Anterior
Galp reconhece maior adesão à greve
Seguinte
Alteração da TSU pode destruir mais de 30 mil empregos
Página Inicial   >  Economia  >   Greve nos portos "não causa grande impacto na economia"

Greve nos portos "não causa grande impacto na economia"

Segundo presidente do Instituto Portuário e do Transporte Marítimo, muitos armadores, alertados para a greve, "decidiram despachar até às 24h de domingo e outros só o farão após o fim da paralisação". 

A greve dos pilotos de barra e dos trabalhadores de tráfego não está a causar grande impacto na economia portuguesa, disse à agência Lusa o presidente do Instituto Portuário e do Transporte Marítimo (IPTM). 

Segundo o dirigente do sindicato Oficiaismar, Carlos Coutinho, em declarações à Lusa ao início da manhã, os portos portugueses estão totalmente paralisados desde as 0h de hoje devido a esta greve. 

Contudo, o presidente do IPTM considera que a greve tem pouco impacto na economia portuguesa: "Em relação aos armadores nacionais não há nenhum impacto. Em relação aos armadores estrangeiros, o impacto que há não é relevante, já que houve atempadamente alterações de escala". 

Segundo a mesma fonte, sabendo da greve, agendada entre as 0h de hoje e as 24h de terça-feira, muitos armadores "decidiram despachar até às 24h de domingo e outros só o farão após o fim da paralisação". 

De acordo com João Carvalho, esta greve não afeta os armadores nacionais, já que os comandantes portugueses nos portos têm certificados de isenção de pilotagem, que lhes permitem entrar e sair dos portos sem recorrer aos pilotos de barra.

Três cruzeiros afetados


Referindo que nos portos do Funchal não houve adesão à greve, o presidente do Instituto Portuário e do Transporte Marítimo revelou que esta paralisação obrigou à alteração de escala de três navios de passageiros (cruzeiros). "(A greve) tem algum impacto em termos de taxas portuárias e de turismo. Não tem é aquele impacto na economia nacional que se poderia prever", assinalou.

Ao início da manhã, Carlos Coutinho, do sindicato Oficiaismar, disse à Lusa que os portos portugueses estão totalmente paralisados desde as 0h de hoje devido à greve dos pilotos de barra e dos trabalhadores de tráfego. "A informação que nós temos é de que os portos estão totalmente paralisados, quer os do continente quer os das regiões autónomas dos Açores e da Madeira", afirmou o sindicalista. 

A greve dos pilotos de barra decorre até às 24h de terça-feira, seguindo-se na quarta-feira uma dos estivadores e na sexta-feira e próxima segunda-feira a paralisação dos trabalhadores das administrações portuárias. 

Durante a greve dos pilotos de barra estão previstos serviços mínimos, que, segundo o sindicato, serão cumpridos em emergências e situações de socorro em que estejam em causa pessoas e bens.  

Os trabalhadores portuários iniciaram hoje um período de cinco semanas de greves, com diferentes datas por sindicato, jornada de luta que deverá ter forte impacto nos principais portos portugueses, à exceção do de Leixões.


Opinião


Multimédia

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 

Crumble. A sobremesa mais fácil do mundo

Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida, especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 15 Comentar
ordenar por:
mais votados
Todas as greves são prejudiciais...
Todas as greves afectam o País.

É errado ver as coisas de uma forma imediatista.

Em vez de atirar com o lixo para baixo do tapete, era bom que se dialogasse com os sindicatos e trabalhadores e explicar que não estamos em tempo de greves.

Explicar que é necessário adaptarmo-nos às novas premissas que a crise faz aparecer.

Não dar importância ou desprezar um conflito, é tão grave como provocá-lo.
Re: Todas as greves são prejudiciais...
Re: Todas as greves são prejudiciais...
Re: Todas as greves são prejudiciais...
Re: Todas as greves são prejudiciais...
Re: Todas as greves são prejudiciais...
Re: Todas as greves são prejudiciais...
Afirmações gratuitas...
...de quem pretende ocultar o sol com uma peneira.

Qualquer imobilização diária de um navio tem custos enormes.

O custo de um petroleiro/dia,ou um graneleiro de cereais,ou um porta-contentores,acrescido do custo da redução ou paralização das atividade das indústrias deles dependentes é elevadíssimo.

Se a sua paralisação se prolongasse seria o caos económico no país.

A maioria das pessoas nem imagina o quanto dependemos dos navios e dos portos,simplesmente porque são atividades que se passam longe dos olhares.

Pois não!
Os armadores estrangeiros simplesmente mudaram as escalas dos seus navios para o... estrangeiro, obviamente. Parte das cargas dos exportadores ficaram em terra e ali ficarão até que acabem as greves dos estivadores que iniciará às 00h de quarta feira e que deverá terminar no dia 22/10.
A economia do país está a ser brutalmente afectada desde agosto quando os estivadores iniciaram as suas reivindicações.
Infelizmente, vamos lá a saber o porquê, o assunto não tem sido muito divulgado e tudo parece normal, mas nessa normalidade, as trading's começam a comprar na china, no brasil, etc. E quem sabe disto? Só eles e os fornecedores portugueses. O ministro da economia não sabe, aliás saber sabe porque foi avisado, mas prefere fingir que não sabe; o assunto estivadores é complexo e dá trabalho!
Por este andar, nas próximas semanas, a única ajuda que portugal tem sido dada pelos exportadores, pode acabar e depois veremos como ficaremos.
As tradings portuguesas não precisam de portugal para nada, mas os portugueses precisam, e muito,das tradings e dos exportadores.
O que se está a passar é uma vergonha.
continuem a fazer greves
a próxima é o fim do direito à greve

não se esqueçam que não têm kalashnicofs
Re: Greve nos portos "não causa grande impacto na
A greve de sábado também não causou grande impacto na economia tal como esta por vários motivos: Primeiro a economia esta já quase morta, segundo as manifs não são para causar danos à economia mas sim manifestar o desagrado com uma medida ou política. Já cansa reduzir tudo que é Humano ao numero ou a quantificar tudo em termos de dinheiro ganho ou perdido...enfim é a acietação máxima de sermos escravos da economia e não a economia ao serviço do homem....o próprio Adam Smith diz que a economia serve o homem, sendo isso verdadeiro que raio de homens somos?
Alguém tem noção dos prejuízos brutais?
Este senhor do IPTM devia ser preso. O que disse é crime. Esta greve está a causar prejuízos enormes em toda a cadeia logística e a arruinar ainda mais a economia portuguesa. O Governo foi na conversa de um bando de criminosos que mais não querem do que defender os seus próprios interesses dentro dos terminais e dentro de algumas empresas. Assinou um acordo à revelia da maioria dos trabalhadores e nunca quis negociar. Estamos a estragar um dos poucos sectores que dá lucro e que é essencial para a economia de qualquer país por causa de um capricho de 2 ou 3 barões. Governo: negoceiem e não sejam idiotas, não sejam cúmplices deste embuste e deste crime. Este crime tem rostos.
Artigo 315º Sabotagem contra a defesa nacional
Artigo 315º Sabotagem contra a defesa nacional
1 - Quem prejudicar ou puser em perigo a defesa nacional tornando não utilizáveis,(...), instalações portuárias, (...), é punido com pena de prisão de 3 a 10 anos.
Artigo 329º Sabotagem
Artigo 329º Sabotagem
Quem (...), impossibilitar o funcionamento (...), definitiva ou
temporariamente, total ou parcialmente, (...), instalações de serviços públicos ou destinadas ao abastecimento e satisfação de necessidades vitais da população, com
intenção de destruir, alterar ou subverter o Estado de direito constitucionalmente estabelecido (fazndo a revolução comunista), é punido com pena de prisão de 3 a 10 anos.
É PRECISO TER LATA...PAU NELES
Uma centena de irresponsáveis trabalhadores dos portos está a lesar o País em muitas centenas de milhões de euros e, com uma grande lata e não menor cinismo, diz o seu representante sindical, "que não senhor".
OLHE QUE NÃO! OLHE QUE NÃO! Lembram o autor?
Sofro, sofremos todos na carne uma austeridade mortífera e há por aí uns quantos energúmenos que (não reclamam por melhores salários...) entendem gozar com o pagode fazendo greve há mais de quatro semanas.

Com uma economia de rastos como a nossa atual, a greve dos trabalhadores portuários é criminosa e lesa toda a Nação. Se o Governo não intervem imediatamente, revela inadmissível falta de autoridade e de coragem para enfrentar a situação.

Estão em causa a economia e a segurança do País que a Constituição exige sejam preservadas.

Há um limite para o exercício da greve que a Constituição consagra mas, neste caso, CONDENA.

Por isso, sou de opinião: PAU NELES!
   
Comentários 15 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub