0
Anterior
O livro digital e o demónio da analogia
Seguinte
"Tropa de Elite 2": o alvo agora são os políticos corruptos
Página Inicial   >  Cultura  >  Há um novo teatro no Bairro Alto

Há um novo teatro no Bairro Alto

No antigo edifício do "Diário Popular" foi 'erguido' o Teatro do Bairro. Dança, teatro, cinema e música num espaço alternativo inovador.
|
Alexandre Oliveira (à esq.), produtor e diretor da Ar de Filmes, que gere o espaço, e o ator e encenador António Pires, seu diretor artístico
Alexandre Oliveira (à esq.), produtor e diretor da Ar de Filmes, que gere o espaço, e o ator e encenador António Pires, seu diretor artístico / José Ventura

Os mais velhos lembram-se ainda do magote irrequieto à espera, fumando um cigarrito, levando aos lábios um copo de tinto ou a carcaça com o pastel de bacalhau. Adultos uns, quase crianças outros, às vezes toda a família de ardinas ou de donos e arrendatários de quiosques de jornais, obstruindo a rua à espera da saída dos vespertinos.

O Bairro Alto por esses tempos fervilhava por via das redações de pelo menos meia dúzia de jornais e revistas, das casas de venda, das tipografias. As prostitutas vinculavam-se a outras esquinas e os novíssimos magotes, da malta dos copos de cerveja e shots, dos 'botelhões' e das noitadas modernaças, ainda não tinham tomado conta das ruelas.

Na Rua Luz Soriano era a redação do "Diário Popular" e no nº 63 abria-se a bocarra que abrigava a máquina impressora. A ferramenta enorme já lá não está: deu lugar ao buraco onde se abriu a caixa negra que dá corpo ao Teatro do Bairro, uma aventura meditada e erguida de fio a pavio por Alexandre Oliveira, alma da Ar de Filmes, produtora de cinema e de teatro que não despreza outras artes e que se mete por estes caminhos com vontade de criar.

Panóplia de espetáculos e ambientes


Mais do que uma sala de teatro, o Teatro do Bairro - inaugurado esta semana - é um espaço imaginado para variadas valências, permitindo uma panóplia de espetáculos e ambientes decorrentes de cada um dos usos que se lhe quiser, muitos deles já preparados.

Uma zona de bar aberta sobre o 'cubo' da sala permite pensar tais ares inovadores, especialmente quando se percebe que a bancada, para 80 espectadores, é retrátil, para que deixe disponível mais área a atividades livres de assentos. Para além desses lugares, haverá a somar outros 20, reorganizando-se o local das mesas do bar.

Já se vê que o arquiteto Alberto Santos Oliveira pensou em tudo para corresponder aos interesses da empreitada artística. "O local vai responder a tantas hipóteses de programação quantas desejarmos. Com o teatro e o cinema como pedras influentes, mas pensando igualmente na música mais diversificada, ou na dança", explica Alexandre Oliveira.

Também de indisfarçável sorriso estampado na cara, ainda no meio de muito pó de obra e batidas de carpinteiro, António Pires, encenador da peça que abriu o novo recinto - "Vida de Artistas", que estará em cena de quarta a sábado, às 21h, até 26 de março, um texto de Luísa Costa Gomes em torno da condição de ator em Portugal - e diretor artístico do recinto, lembra: "O Bairro Alto tem múltiplas ofertas, mas depois que saíram do casarão do jornal 'A Capital' os pioneiros Artistas Reunidos, a sociedade artística dirigida por Jorge Silva Melo, apenas a Zé dos Bois persiste em propor acontecimentos de âmbito cultural. Acho que esta aposta vem enriquecer a vida cultural da cidade, propondo programas que se entretecem muito bem com os hábitos noturnos a que o bairro nos acostumou."

Fica claro que desejam essa ligação íntima e apostam nela; a própria programação está pensada para a diversidade de gostos dos clientes habituais desta zona da cidade. O ritmo das propostas é diário e diversificado, ancorado na qualidade dos nomes que por ela se responsabilizam.

Domingo, dia de cinema


Domingo é dia de cinema, de manhã à noite, começando com sessões infantis e continuando numa aposta alternativa de distribuição e exibição cinematográfica às que existem, o que fazia flagrante falta, vindo colmatar uma lacuna grave: pelas mãos da cooperativa Zero em Comportamento (lembrem-se das sessões no Cinema 222 e na própria atividade do IndieLisboa...) serão exibidos filmes que dificilmente poderiam ser vistos noutras salas.

Às segundas, ao toque das 23h, tempo de fado, orientado pela ação da Mesa de Frades, apresentando-se Ricardo Ribeiro, Joana Amendoeira, Rebelo de Andrade, Ana Sofia Varela e Tânia Oleiro, entre mais nomes a anunciar.

As sextas são divididas por outras músicas: nas primeiras de cada mês, o mítico BLeza, nos últimos tempos uma nau sem rumo certo, tem finalmente porto seguro e mostrará ritmos africanos, com predominância das vozes que cantam Cabo Verde. Já nas penúltimas sextas-feiras, a batida é de jazz, a partir do acordo com o Hot Clube de Portugal.

Mais que o Bairro Alto e seus habituais frequentadores, ganha a cidade. Daí o apoio da Câmara Municipal e da Gulbenkian. Bom sonho. E bons ares...

Texto publicado na revista Atual de 5 de março de 2011

Escolha uma das opções para ler o Expresso


Compre o Expresso na banca
Assine o Expresso no site
Use o registo da assinatura no site para descarregar o Expresso no iPad

Opinião


Multimédia

Edwin. O rapaz que aprendeu a sonhar

O que Edwin sabia sobre a vida era sobreviver. Na cabeça dele não cabiam sonhos e os dias eram passados à procura de comida para ele e para a mãe e para o irmão. A fome espreitava nos cantos da barraca de palha no Quénia e ele escondia-se dela como podia - chupar as pedras era uma forma de a enganar. Mas a sorte dele mudou porque alguém viu nele outra coisa. E tudo começou numa dança. Agora, os mesmos dedos que agarravam as pedras tocam hoje teclas de um piano Bechstein. E os pés dele já não estão nus mas calçados. Com chuteiras. Primeiro no Benfica, agora no Estoril, o miúdo de 15 anos que fala como gente grande descobriu que tinha um sonho: ser futebolista. Como Drogba.

Em três quartos de hora não se esquece só a idade. "Esquece-se o mundo"

Maria do Céu dá três voltas ao lar sempre que pode. Edviges vai a todos os velórios, faz hidroginástica e sopas de letras. António dá um apoio na Igreja e nos escuteiros. Tudo é uma ajuda para passar os dias quando se tornam todos iguais. No Pinhal Interior Sul, a região mais envelhecida da União Europeia, quase um terço da população tem mais de 65 anos. Os mais velhos ficaram, os mais novos partiram.

Profissão: Sniper

O Expresso foi ver como são selecionados, que armas usam, para que missões estão preparados os snipers da Força de Operações Especiais do Exército. São uma elite dentro da elite. Um pelotão restrito. Anónimo. Treinam diariamente com um único objetivo: eliminar um alvo à primeira, mesmo que esteja a centenas de metros. Humano ou material. Sem dramas morais, dizem.

Xarém com conquilhas

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione com esta nova receita.

O que se passa dentro da cabeça dele

O que leva um tipo a quem iam amputando uma perna a regressar ao sítio onde os ossos se desfizeram, uma e outra vez, e testar os limites do seu corpo? Resposta: a busca pelo salto perfeito, que ele diz existir dentro dele e que ele encontrará mais dia menos dia. É a fé e a confiança que o movem e o levam a pular para lá do que é exigido a um campeão olímpico e mundial que não tem mais nada a provar a ninguém - a não ser a ele próprio. Este é um trabalho que publicámos em agosto de 2014, quando o saltador se preparava para os Europeus e falava das metas que tinha traçado para 2015 e 2016: mostrar que não estava acabado. Sete meses depois, provou-o no Europeu de pista coberta em Praga, onde venceu este fim de semana.

Amadeu, que aprendeu o mundo no campo e tinha o coração na ponta dos dedos

Em Portugal, a dedicação à língua mirandesa tem nome próprio: Amadeu Ferreira, o jurista da CMVM que - quando todos diziam que "era uma loucura impossível" - arranjou tempo para traduzir "Os Lusíadas", a "Mensagem", os quatro Evangelhos da Bíblia e ainda duas aventuras do Asterix para uma língua que pertence a um cantinho do nordeste português e é falada por menos de 15 mil pessoas. No final de 2014 deu ao Expresso aquela que viria a ser a sua última entrevista. Morreu no passado domingo e esta quinta-feira foi lançada a sua biografia, "O fio das lembranças", com quase 800 páginas.

Temos 16 imagens que não explicam o mundo, mas que ajudam a compreendê-lo

O júri do World Press Photo queria dar o prémio maior da edição deste ano (e talvez das edição todas) a uma fotografia com "potencial para se tornar icónica". A primeira imagem desta fotogaleria, por ser "esteticamente poderosa" e "revelar humanidade", é o que o júri procurava. A fotografia de um casal homossexual russo, a grande vencedora, é a primeira de 16 imagens de uma seleção onde há Messi desolado, migrantes em condições indignas no Mediterrâneo, a aflição do ébola, mistérios afins e etc - são os contrastes do mundo.

Vamos falar de sexo. Seis portugueses revelam tudo o que lhes dá prazer na cama

Neste primeiro episódio de uma série que vai durar sete semanas, seis entrevistados falam abertamente sobre aquilo que lhes dá mais satisfação na intimidade. Sexo em grupo, sexo na gravidez, prazer sem orgasmo e melhor sexo após a menopausa são alguns dos temas referidos nos testemunhos desta semana. O psiquiatra Francisco Allen Gomes explica ainda a razão de muitas mulheres fingirem o orgasmo. O Expresso e a SIC falaram com 33 portugueses que deram a cara e o testemunho de como são na cama. Ao longo das próximas sete semanas, contamos-lhe tudo.

Elvis. Gostamos ou não gostamos?

Ele não é consensual, mas é incontornável. Dispunha de penteado majestoso e patilha marota, aparentava olhar matador e pose atrevida. E deixou canções: umas fáceis e outras nem tanto, por vezes previsíveis e às vezes inesperadas, ora gentis ora aceleradas. E ele, Elvis, nasceu em janeiro de 1934 - há precisamente 40 anos, ao oitavo dia. Temos quatro textos sobre o artista: Nicolau Santos, Rui Gustavo, Nicolau Pais e João Cândido da Silva explicam o que apreciam, o que toleram e o que não suportam.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

Desfile de vedetas

Saiba tudo sobre os modelos concorrentes ao Carro do Ano 2015/Troféu Essilor Volante de Cristal. Conheça o essencial sobre os 20 automóveis participantes nesta iniciativa, da estética, às características técnicas, do preço ao consumo. A apresentação ficará completa no dia 3 de janeiro.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

Desacelerámos a realidade para observar a euforia da liberdade

Ela, Jacarandá, é algarvia. Ele, Katmandu, é espanhol. São linces e agora experimentam a responsabilidade da liberdade: foram soltos esta terça-feira numa herdade alentejana, próxima de Mértola, eles que saíram de centros de reprodução em cativeiro. Foi inédito: nunca tinha acontecido algo assim em Portugal. Estivemos lá e ensaiámos o slow motion.


Comentários 0 Comentar

Últimas

Receba a nova Newsletter
Ver Exemplo

Pub