0
Anterior
General Zod esquiou no Alentejo-78
Seguinte
O Hummer do Arnie morreu de velho
Página Inicial   >  Opinião  >  Luis Pedro Nunes  >   Homem abandona companheira rica

Homem abandona companheira rica

Quanto mais igualitária e próspera é uma sociedade maiores se tornam as diferenças inatas dos sexos.
|

Tiro o chapéu e faço uma vénia cavalheiresca ao paradoxo tantas vezes ostracizado. Mas a questão é a seguinte e visa trazer alguns dados de nova colecção ao Dia da Mulher, que ultimamente tem sido comemorado numa perspectiva já de efeméride: quanto mais desenvolvidas e prósperas forem as nações mais os homens ficam diferentes das mulheres; quanto mais igualitárias forem as sociedades, quanto mais os direitos entre sexos se aproximarem, leis e salários convergirem, mais a personalidade do homem diverge da mulher. E nem sequer são ambas entre si. É ele da dela. Como é que a personalidade do agricultor da Etiópia pode ser mais próxima da mulher do que o companheirão dinamarquês cool que arruma a casa e trata do bebé?

Deixem-me fazer aqui um pequeno aparte antes de seguir para este estudo em concreto. A beleza da ciência é precisamente ter muitas vezes a capacidade de contrariar as ideias feitas - Terra à volta do Sol, ui, quem é que estava à espera dessa? -, mas temos problema quando as conclusões surgem ao arrepio da ideologia dominante, nem que seja em temas como a similitude homem/mulher do século XXI, pois correm riscos de apodrecer na gaveta quando até podiam ser colocados na Bimby dos dias e devolvidos à sociedade sem uma patine chauvinista: as tenistas profissionais do Grand Slam são menos competitivas (ou mais cautelosas) nos pontos decisivos, segundo um estudo da Universidade de Jerusalém? Isso é "mau"? Como reverter isso a favor das mulheres, de um ponto de vista feminino? Se as mulheres estivessem à frente de Wall Street, no Lehman Bros, ter-se-ia chegado à crise do subprime e ao "ponto decisivo" que levou tudo a perder? É um exemplo que não tem em conta as D. Brancas deste mundo, mas dá para ilustrar a situação às três pancadas.

Então de quem falamos aqui quando falamos de personalidades diferentes entre homem e mulher? Quem ousa tal dizer? O psicólogo David P. Schmitt, da Universidade de Bradley, director do International Sexuality Description Project, lidera uma equipa de investigação em 60 países (incluindo Portugal) que visou testar os estereótipos masculino/feminino em culturas de todo planeta para testar o que é inato e culturalmente adquirido no género. Para David Schmitt, nas sociedades ricas e desenvolvidas há como que um regresso a uma personalidade anterior à sociedade agrícola, ainda existente nos países pobres, onde as culturas são mais cautelosas, menos assertivas, menos competitivas, onde têm que adaptar as personalidades a regras fixas, hierarquias e papéis de género muito mais fixos do que nas sociedades modernas (e ao gap existente na época dos clãs de caçadores/recolectores anterior ao aparecimento da agricultura e do monoteísmo). Após analisar mais de 40 mil homens e mulheres em seis continentes, o Dr. Schmitt chegou então a esta conclusão: quando desaparecem as barreiras externas entre sexos, as diferenças interiores de personalidade começam a aumentar...

Tal não é assim tão bizarro. As características físicas de homens e mulheres em países menos desenvolvidos, como o peso e a altura, são muito mais aproximadas entre si do que em nações mais ricas. A questão é se é possível extrapolar para a personalidade, se as diferenças entre sexos também aumentam com a prosperidade. Os dados levam a crer que sim, que quanto mais igualitária e rica uma nação se torna, mais as diferenças inatas entre homem e mulher têm espaço para se desenvolver e os traços da sua personalidade se tornam diferenciados.

Eu já tinha intuído esta história - embora me insultassem, talvez apenas estivesse sintonizado com a prosperidade dos tempos. E estamos pois condenados a ser cada vez mais diferentes. A não ser que a crise económica mundial provocada por machos competitivos se agrave tanto que acabemos numa cabana a tratar das cabras, das galinhas e da horta. Qual almas gémeas e de personalidades feitas por medida.

Estudos - Para quem quiser aprofundar o assunto ou não confiar no cronista: "Why Can't a Man Be More Like a Woman? Sex Differences in Big Five, Personality Traits Across 55 Cultures", David P. Schmitt, Bradley University
http://www.bradley.edu/academics/las/psy/facstaff/schmitt/documents/Schmitt.etal-2008-ISDP-BigFive-SexDiffs-JPSP_000.pdf
Pode o exemplo das tenistas (as mulheres mais competitivas do mundo) ser levado para o mundo laboral?: "Gender Differences in Performance in Competitive Environments: Evidence from Professional Tennis Players*", M. Daniele Paserman, Boston University and Hebrew University, October 2009 http://fmwww.bc.edu/ec-j/semf2009/Paserman.pdf

Texto publicado na edição da Única de 6 de Março de 2010


Opinião


Multimédia

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola, em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

Costeletas de borrego com migas de castanhas

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

Strogonoff de peixe espada preto

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Caril de banana

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Cantaril com risotto de espargos

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.


Comentários 0 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub