Anterior
Galp reconhece maior adesão à greve
Seguinte
Alteração da TSU pode destruir mais de 30 mil empregos
Página Inicial   >  Economia  >   Greve nos portos "não causa grande impacto na economia"

Greve nos portos "não causa grande impacto na economia"

Segundo presidente do Instituto Portuário e do Transporte Marítimo, muitos armadores, alertados para a greve, "decidiram despachar até às 24h de domingo e outros só o farão após o fim da paralisação". 

A greve dos pilotos de barra e dos trabalhadores de tráfego não está a causar grande impacto na economia portuguesa, disse à agência Lusa o presidente do Instituto Portuário e do Transporte Marítimo (IPTM). 

Segundo o dirigente do sindicato Oficiaismar, Carlos Coutinho, em declarações à Lusa ao início da manhã, os portos portugueses estão totalmente paralisados desde as 0h de hoje devido a esta greve. 

Contudo, o presidente do IPTM considera que a greve tem pouco impacto na economia portuguesa: "Em relação aos armadores nacionais não há nenhum impacto. Em relação aos armadores estrangeiros, o impacto que há não é relevante, já que houve atempadamente alterações de escala". 

Segundo a mesma fonte, sabendo da greve, agendada entre as 0h de hoje e as 24h de terça-feira, muitos armadores "decidiram despachar até às 24h de domingo e outros só o farão após o fim da paralisação". 

De acordo com João Carvalho, esta greve não afeta os armadores nacionais, já que os comandantes portugueses nos portos têm certificados de isenção de pilotagem, que lhes permitem entrar e sair dos portos sem recorrer aos pilotos de barra.

Três cruzeiros afetados


Referindo que nos portos do Funchal não houve adesão à greve, o presidente do Instituto Portuário e do Transporte Marítimo revelou que esta paralisação obrigou à alteração de escala de três navios de passageiros (cruzeiros). "(A greve) tem algum impacto em termos de taxas portuárias e de turismo. Não tem é aquele impacto na economia nacional que se poderia prever", assinalou.

Ao início da manhã, Carlos Coutinho, do sindicato Oficiaismar, disse à Lusa que os portos portugueses estão totalmente paralisados desde as 0h de hoje devido à greve dos pilotos de barra e dos trabalhadores de tráfego. "A informação que nós temos é de que os portos estão totalmente paralisados, quer os do continente quer os das regiões autónomas dos Açores e da Madeira", afirmou o sindicalista. 

A greve dos pilotos de barra decorre até às 24h de terça-feira, seguindo-se na quarta-feira uma dos estivadores e na sexta-feira e próxima segunda-feira a paralisação dos trabalhadores das administrações portuárias. 

Durante a greve dos pilotos de barra estão previstos serviços mínimos, que, segundo o sindicato, serão cumpridos em emergências e situações de socorro em que estejam em causa pessoas e bens.  

Os trabalhadores portuários iniciaram hoje um período de cinco semanas de greves, com diferentes datas por sindicato, jornada de luta que deverá ter forte impacto nos principais portos portugueses, à exceção do de Leixões.


Opinião


Multimédia

Os assassínios, as execuções, as decapitações são as imagens mais chocantes de uma propaganda cada vez mais sofisticada. É a Jihad, que recruta guerrilheiros no ocidente para matar e morrer na Síria. O Expresso seguiu as pisadas de cinco jiadistas portugueses, mostrando quem são e como foram convertidos e radicalizados. E como lutam, como foram morrer - e como já haverá arrependidos com medo de fugir. Reportagem em Londres, no café onde viam jogos de futebol, na universidade onde estudavam e na mesquita onde rezavam. Autoridades e especialistas em terrorismo estão alerta sobre este pequeno mas perigoso grupo, onde corre sangue português - e de onde escorre sangue por Alá.

Desacelerámos a realidade para observar a euforia da liberdade

Ela, Jacarandá, é algarvia. Ele, Katmandu, é espanhol. São linces e agora experimentam a responsabilidade da liberdade: foram soltos esta terça-feira numa herdade alentejana, próxima de Mértola, eles que saíram de centros de reprodução em cativeiro. Foi inédito: nunca tinha acontecido algo assim em Portugal. Estivemos lá e ensaiámos o slow motion.

Geração Z

Mais rápidos, mais capazes, mais solitários, os Z vivem agarrados aos ecrãs, pensam com a ajuda da internet e estão permanentemente preocupados com a bateria do telemóvel. Que geração é esta que nasceu com a viragem do século?

Desaparecidos para sempre no Mar do Norte

O dia 15 de novembro já foi feriado, há 90 anos. A razão foi o desaparecimento de Sacadura Cabral algures no Mar do Norte. Depois de fazer mais de oito mil quilómetros de Lisboa ao Rio de Janeiro, o aviador pioneiro não conseguiu completar o voo entre a cidade holandesa de Amesterdão e a capital portuguesa. Ainda hoje, não se sabe o que aconteceu ao companheiro de Gago Coutinho e tio-avô de Paulo Portas, a quem o Expresso pediu um sms.

Os muros do mundo

Novembro relembrou-nos os muros que caem, mas também os que permanecem e os que se expandem. Berlim aproximou-se de si própria há 25 anos, mas há muros que continuam a desaproximar. Esta é a história de sete deles - diferentes, imprevisíveis, estranhos.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

O papa-medalhas que veio do espaço

O atleta português mais medalhado de sempre, Francisco Vicente, regressou dos campeonatos europeus de veteranos, na Turquia, com novas lembranças ao pescoço. Três de ouro e duas de prata para juntar à coleção. Tem 81 medalhas, uma por cada ano de vida.

Terror religioso está a aumentar

Relatório sobre a Liberdade Religiosa é divulgado esta terça-feira em todo o mundo. Dos 196 países analisados, só em 80 não há indícios de perseguições motivadas pela fé.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.


Comentários 15 Comentar
ordenar por:
mais votados
Todas as greves são prejudiciais...
Todas as greves afectam o País.

É errado ver as coisas de uma forma imediatista.

Em vez de atirar com o lixo para baixo do tapete, era bom que se dialogasse com os sindicatos e trabalhadores e explicar que não estamos em tempo de greves.

Explicar que é necessário adaptarmo-nos às novas premissas que a crise faz aparecer.

Não dar importância ou desprezar um conflito, é tão grave como provocá-lo.
Re: Todas as greves são prejudiciais...
Re: Todas as greves são prejudiciais...
Re: Todas as greves são prejudiciais...
Re: Todas as greves são prejudiciais...
Re: Todas as greves são prejudiciais...
Re: Todas as greves são prejudiciais...
Afirmações gratuitas...
...de quem pretende ocultar o sol com uma peneira.

Qualquer imobilização diária de um navio tem custos enormes.

O custo de um petroleiro/dia,ou um graneleiro de cereais,ou um porta-contentores,acrescido do custo da redução ou paralização das atividade das indústrias deles dependentes é elevadíssimo.

Se a sua paralisação se prolongasse seria o caos económico no país.

A maioria das pessoas nem imagina o quanto dependemos dos navios e dos portos,simplesmente porque são atividades que se passam longe dos olhares.

Pois não!
Os armadores estrangeiros simplesmente mudaram as escalas dos seus navios para o... estrangeiro, obviamente. Parte das cargas dos exportadores ficaram em terra e ali ficarão até que acabem as greves dos estivadores que iniciará às 00h de quarta feira e que deverá terminar no dia 22/10.
A economia do país está a ser brutalmente afectada desde agosto quando os estivadores iniciaram as suas reivindicações.
Infelizmente, vamos lá a saber o porquê, o assunto não tem sido muito divulgado e tudo parece normal, mas nessa normalidade, as trading's começam a comprar na china, no brasil, etc. E quem sabe disto? Só eles e os fornecedores portugueses. O ministro da economia não sabe, aliás saber sabe porque foi avisado, mas prefere fingir que não sabe; o assunto estivadores é complexo e dá trabalho!
Por este andar, nas próximas semanas, a única ajuda que portugal tem sido dada pelos exportadores, pode acabar e depois veremos como ficaremos.
As tradings portuguesas não precisam de portugal para nada, mas os portugueses precisam, e muito,das tradings e dos exportadores.
O que se está a passar é uma vergonha.
continuem a fazer greves
a próxima é o fim do direito à greve

não se esqueçam que não têm kalashnicofs
Re: Greve nos portos "não causa grande impacto na
A greve de sábado também não causou grande impacto na economia tal como esta por vários motivos: Primeiro a economia esta já quase morta, segundo as manifs não são para causar danos à economia mas sim manifestar o desagrado com uma medida ou política. Já cansa reduzir tudo que é Humano ao numero ou a quantificar tudo em termos de dinheiro ganho ou perdido...enfim é a acietação máxima de sermos escravos da economia e não a economia ao serviço do homem....o próprio Adam Smith diz que a economia serve o homem, sendo isso verdadeiro que raio de homens somos?
Alguém tem noção dos prejuízos brutais?
Este senhor do IPTM devia ser preso. O que disse é crime. Esta greve está a causar prejuízos enormes em toda a cadeia logística e a arruinar ainda mais a economia portuguesa. O Governo foi na conversa de um bando de criminosos que mais não querem do que defender os seus próprios interesses dentro dos terminais e dentro de algumas empresas. Assinou um acordo à revelia da maioria dos trabalhadores e nunca quis negociar. Estamos a estragar um dos poucos sectores que dá lucro e que é essencial para a economia de qualquer país por causa de um capricho de 2 ou 3 barões. Governo: negoceiem e não sejam idiotas, não sejam cúmplices deste embuste e deste crime. Este crime tem rostos.
Artigo 315º Sabotagem contra a defesa nacional
Artigo 315º Sabotagem contra a defesa nacional
1 - Quem prejudicar ou puser em perigo a defesa nacional tornando não utilizáveis,(...), instalações portuárias, (...), é punido com pena de prisão de 3 a 10 anos.
Artigo 329º Sabotagem
Artigo 329º Sabotagem
Quem (...), impossibilitar o funcionamento (...), definitiva ou
temporariamente, total ou parcialmente, (...), instalações de serviços públicos ou destinadas ao abastecimento e satisfação de necessidades vitais da população, com
intenção de destruir, alterar ou subverter o Estado de direito constitucionalmente estabelecido (fazndo a revolução comunista), é punido com pena de prisão de 3 a 10 anos.
É PRECISO TER LATA...PAU NELES
Uma centena de irresponsáveis trabalhadores dos portos está a lesar o País em muitas centenas de milhões de euros e, com uma grande lata e não menor cinismo, diz o seu representante sindical, "que não senhor".
OLHE QUE NÃO! OLHE QUE NÃO! Lembram o autor?
Sofro, sofremos todos na carne uma austeridade mortífera e há por aí uns quantos energúmenos que (não reclamam por melhores salários...) entendem gozar com o pagode fazendo greve há mais de quatro semanas.

Com uma economia de rastos como a nossa atual, a greve dos trabalhadores portuários é criminosa e lesa toda a Nação. Se o Governo não intervem imediatamente, revela inadmissível falta de autoridade e de coragem para enfrentar a situação.

Estão em causa a economia e a segurança do País que a Constituição exige sejam preservadas.

Há um limite para o exercício da greve que a Constituição consagra mas, neste caso, CONDENA.

Por isso, sou de opinião: PAU NELES!
   
Comentários 15 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador

PUBLICIDADE

Pub