57
Anterior
Homem "sem rosto" do Rossio remove tumor de 5,5 quilos nos EUA
Seguinte
A banda iPhone
Página Inicial   >  Atualidade / Arquivo   >  Greve: França perto do caos

Greve: França perto do caos

Depois de 300 jovens terem sido presos ontem, durante violentos confrontos com a polícia, a França acorda hoje paralisada, sem combustíveis, com bloqueios e manifestações em todo o país.
|
Trabalhadores dos comboios enfrentam elementos da polícia durante um bloqueio da estação ferroviária de Dunquerque
Trabalhadores dos comboios enfrentam elementos da polícia durante um bloqueio da estação ferroviária de Dunquerque /  MAXPPP - Jean Charles Bayon/Maxppp/EPA
Trabalhadores queimam pneus para impedir o acesso à refinaria da Total localizada em Donges, França
Trabalhadores queimam pneus para impedir o acesso à refinaria da Total localizada em Donges, França / Franck Dubray/Maxppp/EPA

Devido à greve contra a proposta de lei do Governo de prolongamento da idade de reforma, algumas cidades francesas caíram ontem no caos devido à violência durante manifestações estudantis. Nas regiões de Paris, Lille, Lyon e mais uma dezena de cidades foram incendiados carros, destruídos bens públicos e, no total, foram detidos 300 jovens.

Hoje, a situação poderá ficar mais negra com uma nova greve geral contra a proposta de lei do Governo de prolongamento da idade da reforma. As paralisações atingem praticamente todos os setores da atividade económica, desde aeroportos aos transportes urbanos e ferroviários, do ensino aos correios, aos hospitais e à generalidade dos serviços públicos, dos transportes rodoviários às refinarias de petróleo e aos depósitos de gasolina.

Com portos, estradas e zonas industriais totalmente bloqueadas por camionistas e outros grevistas, o Presidente Nicolas Sarkozy enfrenta a maior crise desde a sua chegada ao Eliseu, em 2007.

Gasolineiras fechadas


Esta manhã eclodiram já confrontos entre a policia e estudantes em Nanterre, arredores de Paris, e algumas centenas de jovens bloqueavam às 10h locais (9h em Lisboa) a circulação na Praça da Bastilha, no centro da capital.

Em Paris, boa parte dos táxis não circulam desde ontem por falta de gasóleo e, apesar do serviço mínimo obrigatório, toda a rede de transportes públicos estava com fortes perturbações ao início da manhã de hoje.

"Comigo já ninguém nota quando há greve em França", vangloriou-se Nicolas Sarkozy há algum tempo, perante a eficácia dos serviços mínimos que ele impôs. Mas a realidade está a desmenti-lo cruelmente porque, desde há alguns dias, todo o país parece a caminho do caos devido aos bloqueios de zonas industriais, à penúria de carburantes e às sucessivas manifestações de estudantes, que ocupam centenas de liceus.

Claude Paris/AP Numa escola em Marselha, estudante exibe cartaz com apelo à adesão dos alunos franceses à greve geral em França

Milhares de gasolineiras estavam ontem à noite fechadas em todo o país e nalgumas, como em Marselha, nem a recolha de lixo funciona desde há vários dias. Em Toulouse os autocarros do serviço público de transportes continuavam esta manhã bloqueados por piquetes de greve. Centenas de aldeias em zonas rurais continuam isoladas do resto do país, sem carburantes nem transportes.  

Gigantescas manifestações


Hoje, vão decorrer manifestações em 250 cidades que os sindicatos preveem gigantescas. Trata-se do braço de ferro final entre o Governo e os sindicalistas em vésperas da votação solene no Senado, prevista para quinta-feira à noite, da proposta de lei das reformas.

Nicolas Sarkozy repetiu ontem que não cede às reivindicações dos grevistas - "A reforma das reformas é absolutamente necessária para garantir o pagamento, no futuro, das pensões", disse o Presidente.

Sindicatos e oposição pedem a suspensão dos debates no Senado e a reabertura de negociações. Em questão está a passagem da idade mínima para a reforma dos 60 para os 62 anos (e de 65 para 67 anos com pensão completa).

O chefe de Estado apelou ao fim da violência e o Governo, que já recorreu às suas reservas estratégicas de combustíveis, pretende pôr hoje as forças policiais a abastecer as zonas mais atingidas pela penúria energética.


Opinião


Multimédia

Edwin. O rapaz que aprendeu a sonhar

O que Edwin sabia sobre a vida era sobreviver. Na cabeça dele não cabiam sonhos e os dias eram passados à procura de comida para ele e para a mãe e para o irmão. A fome espreitava nos cantos da barraca de palha no Quénia e ele escondia-se dela como podia - chupar as pedras era uma forma de a enganar. Mas a sorte dele mudou porque alguém viu nele outra coisa. E tudo começou numa dança. Agora, os mesmos dedos que agarravam as pedras tocam hoje teclas de um piano Bechstein. E os pés dele já não estão nus mas calçados. Com chuteiras. Primeiro no Benfica, agora no Estoril, o miúdo de 15 anos que fala como gente grande descobriu que tinha um sonho: ser futebolista. Como Drogba.

Em três quartos de hora não se esquece só a idade. "Esquece-se o mundo"

Maria do Céu dá três voltas ao lar sempre que pode. Edviges vai a todos os velórios, faz hidroginástica e sopas de letras. António dá um apoio na Igreja e nos escuteiros. Tudo é uma ajuda para passar os dias quando se tornam todos iguais. No Pinhal Interior Sul, a região mais envelhecida da União Europeia, quase um terço da população tem mais de 65 anos. Os mais velhos ficaram, os mais novos partiram.

Profissão: Sniper

O Expresso foi ver como são selecionados, que armas usam, para que missões estão preparados os snipers da Força de Operações Especiais do Exército. São uma elite dentro da elite. Um pelotão restrito. Anónimo. Treinam diariamente com um único objetivo: eliminar um alvo à primeira, mesmo que esteja a centenas de metros. Humano ou material. Sem dramas morais, dizem.

Xarém com conquilhas

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione com esta nova receita.

O que se passa dentro da cabeça dele

O que leva um tipo a quem iam amputando uma perna a regressar ao sítio onde os ossos se desfizeram, uma e outra vez, e testar os limites do seu corpo? Resposta: a busca pelo salto perfeito, que ele diz existir dentro dele e que ele encontrará mais dia menos dia. É a fé e a confiança que o movem e o levam a pular para lá do que é exigido a um campeão olímpico e mundial que não tem mais nada a provar a ninguém - a não ser a ele próprio. Este é um trabalho que publicámos em agosto de 2014, quando o saltador se preparava para os Europeus e falava das metas que tinha traçado para 2015 e 2016: mostrar que não estava acabado. Sete meses depois, provou-o no Europeu de pista coberta em Praga, onde venceu este fim de semana.

Amadeu, que aprendeu o mundo no campo e tinha o coração na ponta dos dedos

Em Portugal, a dedicação à língua mirandesa tem nome próprio: Amadeu Ferreira, o jurista da CMVM que - quando todos diziam que "era uma loucura impossível" - arranjou tempo para traduzir "Os Lusíadas", a "Mensagem", os quatro Evangelhos da Bíblia e ainda duas aventuras do Asterix para uma língua que pertence a um cantinho do nordeste português e é falada por menos de 15 mil pessoas. No final de 2014 deu ao Expresso aquela que viria a ser a sua última entrevista. Morreu no passado domingo e esta quinta-feira foi lançada a sua biografia, "O fio das lembranças", com quase 800 páginas.

Temos 16 imagens que não explicam o mundo, mas que ajudam a compreendê-lo

O júri do World Press Photo queria dar o prémio maior da edição deste ano (e talvez das edição todas) a uma fotografia com "potencial para se tornar icónica". A primeira imagem desta fotogaleria, por ser "esteticamente poderosa" e "revelar humanidade", é o que o júri procurava. A fotografia de um casal homossexual russo, a grande vencedora, é a primeira de 16 imagens de uma seleção onde há Messi desolado, migrantes em condições indignas no Mediterrâneo, a aflição do ébola, mistérios afins e etc - são os contrastes do mundo.

Vamos falar de sexo. Seis portugueses revelam tudo o que lhes dá prazer na cama

Neste primeiro episódio de uma série que vai durar sete semanas, seis entrevistados falam abertamente sobre aquilo que lhes dá mais satisfação na intimidade. Sexo em grupo, sexo na gravidez, prazer sem orgasmo e melhor sexo após a menopausa são alguns dos temas referidos nos testemunhos desta semana. O psiquiatra Francisco Allen Gomes explica ainda a razão de muitas mulheres fingirem o orgasmo. O Expresso e a SIC falaram com 33 portugueses que deram a cara e o testemunho de como são na cama. Ao longo das próximas sete semanas, contamos-lhe tudo.

Elvis. Gostamos ou não gostamos?

Ele não é consensual, mas é incontornável. Dispunha de penteado majestoso e patilha marota, aparentava olhar matador e pose atrevida. E deixou canções: umas fáceis e outras nem tanto, por vezes previsíveis e às vezes inesperadas, ora gentis ora aceleradas. E ele, Elvis, nasceu em janeiro de 1934 - há precisamente 40 anos, ao oitavo dia. Temos quatro textos sobre o artista: Nicolau Santos, Rui Gustavo, Nicolau Pais e João Cândido da Silva explicam o que apreciam, o que toleram e o que não suportam.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

Desfile de vedetas

Saiba tudo sobre os modelos concorrentes ao Carro do Ano 2015/Troféu Essilor Volante de Cristal. Conheça o essencial sobre os 20 automóveis participantes nesta iniciativa, da estética, às características técnicas, do preço ao consumo. A apresentação ficará completa no dia 3 de janeiro.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

Desacelerámos a realidade para observar a euforia da liberdade

Ela, Jacarandá, é algarvia. Ele, Katmandu, é espanhol. São linces e agora experimentam a responsabilidade da liberdade: foram soltos esta terça-feira numa herdade alentejana, próxima de Mértola, eles que saíram de centros de reprodução em cativeiro. Foi inédito: nunca tinha acontecido algo assim em Portugal. Estivemos lá e ensaiámos o slow motion.


Comentários 57 Comentar
ordenar por:
mais votados
Vive la France!
País guia das lutas contra os tiranos, a França de hoje, e o mundo em geral, enfrentam uma tirania muito mais sofisticada do que aquela dos finais do século XVIII.
A burguesia sofisticou o modo capitalista de explorar a humanidade escondendo o rosto dos exploradores e aliciando a pequena burguesia a entrar na mesma roda para se darem ares de grandes burgueses. Hoje é uma oligarquia dissimulada sob a capa da democracia que trabalha afanosamente para manter os privilégios das aristocracias seculares. São os cães de fila da classe política os seus servidores. Mas como a mentira tem perna curta e este embuste já dura há demasiado tempo, acho que chegou o fim do capitalismo anarquista usurpador do Estado para seu benefício. Apesar de nas últimas décadas terem roubado as ideologias aos povos, eis que estes se levantam quando os ditadores, em desespero de causa, levam longe demais os seus intentos para salvar o seu 'sistema'. Força povo francês! Sempre tive a esperança que é por aí que de novo se vai levantar uma nova frente de combate para repôr a Liberdade, Igualdade, Fraternidade.
Re: Vive la France!
Re: Vive la France!
Re: Vive la France!
Re: Vive la France!
Re: Vive la France!
Vive la France! Tantos aplausos...!
Re: Vive la France! Tantos aplausos...!
Re: Vive la France! Tantos aplausos...!
Re: Vive la France! Tantos aplausos...!
Re: Vive la France! Tantos aplausos...!
Por cá
Somos vergados espoliados da nossa dignidade, e apelidados de calmos e serenos, enquanto os tubarões se vangloriam dos seus feitos heróicos
Todas as transformações que a História nos
ensina na Europa tiveram o seu inicio em França, que já foi a capital da Cultura europeia. Agora já se fala num novo MAIO DE 68. A ver vamos...
Re: Todas as transformações que a História nos
Greve a França perto do caos
Isto começa a ser deveras preocupante. As populações parecem não entender o que se está a passar. A Velha Europa a continuar assim não consegue manter o nível de vida atual aos cidadãos. Não se trata de uma questão de direito, mas antes de possibilidades. Não nos podemos esquecer que a civilização atual deve-se em grande parte à França, pois tem sido lá que tudo tem começado. Como já o afirmei mais que uma vez, embora tivesse sido criticado, nem o comunismo, nem o capitalismo resolveram os problemas da Humanidade e parece pairar no ar algo de novo. O capitalismo parece não conseguir sobreviver sem o seu velho rival.
Re: Greve a França perto do caos
Re: Greve a França perto do caos
Re: Greve a França perto do caos
A "onda" da França irá até à Alemanha
A "onda" francesa chegará à Alemanha.É inevitável,depois das declarações da Sra Merkel.
É a Europa dos trabalhadores a erguer-se e a lutar pelas seus direitos.
Re: A
... a pensar ..
Os pecados das "Democracias"
Re: Os pecados das
E bem !!
Se os Franceses se revoltam por a idade de reforma subir para 62 , nos que temos a idade de reforma a 65 e não fazemos nada quanto a isso e quanto a grave economia que temos não vamos a lado nenhum enquanto o povo voltar não se revoltar .
Em Maputo revoltaram se e conseguiram pelo menos diminuir a taxa que ia ser aplicada nos bem essenciais.
Quando o Povo se afasta da da politica ou deixa andar , a situação ira sempre agravar .

cumprimentos
Re: E bem !!
força neles povão!
Grandes franceses, mostrem aos pulhas dos nossos políticos o que os espera. Andaram a roubar o povo, agora preparem-se para a anarquia...
Lamento!
Lamento que se passe lá e não cá! Lamento que a polícia não entenda que de vez em quando tem de parar para pensar! Lamento que quem se revolta não veja os polícias como trabalhadores por conta de outrem! Lamento que as politicas vigentes leve a revolta! Lamento que o egoísmo de poucos ponha na miséria milhões! Lamento que não haja dinheiro para pagar reformas! Lamento que o BCE empreste a 1.5% a bancos para estes venderem a 5,8% a estados! Lamento que a economia se complique com o objectivo de fugir a explicações! Lamento que se valorize a especulação em detrimento da produção! Lamento que Europa pague reformas triplas! Lamento que os estado permitam que os ‘amigos’ se reformem antes dos 50 anos! lamento que a Europa seja hoje um espaço lamentável!
Henry Ford, o capitalista do "bem estar social"
Henry Ford foi um dos símbolos do capitalismo americano e mundial. O homem que colocou o Mundo a andar sobre rodas através do seu Ford T era um capitalista de raça pura. Ganhava fortuna sem, contudo, explorar os seus trabalhadores.
Numa altura em que um operário americano ganhava um dólar por dia, Henry Ford tabelou os ordenados dos seus empregados em 5 dólares diários.
Esta medida causou uma enorme polémica entre os patrões americanos, a classe política e, pasme-se, até os sindicatos, que achavam um exagero aquela quantia.
Henry Ford não ligou a uns nem a outros e as suas empresas floresceram e os automóveis Ford saiam das fábricas de Detroit aos milhões. Porquê?
O magnata americano conseguia conciliar os ordenados mais altos com os preços mais baixos graças a técnicas de fabrico inovadoras. "O dinheiro é a coisa mais inútil do mundo; não estou interessado nele, mas sim no que posso fazer pelo mundo com ele", dizia o empresário milionário que tinha 161 invenções suas patenteadas.
Henry Ford seguia a
  política que os seus empregados bem pagos tinham poder de compra suficiente para adquirir o necessário para um modo de vida confortável. Era o capitalismo do "bem estar social", dizia Henry Ford.
Hoje não existe ninguém em todo o Mundo como Henry Ford. Está instalado o capitalismo selvagem, o lucro rápido, a corrupção entre a política e os negócios, a exploração da mão de obra e a especulação na bolsa.
O regresso à escravatura é o dogma dos patrões actuais!
Re: Henry Ford, o capitalista do
E Nós?...
Seremos nós capazes de no dia 24 de Novembro pararmos isto tudo?
Em França o que não fazia falta era a violencia. Há sempre episódios destes para descridibilizar as justas lutas dos trabalhadores. Por cá as manobras são outras, mais soft e porventura mais eficazes.
Re: E Nós?...
Re: E Nós?...
Re: E Nós?...
Re: E Nós?...
Re: E Nós?...
Re: E Nós?...
Re: E Nós?...
Re: E Nós?...
Re: E Nós?...
Há uns e outros
Há quem saiba lutar pelos seus direitos e faze-los vergar. E há os outros, as ovelhas pasmadas, que permitem que lhes caguem em cima, depois de os terem enganado, mentido e vigarizado.
Tragam os Franceses!!!!
Tragam-nos para cá que Portugal está cheio de muribundos!

Quase me atrevia a dizer que anda tudo debaixo de aftaminas !

Anfetaminas???? eheheheh
E por cá?
Só em portugal parece continuar tudo bem, conforme quer dar a entender o governo. Temos o que merecemos, se assim não fosse muitos dos nossos governantes já tinham sido corridos como o merecem. Com estes acontecimentos, que são justos por parte de quem trabalha, só não concordo com a violência. Embora as revoluções não possam ser feitas só com rosas e cravos.
Re: E por cá?
Re: E por cá?
Re: E por cá?
Luta contra os 62?
Por cá vamos nos 65, caladinhos, estupidificados, não reivindicativos. Quando alteraram a idade da reforma para as mulheres e homens portugueses - somos muito mais mal tratados que os gauleses- não houve alarido e os n/governantes - carregam nos passivos - esquecendo que os políticos, autarcas e quejandos do Poder - em cada ano de assinaturas tinham dois para a reforma... assobiaram de contentes...

Quando chegarmos aos 69 - se houver homens neste país -que não gostam de lamber urina - aí vamos protestar... mas será tarde. Já nos viram o rabo...
Cmptos à "troupe" que por aqui anda ....
Há franceses que não entendem Matemática
Em França, tal como em Portugal, há muitos que não entendem conceitos elementares de Matemática e de Economia...
Neste momento há 1 pensionista para 3 trabalhadores no activo. Com as actuais taxas de natalidade e de aumento de esperança média de vida, em breve teremos 1 pensionista para 2 trabalhadores no activo.
Agora que os exaltados nos expliquem como é que a Segurança Social é sustentável nos moldes actuais (isto é,
sem mexer na idade das reformas).
E não venham com a cassete de por os bancos a pagar mais impostos. Isso não passa de um paliativo temporário. Dêem-nos uma solução duradoura... se conseguirem encontrar uma.
Re: Há franceses que não entendem Matemática
Só um senão:
Comentários 57 Comentar

Últimas

Receba a nova Newsletter
Ver Exemplo

Pub