10
Anterior
Baltasar Garzón diz que há medo de uma investigação à ditadura
Seguinte
Igreja demarca-se das acusações do bispo das Forças Armadas
Página Inicial   >  Atualidade / Arquivo   >   Hospitais podem perder urgências

Hospitais podem perder urgências

O encerramento de serviços de urgência em 12 hospitais e a desclassificação dos mesmos serviços em outros oito é sugerida pela Comissão de Reavaliação da Rede Nacional
Hospitais podem perder urgências

"Fecho de 12 urgências proposto ao Governo por grupo de peritos" é a manchete de hoje do jornal " Público ", que refere que os hospitais de Fafe, Valongo, Santo Tirso, Tomar, Peniche, Lagos, Loulé, Oliveira de Azeméis, Montemor-o-Novo, Serpa e Macedo de Cavaleiros como os que poderão ficar sem este serviço

A medida é sugerida pelos peritos da Comissão de Reavaliação da Rede Nacional de Emergência/Urgência ao ministro da Saúde, mas o gabinete de Paulo Macedo ressalva que a proposta tem "apenas um carácter consultivo".

O estudo agora divulgado propõe que os serviços de urgência seriam reduzidos dos atuais 83 para apenas 73. Ao encerramento, soma-se ainda a proposta de desclassificação de outros oito serviços de urgência. Segundo o " Jornal de Notícias ", Gaia, Covões, Almada e Évora deixariam de ter Serviço de Urgência Polivalente para passarem a ter apenas Serviço de Urgência Médico-Cirúrgica. A Póvoa de Varzim, Mirandela, Figueira da Foz e Torres Vedras ficariam reduzidos a Serviços de Urgência Básica.

O "Público" refere ainda a proposta do agravamento das taxas moderadoras para os doentes que sistematicamente recorrem a estes serviços com situações não urgentes.

Entretanto, a Antena 1 refere hoje que a urgência de Oncologia do hospital do Barreiro pode encerrar por falta de médicos. Esta unidade de saúde ficou recentemente sem dois clínicos seniores, passando a contar com apenas três médicos.


Opinião


Multimédia

Cheesecake com manjericão e doce de tomate

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 10 Comentar
ordenar por:
mais votados
Mas que título!...
Independentemente de estar ou não de acordo com as conclusões do estudo, dos gastos na sua elaboração e da forma mais ou menos rigorosa e até idónea como foi elaborado, o que me espanta é o título desta notícia:

"Hospitais podem perder urgências". Será que o único título admissível para um qualquer órgão de comunicação digno e minimamente rigoroso não seria: "alguns hospitais podem perder urgências"? Ou ainda "Estudo, encomendado pelo governo, revela alterações nas urgências hospitalares"?.

Afirmo isto porque, a acreditar no que está escrito no desenvolvimento da notícia, há hospitais que perdem as urgências (que tipo de urgências têm atualmente?) e há outros que apenas deixam de ter determinado tipo de urgências.

Há que ser mais credível e rigoroso a informar!
Re: Mas que título!...
Re: Mas que título!...
Re: Mas que título!...
Estudos de "consultores arrelvados"?
Expliquem-me como se eu fosse uma criança de 4 anos: como é possível comparar a densidade populacional de Almada com a de Serpa, e mandar fechar as urgências às cegas?

Os de Serpa não precisam delas para nada, os de Almada (sempre são mais umas alminhas), podem ficar com uns serviços mínimos de apendicites e braços partidos?

Desconfio que estes "consultores" nem se informaram sobre o número de habitantes por zona. Estudos à Relvas...paciência.

O SNS É PARA ACABAR ... OU FICAR REDUZIDO A CINZAS
Os passos estão a ser dados nesse sentido ... este estudo é apenas mais um ...

Quem é que ainda não percebeu ?

Os portugueses deixam de ir à urgência do hospital ... passam a ir directos para o Instituto de Medicina Legal ...
Re: O SNS É PARA ACABAR ... OU FICAR REDUZIDO A CI
CADA VEZ MAIS
Tenho medo destes universitários pois dão mostras de uma demência atroz que confundem um mecânico com um trolha.
Gostava de saber quanto se gastou
Era bom que o governo revelasse o valor destes estudos, apenas de carácter consultivos.

Acho que os governos deviam ter a suas próprias empresas, antes de pagar milhares para estes estudos, que mutias vezes são medíocres. Alem do as consultores podem estar viciadas pelos seus outros clientes do privado.

Mas é preciso ajudar os primos e padrinhos, assim que é preciso muitos estudos. Mas não digam a ninguém que uma consultora pode cobrar em media por consultor sênior 500€/h.
Que de sênior só mesmo os anos de trabalho, que aparece aí cada cepo, não sei se rir ou chorar.
A Troika que os pariu!
Vamos a factos e nada de propagandas:
www.youtube.com/watch?v=b7FcZjWPJAU
Comentários 10 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub