Anterior
Chechénia: Rebeldes mortos e todos os deputados em segurança
Seguinte
Greve: França perto do caos
Página Inicial   >  Atualidade / Arquivo   >   Homem "sem rosto" do Rossio remove tumor de 5,5 quilos nos EUA

Homem "sem rosto" do Rossio remove tumor de 5,5 quilos nos EUA

José Mestre, conhecido há vários anos no Rossio como o "homem sem rosto", foi operado por uma equipa médica em Chicago, que lhe retirou um tumor de 40 centímetros e 5,5 quilos. (Veja vídeo no final do texto)
Lusa |

José Mestre, conhecido há vários anos no Rossio e Restauradores como o "homem sem rosto", foi operado em Chicago, tendo-lhe sido removido um tumor de 40 centímetros e 5,5 quilos, noticiou a estação televisiva ABC.

O tumor, que cobria a maior parte do rosto e punha em risco a vida de José Mestre, foi retirado depois de três meses de preparação em Chicago, nos Estados Unidos, tendo sido necessárias quatro cirurgias.

"Finalmente teve uma hipótese de levar uma vida mais ou menos normal porque, antes disto, [José Mestre] sentia que, apesar de nunca o ter pedido, era o centro das atenções em todo o lado", disse o seu tradutor à ABC.

Documentário no Discovery


A história começou no ano passado quando, em julho, José Mestre, então com 53 anos, foi convidado pelo canal de televisão Discovery para filmar em Londres um documentário sobre o seu problema.

O programa, intitulado "O homem sem cara", foi apresentado no início de dezembro mostrando o rosto deformado do homem que costumava andar pela zona do Rossio, tendo o canal contactado dois médicos famosos nos hospitais de St. Bartholomew e de Broomfield para pedir opinião.

Ian Hutchison, o médico do St. Bartholomew consultado, ofereceu-se de imediato para fazer-lhe uma cirurgia inovadora, e de graça, para devolver a José Mestre o rosto que desde criança se vinha a deformar prometendo uma melhoria da qualidade de vida já que lhe possibilitaria respirar melhor, falar, comer e ver.

A maior dificuldade foi conseguir o acordo do próprio José Mestre que, como testemunha de Jeová, mostrou reservas em fazer a cirurgia.

No entanto, o facto de, nos últimos meses, o tumor lhe ter provocado cegueira de um dos olhos, além de ter coberto por completo a boca e a língua, levou a sua irmã a insistir na operação.

Vida nova


"Se não fosse feito nada, ele morria", explicou à ABC a irmã, Edite Abreu, garantindo que "agora, ele tem uma nova vida".

José Mestre, que foi submetido a duas cirurgias perigosas nos últimos dias para reconstruir o seu rosto, está ainda a recuperar, com o rosto envolto em gaze, mas já consegue deslocar-se sozinho e falar com dificuldade.

"Nenhum médico o queria operar, por isso, para ele, desde a primeira cirurgia que esta história tem um final feliz, porque ele nunca acreditou que chegasse aqui vivo", disse o tradutor à estação televisiva.

"Este foi provavelmente o maior tumor jamais retirado e, por isso, foi muito difícil fazê-lo sem deformar o rosto", explicou Ramsen Azizi, um dos cirurgiões que está a tratar do caso.

José Mestre saiu do hospital na segunda feira à tarde e voltará a Portugal daqui a poucas semanas, refere a ABC, acrescentando que a família continuará a ser apoiada médica e financeiramente pelo hospital. 
  

Veja o vídeo com um excerto do documentário "O homem sem cara":



Opinião


Multimédia

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 

Crumble. A sobremesa mais fácil do mundo

Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida, especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 44 Comentar
ordenar por:
mais votados
Esta terra não é para Josés
Sempre que passei pelo Rossio, lá estava ele, sentado num degrau de uma porta. Não sabia que se chamava José, nem o que fazia ali: Não me pareceu que pedisse esmola, estava sentado pura e simplesmente, a assistir ao "desvio" dos passantes que o evitavam encarar. A cidade torna-nos seres indiferentes. Ou se calhar, nós é que nos tornamos e damos isso como desculpa.

Mas esta notícia recordou-me os siameses angolanos, em que alguém neste espaço, perguntou: quem paga?

Recordou-me também os comentadores que veem o mundo a preto e branco, em que solidariedade se choca com Capitalismo. Principalmente na América, de onde vêm todos os males.

Aparte o possível interesse científico da operação, uma Universidade e a boa vontade dos médicos, permitiram tal acção. E mais… assinala-se que o José e a família, no pós-operatório, continuam a contar com o apoio financeiro da Universidade.

Sinal que, neste país que é o nosso, “cheio” de políticas sociais, ninguém apoia o José.

Gastámos milhares de milhões com a desculpa que foram para os ajudar – refiro-me aos “Josés” – e não passou disso mesmo: uma desculpa
Re: Esta terra não é para Josés
Re: Esta terra não é para Josés
Re: Esta terra não é para Josés
Re: Esta terra não é para Josés
Re: Esta terra não é para Josés
Re: Esta terra não é para Josés
Re: Esta terra não é para Josés
Re: Esta terra não é para Josés
Re: Esta terra não é para Josés
Re: Esta terra não é para Josés
Re: Esta terra não é para Josés
Um pequeno detalhe...
... que está a passar ao lado dos comentadores: José Mestre não foi operado mais cedo, porque é Testemunha de Jeová, o que o impede de receber transfusões sanguíneas. Ou seja, e mais uma vez, a religião como propiciadora de miséria. Afinal, e ao que parece, Jeová borrifou-se para José Mestre. Não era má ideia que ele fizesse o mesmo. Afinal, foi a "desobediência" a Jeová que o salvou. Com deuses destes, quem precisa de demónios?
Re: Um pequeno detalhe...
Re: Um pequeno detalhe...
Re: Um pequeno detalhe...
Re: Um pequeno detalhe...
Re: Um pequeno detalhe...
Re: Um pequeno detalhe...
Meu colega Mestre
Lembro-me dele na primária (não vou localizar a escola para preservar a sua privacidade), na altura era só uma mancha vermelha na cara, como se fosse um sinal gigante. Recordo o espanto dos colegas no inicio de aulas, quando o conheceram. Foi um ano normal em que felizmente, naquele tempo não éramos crianças tão cruéis, nada aconteceu de grave. Lembro-me que um colega uma vez lhe bateu, numa briga de miúdos, e foi severamente advertido pela professora (dez reguadas, no agressor, que entretanto já faleceu). No fundo ao contrario do que se imaginava o Mestre era um pacifico.
Depois disso deixei de o ver na escola
Depois disso deixei de o ver na escola começando o boato que ele tinha uma doença grave que quando a cara ficasse toda tapada por aquele ‘sinal’ ele faleceria. Foi um choque mas como todos os miúdos rapidamente o esquecemos. Só o voltei a ver muito mais tarde, já pior mas a comandar o trânsito como se fosse um sinaleiro numa artéria complicada. Nessa altura, de passagem, reparei que estava pior, já éramos adultos.
Depois disso perdi-lhe o rasto ate hoje quando li esta notícia. Fico encantado que ele tenha melhorado, por dois motivos, pela recuperação física e porque vai deixar de ser ‘diabolizado’. Disto tudo só me resta assumir que apesar de ter a mania que sou sensível, neste caso falhei e por isso peço desculpa. Fomos tantos a passar por ele se4m ver que ate dói. Mil desculpas um abraço e as melhoras!
Uma boa notícia
E, mais uma vez se prova, que uma notícia bem construída e divulgada pode mudar o curso dos acontecimentos.

Lembro-me de ter visto há anos uma reportagem sobre o caso. Ao estilo fatalista português, "um ser que arrasta a sua existência marcado por um tumor incurável"

Mais uma vez se prova que há sempre um caminho, desde que se inicie com um passo.
Porque têm de ser os outros a ajudar um português?
O que a mim me deixa espantado é um país que consegue fazer operações consideradas históricas tais como a divisão de siameses, por exemplo, e que as faz até a cidadãos estrangeiros gratuitamente (e bem) nada fez para ajudar um concidadão seu - se não havia condições em portugal para a dita operação o estado só tinha que a pagar para ser feita onde possivel - não havia necessidade de este ser humano esperar pela caridade estrangeira para poder ter uma vida digna desse nome.
Re: Porque têm de ser os outros a ajudar um portug
Re: Porque têm de ser os outros a ajudar um portug
Re: Porque têm de ser os outros a ajudar um portug
ESTE PAÍS NÃO É PARA O JOSÉ
Quantas vezes cruzei-me com este homem no Rossio..
Quantas vezes o vi com aquele ar de quem nada pedia a não ser um pouco de afecto, solidariedade, um ombro amigo; Mas não..
Todos os que passavam olhavam para ele como se de um monstro se tratasse... Tiravam fotografias; paravam e diziam "que horror", mas ninguem se aproximava para lhe dar palavras de alento, como se chamava, nada, pois o mundo, as pessoas andam tão apressadas que só param para ver a desgraça dos outros, mas a solidariedade, a humildade, aquele ombro amigo que tantos aguardam e esperam tudo se esvaneceu neste mundo cruel e desumano.
Conhecia-a bem; cheguei a falar com ele e sabia o seu nome José Mestre; a sua maior tristeza era aquela deformidade que não o deixava ver, nãoo deixava dormir, e o que as pessoas lhe faziam; Sabe menina só me querem tirar fotografias pareço um palhaço aqui; esssas p+alavras jamais me esqiueçerei.
Felizmente José aos poucos vai tendo um rosto graças a um País que o acolheiu de braços abertos os EUA Aqui os nossos SNS deviam de ter vergonha; mas DEUS encaminhou-o para o lugar certo. um dia havermos de ver José como um homem normal e já ninguem olhará para ele como m palhaço como ele me disse naquele dia.
Re: ESTE PAÍS NÃO É PARA O JOSÉ
Re: ESTE PAÍS NÃO É PARA O JOSÉ
Jornalistas e jornalistas!
"...foi convidado pelo canal de televisão Discovery para filmar em Londres um documentário sobre o seu problema."
Estes ingleses a ligarem a estas ninharias que nunca interessaram a comunicação social portuguesa.
Boa sorte José!!
Gosto de ver o canal Discovery, pelos programas interessantes que promove sempre se aprende alguma coisa,admiro-o ainda mais por ter permitido que um portugues vitima de uma doença terrivel que o deformava e levaria à morte, e que por aqui não teria salvação, tem agora uma possibilidade de ter uma vida melhor. Para alem dos interesses que o canal possa ter no acontecimento, beneficiou um ser humano.
Alegria!
Fico muito contente por José Mestre, homem de Queluz conhecido pelo "cara malhada" ter o seu problema resolvido. A sua vida social deve ter sido um verdadeiro inferno, enquanto o tumor ia aumentando. Esta é verdadeiramente uma boa notícia. Parabéns José!
Não deve ser fácil viver assim
Os meus votos para que a operação e recuperação corram da melhor maneira, dando assim uma oportunidade a este senhor, de pelo menos, passar o resto da vida com a sensação de uma pessoa normal, sem que nunca mais tenha de suportar os olhares curiosos e talvez por vezes discriminatórios, que esta doença obrigou a suportar durante tanto tempo.
Fico contente
Que boas notícias estas são que tudo tenha corrido bem com a operação. Desejo que José tenha agora uma boa recuperação!
Este homem recusou ajuda em Portugal
quando o seu tumor era facilmente operavel ha anos atras. E so isso que tenho a dizer.
Portugal é como uma selva! Só para aventureiros!
Force-se a Ministra da Saúde a pronunciar-se sobre este caso!!!!!!!
A miséria humana!
A humanidade só se emancipa quando se libertar de obscurantismos e religiões e dos usam estes mitos para a escravizar!
Resistencia heroica
Também eu me lembro deste senhor desde criança em Queluz. Recentemente via-o de vez em quando no metro e sinceramnete era de fugir.
Todavia a grande lição de vida deste Homem é a sua capacidade de aceitar o destino da vida e ter capacidade mental para aguentar esta monstuosidade.
Quantos apanham depressões por questões muito menores. Neste mundo regulado pela beleza é de facto heroico aguentar uma tragédia destas.
Li um comentário que a religião era má e a causadora deste Sr. não ser operado antes, por ser Testemunha de Jeóva. Contudo apesar de não pertencer a tal seita, julgo que a sua fé num Deus, lhe permitiu levar a sua cruz até ao fim do cálvário.
Quantos de nós conseguiriamos?
Re: Resistencia heroica
Re: Resistencia heroica
Re: Resistencia heroica
Comentários 44 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub