Anterior
Governo já recebeu propostas para a TAP
Seguinte
Fábrica de Famalicão produz componentes do novo Honda
Página Inicial   >  Economia  >   Greve dos pilotos de barra e trabalhadores de tráfego paralisa portos

Greve dos pilotos de barra e trabalhadores de tráfego paralisa portos

Os dois dias de greve são, para o sindicalista Carlos Coutinho, "particularmente complicados" numa altura em que existe uma grande afluência de cruzeiros aos portos nacionais.
Lusa |

Os portos portugueses estão totalmente paralisados desde as 0h de hoje devido à greve dos pilotos de barra e dos trabalhadores de tráfego, diz Carlos Coutinho, do sindicato Oficiaismar. "A informação que nós temos é de que os portos estão totalmente paralisados, quer os do continente quer os das regiões autónomas dos Açores e da Madeira", afirma o sindicalista em declarações à agência Lusa. 

Contactado pela Lusa, o presidente do Instituto Portuário e do Transporte remete para o final da manhã uma posição sobre este primeiro dia de greve.

Os dois dias de paralisação são, segundo Carlos Coutinho, "particularmente complicados" numa altura em que existe uma grande afluência de navios de passageiros (cruzeiros) aos portos nacionais.

"Esses navios são totalmente afetados por esta greve. Aliás, já foram afetados. Porque os operadores, muito antes das 0h de hoje, já fizeram alterações de escala e não vêm aos portos portugueses", explica o sindicalista. 

"Há muitos navios a procurar os portos nacionais. São muitas dezenas de escalas e têm uma importância muito grande para a economia nacional, para o comércio e para o movimento das próprias cidades. Porque estes navios trazem três, quatro, cinco mil pessoas", sublinha. 

Grande insatisfação


A greve dos pilotos de barra decorre entre as 0h de hoje e as 24h de terça-feira, seguindo-se, na quarta-feira, uma paralisação dos estivadores e, na sexta-feira e próxima segunda-feira, a paralisação dos trabalhadores das administrações portuárias.

Durante a greve dos pilotos de barra estão previstos serviços mínimos, que, segundo o sindicato, serão cumpridos em emergências e situações de socorro em que estejam em causa pessoas e bens.  

Segundo Carlos Coutinho, nesta altura "há uma grande insatisfação dos pilotos de barra e portos, independentemente da estrutura sindical que os representa", com as principais reivindicações dos trabalhadores a recaírem sobre a "segurança e a falta de efetivos". 

Mais greves agendadas


Os trabalhadores portuários iniciaram hoje um período de cinco semanas de greves, com diferentes datas por sindicato, jornada de luta que deverá ter forte impacto nos principais portos portugueses, à exceção do de Leixões.

O Governo assinou, na semana passada, um acordo com a União Geral de Trabalhadores (UGT), a Federação Nacional dos Sindicatos de Trabalhadores Portuários, a Associação dos Operadores Portuários dos Portos do Douro, Leixões e Lisboa, e o Grupo Marítimo-portuário Sousa, no qual, segundo Carlos Coutinho, a maioria dos trabalhadores não se revê. 

"O acordo que o Governo assinou é um simulacro de acordo porque não tem representatividade na base", defende.


Opinião


Multimédia

Cheesecake com manjericão e doce de tomate

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 5 Comentar
ordenar por:
mais votados
Greve geral para correr com s vendilhões do País
E exigir a restauação da Democracia onde os cidadãos voltem a pensar que são parte importante do seu País e não meros escravos com leis laborais vergonhosas que limitam até a própria liberdade de expressão com a instalação do mêdo....
Re: Greve geral para correr com s vendilhões do Pa
Força comunistas,,dêem cabo do País!
É isso que vos instiga o Jerónimo e o Arménio? E que dizem eles cdo KGB?
Independentemente do...
... Passos Coelho ter ou não ter razão o país está num estado tão miserável que qualquer greve é mesmo para afundar o pouco que resta.
E os portugueses não tenham dúvidas, se Passos cair o que virá a seguir terá que pôr a demagogia de lado e fazer semelhante... se é que é sério.
O problema não se resolve nem com PSs, PSDs ou CDSs, resolve-se com portugueses com sentido de estado, patriotas e sérios.
A CORJA DOS PORTOS..
Algum governo terá que enfrentar esta corja de estivadores, pilotos e operadores oprtuários, que servindo-se dos portos que são património de todos os portugueses conseguem lucros e vencimentos muito acima da média, encarecendo exportações e importações, de forma muito significativa.

Conseguem ainda aldrabar a segurança social, com baixas por escala para todos os trabalhadores, conseguindo aumentar ilegítimamente os vencimentos.
Comentários 5 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub