Anterior
CDS disponível para encontro com o PSD
Seguinte
Revista sueca publica fotografias de Kate Middleton topless
Página Inicial   >  Atualidade / Arquivo   >   Herança poderá ter provocado massacre nos Alpes

Herança poderá ter provocado massacre nos Alpes

Autoridades descobriram conta na Suíça e várias propriedades no estrangeiro, no valor de 5 milhões de euros, pertencentes aos Hilli e que poderão ter motivado uma luta familiar.
Zaid al-Hilli e o irmão Saad al-Hilli, que foi assassinado nos Alpes
Zaid al-Hilli e o irmão Saad al-Hilli, que foi assassinado nos Alpes / DR

As autoridades estão a investigar a fortuna dos Hilli para perceberem se a herança da família poderá ter sido a motivação para o massacre que vitimou três familiares: o pai, Saad al-Hilli, de 50 anos, a mãe, Iqbal, de 47, e a avó materna, de 74 anos e nacionalidade sueca. 

Saad al-Hilli e o irmão, Zaid al-Hilli, estariam em confronto devido à herança deixada em testamento pelo pai, que morreu no ano passado, de acordo com o jornal inglês "Mirror". 

Eric Maillaud, o procurador francês encarregue da investigação aos homícidios cometidos perto de Chevaline - nos quais também se inclui um ciclista francês , encontrado perto dos restantes cadáveres -, disse que as autoridades encontraram uma conta na Suíça e várias propriedades no estrangeiro (os Hilli viviam em Inglaterra), a totalizarem cerca de 5 milhões de euros, no nome da família. 

"A fortuna é razão suficiente para motivar os assassinatos", explicou o procurador, já depois de Zaid al-Hilli - questionado pela polícia - ter negado qualquer envolvimento na morte do irmão e dos restantes familiares. 

As únicas sobreviventes do massacre foram Zeena e Zainab, filhas do casal assassinado, de 4 e 7 anos, respetivamente. Zeena foi encontrada são e salva no carro onde estavam já mortos o pai, a mãe e a avó, várias horas após a polícia ter chegado ao local. Zainab, ferida gravemente, esteve vários dias em coma e quando acordou disse às autoridades que viu "um homem mau".


Opinião


Multimédia

Cheesecake com manjericão e doce de tomate

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 15 Comentar
ordenar por:
mais votados
Dinheiro a mais dá segurança a menos.
A confirmar-se que esta família morreu por questões relacionadas com os abundantes bens que possuía, é caso para se dizer que dinheiro a mais dá segurança a menos. A bondade do ter não infinita e até muitas vezes este torna-se num grande mal.
loool
o expresso anda sempre 2 semanas atrasado a todos os outros!!!

tanto quanto já li, o ciclista é que pode ser o alvo da assassinato, ou talvez ambos, o ciclista e a família. o ciclista que aparentemente estava no local errado à hora errada, era um cientista que trabalhava na área da energia nuclear...

expresso... estás a ficar para trás!
Re: loool
Re: loool
Re: loool
Re: loool
Re: loool
Re: loool
Re: loool
Re: loool
Re: loool
Re: loool
Re: loool
Re: loool
Logo vi...
Logo vi que haveria coisa grossa na coisa, tipo tráfico de isto ou aquilo. Ó, desculpem, afinal foi só uma herança.
Comentários 15 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub