Anterior
Tailândia: oposição vence eleições
Seguinte
UE: Ex-chefes de Estado e de governo defendem "new deal"
Página Inicial   >  Atualidade / Arquivo   >   Governo: racionalização passa por fecho de escolas

Governo: racionalização passa por fecho de escolas

O ministério de Nuno Crato está a reavaliar o plano da rede escolar, mas diz que vai seguir uma política de racionalização que passa pelo fecho de escolas.
Lusa |

O Ministério da Educação e Ciência esclareceu hoje que está a proceder a "uma reavaliação" do plano de reorganização da rede escolar, mas garante que irá prosseguir "uma política de racionalização" que implicará o encerramento de escolas.

De acordo com a edição de hoje do Diário de Notícias, o Ministério da Educação - liderado por Nuno Crato - já não vai encerrar 654 escolas com menos de 21 alunos que deveriam fechar até ao final deste mês, no âmbito do plano de reorganização escolar.

No entanto, contactado pela Lusa, o gabinete de Nuno Crato confirma apenas, em comunicado, que está a reavaliar este plano, não adiantando quando se prevê concluir este processo.

Plano começou em 2005


"Dadas algumas notícias recentemente vindas a lume, o Ministério da Educação e Ciência esclarece que prosseguirá uma política de racionalização da rede escolar, que implicará necessariamente o encerramento de escolas. Está a ser feita, no entanto, uma reavaliação, que terá em conta as necessidades da população escolar e a qualidade do ensino prestado", refere o comunicado do Ministério da Educação e Ciência, que não esclarece se está ou não suspenso o encerramento das escolas.

O plano de reorganização da rede escolar começou em 2005 e visava encerrar todas as escolas do primeiro ciclo com menos de 10 alunos, tendo a primeira fase culminado com o fecho de mais de 2500 escolas. A segunda fase começou em 2010 e levou ao encerramento de 700 escolas com menos de 21 alunos.

A nova fase do plano previa o encerramento até ao final deste mês de mais 654 escolas, mas a Associação Nacional dos Municípios Portugueses considera agora que a medida do novo ministro  significa na prática uma "moratória" do encerramento até pelo menos setembro de 2012. 
 


Opinião


Multimédia

Geração Z

Mais rápidos, mais capazes, mais solitários, os Z vivem agarrados aos ecrãs, pensam com a ajuda da internet e estão permanentemente preocupados com a bateria do telemóvel. Que geração é esta que nasceu com a viragem do século?

Desaparecidos para sempre no Mar do Norte

O dia 15 de novembro já foi feriado, há 90 anos. A razão foi o desaparecimento de Sacadura Cabral algures no Mar do Norte. Depois de fazer mais de oito mil quilómetros de Lisboa ao Rio de Janeiro, o aviador pioneiro não conseguiu completar o voo entre a cidade holandesa de Amesterdão e a capital portuguesa. Ainda hoje, não se sabe o que aconteceu ao companheiro de Gago Coutinho e tio-avô de Paulo Portas, a quem o Expresso pediu um sms.

Os muros do mundo

Novembro relembrou-nos os muros que caem, mas também os que permanecem e os que se expandem. Berlim aproximou-se de si própria há 25 anos, mas há muros que continuam a desaproximar. Esta é a história de sete deles - diferentes, imprevisíveis, estranhos.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

O papa-medalhas que veio do espaço

O atleta português mais medalhado de sempre, Francisco Vicente, regressou dos campeonatos europeus de veteranos, na Turquia, com novas lembranças ao pescoço. Três de ouro e duas de prata para juntar à coleção. Tem 81 medalhas, uma por cada ano de vida.

Terror religioso está a aumentar

Relatório sobre a Liberdade Religiosa é divulgado esta terça-feira em todo o mundo. Dos 196 países analisados, só em 80 não há indícios de perseguições motivadas pela fé.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.


Comentários 41 Comentar
ordenar por:
mais votados
Governação
A governação é mais complexa do que simples gestão de recursos. Todos os sectores têm aspectos transversais, que é preciso ter em conta. A questão das escolas em povoações pequenas, não pode ser só visto pela eficácia pedagógica. A existência de uma escola, com os seus professores e alunos, faz toda a diferença, em termos de vivência local, com crianças pelas ruas, pais e avós felizes. Desde que tal seja possível e para evitar a desertificação do território, a obrigação do governo é preservar o equilíbrio demográfico da nação.
Não vamos fazer duas ou três cidades escolares, com centenas de carrinhas a transportar alunos!!!
Na saúde, também há essa tentativa de concentrar a resposta médica, com as tais centenas de ambulâncias.

Parece-me um erro, governar um país não é gerir uma empresa, é pensar em dar a melhor qualidade de vida aos portugueses!!!!
Rentabilizar ou deixar cair de podre...
A rentabilização dos meios disponíveis obriga a racionalizar.

O anterior governo fez e promoveu esse objectivo.

Nem sempre foi entendido como uma necessidade, quer para as escolas, quer para os hospitais, quer para os tribunais (estes ficaram a meio da intenção).

O País não é um objecto imóvel nem imutável.
Para fazer as adaptações, é necessário saber o que se está a fazer, e coragem para as executar.

Só um governo com maioria absoluta o conseguirá.
Ficou provado isso mesmo com Sócrates.
Este segundo governo caiu, porque ele já nem sabia para que lado se havia de virar.

De qualquer forma, a menor alteração ao "statu quo", de qualquer organização, levanta logo reclamações.
Re: Rentabilizar ou deixar cair de podre...
Lisboa e o seu grande quintal
Portugal, paulatinamente lá se vai deserteficando e concentrando toda a sua população nos grandes centros urbanos que se situam no litoral.
Quem um dia fizer uma viagem pelo interior de Portugal, nesta época do ano então é simplesmente deprimente, verificará que praticamente tudo está deserto e a população ainda restante, envelhecidíssima. Em Elvas por exemplo, as mães portuguesas, vão dar á luz a Badajoz, ao Hospital Infanta Cristina. Porque a lógica do "não rende = encerra-se" está a propiciar situações verdadeiramente cruéis.
Sou pela racionalização dos custos e dos gastos. Mas...caramba. O Estado por si só não dá nada a ninguém. O dinheiro que cobra dos impostos, deveria servir precisamente para dotar todo o País de infra-estruturas capazes de satisfazer as necessidades mais elementares.
Há ministérios cujo défice tem que ser considerado normal. Nomeadamente o da Saúde e o da Educação. Não se podem ver os défices observados nestas duas áreas como prejuízos, mas como investimentos que terão sempre retorno no futuro.
Um País não é uma empresa nem deve ser gerido como de tal se tratasse.
Então, se a governação do País for entendida como a gestão de uma empresa, que seja em tudo igual. A começar pela responsabilização criminal e patrimonial que os governantes estão sujeitos no caso de conduzirem o País (como é o caso de Portugal) para o pântano em que se encontra. Tal como os gestores das empresas que praticam gestão danosa e fraudulenta.
Professores em casa
alunos em casa, online a escutar a lição do Professor.
No final do ano realizam um exame num edifício público.
Simples, barato e... poupam-se milhões.
Escolas para quê? estamos em pleno século XXI!
Não será Socretino ?!?!

Querem ver que o Nuno Crato vai por políticas socretinas, no dizer da laranjada !!!

É bom que não esqueça uma das directrizes da troyka: investir no Plano e na Escola Pública reduzindo o número de compensações aos privados !!
Re: Não será Socretino ?!?!
Re: Não será Socretino ?!?!
Re: Não será Socretino ?!?!
Re: Não será Socretino ?!?!
Re: Não será Socretino ?!?!
Re: Não será Socretino ?!?!
Re: Não será Socretino ?!?!
Re: Não será Socretino ?!?!
Re: Não será Socretino ?!?!
Re: Não será Socretino ?!?!
Governo diz que racionalização passa por fecho de
Isto só demonstra que muita gente fala e escreve por aqui sem saber o que diz, apenas porque leu um título Jornalístico sem qualquer enquadramento com a realidade!
Afinal, a maioria limita-se a ler os cabeçalhos do EXPRESSO, sem nunca ter comprado um jornal ou assinado a versão digital!
Alguma coisa hão-de encontrar.

Portanto Nuno Crato não vai renegar a política anterior mas como tem que marcar a diferença, isto é justificar que o anterior governo era incompetente, vai fazer um compasso de espera para reavaliação do que foi feito... e as associações de municípios respiram de alívio por uns tempos. Será interessante porque as reavaliações vão ter que ser feitas com base nos mesmos técnicos que as fizeram antes, e se não se alterarem os critérios de avaliação, os resultados serão os mesmos... a não ser que entretanto se descubra a influência de uma autarquia no plano anterior, ou que outra faça ouvir a sua voz neste.

O problema é que o ministro não se pode dar ai luxo de parar para manter tudo na mesma no fim, portanto alguma alteraçãozinha se há-de encontrar, senão só teremos a desconfiança num ministério que até funcionava bem, e um risco grande de as pessoas chegarem a Setembro com dúvidas onde os seus alunos vão estar. Inaceitável e somente da responsabilidade do ministro. Alguma coisa hão-de encontrar.

A não ser que a ideia seja ir mais longe. Este ministro não é avesso a promover alternativas privadas. Fechar escolas públicas, sim, mas com uma atitude ideológica diferente, pode-se fechar até muitas mais. A ver o que acontece.
Há anos, ouvia histórias.
"A escola ficava a 8 km de casa, e eu fazia o caminho a pé, 2 vezes por dia."

São histórias de pessoas que dizem ter vivido tempos difíceis, de carência e sem condições. Mas tentavam ir à escola, aprender algo.

Passados tantos anos, com a tecnologia, as estradas, os transportes e a vulgarização do automóvel pessoal ...voltamos ao mesmo.

Só que desta vez, se ninguém der uma valente vassourada nos programas, os alunos vão percorrer quilómetros para continuar a dar erros, a fugir da leitura (mesmo dos ebooks) e a excomungar a matemática!

ORA BEM
Só tenho a dizer que sinto nojo dos políticos que tenho.
Srs políticos
Sinto uma enorne vergonha por serem um descalabro total
Governo e o facho de escolas
Finalmente a prova de que a culpa é de Sócrates.

http://www.youtube.com/wa...
Dar bocas a partir de casa...
... é muito mais fácil do que governar.

Assim sendo, prosseguiremos a mesma política que tem dado cabo do ensino em Portugal, muda o ministro começa tudo de novo. Ainda uma reforma não está terminada e aí vamos nós começar outra.

Nesta caso, porém, pelo que se tem lido, ao que parece, vai mudar... mantendo na mesma porque os outros eram terríveis e incompetentes.

Pois é, dar bocas é muito mais fácil do que fazer. E os srs. prof., por enquanto, na expectativa de que não haja avaliação (que a "sinistra" teve a ousadia de lançar), estão calados. Esperemos para ver quando começarem a "falar". Ao que dizem, a "sinistra" Maria de Lurdes Rodrigues teve um pic-nic com 100.000 e outro com 120.000 sempre com a presença do PCP/Verdes, BE, CDS e PSD.
Re: Dar bocas a partir de casa...
Re: Dar bocas a partir de casa...
Re: Dar bocas a partir de casa...
Re: Dar bocas a partir de casa...
Parece uma atitude correta...

Parece-me justo avaliar o programa neste momento:

1º- É um programa que começou a ser executado em 2005, portanto, já há algum tempo.

2º- Fecharam-se cerca de 3200 escolas.

3º- Foi criado pelo governo anterior.

Nessas condições, seria estranho continuar o programa sem avaliar os resultados já disponíveis, e confrontá-los com os objeitivos que foram previamente estabelecidos.

Parece-me que é assim que deve fazer um bom administrador: tomar o pulso da situação... Ver o que já foi feito, avaliar, corrigir, se for o caso, e até parar.

Re: Parece uma atitude correta...
Re: Parece uma atitude correta...
Esta gajada que foi para o pote só pensa em
Números. O ministro da economia vai implementar as teorias do economista americano friedman que foi também a opção do ditador fascista no Chile. O Macedo na saúde também não percebe nada do assunto. De saúde só para tratar da mesma dos bolsos da população, das companhias de seguros e dos grupos financeiros, mas claro com terapias diferentes. Na educacao fecham as escolas, porque já Salazar dizia que os portugueses só precisam de ler e contar. Quanto a cultura acabou o respectivo ministerio. Como Cavaco Silva nos diz que não e uma fatalidade porque amanha e que vai ser bom. Mas a história registara o retrocesso civilizacional que o ultra liberalismo corrupto conduziu o pais...
Revolução Cultural
será que o ex-maoista Nuno Crato ainda sonha com a revolução cultural?
Comentários 41 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador

PUBLICIDADE

Pub