28
Anterior
Arquivado processo penal do desastre aéreo em Madrid
Seguinte
Jornal "Charlie Hebdo" processado por "incitação ao ódio"
Página Inicial   >  Atualidade / Arquivo   >   Guterres: "Ajuda a refugiados está em risco"

Guterres: "Ajuda a refugiados está em risco"

Alto Comissário da ONU para os Refugiados diz que escassez de fundos "resulta das dificuldades económicas dos países doadores mas também, sobretudo, da multiplicação de crises humanitárias".
|
António Guterres, Alto Comissário para os Refugiados, ao lado de Angelina Jolie, embaixadora da ONU, numa conferência em Beirute no passado dia 12
António Guterres, Alto Comissário para os Refugiados, ao lado de Angelina Jolie, embaixadora da ONU, numa conferência em Beirute no passado dia 12 / Mohamed Azakir/Reuters

O crescente número de refugiados em consequência de conflitos um pouco por todo o mundo, associado à recessão nos países doadores, poderão levar à rutura dos fundos dos organismos dedicados à ajuda humanitária, avança a edição de hoje do jornal "Folha de S.Paulo", que cita o Alto Comissário das Nações Unidas para os Refugiados, António Guterres.

Em entrevista ao jornal brasileiro, realizada durante a viagem a Teerão para dar assistência a 800 mil refugiados afegãos no Irão, o ex-primeiro-ministro português apela à comunidade internacional para 'abrir os cordões à bolsa', ou seja, reforçar os fundos destinados à ajuda humanitária.

Quatro crises agudas e casos de generosidade


De acordo com o Alto Comissário da ONU, "temos neste momento quatro crises agudas. Síria (250 mil refugiados), Mali (250 mil), um número muito próximo resultante do conflito entre o Sudão e o Sudão do Sul, e, recentemente, grandes fugas de população da República Democrática do Congo rumo a Uganda e Ruanda".

A estas crises humanitárias, acrescentam-se as situações mais antigas, com o Afeganistão e a Somália. "Não só do ponto de vista financeiro mas também humano, é muito difícil encontrar capacidade para responder a tudo isso", diz António Guterres.

Enaltecendo a "política de portas abertas" da Jordânia, Líbano, Turquia e Iraque - países que têm recebido milhares de refugiados sírios, "e que é essencial"-, Guterres refere que a "Jordânia e a Turquia fazem um esforço notável para manter as portas abertas, apesar do impacto inetivável do fluxo de refugiados sobre a sua economia. Há uma grande generosidade que deve ser reconhecida", afirma.

Questionado sobre a  situação no Irão por causa do peso dos refugiados afegãos, o Alto Comissário da ONU diz não temer que os mesmos venham a ser expulsos do país. "O Presidente Mahmoud Ahmadinejad assegurou-me, de forma muito clara, que o espaço de proteção para os refugiados afegãos será mantido".

"O Irão, além de permitir que os afegãos trabalhem e que os seus filhos tenham acesso à escola, pretende regularizar a situação dos que estão ilegamente no país. São poucos os Governos dispostos a isso", acrescenta Guterres.

"Solução para as crises humanitárias é sempre política"


Segundo António Guterres, "nunca há solução humanitária para problemas humanitários. A solução é sempre política". O Alto Comissário da ONU cita, como exemplo, o caso da Colômbia, onde as partes envolvidas concordaram em negociar a paz. "Infelizmente, esta solução parece longe de se alcançar na Síria. O conflito tem tido consequências trágicas para a população que ainda se encontra no país, e para os 250 mil refugiados".

Guterres ressalta, no entanto, a colaboração, até aqui, das autoridades sírias para que o ACNUR (agência da ONU para os refugiados) possa continuar a atuar, dentro da própria Síria,  junto dos refugiados iraquianos (que fugiram após a invasão norte-americana, em 2003). Embora persistam dois problemas sérios no país: "O acesso a certas zonas e a dificuldade em encontrar fundos".


Opinião


Multimédia

Os assassínios, as execuções, as decapitações são as imagens mais chocantes de uma propaganda cada vez mais sofisticada. É a Jihad, que recruta guerrilheiros no ocidente para matar e morrer na Síria. O Expresso seguiu as pisadas de cinco jiadistas portugueses, mostrando quem são e como foram convertidos e radicalizados. E como lutam, como foram morrer - e como já haverá arrependidos com medo de fugir. Reportagem em Londres, no café onde viam jogos de futebol, na universidade onde estudavam e na mesquita onde rezavam. Autoridades e especialistas em terrorismo estão alerta sobre este pequeno mas perigoso grupo, onde corre sangue português - e de onde escorre sangue por Alá.

Desacelerámos a realidade para observar a euforia da liberdade

Ela, Jacarandá, é algarvia. Ele, Katmandu, é espanhol. São linces e agora experimentam a responsabilidade da liberdade: foram soltos esta terça-feira numa herdade alentejana, próxima de Mértola, eles que saíram de centros de reprodução em cativeiro. Foi inédito: nunca tinha acontecido algo assim em Portugal. Estivemos lá e ensaiámos o slow motion.

Geração Z

Mais rápidos, mais capazes, mais solitários, os Z vivem agarrados aos ecrãs, pensam com a ajuda da internet e estão permanentemente preocupados com a bateria do telemóvel. Que geração é esta que nasceu com a viragem do século?

Desaparecidos para sempre no Mar do Norte

O dia 15 de novembro já foi feriado, há 90 anos. A razão foi o desaparecimento de Sacadura Cabral algures no Mar do Norte. Depois de fazer mais de oito mil quilómetros de Lisboa ao Rio de Janeiro, o aviador pioneiro não conseguiu completar o voo entre a cidade holandesa de Amesterdão e a capital portuguesa. Ainda hoje, não se sabe o que aconteceu ao companheiro de Gago Coutinho e tio-avô de Paulo Portas, a quem o Expresso pediu um sms.

Os muros do mundo

Novembro relembrou-nos os muros que caem, mas também os que permanecem e os que se expandem. Berlim aproximou-se de si própria há 25 anos, mas há muros que continuam a desaproximar. Esta é a história de sete deles - diferentes, imprevisíveis, estranhos.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

O papa-medalhas que veio do espaço

O atleta português mais medalhado de sempre, Francisco Vicente, regressou dos campeonatos europeus de veteranos, na Turquia, com novas lembranças ao pescoço. Três de ouro e duas de prata para juntar à coleção. Tem 81 medalhas, uma por cada ano de vida.

Terror religioso está a aumentar

Relatório sobre a Liberdade Religiosa é divulgado esta terça-feira em todo o mundo. Dos 196 países analisados, só em 80 não há indícios de perseguições motivadas pela fé.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.


Comentários 28 Comentar
ordenar por:
mais votados
!
Pois é! São as crises. E não te sequeças que relativamente a Portugal já há 10 anos que está no pântano. Muitos é que não sabem e vêm falar na crise recente e no PEC IV.
Re: !
Pois!
Este artista é um dos nossos maiores refugiados!
Depois de ter inaugurado a era de maior despesismo/endividamento público que o País conheceu (e ainda conhece ...) deixando-o na lama, refugiou-se no bem-bom da ONU! Ah grande artista! Está escrito no código genético da pandilha do Rato: merda feita voam para outras paragens. O último aterrou em Paris!
Re: Este artista é um dos nossos maiores refugiado
Re: Guterres: "Ajuda a refugiados está em risco"
ATeoria da evolução da Humanidade ao longo do tempo está em contradição quer com a palete interminável de misérias actuais entre as quais se incluem estes aumentos das crises humanitárias;

E também com certos graus de desenvolvimento de certas sociedades da Antiguidade.

Qualquer coisa não bate certo!
Guterres sempre bem acompanhado!
Re: Guterres:
Re: Guterres:
Re: Guterres:
Re: Guterres:
Re: Guterres:
Re: Guterres:
Guterres: um generoso esbanjador do nosso dinheiro
Este 'bom samaritano', quase que nos pôs como refugiados.

Ele fugiu com uma reforma dourada.

Nós ficamos no pântano, com lama até ao pescoço.
No pântano ?!?
Re: No pântano ?!?
Re: No pântano ?!?
Parvalhão
"Ex-ministro português apela à comunidade internacional para 'abrir os cordões à bolsa'

Porque não começa por abdicar do seu vencimento, já era uma medida nobre, mas você de nobre não tem nada e não esqueço como deixou o meu país seu grande chucha.
Pois sim abelha..
Este se houvesse justiça estava era num campo de refugiados... com direito a 6 grãos de trigo e meio copo de água por dia..isso sim....!
Um artista que nem sabia o PIB do País que governava...e mandava fazer as contas aos jornalistas....esbanjou milhões ele a seita dele e depois acabam com tachos de oiro..falam em 50 000 por mês....!
Ele come tudo e não dá nada aos esfomeados !
O GUTERRES depois de sair do PANTANO, anda sòmente na engorda ! Por isso não há comida para os esfomeados ... porque ele a come toda !!
Eles...
...comem tudo , eles comem tudo e não deixam nada !!!
Não acredito!
Sócrates e a pandilha do PS vão pedir asilo político para fugirem à responsabilidades por terem arruinado o país e atriado Portuagal para os braços da Troika?
BELO TACHO ! MAIS UM!
A nossa ajuda externa também está em risco ó "Santinho"! alguma vez te preocupas realmente com a desgraça do teu país? Está-nos a custar o couro e o cabelo por termos sido governados por incompetentes e chulos como tu enquanto andas agora armado em "madre Teresa" de calças.De fundos precisamos nós!
O PROBLEMA É A (FALTA) DE FUNDOS
Tem razão este xuxalista é que 90% dos fundos é para pagar aviões Hoteis 5* e boas secretárias que falem muitas línguas.
Entretanto por cá vamos pagando os juros aos Bancos dos empréstimos para os estádios de fotebol...
(futebol)
(futebol) foi distração
Link
Mas
Alguém estava a olhar para o Guterres?!
se calhar está a ficar na hora de se demitir
sr. António....
está a ficar como daquela vez, em portugal, lembra-se, quando perdeu?!?!?! umas eleições autárquicas, e o sr pegou na sua trouxa e passou-se ao fresco...
veja lá, agora que os problemas lhe bateram à porta, e que não há dinheirinho a rodos, e voce já não pode gastar à tripa forra, se calhar está na hora de se demitir e fugir....talvez para paris, para junto do seu delfim filosofo...
Comentários 28 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador

PUBLICIDADE

Pub