3

A entrevista que interessa: Malik explica porque deixou os One Direction (envolve caminhos desviantes, diz ele)

Anterior
Juros da dívida mantêm-se acima de 6%
Seguinte
Juros da dívida pública estão em baixa
Página Inicial   >  Economia  >  Guerra de Divisas, a nova crise global?

Guerra de Divisas, a nova crise global?

Ben Davies, especialista financeiro em Londres, adverte que há o risco das grandes potências usarem as divisas como arma de política. E avisa, essa atitude pode desaguar no campo militar

|

A longa cauda desta Grande Recessão não para de surpreender. Mesmo depois de decretado o fim da recessão económica propriamente dita, o mundo foi sacudido por um novo tipo de crise, o da dívida soberana de várias economias desenvolvidas. E, ainda esta última crise vai no adro, já espreita uma outra, mais perigosa, pois coloca potencialmente em confronto direto grandes potências num jogo de soma nula no comércio mundial e no sistema monetário internacional: a guerra de divisas.

O primeiro a deixar o aviso público de que "ela rebentou" foi Guido Mantega, o ministro das Finanças do Brasil, secundado, esta semana, por Dominique Strauss-Kahn, o chefe do Fundo Monetário Internacional (FMI), que a classificou de "uma perigosa dinâmica". Por seu lado, o presidente do Banco Mundial, Robert Zoellick, disse que se deveria evitar "repetir os mesmos erros dos anos 1930".

Protecionismo em foco


O tema esteve na agenda da reunião ao pequeno-almoço de sexta-feira dos ministros das Finanças do grupo mais alargado do G20 e no jantar mais restrito dos do G7, nesse mesmo dia, na embaixada do Canadá, por ocasião do encontro semestral do FMI e do Banco Mundial em Washington DC.

O comunicado desta 22ª reunião do Comité Monetário e Financeiro Internacional e do Conselho de governadores do Fundo Monetário Internacional reafirmou a "rejeição do protecionismo sob todas as formas" e a necessidade de "uma resposta coordenada à crise", o que foi interpretado por alguns analistas internacionais como um incentivo ao armistício na guerra das divisas até à próxima reunião em abril de 2011. A reunião insistiu, também, na necessidade de "concluir a ronda de negociações de Doha" promovida pela Organização Mundial do Comércio, tendo em conta a aproximação de 2013, ano limite para a eliminação dos subsídios às exportações agrícolas.

Risco geopolítico


"Se as nações deixarem de comunicar nos assuntos de comércio internacional, os ressentimentos podem facilmente terminar em ações militares", diz Ben Davies, diretor geral e cofundador da financeira londrina Hinde Capital, em entrevista ao Expresso.

Davies considera "um verdadeiro tremor de terra" os recentes movimentos de manipulação de divisas - com destaque para a desvalorização abrupta do dólar americano em 13% em relação a um cabaz de moedas desde meados de junho, para a operação no mês passado em relação ao iene japonês, algo que o governo nipónico não fazia há seis anos, e para as novas decisões do Brasil no campo do controlo de capitais e de compra de milhares de milhões de dólares no mercado.

Como justificação para a intervenção, as autoridades americanas e de algumas instituições internacionais alegam que a China não valoriza mais diligentemente a sua moeda, o renminbi, que, apenas, se apreciou em 2,3% desde junho em relação ao dólar. Curiosamente, na sexta-feira, o câmbio do renminbi foi fixado em 6,683 por dólar, um máximo desde 2005. Desde essa data, a moeda chinesa valorizou-se em 22%.

Política monetária como arma adicional


O problema agrava-se, refere Davies, porque a Reserva Federal e o Banco do Japão estão a adicionar um plano de agressiva injeção de massa monetária - que dá pelo nome técnico de quantitative easing (QE) - a que também se associa o Banco de Inglaterra (que manteve inclusive o montante deste tipo de intervenção em 200 mil milhões de libras, cerca de €230 mil milhões). O Banco do Japão anunciou um programa de QE de 60 mil milhões de dólares (mais de 43 mil milhões de euros) - 70% dos quais em dívida pública.

O Banco Central Europeu tem, até à data, resistido a uma tal política, ainda que o esteja a fazer "indiretamente", diz Davies, através de uma política "de quase-subsídios aos orçamentos dos governos". O BCE tem, também recusado "alinhar" neste clima de guerra de divisas.

O fim de Bretton Woods II

A questão de fundo, no entanto, é a aproximação do fim de um era, que alguns alcunharam de "Bretton Woods II", um sistema específico de relação umbilical entre o dólar e o renminbi em vigor desde 1995. "Sim, os chineses querem sair desta relação, mas querem fazê-lo nos seus termos e dentro da sua agenda. A China, sejamos claro, acabará por enveredar por um processo de liberalização da sua divisa. Ela sabe que para consolidar a sua dominância como superpotência terá de ter um sistema flexível", refere o financeiro, que acrescenta: "A China tem de diversificar e de criar relações bilaterais fortes com outras nações, particularmente as que dispõem de recursos em matérias-primas e mercadorias. A China não se pode dar ao luxo de ser uma potência isolacionista".

Entretanto, Beijing tem vindo a dar passos no sentido de internacionalizar a sua divisa criando acordos de swap com a Rússia e o Brasil e estabelecendo um primeiro centro offshore para a sua divisa em Hong Kong, recorda o nosso entrevistado. Em 19 de junho decidiu, também, criar um novo quadro político que permitirá a maior flexibilização da política cambial apontando para uma valorização gradual da divisa, recordou, esta semana, o presidente do BCE, Jean-Claude Trichet. No entanto, os passos da China serão, sempre, cautelosos. Como referia um editorial do Global Times, um jornal oficioso chinês em inglês: "Na valorização do yuan (renminbi), os Estados Unidos têm pouco a ganhar e a China tem a sua estabilidade social e económica em jogo".

A versão original da entrevista em inglês pode ser consultada aqui .

Adaptado e atualizado de artigo publicado na edição impressa de 9/10/2010.


Opinião


Multimédia

Edwin. O rapaz que aprendeu a sonhar

O que Edwin sabia sobre a vida era sobreviver. Na cabeça dele não cabiam sonhos e os dias eram passados à procura de comida para ele e para a mãe e para o irmão. A fome espreitava nos cantos da barraca de palha no Quénia e ele escondia-se dela como podia - chupar as pedras era uma forma de a enganar. Mas a sorte dele mudou porque alguém viu nele outra coisa. E tudo começou numa dança. Agora, os mesmos dedos que agarravam as pedras tocam hoje teclas de um piano Bechstein. E os pés dele já não estão nus mas calçados. Com chuteiras. Primeiro no Benfica, agora no Estoril, o miúdo de 15 anos que fala como gente grande descobriu que tinha um sonho: ser futebolista. Como Drogba.

Em três quartos de hora não se esquece só a idade. "Esquece-se o mundo"

Maria do Céu dá três voltas ao lar sempre que pode. Edviges vai a todos os velórios, faz hidroginástica e sopas de letras. António dá um apoio na Igreja e nos escuteiros. Tudo é uma ajuda para passar os dias quando se tornam todos iguais. No Pinhal Interior Sul, a região mais envelhecida da União Europeia, quase um terço da população tem mais de 65 anos. Os mais velhos ficaram, os mais novos partiram.

Profissão: Sniper

O Expresso foi ver como são selecionados, que armas usam, para que missões estão preparados os snipers da Força de Operações Especiais do Exército. São uma elite dentro da elite. Um pelotão restrito. Anónimo. Treinam diariamente com um único objetivo: eliminar um alvo à primeira, mesmo que esteja a centenas de metros. Humano ou material. Sem dramas morais, dizem.

Xarém com conquilhas

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione com esta nova receita.

O que se passa dentro da cabeça dele

O que leva um tipo a quem iam amputando uma perna a regressar ao sítio onde os ossos se desfizeram, uma e outra vez, e testar os limites do seu corpo? Resposta: a busca pelo salto perfeito, que ele diz existir dentro dele e que ele encontrará mais dia menos dia. É a fé e a confiança que o movem e o levam a pular para lá do que é exigido a um campeão olímpico e mundial que não tem mais nada a provar a ninguém - a não ser a ele próprio. Este é um trabalho que publicámos em agosto de 2014, quando o saltador se preparava para os Europeus e falava das metas que tinha traçado para 2015 e 2016: mostrar que não estava acabado. Sete meses depois, provou-o no Europeu de pista coberta em Praga, onde venceu este fim de semana.

Amadeu, que aprendeu o mundo no campo e tinha o coração na ponta dos dedos

Em Portugal, a dedicação à língua mirandesa tem nome próprio: Amadeu Ferreira, o jurista da CMVM que - quando todos diziam que "era uma loucura impossível" - arranjou tempo para traduzir "Os Lusíadas", a "Mensagem", os quatro Evangelhos da Bíblia e ainda duas aventuras do Asterix para uma língua que pertence a um cantinho do nordeste português e é falada por menos de 15 mil pessoas. No final de 2014 deu ao Expresso aquela que viria a ser a sua última entrevista. Morreu no passado domingo e esta quinta-feira foi lançada a sua biografia, "O fio das lembranças", com quase 800 páginas.

Temos 16 imagens que não explicam o mundo, mas que ajudam a compreendê-lo

O júri do World Press Photo queria dar o prémio maior da edição deste ano (e talvez das edição todas) a uma fotografia com "potencial para se tornar icónica". A primeira imagem desta fotogaleria, por ser "esteticamente poderosa" e "revelar humanidade", é o que o júri procurava. A fotografia de um casal homossexual russo, a grande vencedora, é a primeira de 16 imagens de uma seleção onde há Messi desolado, migrantes em condições indignas no Mediterrâneo, a aflição do ébola, mistérios afins e etc - são os contrastes do mundo.

Vamos falar de sexo. Seis portugueses revelam tudo o que lhes dá prazer na cama

Neste primeiro episódio de uma série que vai durar sete semanas, seis entrevistados falam abertamente sobre aquilo que lhes dá mais satisfação na intimidade. Sexo em grupo, sexo na gravidez, prazer sem orgasmo e melhor sexo após a menopausa são alguns dos temas referidos nos testemunhos desta semana. O psiquiatra Francisco Allen Gomes explica ainda a razão de muitas mulheres fingirem o orgasmo. O Expresso e a SIC falaram com 33 portugueses que deram a cara e o testemunho de como são na cama. Ao longo das próximas sete semanas, contamos-lhe tudo.

Elvis. Gostamos ou não gostamos?

Ele não é consensual, mas é incontornável. Dispunha de penteado majestoso e patilha marota, aparentava olhar matador e pose atrevida. E deixou canções: umas fáceis e outras nem tanto, por vezes previsíveis e às vezes inesperadas, ora gentis ora aceleradas. E ele, Elvis, nasceu em janeiro de 1934 - há precisamente 40 anos, ao oitavo dia. Temos quatro textos sobre o artista: Nicolau Santos, Rui Gustavo, Nicolau Pais e João Cândido da Silva explicam o que apreciam, o que toleram e o que não suportam.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

Desfile de vedetas

Saiba tudo sobre os modelos concorrentes ao Carro do Ano 2015/Troféu Essilor Volante de Cristal. Conheça o essencial sobre os 20 automóveis participantes nesta iniciativa, da estética, às características técnicas, do preço ao consumo. A apresentação ficará completa no dia 3 de janeiro.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

Desacelerámos a realidade para observar a euforia da liberdade

Ela, Jacarandá, é algarvia. Ele, Katmandu, é espanhol. São linces e agora experimentam a responsabilidade da liberdade: foram soltos esta terça-feira numa herdade alentejana, próxima de Mértola, eles que saíram de centros de reprodução em cativeiro. Foi inédito: nunca tinha acontecido algo assim em Portugal. Estivemos lá e ensaiámos o slow motion.


Comentários 3 Comentar
ordenar por:
mais votados
GGuerra de Divisas, a nova crise global ?
No meio da tempestade desta crise, referi aqui em mais de um comentário que o Mundo nunca jamais voltaria a ser o mesmo. Que nem o capitalismo nem o comunismo tal como os conhecemos tinham sido capaz de resolver os problemas da Humanidade. Referi que o capitalismo estava doente e só não se sabia quando seria a sua morte, tal como aconteceu com o comunismo, que ruiu de um dia para o outro. Referi que me parecia que o capitalismo não sabia viver sem o seu rival e precisava dele para continuar a sobreviver. Tive algumas vozes críticas, mas o tempo parece dar-me razão.
Re: GGuerra de Divisas, a nova crise global ?
Esperemos que seja só um recuo na globalização.
Nas sociedades modernas, o incentivo à competição é muito mais forte que à partilha e solidariedade, e os governos têm que prestar contas aos seus eleitores, que defenderão sempre os seus interesses, acentuando o fervor nacionalista com o aprofundar da crise social. É dos manuais.

Talvez chegue o dia em que exista uma sociedade globalizada, com cidadania, economia, moeda e governo globais. Nessa altura, a utopia de uma só pátria para a humanidade poderá parecer sonho realizável.

Mas nunca deixarão de existir os jogos de poder, por mais global que a política seja. Vamos ter que continuar a conviver com esse facto.

A moeda fiduciária é o agente infiltrado ao serviço dos estados, para apropriação da poupança via impostos, juros e inflação.

A exportação de dívida foi o método inovador usado para expandir soberania, subjugando outras economias e conquistando riquezas externas, projectando moeda de ocupação em vez de forças militares, com poupança de custos financeiros e políticos.

Consumimos o futuro a crédito e já não temos tempo para evoluir

Ao contrário da evolução via aperfeiçoamento, sublima-se a inovação constante, sem critério nem sedimentação.

Poderão as sociedades humanas aceitar os métodos de selecção usados pela natureza, em que sobrevivem os mais aptos de uma constante inovação genética? Para isso, teríamos que aceitar a morte tão naturalmente como aceitamos a vida, com a humildade que já deixámos de cultivar há muito.
peatrasluminic@gmail.com
Comentários 3 Comentar

Últimas

Receba a nova Newsletter
Ver Exemplo

Pub