0
Anterior
O livro digital e o demónio da analogia
Seguinte
"Tropa de Elite 2": o alvo agora são os políticos corruptos
Página Inicial   >  Cultura  >  Há um novo teatro no Bairro Alto

Há um novo teatro no Bairro Alto

No antigo edifício do "Diário Popular" foi 'erguido' o Teatro do Bairro. Dança, teatro, cinema e música num espaço alternativo inovador.
|
Alexandre Oliveira (à esq.), produtor e diretor da Ar de Filmes, que gere o espaço, e o ator e encenador António Pires, seu diretor artístico
Alexandre Oliveira (à esq.), produtor e diretor da Ar de Filmes, que gere o espaço, e o ator e encenador António Pires, seu diretor artístico / José Ventura

Os mais velhos lembram-se ainda do magote irrequieto à espera, fumando um cigarrito, levando aos lábios um copo de tinto ou a carcaça com o pastel de bacalhau. Adultos uns, quase crianças outros, às vezes toda a família de ardinas ou de donos e arrendatários de quiosques de jornais, obstruindo a rua à espera da saída dos vespertinos.

O Bairro Alto por esses tempos fervilhava por via das redações de pelo menos meia dúzia de jornais e revistas, das casas de venda, das tipografias. As prostitutas vinculavam-se a outras esquinas e os novíssimos magotes, da malta dos copos de cerveja e shots, dos 'botelhões' e das noitadas modernaças, ainda não tinham tomado conta das ruelas.

Na Rua Luz Soriano era a redação do "Diário Popular" e no nº 63 abria-se a bocarra que abrigava a máquina impressora. A ferramenta enorme já lá não está: deu lugar ao buraco onde se abriu a caixa negra que dá corpo ao Teatro do Bairro, uma aventura meditada e erguida de fio a pavio por Alexandre Oliveira, alma da Ar de Filmes, produtora de cinema e de teatro que não despreza outras artes e que se mete por estes caminhos com vontade de criar.

Panóplia de espetáculos e ambientes


Mais do que uma sala de teatro, o Teatro do Bairro - inaugurado esta semana - é um espaço imaginado para variadas valências, permitindo uma panóplia de espetáculos e ambientes decorrentes de cada um dos usos que se lhe quiser, muitos deles já preparados.

Uma zona de bar aberta sobre o 'cubo' da sala permite pensar tais ares inovadores, especialmente quando se percebe que a bancada, para 80 espectadores, é retrátil, para que deixe disponível mais área a atividades livres de assentos. Para além desses lugares, haverá a somar outros 20, reorganizando-se o local das mesas do bar.

Já se vê que o arquiteto Alberto Santos Oliveira pensou em tudo para corresponder aos interesses da empreitada artística. "O local vai responder a tantas hipóteses de programação quantas desejarmos. Com o teatro e o cinema como pedras influentes, mas pensando igualmente na música mais diversificada, ou na dança", explica Alexandre Oliveira.

Também de indisfarçável sorriso estampado na cara, ainda no meio de muito pó de obra e batidas de carpinteiro, António Pires, encenador da peça que abriu o novo recinto - "Vida de Artistas", que estará em cena de quarta a sábado, às 21h, até 26 de março, um texto de Luísa Costa Gomes em torno da condição de ator em Portugal - e diretor artístico do recinto, lembra: "O Bairro Alto tem múltiplas ofertas, mas depois que saíram do casarão do jornal 'A Capital' os pioneiros Artistas Reunidos, a sociedade artística dirigida por Jorge Silva Melo, apenas a Zé dos Bois persiste em propor acontecimentos de âmbito cultural. Acho que esta aposta vem enriquecer a vida cultural da cidade, propondo programas que se entretecem muito bem com os hábitos noturnos a que o bairro nos acostumou."

Fica claro que desejam essa ligação íntima e apostam nela; a própria programação está pensada para a diversidade de gostos dos clientes habituais desta zona da cidade. O ritmo das propostas é diário e diversificado, ancorado na qualidade dos nomes que por ela se responsabilizam.

Domingo, dia de cinema


Domingo é dia de cinema, de manhã à noite, começando com sessões infantis e continuando numa aposta alternativa de distribuição e exibição cinematográfica às que existem, o que fazia flagrante falta, vindo colmatar uma lacuna grave: pelas mãos da cooperativa Zero em Comportamento (lembrem-se das sessões no Cinema 222 e na própria atividade do IndieLisboa...) serão exibidos filmes que dificilmente poderiam ser vistos noutras salas.

Às segundas, ao toque das 23h, tempo de fado, orientado pela ação da Mesa de Frades, apresentando-se Ricardo Ribeiro, Joana Amendoeira, Rebelo de Andrade, Ana Sofia Varela e Tânia Oleiro, entre mais nomes a anunciar.

As sextas são divididas por outras músicas: nas primeiras de cada mês, o mítico BLeza, nos últimos tempos uma nau sem rumo certo, tem finalmente porto seguro e mostrará ritmos africanos, com predominância das vozes que cantam Cabo Verde. Já nas penúltimas sextas-feiras, a batida é de jazz, a partir do acordo com o Hot Clube de Portugal.

Mais que o Bairro Alto e seus habituais frequentadores, ganha a cidade. Daí o apoio da Câmara Municipal e da Gulbenkian. Bom sonho. E bons ares...

Texto publicado na revista Atual de 5 de março de 2011

Escolha uma das opções para ler o Expresso


Compre o Expresso na banca
Assine o Expresso no site
Use o registo da assinatura no site para descarregar o Expresso no iPad

Opinião


Multimédia

Temos 16 imagens que não explicam o mundo, mas que ajudam a compreendê-lo

O júri do World Press Photo queria dar o prémio maior da edição deste ano (e talvez das edição todas) a uma fotografia com "potencial para se tornar icónica". A primeira imagem desta fotogaleria, por ser "esteticamente poderosa" e "revelar humanidade", é o que o júri procurava. A fotografia de um casal homossexual russo, a grande vencedora, é a primeira de 16 imagens de uma seleção onde há Messi desolado, migrantes em condições indignas no Mediterrâneo, a aflição do ébola, mistérios afins e etc - são os contrastes do mundo.

Os assassínios, as execuções, as decapitações são as imagens mais chocantes de uma propaganda cada vez mais sofisticada. É a Jihad, que recruta guerrilheiros no ocidente para matar e morrer na Síria. O Expresso seguiu as pisadas de cinco jiadistas portugueses, mostrando quem são e como foram convertidos e radicalizados. E como lutam, como foram morrer - e como já haverá arrependidos com medo de fugir. Reportagem em Londres, no café onde viam jogos de futebol, na universidade onde estudavam e na mesquita onde rezavam. Autoridades e especialistas em terrorismo estão alerta sobre este pequeno mas perigoso grupo, onde corre sangue português - e de onde escorre sangue por Alá.

Hoje é dia de cozido serrano... light

O Talasnal é talvez a mais famosa das aldeias de Xisto da Lousã, cheia de carisma e de pormenores que fazem esquecer o tempo a passar. Veja, confecione, desfrute e impressione com esta receita.

Vamos falar de sexo. Seis portugueses revelam tudo o que lhes dá prazer na cama

Neste primeiro episódio de uma série que vai durar sete semanas, seis entrevistados falam abertamente sobre aquilo que lhes dá mais satisfação na intimidade. Sexo em grupo, sexo na gravidez, prazer sem orgasmo e melhor sexo após a menopausa são alguns dos temas referidos nos testemunhos desta semana. O psiquiatra Francisco Allen Gomes explica ainda a razão de muitas mulheres fingirem o orgasmo. O Expresso e a SIC falaram com 33 portugueses que deram a cara e o testemunho de como são na cama. Ao longo das próximas sete semanas, contamos-lhe tudo.

Elvis. Gostamos ou não gostamos?

Ele não é consensual, mas é incontornável. Dispunha de penteado majestoso e patilha marota, aparentava olhar matador e pose atrevida. E deixou canções: umas fáceis e outras nem tanto, por vezes previsíveis e às vezes inesperadas, ora gentis ora aceleradas. E ele, Elvis, nasceu em janeiro de 1934 - há precisamente 40 anos, ao oitavo dia. Temos quatro textos sobre o artista: Nicolau Santos, Rui Gustavo, Nicolau Pais e João Cândido da Silva explicam o que apreciam, o que toleram e o que não suportam.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

Desfile de vedetas

Saiba tudo sobre os modelos concorrentes ao Carro do Ano 2015/Troféu Essilor Volante de Cristal. Conheça o essencial sobre os 20 automóveis participantes nesta iniciativa, da estética, às características técnicas, do preço ao consumo. A apresentação ficará completa no dia 3 de janeiro.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

Desacelerámos a realidade para observar a euforia da liberdade

Ela, Jacarandá, é algarvia. Ele, Katmandu, é espanhol. São linces e agora experimentam a responsabilidade da liberdade: foram soltos esta terça-feira numa herdade alentejana, próxima de Mértola, eles que saíram de centros de reprodução em cativeiro. Foi inédito: nunca tinha acontecido algo assim em Portugal. Estivemos lá e ensaiámos o slow motion.

Desaparecidos para sempre no Mar do Norte

O dia 15 de novembro já foi feriado, há 90 anos. A razão foi o desaparecimento de Sacadura Cabral algures no Mar do Norte. Depois de fazer mais de oito mil quilómetros de Lisboa ao Rio de Janeiro, o aviador pioneiro não conseguiu completar o voo entre a cidade holandesa de Amesterdão e a capital portuguesa. Ainda hoje, não se sabe o que aconteceu ao companheiro de Gago Coutinho e tio-avô de Paulo Portas, a quem o Expresso pediu um sms.

Os muros do mundo

Novembro relembrou-nos os muros que caem, mas também os que permanecem e os que se expandem. Berlim aproximou-se de si própria há 25 anos, mas há muros que continuam a desaproximar. Esta é a história de sete deles - diferentes, imprevisíveis, estranhos.

O papa-medalhas que veio do espaço

O atleta português mais medalhado de sempre, Francisco Vicente, regressou dos campeonatos europeus de veteranos, na Turquia, com novas lembranças ao pescoço. Três de ouro e duas de prata para juntar à coleção. Tem 81 medalhas, uma por cada ano de vida.

Terror religioso está a aumentar

Relatório sobre a Liberdade Religiosa é divulgado esta terça-feira em todo o mundo. Dos 196 países analisados, só em 80 não há indícios de perseguições motivadas pela fé.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.


Comentários 0 Comentar

Últimas

Ver mais
Receba a nova Newsletter
Ver Exemplo

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub