0
Anterior
Vai uma salada?
Seguinte
Fruta ou chocolate
Página Inicial   >  Atualidade / Arquivo   >   Há caracóis!

Há caracóis!

Há caracóis!

Lisboa


O FILHO DO MENINO JÚLIO DOS CARACÓIS
Morada Rua Vale Formoso de cima, 140-B (Lisboa)
Preços Prato: 4,80 euros; Imperial: 1 euro

Quem pergunta pelos melhores caracóis de Lisboa aos habitués deste petisco leva como resposta: "Os melhores são os do Júlio ali para os lados de Xabregas". Fomos confirmar. A sala está cheia, assim como as paredes, forradas com fotografias de gente famosa que visita a casa. Os empregados empilham quatro a cinco pratos de caracóis nas mãos e vão servindo a um ritmo alucinante. Há fila lá fora, junto à pequena esplanada. Os caracóis apresentam-se quentes, mal se consegue pegar neles. Mas assim que se mete o primeiro na boca... o difícil é parar.

TÚNEL DE SANTOS
Morada Largo de Santos, 1 A-B-C (Santos)
Preços Pires: 3 euros; Prato: 5,50 euros; Imperial: 0,75 euros

Quem passa e olha lá para dentro, para o restaurante, fica na dúvida se servirão caracóis. Mas na esplanada, os pratos em cima das mesas são esclarecedores. Há caracóis sim senhor e dos bons. Destacam-se no paladar os orégãos e um picantezinho, mas sem esconder o sabor original dos caracóis. "Consegue perceber-se se pastaram bem ou não", disse com ar entendido um dos provadores. Ou seja, para quem gosta de um saborzinho mais acentuado, estão no ponto!

O FAROL DA TORRE
Morada Rua da Praia do Bom Sucesso, 102 (Belém)
Preços Travessa: 6 euros; Imperial: 0,80 euros

Situado num prédio que exibe uma placa onde se lê "perigo de derrocada", nem por isso tem pouca gente este restaurante/cervejaria. Gente nova não falta por aqui, misturada com os moradores do bairro. Mas vamos ao que interessa. Foram os caracóis mais salgados que encontrámos, e também os mais frios. Com um ligeiro sabor amargo, são salvos pelo alho e picante, e ganhariam bastante se fossem servidos mais quentes.

EDUARDO DAS CONQUILHAS
Morada Rua Capitão Leitão, 8 (Parede)
Preços Pires: 4 euros; Prato: 5,25 euros; Imperial, 1 euro

À entrada num azulejo do balcão do lado esquerdo o Eduardo aconselha: "não traga pressa, traga apetite". Criada em 1965, a casa é conhecida sobretudo pelos bivalves que lhe dão nome, mas são os caracóis que vendem mais em Junho e Julho. De tamanho médio, têm acentuado sabor a orégãos e picante que puxa à bebida. Com sorte vêem-se as malaguetas no prato e tudo. Lá fora há uma pequena esplanada, o sítio preferido dos fumadores, com vista para a linha de comboio. Para quem gosta de picante, são imperdíveis!

Porto


Os portuenses nem querem ouvir falar em caracóis. Em 2007, Belmiro Domingos, um inventivo apaixonado por esses moluscos, ainda arriscou fazer a Feira do Caracol, em Leça da Palmeira. Apesar do sucesso momentâneo do evento, não parece ter ficado o hábito, e a ideia de criar uma Confraria dos Caracóis morreu na praia de Leça. Quando querem petiscar, os portuenses preferem as pataniscas, ou as moelas. E nem a francesa designação de escargot convence os desconfiados habitantes da cidade das francesinhas e das tripas a tocar nos viscosos bichos...

Algarve


O APEADEIRO
Morada Vale Formoso, Estrada Almancil-Loulé
Preços Prato grande 7,5 euros, pequeno 5 euros Imperial: 1 euro

Quase passa despercebido, mas diz quem sabe que é dos melhores pontos para se apear e comer caracóis. Em Vale Formoso, Almancil, a poucos metros da linha-férrea, O Apeadeiro tem já longa tradição nos pequenos gastrópodes, cozinhados pelo sr. Valentim. Doses bem servidas, são sumarentos. "Eles gostam de ver passar o comboio", diz a Dona Manuela, referindo-se aos clientes, não aos caracóis.

CAFÉ-RESTAURANTE DE QUERENÇA
Morada Largo da Igreja, Querença, Loulé
Preços Prato grande caracóis ou caracoletas: 7,5 euros; Imperial: 0,80 euros

Se os caracóis se dão no campo, fará sentido esperar por eles no litoral? Em Querença, uma aldeia pitoresca e bem preservada a norte de Loulé, os caracóis apanham-se à mão... no prato. No largo principal, enquanto se mede o tempo pelo badalar do sino da Igreja, espera-se pelo prato de caracóis ou até, para quem gosta, pelas caracoletas grelhadas. Também há quem venha de longe para provar outras iguarias da Serra, tal como o javali e as perdizes.

RESTAURANTE PALHACINHO
Morada Largo Dr. Francisco Sá Carneiro (Largo do Mercado), Loja 15, Faro
Preço Prato caracóis 5 euros

A escolha do nome até dá para rir, mas no Palhacinho os caracóis são de chorar... por mais. Em Faro, no novo Mercado Municipal, junto à Loja do Cidadão, a paragem para o petisco é obrigatória e à tardinha os farenses não perdoam. Os caracóis têm fama e nas horas de ponta quase é preciso 'tirar senha', tal como na Loja.


Opinião


Multimédia

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola, em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

Costeletas de borrego com migas de castanhas

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

Strogonoff de peixe espada preto

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Caril de banana

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Cantaril com risotto de espargos

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.


Comentários 0 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub