Anterior
Droga: Suspeito de tráfico detido no Caia fica em prisão preventiva
Seguinte
Alta Tensão/Sintra: Tribunal Central nega recurso da junta de ...
Página Inicial   >  Feeds  >  Última Hora Lusa  >  Actualidade  >   Guiné-Bissau: Morreu um dos presumíveis assassinos de Amílcar Cabral

Guiné-Bissau: Morreu um dos presumíveis assassinos de Amílcar Cabral

Lisboa, 21 Fev (Lusa) - Isidoro Manuel Lima, ex-combatente anti-colonial e acusado de envolvimento no assassínio de Amílcar Cabral, morreu recentemente na ilha cabo-verdiana de Santo Antão vítima de doença prolongada, noticiou hoje a Panapress.
Lusa |

Lisboa, 21 Fev (Lusa) - Isidoro Manuel Lima, ex-combatente anti-colonial e acusado de envolvimento no assassínio de Amílcar Cabral, morreu recentemente na ilha cabo-verdiana de Santo Antão vítima de doença prolongada, noticiou hoje a Panapress.

O antigo combatente do Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), que contava 70 anos, deixou o movimento guerrilheiro em 1970, depois de ter sido acusado de conspiração contra o Amílcar Cabral "pai" das independências da Guiné e Cabo Verde.

Amílcar Cabral foi assassinado em Conacri a 20 de Janeiro de 1973, oito meses antes da proclamação unilateral da independência da Guiné-Bissau (24 de Setembro de 1973), supostamente por dois militantes do PAIGC da base instalada na capital da Guiné-Conacri.

As circunstâncias da sua morte, ocorrida há 45 anos, nunca foram devidamente esclarecidas, havendo quem defenda que a antiga polícia portuguesa - a PIDE - esteve envolvida, embora haja também a tese de que foi parte da direcção do então movimento independentista quem deu ordens para matar Cabral, de forma a criar o símbolo do "mártir".

Ainda em 1970, depois de abandonar o PAIGC, Isidoro Lima foi viver para a Serra Leoa, onde, alegadamente, terá sido contactado pela polícia política portuguesa para participar na operação em Conacri.

Outro dos mais conhecidos elementos que supostamente participaram na operação de assassínio do líder do PAIGC, Inocêncio Cani, morreu poucos meses depois do assassínio de Cabral.

O mesmo sucedeu a outros "cabecilhas" da operação, alguns deles sumariamente executados, enquanto outros foram perdoados.

Quanto a Isidoro Lima, em 1995, após o início da guerra civil na Serra Leoa, regressou a Cabo Verde, de onde era natural.

Isidoro Lima nunca mais se entendeu com os seus velhos companheiros do PAIGC que chegaram ao poder em Cabo Verde, após a independência do arquipélago, a 05 de Julho de 1975.

A sua história foi tornada pública em Outubro de 2007 quando o jornal cabo-verdiano A Semana noticiou que o presidente de Cabo Verde, Pedro Pires, informado das dificuldades que Isidoro Lima atravessava em Santo Antão, onde residia, decidiu ajudá-lo.

Na ocasião, Pedro Pires solicitou ao governo a atribuição de uma pensão vitalícia a Isidoro Lima, utilizando o argumento de se tratar de "um antigo companheiro de luta".

"Com essa pensão, poderá viver tranquilamente o resto da sua vida", afirmou então Pedro Pires, cujo pedido acabou por ser aceite pelo governo, apesar das reticências de alguns antigos combatentes do PAIGC.

Estes alegaram que Isidoro Lima não deveria receber a pensão do Estado de Cabo Verde em virtude do seu comportamento durante o primeiro período da luta de libertação.

Na altura, Pedro Pires sustentou que, partindo-se do princípio que, em Cabo Verde, não há ajustes de contas com o passado, nem represálias, toda e qualquer ajuda a Isidoro Lima se tornou "uma questão de humanidade".

"Pessoalmente, creio que Cabo Verde lhe deve qualquer coisa. Mesmo que tenha ou não traído a luta, o facto é que deu a sua contribuição em Cabo Verde", explicou Pedro Pires.

JSD.

Lusa/Fim


Opinião


Multimédia

Cheesecake com manjericão e doce de tomate

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 0 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub