0
Anterior
General Zod esquiou no Alentejo-78
Seguinte
O Hummer do Arnie morreu de velho
Página Inicial   >  Opinião  >  Luis Pedro Nunes  >   Homem abandona companheira rica

Homem abandona companheira rica

Quanto mais igualitária e próspera é uma sociedade maiores se tornam as diferenças inatas dos sexos.
|

Tiro o chapéu e faço uma vénia cavalheiresca ao paradoxo tantas vezes ostracizado. Mas a questão é a seguinte e visa trazer alguns dados de nova colecção ao Dia da Mulher, que ultimamente tem sido comemorado numa perspectiva já de efeméride: quanto mais desenvolvidas e prósperas forem as nações mais os homens ficam diferentes das mulheres; quanto mais igualitárias forem as sociedades, quanto mais os direitos entre sexos se aproximarem, leis e salários convergirem, mais a personalidade do homem diverge da mulher. E nem sequer são ambas entre si. É ele da dela. Como é que a personalidade do agricultor da Etiópia pode ser mais próxima da mulher do que o companheirão dinamarquês cool que arruma a casa e trata do bebé?

Deixem-me fazer aqui um pequeno aparte antes de seguir para este estudo em concreto. A beleza da ciência é precisamente ter muitas vezes a capacidade de contrariar as ideias feitas - Terra à volta do Sol, ui, quem é que estava à espera dessa? -, mas temos problema quando as conclusões surgem ao arrepio da ideologia dominante, nem que seja em temas como a similitude homem/mulher do século XXI, pois correm riscos de apodrecer na gaveta quando até podiam ser colocados na Bimby dos dias e devolvidos à sociedade sem uma patine chauvinista: as tenistas profissionais do Grand Slam são menos competitivas (ou mais cautelosas) nos pontos decisivos, segundo um estudo da Universidade de Jerusalém? Isso é "mau"? Como reverter isso a favor das mulheres, de um ponto de vista feminino? Se as mulheres estivessem à frente de Wall Street, no Lehman Bros, ter-se-ia chegado à crise do subprime e ao "ponto decisivo" que levou tudo a perder? É um exemplo que não tem em conta as D. Brancas deste mundo, mas dá para ilustrar a situação às três pancadas.

Então de quem falamos aqui quando falamos de personalidades diferentes entre homem e mulher? Quem ousa tal dizer? O psicólogo David P. Schmitt, da Universidade de Bradley, director do International Sexuality Description Project, lidera uma equipa de investigação em 60 países (incluindo Portugal) que visou testar os estereótipos masculino/feminino em culturas de todo planeta para testar o que é inato e culturalmente adquirido no género. Para David Schmitt, nas sociedades ricas e desenvolvidas há como que um regresso a uma personalidade anterior à sociedade agrícola, ainda existente nos países pobres, onde as culturas são mais cautelosas, menos assertivas, menos competitivas, onde têm que adaptar as personalidades a regras fixas, hierarquias e papéis de género muito mais fixos do que nas sociedades modernas (e ao gap existente na época dos clãs de caçadores/recolectores anterior ao aparecimento da agricultura e do monoteísmo). Após analisar mais de 40 mil homens e mulheres em seis continentes, o Dr. Schmitt chegou então a esta conclusão: quando desaparecem as barreiras externas entre sexos, as diferenças interiores de personalidade começam a aumentar...

Tal não é assim tão bizarro. As características físicas de homens e mulheres em países menos desenvolvidos, como o peso e a altura, são muito mais aproximadas entre si do que em nações mais ricas. A questão é se é possível extrapolar para a personalidade, se as diferenças entre sexos também aumentam com a prosperidade. Os dados levam a crer que sim, que quanto mais igualitária e rica uma nação se torna, mais as diferenças inatas entre homem e mulher têm espaço para se desenvolver e os traços da sua personalidade se tornam diferenciados.

Eu já tinha intuído esta história - embora me insultassem, talvez apenas estivesse sintonizado com a prosperidade dos tempos. E estamos pois condenados a ser cada vez mais diferentes. A não ser que a crise económica mundial provocada por machos competitivos se agrave tanto que acabemos numa cabana a tratar das cabras, das galinhas e da horta. Qual almas gémeas e de personalidades feitas por medida.

Estudos - Para quem quiser aprofundar o assunto ou não confiar no cronista: "Why Can't a Man Be More Like a Woman? Sex Differences in Big Five, Personality Traits Across 55 Cultures", David P. Schmitt, Bradley University
http://www.bradley.edu/academics/las/psy/facstaff/schmitt/documents/Schmitt.etal-2008-ISDP-BigFive-SexDiffs-JPSP_000.pdf
Pode o exemplo das tenistas (as mulheres mais competitivas do mundo) ser levado para o mundo laboral?: "Gender Differences in Performance in Competitive Environments: Evidence from Professional Tennis Players*", M. Daniele Paserman, Boston University and Hebrew University, October 2009 http://fmwww.bc.edu/ec-j/semf2009/Paserman.pdf

Texto publicado na edição da Única de 6 de Março de 2010


Opinião


Multimédia

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 

Crumble. A sobremesa mais fácil do mundo

Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida, especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 0 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub