20 de abril de 2014 às 1:37
Página Inicial  ⁄  Atualidade / Arquivo   ⁄  Governo quer que metade do ensino seja profissional

Governo quer que metade do ensino seja profissional

O ministro da Educação anunciou que o Governo quer chegar aos 50% na parte da escolaridade obrigatória no ensino profissional.

O ministro da Educação sublinhou que há novos cursos este ano Tiago Miranda O ministro da Educação sublinhou que há novos cursos este ano

O Governo pretende que cerca de 50% dos jovens inscritos no ensino obrigatório, ou seja no 10.º ano de escolaridade, optem pelo ensino profissional "ainda este ano".

"Os nossos planos são chegar a 50% ainda este ano, do ensino secundário", ou seja, "o nosso objetivo é que os jovens escolham as suas carreiras, mas pensamos que chegar aos 50% na parte da escolaridade obrigatória no ensino profissional é um objetivo que faz sentido para o país", declarou o ministro da Educação e Ensino Superior, Nuno Crato, no final de uma reunião com os parceiros sociais.

Governo e parceiros sociais estiveram mais de quatro horas em concertação social para discutir a proposta governamental de reprogramação do Quadro de Referência Estratégica Nacional (QREN) que assume como vetores gerais o reforço dos apoios ao emprego e aos desempregados e o estímulo às empresas.

Novos cursos este ano


Nuno Crato mencionou que "há novos cursos já este ano", tendo o ministério incentivado "a abertura dos cursos tendo em conta a capacidade das escolas para oferecerem esses cursos com qualidade".

Um segundo critério tido em conta pelo Executivo é "a empregabilidade dos cursos", disse o ministro da tutela, acrescentando que os jovens terão à sua disposição "áreas muito variáveis" direcionadas para sectores como o comércio, bens transacionáveis, turismo, restauração e indústria.

De acordo com Nuno Crato, "o ensino profissional é fundamental para o desenvolvimento do país e todo o dinheiro empregue na educação dos portugueses é dinheiro bem empregue".

Reprogramação dos fundos comunitários


A proposta de reprogramação dos fundos comunitários, no âmbito do Quadro de Referência Estratégica nacional, foi apresentada pelo Governo à Comissão Europeia em julho, alterando assim as prioridades de financiamento da formação profissional.

A mudança mais significativa incide sobre o Programa Operacional Potencial Humano (POPH), que tem alocados 6,5 milhões de euros, e que passa pelo corte de 564 milhões de euros ao eixo da "adaptabilidade e aprendizagem ao longo da vida", segundo a proposta do Executivo enviada na segunda-feira aos parceiros sociais e hoje discutida na reunião.

De salientar que entre os programas que mais beneficiam da transferência de verbas dos fundos comunitários está o referente à "formação avançada", sob a alçada do Ensino Superior, com um acréscimo de 200 milhões de euros.

Patrões e sindicatos criticaram esta decisão do Governo, alegando que a prioridade está a ser dada aos jovens e não aos trabalhadores no ativo que precisam de formação contínua.

Comentários 72 Comentar
ordenar por:
mais votados ▼
na verdade
deveriam acabar com todo o ensino que não seja profissional.
médicos--- ensino profissional na área da saude.
professores---ensino profissional na área de ensino
e aí por diante...acabar com quem nada sabe fazer e tem cursos superiores...acabam a ganhar (quando conseguem emprego) muito acima daquilo que merecem, pois na realidade estão totalmente inadaptados a qualquer função que vão desenvolver depois...
a treta de mandar todo e qualquer burro para as universidades doutorarem-se e nada saberem fazer, levou-nos a este ponto...montes de ladrões(advogados) assassinos (médicos) e outras coisas que por aí andam...
então no ensino é um mimo...montes de pessoal formado em qualquer coisa, que não tendo trabalho na sua área, acabam a dar aulas...sem perceberem puto daquilo...e quem acaba por pagar isso são os alunos...
na minha zona há muitos anos que havia uma escola técnica e comercial...e na verdade o pessoal que de lá saía, vinha pronto para tudo...os que seguiram para a faculdade, iam muito mais preparados do que a carneirada que vinha do liceu(eu infelizmente fui um dos que veio do liceu)...
Re: na verdade Ver comentário
Re: na verdade Ver comentário
Re: na verdade Ver comentário
Re: na verdade Ver comentário
governo-quer-que-metade-do-ensino-seja-profissiona
Pessoalmente e em princípio estou de acordo com a medida e só peca por tardia. No entanto em relação à percentagem parece-me que devia ir além dos 50%. Já muita gente reconheceu que foi um erro ter acabado com as antigas escolas comerciais e industriais. Foi segundo me consta da responsabilidade de Veiga Simão e pelo que sabemos sendo pessoa muito inteligente cometeu esse erro, mas no melhor pano cai a nódoa. Errar é humano, mas tanto tempo depois muito maior foi o erro não ter corrigido. A minha dúvida vai no sentido de os docentes estarem habilitados para ministrar os cursos. No ensino secundário segundo me consta, não existem professores com licenciaturas técnicas, como as engenharias. No entanto por algum lado tem de se começar e louvo a ideia e a coragem, embora noutros casos seja muito critico em relação a este ministro.

viriatoapedrada.blogspot.pt/2012/08/caminhando-sob-as-aguas-do-tamisa.html

viriatoapedrada.blogspot.pt/2012/08/francois-hollande-56-dias-no-cargo.html

viriatoapedrada.blogspot.pt/2012/08/frases-celebres-de-pedro-passos-coelho.html
Sócrates mentiu sempre e nada sabia Ver comentário
Re: Sócrates mentiu sempre e nada sabia Ver comentário
Re: governo-quer-que-metade-do-ensino-seja-profiss Ver comentário
O veiga simão Ver comentário
Está redondamente enganado. ISSO É MENTIRA. Ver comentário
Que idade tem vocÊ? Ver comentário
Cresça e apareça.... Ver comentário
É preciso ser idiota completo Ver comentário
V. é proferssor? e não sabe ler? Ver comentário
Normalmente os idiotas e grosseirões irritam-me Ver comentário
Este gajo fugiu da escola... ... não sabe ler. Ver comentário
Acabando com a irritação professor q.não sabe ler. Ver comentário
Re: Está redondamente enganado. ISSO É MENTIRA. Ver comentário
Agradeço a referência. Ver comentário
Re: O veiga simão Ver comentário
!
Quer queiramos, quer não, este governo vai tentado fazer alguma coisa. Pode fazer pouco mais de nada que já faz muito mais do que os outros fizeram. Esses não fizeram mesmo nada. Para além de promover um capitalismo selvagem a que chamaram socialismo. Parece que estará também na forja uma lei que impeça cagar edifícios públicos, paredes e comboios. Mas voltando ao ensino técnico-profissional, ele foi deitado abaixo logo a seguir à revolução dos cravas. Deveriam estudar todos o mesmo para haver igualdade, à boa maneira comunista. Depois sócrates, o aldrabão, e a sua pandilha só falavam em aumentar os anos de escolaridade para parecer que o Portugal era um País de letrados, quando não passava de anafabetos diplomados. O 9º. ano, antigo 5ª. do liceu era conseguido em 3 meses nas novas oportunidades. Mas são os mesmos que andam já a querer voltar, porque os amigos querem tachos. Só que da minha parte em vez de votos vão levar CORNOS!, CORNOS!!!
Re: ! Ver comentário
O meu cepticismo em relação
a esta medida, é que num país onde a economia afundou, Crato está preocupado com o ensino comercial e industrial-.
Mas foi a direita que arrasou com a inustria da pesca, da agricultura, lisnave, setenave, etc., e com o comércio.
E não foi por falta de qualificação dos trabalhadores.
Na Auto europa, onde trabalham centenas de profissionais qualificados, a empresa está de pedra e cal.
E porquê?
porque os trabalhadores são qualificados ( já o eram antes de vir o Crato), bem remunerados,têm incentivos á produção e sobretudo são respeitados pelas chefias.
Não há falta de qualificação no nosso país, as únicas pessoas que não têm instrução e qualificação são os patrões das empresas, que tratam os funcionários abaixo de cão, e só pensam em explorá-los e lucrar com o trabalho desses mesmos trabalhadores.
No tempo do fascismo, haviam os liceus e as escolas industriais.
Haviam os pobretes que iam para as industriais e os de famílias mais ricas para o liceu.
Sempre me lembro aos 10, 11, 12 anos de olhar para os da escola industrial , com aquele olhar de quem está a ver um burro.
Esta separação de classes a existir novamente no país, não é uma preocupação com a economia, ou com a qualificação, porque haverá sempre pedreiros e padeiros e empregados de armazém, é sim, uma nítida divisão de classes, tal como no período fascista.
O que a direita pretende é estupidificar novamente as pessoas, porque a ignorância trás votos, e o dividir para reinar. ...
Re: O meu cepticismo em relação Ver comentário
Re: O meu cepticismo em relação (concordo) Ver comentário
Re: O meu cepticismo em relação (concordo) Ver comentário
nao e preciso estupidificar mais.... Ver comentário
SR. MINISTRO NÃO ME DEIXE ANGUSTIADO ...
Profissional como ? ...

Tipo Relvas ?!?!?!?!
Ser DOCTOR é só para os RICOS !
O resto da miudagem, que vá aprender a carpinteirar ou a botar uns tijolos !
- Isto é : Ser DOCTOR , passa a ser como nos tempos do Fascismo : - Só os RICOS é que podem ter um CURSO Superior ... O resto da bicharada ... que vá para aprendiz de sapateiro ou para as OBRAS ou qualquer outro meio de ganhar a vida com as «MÃOS SUJAS» !
. Para se ser DOCTOR tem de se ser inscrito na JSD ou noutr organização FASCISTÓIDE ! !
.
.
Re: Ser DOCTOR é só para os RICOS ! Ver comentário
Re: Ser DOCTOR é só para os RICOS ! Ver comentário
Re: Ser DOCTOR é só para os RICOS ! Ver comentário
Re: Ser DOCTOR é só para os RICOS ! Ver comentário
Re: Ser DOCTOR é só para os RICOS ! Ver comentário
Vamos valorizar quem é útil, quem sabe e faz?
Vai haver drama!!!

Num País de doutores, em que o importante é ter o canudo, mesmo que desempregado, ou fazer uma coisa que nada tem a ver com o curso, vai soar a discriminação.

Provavelmente, dentro de 10 ou 20 anos vão dizer que Crato foi um visionário, mas para já não se vai livrar de ser insultado de fascista, elitista, discricionário, e nomes piores.

Sinceramente não sei se ele tem razão.

À primeira vista parece-me que sim, mas vai parecer que há portugueses de primeira e de segunda, porque em Portugal não se valoriza quem sabe, quem trabalha, quem faz, quem produz.

Re: Vamos valorizar quem é útil, quem sabe e faz? Ver comentário
Re: Vamos valorizar quem é útil, quem sabe e faz? Ver comentário
Re: Vamos valorizar quem é útil, quem sabe e faz? Ver comentário
Re: Vamos valorizar quem é útil, quem sabe e faz? Ver comentário
Re: Vamos valorizar quem é útil, quem sabe e faz? Ver comentário
Re: Vamos valorizar quem é útil, quem sabe e faz? Ver comentário
não se valoriza quem sabe, quem trabalha, quem faz Ver comentário
Re: Vamos valorizar quem é útil, quem sabe e faz? Ver comentário
Re: Vamos valorizar quem é útil, quem sabe e faz? Ver comentário
Re: Vamos valorizar quem é útil, quem sabe e faz? Ver comentário
Re: Vamos valorizar quem é útil, quem sabe e faz? Ver comentário
Ansioso por ver o que dali vai sair...
Sou 100% a favor do ensino profissional. Tenho alguém que me é próximo a estudar na Escola Artística Soares dos Reis no Porto, e vejo aquele estabelecimento de ensino com excelentes resultados práticos. Miúdos/as que saem dali para as Fac. Arquitectura e Belas Artes com excelente preparação, mas acima de tudo, os cursos profissionais de Joalharia, Ourivesaria, Cerâmica, Som e Imagem, etc, com uma boa base científica e técnica, muito acima da média. Ali ensina-se. Não se vende carteiras profissionais de....!
Agora, se vamos decretar a reconversão de muitas das actuais Escolas Secundárias em Escolas Técnicas, sem as dotar dos meios pedagógicos e científicos necessários, sem um conjunto de equipamentos adequados a este tipo de ensino, vai sair uma valente borrada pela certa.
Já bastou o buraco das Novas Oportunidades, para se repetir no mesmo erro.
Um elevado nível de exigência pressupõe sempre uma boa qualidade e quantidade de meios tecnológicos e pedagógicos.
Re: Ansioso por ver o que dali vai sair... Ver comentário
cont.
Sempre foi e será a política da direita a divisão das classes sociais.
Porque é muito mais fácil um jovem tirar o 12º ano, porque fica com outra bagagem para precisamente poder alcançar o nível seguinte da qualificação.
Não se pode pedir a um jovem de 15 anos que tire a profissionalização de qualquer coisa, se ele nem escrever português direito sabe.
É precisa toda uma cultura de base, para aos 17 ou 18 anos se decidir o que realmente se tem aptidão para fazer.
Hoje em dia nem os professores estão qualificados, para o ensino regular, quanto mais para o profissional.
Primeiro formem os professores.
Depois serão os jovens.
Este ministro, que vem de professor de matemática, que é a cadeira onde sempre houve mais chumbos do que outra qualquer, está frustrado porque nem os seus alunos conseguia ensinar.
E agora anda a fazer experiências ou cálculos matemáticos de gabinete a ver o que dá.
Mas a ideia está lá.
Estupidificar ainda mais os jovens.
E sobretudó é um notório regresso ao passado.
Re: cont. Ver comentário
Com o abandono escolar,... só se for ensino amador
O comércio tá falido e querem ensino comercial?

Hummmm, deve ser lóby do sector, para ganhar mais umas

massas ao Estado para comprarem Mercedes, Audis, BMs e

construirem «villas» na Quinta do Lago.
Como sempre tudo feito em cima do joelho e...
...o que importa é gasta o dinheiro da comunidade.
Deviam começar
Pelas profissões ligadas à construção civil.
Há falta de mão-de-obra...
Porra para isto!
Porra para este cabrão deste país governado por imbecis há uma carrada de anos.
Falta de mão de obra? 50% no desemprego.... Ver comentário
Re: Falta de mão de obra? 50% no desemprego.... Ver comentário
Voltar ao antigamente no bom sentido
Honra seja feita a este ministro, que foi buscar aquilo que nunca devia ter acabado.De certo vou ser criticado por estar a defender um sistema Salazarista,mas sem duvidas nenhumas e o melhor-Porque outros ministros não copiam do antigo regime tudo aquilo que no fundo foi bem feito?De resto o que foi mal feito esta a ser aplicado ,mas de tal modo ao sistema Hitlerariano que foi bem pior. Não comento mais nada ,pois a raiva e tanta que o melhor e estar calado
Idiotice pura!!!
Isto traduz um pensamento perigoso. Técnicos (tecnocracia aplicada ao ensino), ou seja investir em pessoas apenas capazes de viverem para e dentro de um campo ou profissão sem uma compreensão alargada da vida, porque a sua formação ( o termo formação não é inocente) o conduz a um pensamento limitado. eu sou técnico e no entanto não defendo que o ensino deva ser técnico. É demasiado ideológico e redutor do pinto de vista humano. Alias este sistema desde a era industrial têm vindo a ganhar força no positivismo e na necessidade de mão de obra qualificada e não de ser humanos "qualificados", alias nem é isso que se deseja. quem disser que sou idiota por pensar que não defendo mão de obra qualificada pode tirar o cavalinho da chuva. Porque ensino que invista na riqueza e pluralidade de pensamento e capacidade de pensamento autónomo e multidisciplinar é, a meu ver mais vantajoso, do que técnicos ou 2especialistas da especialidade" que mais parecem bairristas populares a defenderem o seu tacho...Socialmente também permite mais diálogo e convivência.
Re: Idiotice pura!!! Ver comentário
Re: Idiotice pura!!! Ver comentário
Re: Idiotice pura!!! Ver comentário
Até parece anedota
Depois de ter exigido às escolas que não abrissem mais cursos profissionais, há dois meses atrás, exigindo até a sua redução, vir agora, já com as turmas feitas e com os professores a sair das escolas por não terem horário, dizer que vão aumentar ainda este ano o nº de alunos dos CP para 50%, só pode ser anedota. Parece que não sabem o que andam a fazer. Nem sabem que todo o trabalho para o arranque do ano já está feito. Por estas e por outras semelhantes é que Portugal está como está. Haja Deus!!!!!!!!!
Re: Até parece anedota Ver comentário
Re: Até parece anedota e muito mal contada Ver comentário
PUBLICIDADE
Expresso nas Redes
Pub