Anterior
Comprado por cinco euros "Renoir" que pode valer 80 mil
Seguinte
"RTP é um assunto resolvido", diz Miguel Relvas
Página Inicial   >  Atualidade / Arquivo   >   Homem assassinado nos Alpes "agia de forma estranha"

Homem assassinado nos Alpes "agia de forma estranha"

Enquanto a Polícia continua a tentar desvendar a "execução" de uma família britânica de férias nos Alpes franceses, turistas dizem que Saad al-Hill deixava a mulher, a sogra e as filhas sozinhas várias vezes ao dia.
|
Uma equipa de minas e armadilhas foi chamada à casa do casal em Claygate, no sul de Londres, e evacuou a zona
Uma equipa de minas e armadilhas foi chamada à casa do casal em Claygate, no sul de Londres, e evacuou a zona / Karel Prinsloo/Reuters

A Polícia britânica continua no encalço de novas pistas que permitam desvender a "execução" de membros de uma família britânica de férias nos Alpes franceses, e um ciclista francês, num caso que está a chocar o Reino Unido.

Saad al-Hilli encontrado morto na passada quarta-feira, nas proximidades do lago de Annecy, dentro de um carro cravado de balas junto com a mulher e a sogra, agiu de forma estranha nos dias que antecederam o ataque, de acordo com o "The Telegraph".

Saad al-Hilli marcou uma reserva no Europa Camping Village em Saint-Jorioz no sábado e disse a alguns turistas que pretendia ficar ali com a família durante uma semana. Todavia, sem explicação fez o check-out na segunda-feira e transferiram-se para o acampamento Solitaire du Lac, a algumas centenas de metros abaixo da estrada.

Homem "incomum" no acampamento


Jan Janssen e a sua amiga Anne-Marie Souderman, dois turistas holandeses que acamparam perto da família britânica referem que Saad al-Hilli se ausentava da família entre "quatro a cinco vezes por dia durante 20 a 30 minutos".

"Disse-nos que pretendia ficar a semana toda, mas dois dias depois saíram repentinamente", revela Janssen ao jornal britânico.

Os holandeses contam ainda que, embora não tenham notado nenhuma visita à família, repararam durante a estadia dos britânicos num homem "invulgar" - vestido com um casaco curto e que parecia oriundo dos "balcãs".

Uma fonte próxima à investigação francesa, citada pelo "The Telegraph", confirmou a mudança abrupta de acampamento e que Saad al-Hilli reuniu-se com várias pessoas na região nos dias que antecederam ao massacre.

Polícia nega "elementos perigosos" na casa em Londres


As únicas testemunhas da chacina são as duas filhas do casal que sobreviveram. A mais velha, de 7 anos, encontra-se hospitalizada em estado grave. A outra, de 4 anos, está em estado de choque.

Um ciclista também foi encontrado sem vida e as autoridades colocam a hipótese de este ter sido assassinado ao testemunhar o massacre, que pode ter resultado por causa de desavenças familiares por litígio financeiro.

Saad al-Hilli era um engenheiro de 50 anos que vivia desde a década de 90, em Oaken Lane, Claygate, no sul de Londres, com os pais, refugiados do ex-regime de Saddam Hussein. 

As autoridades ouviram hoje como testemunha, pelo terceiro dia consecutivo, Zaid al-Hilli, irmão do pai da família assassinada.

Uma equipa de minas e armadilhas foi chamada à casa do casal em virtude da presença de substâncias "potencialmente explosivas" e evacuou a zona. A polícia de Surrey garante que os elementos encontrados "não são perigosos".


Opinião


Multimédia

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 14 Comentar
ordenar por:
mais votados
As informações são poucas para
clarear os fatos. O incomum é a forma de execução. Parece algo bem profissional e com certeza definitiva de como agir. A polícia, por dever profissional, deve ter uma boa explicação para tudo, inclusive para desviar de possíveis outros motivos não tão familiares assim ... Rio Grande
Deixar a família sozinha não é suspeito.
Deixar a família sozinha não é suspeito
Já lá estive no 1 acampamento onde o senhor esteve.
Não é dizer que é suspeito deixar a família sozinha durante meia hora para ir passear.
Quando lá estive, fui várias vezes passear pela montanha (é um local belíssimo) e, só no 1 dia é que a minha namorada me acompanhou. Nos outros dias não quis ir porque era muito cansativo e frio.
Outro promenor é que para fumar, não se pode fumar dentro do parque de campismo.
É necessário sair dos limites do parque e dos vários hoteis que existem um pouco mais para cima, para se poder fumar sem que a polícia nos venha dizer que devemos mudar de sítio.
As tais saídas tanto podem ser negócios, como podem ser simples saídas para ir fumar. A mudança de parque poderá ter acontecido por isso mesmo.
Uns irlandeses que estavam perto de nós fizeram o mesmo, ao cabo de 2 dias, mudaram-se para um outro parque de campismo por causa das regras contra tabaco que existem naquele parque.
No entanto, a polícia deve saber mais do que diz.
A arma seria uma semi-automática de 9 balas. Daí a rapariga de 7 anos ter levado com a última bala, quando terá fugido do carro após o ciclista chegar e a terem agredido.
Como vinham vários ciclistas a poucos minutos, não tiveram tempo para a matar antes de terem de fugir, pois não tinham mais balas.
E o tal jipe que a polícia fala é manobra de desinformação... eles querem é saber da mota de alta cilindrada que foi vista por vários ciclistas a abandonar a montanha.
Será a Mo...?
Vítima: do Médio Oriente, nunca teve problemas de dinheiro
Arma: de calibre pequeno (.32 ou seja 7,65x17mm)
Método: 2 balas na cabeça
Local: não era habitualmente frequentado pelas vítimas, talvez o alvo tenha sido atraído por uma mulher atraente, daí quando se encontravam ele ter de disfarçar.
Reacção das autoridades: parece que sabem mais do que aquilo que dizem.

Isto tem a assinatura de uma organização de espionagem que algumas pessoas conseguem adivinhar qual é.
Re: Será a Mo...?
Re: Será a Mo...?
Re: A parte que mais gostei
Re: A parte que mais gostei
Re: A parte que mais gostei
Re: A parte que mais gostei
Re: Será a Mo...?
O que é "agir de forma suspeita" para turistas?
Depois de ler esta noticia vou começar a ter muito mais atenção aos meus vizinhos!! E a ter mais cuidado comigo próprio!! Os meus vizinhos saem regularmente de casa e em intervalos parecidos!! Serão eles possíveis vitimas??? E eu que saio para ir fumar, serei eu um possível assassino?? Porque é que quando acontecem casos assim parecidos, as testemunhas encontram sempre "algo suspeito" nos comportamentos das pessoas??? Nunca ninguém acha nada suspeito antes.... mas depois..... é tudo!!
Vou passar a ter mais atenção aos intervalos em que saio de casa e deixo a minha família sozinha!
Re: O que é
Homem
O Homem era MI6
Comentários 14 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub