0
Anterior
O livro digital e o demónio da analogia
Seguinte
"Tropa de Elite 2": o alvo agora são os políticos corruptos
Página Inicial   >  Cultura  >   Há um novo teatro no Bairro Alto

Há um novo teatro no Bairro Alto

No antigo edifício do "Diário Popular" foi 'erguido' o Teatro do Bairro. Dança, teatro, cinema e música num espaço alternativo inovador.
|
Alexandre Oliveira (à esq.), produtor e diretor da Ar de Filmes, que gere o espaço, e o ator e encenador António Pires, seu diretor artístico
Alexandre Oliveira (à esq.), produtor e diretor da Ar de Filmes, que gere o espaço, e o ator e encenador António Pires, seu diretor artístico / José Ventura

Os mais velhos lembram-se ainda do magote irrequieto à espera, fumando um cigarrito, levando aos lábios um copo de tinto ou a carcaça com o pastel de bacalhau. Adultos uns, quase crianças outros, às vezes toda a família de ardinas ou de donos e arrendatários de quiosques de jornais, obstruindo a rua à espera da saída dos vespertinos.

O Bairro Alto por esses tempos fervilhava por via das redações de pelo menos meia dúzia de jornais e revistas, das casas de venda, das tipografias. As prostitutas vinculavam-se a outras esquinas e os novíssimos magotes, da malta dos copos de cerveja e shots, dos 'botelhões' e das noitadas modernaças, ainda não tinham tomado conta das ruelas.

Na Rua Luz Soriano era a redação do "Diário Popular" e no nº 63 abria-se a bocarra que abrigava a máquina impressora. A ferramenta enorme já lá não está: deu lugar ao buraco onde se abriu a caixa negra que dá corpo ao Teatro do Bairro, uma aventura meditada e erguida de fio a pavio por Alexandre Oliveira, alma da Ar de Filmes, produtora de cinema e de teatro que não despreza outras artes e que se mete por estes caminhos com vontade de criar.

Panóplia de espetáculos e ambientes


Mais do que uma sala de teatro, o Teatro do Bairro - inaugurado esta semana - é um espaço imaginado para variadas valências, permitindo uma panóplia de espetáculos e ambientes decorrentes de cada um dos usos que se lhe quiser, muitos deles já preparados.

Uma zona de bar aberta sobre o 'cubo' da sala permite pensar tais ares inovadores, especialmente quando se percebe que a bancada, para 80 espectadores, é retrátil, para que deixe disponível mais área a atividades livres de assentos. Para além desses lugares, haverá a somar outros 20, reorganizando-se o local das mesas do bar.

Já se vê que o arquiteto Alberto Santos Oliveira pensou em tudo para corresponder aos interesses da empreitada artística. "O local vai responder a tantas hipóteses de programação quantas desejarmos. Com o teatro e o cinema como pedras influentes, mas pensando igualmente na música mais diversificada, ou na dança", explica Alexandre Oliveira.

Também de indisfarçável sorriso estampado na cara, ainda no meio de muito pó de obra e batidas de carpinteiro, António Pires, encenador da peça que abriu o novo recinto - "Vida de Artistas", que estará em cena de quarta a sábado, às 21h, até 26 de março, um texto de Luísa Costa Gomes em torno da condição de ator em Portugal - e diretor artístico do recinto, lembra: "O Bairro Alto tem múltiplas ofertas, mas depois que saíram do casarão do jornal 'A Capital' os pioneiros Artistas Reunidos, a sociedade artística dirigida por Jorge Silva Melo, apenas a Zé dos Bois persiste em propor acontecimentos de âmbito cultural. Acho que esta aposta vem enriquecer a vida cultural da cidade, propondo programas que se entretecem muito bem com os hábitos noturnos a que o bairro nos acostumou."

Fica claro que desejam essa ligação íntima e apostam nela; a própria programação está pensada para a diversidade de gostos dos clientes habituais desta zona da cidade. O ritmo das propostas é diário e diversificado, ancorado na qualidade dos nomes que por ela se responsabilizam.

Domingo, dia de cinema


Domingo é dia de cinema, de manhã à noite, começando com sessões infantis e continuando numa aposta alternativa de distribuição e exibição cinematográfica às que existem, o que fazia flagrante falta, vindo colmatar uma lacuna grave: pelas mãos da cooperativa Zero em Comportamento (lembrem-se das sessões no Cinema 222 e na própria atividade do IndieLisboa...) serão exibidos filmes que dificilmente poderiam ser vistos noutras salas.

Às segundas, ao toque das 23h, tempo de fado, orientado pela ação da Mesa de Frades, apresentando-se Ricardo Ribeiro, Joana Amendoeira, Rebelo de Andrade, Ana Sofia Varela e Tânia Oleiro, entre mais nomes a anunciar.

As sextas são divididas por outras músicas: nas primeiras de cada mês, o mítico BLeza, nos últimos tempos uma nau sem rumo certo, tem finalmente porto seguro e mostrará ritmos africanos, com predominância das vozes que cantam Cabo Verde. Já nas penúltimas sextas-feiras, a batida é de jazz, a partir do acordo com o Hot Clube de Portugal.

Mais que o Bairro Alto e seus habituais frequentadores, ganha a cidade. Daí o apoio da Câmara Municipal e da Gulbenkian. Bom sonho. E bons ares...

Texto publicado na revista Atual de 5 de março de 2011

Escolha uma das opções para ler o Expresso


Compre o Expresso na banca
Assine o Expresso no site
Use o registo da assinatura no site para descarregar o Expresso no iPad

Opinião


Multimédia

Lombinho de porco com broa e batata a murro

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Desaparecidos para sempre no Mar do Norte

O dia 15 de novembro já foi feriado, há 90 anos. A razão foi o desaparecimento de Sacadura Cabral algures no Mar do Norte. Depois de fazer mais de oito mil quilómetros de Lisboa ao Rio de Janeiro, o aviador pioneiro não conseguiu completar o voo entre a cidade holandesa de Amesterdão e a capital portuguesa. Ainda hoje, não se sabe o que aconteceu ao companheiro de Gago Coutinho e tio-avô de Paulo Portas, a quem o Expresso pediu um sms.

Os muros do mundo

Novembro relembrou-nos os muros que caem, mas também os que permanecem e os que se expandem. Berlim aproximou-se de si própria há 25 anos, mas há muros que continuam a desaproximar. Esta é a história de sete deles - diferentes, imprevisíveis, estranhos.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

O papa-medalhas que veio do espaço

O atleta português mais medalhado de sempre, Francisco Vicente, regressou dos campeonatos europeus de veteranos, na Turquia, com novas lembranças ao pescoço. Três de ouro e duas de prata para juntar à coleção. Tem 81 medalhas, uma por cada ano de vida.

Terror religioso está a aumentar

Relatório sobre a Liberdade Religiosa é divulgado esta terça-feira em todo o mundo. Dos 196 países analisados, só em 80 não há indícios de perseguições motivadas pela fé.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 


Comentários 0 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub