28
Anterior
Arquivado processo penal do desastre aéreo em Madrid
Seguinte
Jornal "Charlie Hebdo" processado por "incitação ao ódio"
Página Inicial   >  Atualidade / Arquivo   >   Guterres: "Ajuda a refugiados está em risco"

Guterres: "Ajuda a refugiados está em risco"

Alto Comissário da ONU para os Refugiados diz que escassez de fundos "resulta das dificuldades económicas dos países doadores mas também, sobretudo, da multiplicação de crises humanitárias".
|
António Guterres, Alto Comissário para os Refugiados, ao lado de Angelina Jolie, embaixadora da ONU, numa conferência em Beirute no passado dia 12
António Guterres, Alto Comissário para os Refugiados, ao lado de Angelina Jolie, embaixadora da ONU, numa conferência em Beirute no passado dia 12 / Mohamed Azakir/Reuters

O crescente número de refugiados em consequência de conflitos um pouco por todo o mundo, associado à recessão nos países doadores, poderão levar à rutura dos fundos dos organismos dedicados à ajuda humanitária, avança a edição de hoje do jornal "Folha de S.Paulo", que cita o Alto Comissário das Nações Unidas para os Refugiados, António Guterres.

Em entrevista ao jornal brasileiro, realizada durante a viagem a Teerão para dar assistência a 800 mil refugiados afegãos no Irão, o ex-primeiro-ministro português apela à comunidade internacional para 'abrir os cordões à bolsa', ou seja, reforçar os fundos destinados à ajuda humanitária.

Quatro crises agudas e casos de generosidade


De acordo com o Alto Comissário da ONU, "temos neste momento quatro crises agudas. Síria (250 mil refugiados), Mali (250 mil), um número muito próximo resultante do conflito entre o Sudão e o Sudão do Sul, e, recentemente, grandes fugas de população da República Democrática do Congo rumo a Uganda e Ruanda".

A estas crises humanitárias, acrescentam-se as situações mais antigas, com o Afeganistão e a Somália. "Não só do ponto de vista financeiro mas também humano, é muito difícil encontrar capacidade para responder a tudo isso", diz António Guterres.

Enaltecendo a "política de portas abertas" da Jordânia, Líbano, Turquia e Iraque - países que têm recebido milhares de refugiados sírios, "e que é essencial"-, Guterres refere que a "Jordânia e a Turquia fazem um esforço notável para manter as portas abertas, apesar do impacto inetivável do fluxo de refugiados sobre a sua economia. Há uma grande generosidade que deve ser reconhecida", afirma.

Questionado sobre a  situação no Irão por causa do peso dos refugiados afegãos, o Alto Comissário da ONU diz não temer que os mesmos venham a ser expulsos do país. "O Presidente Mahmoud Ahmadinejad assegurou-me, de forma muito clara, que o espaço de proteção para os refugiados afegãos será mantido".

"O Irão, além de permitir que os afegãos trabalhem e que os seus filhos tenham acesso à escola, pretende regularizar a situação dos que estão ilegamente no país. São poucos os Governos dispostos a isso", acrescenta Guterres.

"Solução para as crises humanitárias é sempre política"


Segundo António Guterres, "nunca há solução humanitária para problemas humanitários. A solução é sempre política". O Alto Comissário da ONU cita, como exemplo, o caso da Colômbia, onde as partes envolvidas concordaram em negociar a paz. "Infelizmente, esta solução parece longe de se alcançar na Síria. O conflito tem tido consequências trágicas para a população que ainda se encontra no país, e para os 250 mil refugiados".

Guterres ressalta, no entanto, a colaboração, até aqui, das autoridades sírias para que o ACNUR (agência da ONU para os refugiados) possa continuar a atuar, dentro da própria Síria,  junto dos refugiados iraquianos (que fugiram após a invasão norte-americana, em 2003). Embora persistam dois problemas sérios no país: "O acesso a certas zonas e a dificuldade em encontrar fundos".


Opinião


Multimédia

Cheesecake com manjericão e doce de tomate

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 28 Comentar
ordenar por:
mais votados
!
Pois é! São as crises. E não te sequeças que relativamente a Portugal já há 10 anos que está no pântano. Muitos é que não sabem e vêm falar na crise recente e no PEC IV.
Re: !
Pois!
Este artista é um dos nossos maiores refugiados!
Depois de ter inaugurado a era de maior despesismo/endividamento público que o País conheceu (e ainda conhece ...) deixando-o na lama, refugiou-se no bem-bom da ONU! Ah grande artista! Está escrito no código genético da pandilha do Rato: merda feita voam para outras paragens. O último aterrou em Paris!
Re: Este artista é um dos nossos maiores refugiado
Re: Guterres: "Ajuda a refugiados está em risco"
ATeoria da evolução da Humanidade ao longo do tempo está em contradição quer com a palete interminável de misérias actuais entre as quais se incluem estes aumentos das crises humanitárias;

E também com certos graus de desenvolvimento de certas sociedades da Antiguidade.

Qualquer coisa não bate certo!
Guterres sempre bem acompanhado!
Re: Guterres:
Re: Guterres:
Re: Guterres:
Re: Guterres:
Re: Guterres:
Re: Guterres:
Guterres: um generoso esbanjador do nosso dinheiro
Este 'bom samaritano', quase que nos pôs como refugiados.

Ele fugiu com uma reforma dourada.

Nós ficamos no pântano, com lama até ao pescoço.
No pântano ?!?
Re: No pântano ?!?
Re: No pântano ?!?
Parvalhão
"Ex-ministro português apela à comunidade internacional para 'abrir os cordões à bolsa'

Porque não começa por abdicar do seu vencimento, já era uma medida nobre, mas você de nobre não tem nada e não esqueço como deixou o meu país seu grande chucha.
Pois sim abelha..
Este se houvesse justiça estava era num campo de refugiados... com direito a 6 grãos de trigo e meio copo de água por dia..isso sim....!
Um artista que nem sabia o PIB do País que governava...e mandava fazer as contas aos jornalistas....esbanjou milhões ele a seita dele e depois acabam com tachos de oiro..falam em 50 000 por mês....!
Ele come tudo e não dá nada aos esfomeados !
O GUTERRES depois de sair do PANTANO, anda sòmente na engorda ! Por isso não há comida para os esfomeados ... porque ele a come toda !!
Eles...
...comem tudo , eles comem tudo e não deixam nada !!!
Não acredito!
Sócrates e a pandilha do PS vão pedir asilo político para fugirem à responsabilidades por terem arruinado o país e atriado Portuagal para os braços da Troika?
BELO TACHO ! MAIS UM!
A nossa ajuda externa também está em risco ó "Santinho"! alguma vez te preocupas realmente com a desgraça do teu país? Está-nos a custar o couro e o cabelo por termos sido governados por incompetentes e chulos como tu enquanto andas agora armado em "madre Teresa" de calças.De fundos precisamos nós!
O PROBLEMA É A (FALTA) DE FUNDOS
Tem razão este xuxalista é que 90% dos fundos é para pagar aviões Hoteis 5* e boas secretárias que falem muitas línguas.
Entretanto por cá vamos pagando os juros aos Bancos dos empréstimos para os estádios de fotebol...
(futebol)
(futebol) foi distração
Link
Mas
Alguém estava a olhar para o Guterres?!
se calhar está a ficar na hora de se demitir
sr. António....
está a ficar como daquela vez, em portugal, lembra-se, quando perdeu?!?!?! umas eleições autárquicas, e o sr pegou na sua trouxa e passou-se ao fresco...
veja lá, agora que os problemas lhe bateram à porta, e que não há dinheirinho a rodos, e voce já não pode gastar à tripa forra, se calhar está na hora de se demitir e fugir....talvez para paris, para junto do seu delfim filosofo...
Comentários 28 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub