0
Anterior
General Zod esquiou no Alentejo-78
Seguinte
O Hummer do Arnie morreu de velho
Página Inicial   >  Opinião  >  Luis Pedro Nunes  >  Homem abandona companheira rica

Homem abandona companheira rica

Quanto mais igualitária e próspera é uma sociedade maiores se tornam as diferenças inatas dos sexos.
|

Tiro o chapéu e faço uma vénia cavalheiresca ao paradoxo tantas vezes ostracizado. Mas a questão é a seguinte e visa trazer alguns dados de nova colecção ao Dia da Mulher, que ultimamente tem sido comemorado numa perspectiva já de efeméride: quanto mais desenvolvidas e prósperas forem as nações mais os homens ficam diferentes das mulheres; quanto mais igualitárias forem as sociedades, quanto mais os direitos entre sexos se aproximarem, leis e salários convergirem, mais a personalidade do homem diverge da mulher. E nem sequer são ambas entre si. É ele da dela. Como é que a personalidade do agricultor da Etiópia pode ser mais próxima da mulher do que o companheirão dinamarquês cool que arruma a casa e trata do bebé?

Deixem-me fazer aqui um pequeno aparte antes de seguir para este estudo em concreto. A beleza da ciência é precisamente ter muitas vezes a capacidade de contrariar as ideias feitas - Terra à volta do Sol, ui, quem é que estava à espera dessa? -, mas temos problema quando as conclusões surgem ao arrepio da ideologia dominante, nem que seja em temas como a similitude homem/mulher do século XXI, pois correm riscos de apodrecer na gaveta quando até podiam ser colocados na Bimby dos dias e devolvidos à sociedade sem uma patine chauvinista: as tenistas profissionais do Grand Slam são menos competitivas (ou mais cautelosas) nos pontos decisivos, segundo um estudo da Universidade de Jerusalém? Isso é "mau"? Como reverter isso a favor das mulheres, de um ponto de vista feminino? Se as mulheres estivessem à frente de Wall Street, no Lehman Bros, ter-se-ia chegado à crise do subprime e ao "ponto decisivo" que levou tudo a perder? É um exemplo que não tem em conta as D. Brancas deste mundo, mas dá para ilustrar a situação às três pancadas.

Então de quem falamos aqui quando falamos de personalidades diferentes entre homem e mulher? Quem ousa tal dizer? O psicólogo David P. Schmitt, da Universidade de Bradley, director do International Sexuality Description Project, lidera uma equipa de investigação em 60 países (incluindo Portugal) que visou testar os estereótipos masculino/feminino em culturas de todo planeta para testar o que é inato e culturalmente adquirido no género. Para David Schmitt, nas sociedades ricas e desenvolvidas há como que um regresso a uma personalidade anterior à sociedade agrícola, ainda existente nos países pobres, onde as culturas são mais cautelosas, menos assertivas, menos competitivas, onde têm que adaptar as personalidades a regras fixas, hierarquias e papéis de género muito mais fixos do que nas sociedades modernas (e ao gap existente na época dos clãs de caçadores/recolectores anterior ao aparecimento da agricultura e do monoteísmo). Após analisar mais de 40 mil homens e mulheres em seis continentes, o Dr. Schmitt chegou então a esta conclusão: quando desaparecem as barreiras externas entre sexos, as diferenças interiores de personalidade começam a aumentar...

Tal não é assim tão bizarro. As características físicas de homens e mulheres em países menos desenvolvidos, como o peso e a altura, são muito mais aproximadas entre si do que em nações mais ricas. A questão é se é possível extrapolar para a personalidade, se as diferenças entre sexos também aumentam com a prosperidade. Os dados levam a crer que sim, que quanto mais igualitária e rica uma nação se torna, mais as diferenças inatas entre homem e mulher têm espaço para se desenvolver e os traços da sua personalidade se tornam diferenciados.

Eu já tinha intuído esta história - embora me insultassem, talvez apenas estivesse sintonizado com a prosperidade dos tempos. E estamos pois condenados a ser cada vez mais diferentes. A não ser que a crise económica mundial provocada por machos competitivos se agrave tanto que acabemos numa cabana a tratar das cabras, das galinhas e da horta. Qual almas gémeas e de personalidades feitas por medida.

Estudos - Para quem quiser aprofundar o assunto ou não confiar no cronista: "Why Can't a Man Be More Like a Woman? Sex Differences in Big Five, Personality Traits Across 55 Cultures", David P. Schmitt, Bradley University
http://www.bradley.edu/academics/las/psy/facstaff/schmitt/documents/Schmitt.etal-2008-ISDP-BigFive-SexDiffs-JPSP_000.pdf
Pode o exemplo das tenistas (as mulheres mais competitivas do mundo) ser levado para o mundo laboral?: "Gender Differences in Performance in Competitive Environments: Evidence from Professional Tennis Players*", M. Daniele Paserman, Boston University and Hebrew University, October 2009 http://fmwww.bc.edu/ec-j/semf2009/Paserman.pdf

Texto publicado na edição da Única de 6 de Março de 2010


Opinião


Multimédia

Quase ninguém ficou em casa

Foi num 25 de Abril como o deste sábado, mas há 40 anos e numa liberdade então recentemente tomada: a 25 de Abril de 1975, Portugal testemunhou as primeiras eleições livres e universais após quase meio século de ditadura. Estas são as histórias, os retratos, os apelos e as memórias de um tempo que mudou o rosto do país.

Edwin. O rapaz que aprendeu a sonhar

O que Edwin sabia sobre a vida era sobreviver. Na cabeça dele não cabiam sonhos e os dias eram passados à procura de comida para ele e para a mãe e para o irmão. A fome espreitava nos cantos da barraca de palha no Quénia e ele escondia-se dela como podia - chupar as pedras era uma forma de a enganar. Mas a sorte dele mudou porque alguém viu nele outra coisa. E tudo começou numa dança. Agora, os mesmos dedos que agarravam as pedras tocam hoje teclas de um piano Bechstein. E os pés dele já não estão nus mas calçados. Com chuteiras. Primeiro no Benfica, agora no Estoril, o miúdo de 15 anos que fala como gente grande descobriu que tinha um sonho: ser futebolista. Como Drogba.

26 mil esferográficas, 14 mil urnas e 760 quilos de lacre. Os números de uma eleição histórica

Mais de mil caixas de lacre foram usadas pelas secções de voto que por todo o país, no dia 25 de abril de 1975, recolheram os boletins de milhões de eleitores. O Expresso percorreu os quatro mapas de despesas das eleições para a Assembleia Constituinte, elaborados pelo STAP, para saber quanto dinheiro esteve envolvido, onde e como foi gasto. Cada valor em escudos foi convertido para euros a preços correntes, tendo em conta a inflação. 

Todas as ilhas têm a sua nuvem

Raul Brandão chamou-lhe 'A Ilha Branca'. Como viajante digo que tem um verde diferente das outras oito que com ela formam o arquipélago dos Açores. É tenra, mansa, repousante e simultaneamente desafiante. Esconde segredos como a lenda da Maria Encantada e um vulcão florestado a meio do século passado que nos transporta para uma dimensão sulfurosa e mágica. Obrigatória para projetos de férias de natureza.

Em três quartos de hora não se esquece só a idade. "Esquece-se o mundo"

Maria do Céu dá três voltas ao lar sempre que pode. Edviges vai a todos os velórios, faz hidroginástica e sopas de letras. António dá um apoio na Igreja e nos escuteiros. Tudo é uma ajuda para passar os dias quando se tornam todos iguais. No Pinhal Interior Sul, a região mais envelhecida da União Europeia, quase um terço da população tem mais de 65 anos. Os mais velhos ficaram, os mais novos partiram.

Profissão: Sniper

O Expresso foi ver como são selecionados, que armas usam, para que missões estão preparados os snipers da Força de Operações Especiais do Exército. São uma elite dentro da elite. Um pelotão restrito. Anónimo. Treinam diariamente com um único objetivo: eliminar um alvo à primeira, mesmo que esteja a centenas de metros. Humano ou material. Sem dramas morais, dizem.

Xarém com conquilhas

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione com esta nova receita.

O que se passa dentro da cabeça dele

O que leva um tipo a quem iam amputando uma perna a regressar ao sítio onde os ossos se desfizeram, uma e outra vez, e testar os limites do seu corpo? Resposta: a busca pelo salto perfeito, que ele diz existir dentro dele e que ele encontrará mais dia menos dia. É a fé e a confiança que o movem e o levam a pular para lá do que é exigido a um campeão olímpico e mundial que não tem mais nada a provar a ninguém - a não ser a ele próprio. Este é um trabalho que publicámos em agosto de 2014, quando o saltador se preparava para os Europeus e falava das metas que tinha traçado para 2015 e 2016: mostrar que não estava acabado. Sete meses depois, provou-o no Europeu de pista coberta em Praga, onde venceu este fim de semana.

Amadeu, que aprendeu o mundo no campo e tinha o coração na ponta dos dedos

Em Portugal, a dedicação à língua mirandesa tem nome próprio: Amadeu Ferreira, o jurista da CMVM que - quando todos diziam que "era uma loucura impossível" - arranjou tempo para traduzir "Os Lusíadas", a "Mensagem", os quatro Evangelhos da Bíblia e ainda duas aventuras do Asterix para uma língua que pertence a um cantinho do nordeste português e é falada por menos de 15 mil pessoas. No final de 2014 deu ao Expresso aquela que viria a ser a sua última entrevista. Morreu no passado domingo e esta quinta-feira foi lançada a sua biografia, "O fio das lembranças", com quase 800 páginas.

Temos 16 imagens que não explicam o mundo, mas que ajudam a compreendê-lo

O júri do World Press Photo queria dar o prémio maior da edição deste ano (e talvez das edição todas) a uma fotografia com "potencial para se tornar icónica". A primeira imagem desta fotogaleria, por ser "esteticamente poderosa" e "revelar humanidade", é o que o júri procurava. A fotografia de um casal homossexual russo, a grande vencedora, é a primeira de 16 imagens de uma seleção onde há Messi desolado, migrantes em condições indignas no Mediterrâneo, a aflição do ébola, mistérios afins e etc - são os contrastes do mundo.

Vamos falar de sexo. Seis portugueses revelam tudo o que lhes dá prazer na cama

Neste primeiro episódio de uma série que vai durar sete semanas, seis entrevistados falam abertamente sobre aquilo que lhes dá mais satisfação na intimidade. Sexo em grupo, sexo na gravidez, prazer sem orgasmo e melhor sexo após a menopausa são alguns dos temas referidos nos testemunhos desta semana. O psiquiatra Francisco Allen Gomes explica ainda a razão de muitas mulheres fingirem o orgasmo. O Expresso e a SIC falaram com 33 portugueses que deram a cara e o testemunho de como são na cama. Ao longo das próximas sete semanas, contamos-lhe tudo.

Elvis. Gostamos ou não gostamos?

Ele não é consensual, mas é incontornável. Dispunha de penteado majestoso e patilha marota, aparentava olhar matador e pose atrevida. E deixou canções: umas fáceis e outras nem tanto, por vezes previsíveis e às vezes inesperadas, ora gentis ora aceleradas. E ele, Elvis, nasceu em janeiro de 1934 - há precisamente 40 anos, ao oitavo dia. Temos quatro textos sobre o artista: Nicolau Santos, Rui Gustavo, Nicolau Pais e João Cândido da Silva explicam o que apreciam, o que toleram e o que não suportam.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

Desfile de vedetas

Saiba tudo sobre os modelos concorrentes ao Carro do Ano 2015/Troféu Essilor Volante de Cristal. Conheça o essencial sobre os 20 automóveis participantes nesta iniciativa, da estética, às características técnicas, do preço ao consumo. A apresentação ficará completa no dia 3 de janeiro.


Comentários 0 Comentar

Últimas

Receba a nova Newsletter
Ver Exemplo

Pub