destinos?
Para isso era preciso que alguém se preocupasse de verdade, não era?
Já agora, para quando a aquisição de uma viatura/grua para remover os obstáculos que teimam em cair nas vias de acesso a Lisboa e que demoram mais de 12 horas em média a ser removidos? Situações destas repetem-se, o prejuízo que estas pessoas ali presas dão ao País deveria fazer pensar os (ir)responsáveis.
Comentários 1 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub