Anterior
O passado sombrio de Lady Gaga em vídeo (vídeo)
Seguinte
"Rússia já não é o que era"
Página Inicial   >  Atualidade / Arquivo   >   Global Witness perde fé no controlo de diamantes de sangue

Global Witness perde fé no controlo de diamantes de sangue

ONG resolveu abandonar o Processo Kimberley por não acreditar na sua eficácia no controlo da comercialização de diamantes provenientes de zonas de conflito.
|
O Processo Kimberley impõe que todos os diamantes vendidos internacionalmente sejam certificados
O Processo Kimberley impõe que todos os diamantes vendidos internacionalmente sejam certificados / Bruno Vincent/Getty Images

A organização não-governamental Global Witness anunciou hoje que irá abandonar o Processo Kimberley , uma iniciativa internacional surgida em 2000 e que tem por objetivo manter o fluxo de diamantes de sangue afastado dos mercados lucrativos.

Um comunicado divulgado hoje no site oficial da organização refere que o Processo Kimberley falhou a sua missão, nomeadamente em locais como o Zimbábue e a Costa do Marfim, não conseguindo pôr termo à relação entre os diamantes provenientes de zonas de conflito e a violência exercida nestes locais.

"Os consumidores têm o direito de saber o que estão a comprar e de que forma foi obtido" refere Charmian Gooch, diretora da Global Witness, acrescentando: "A verdade é que a maioria dos consumidores ainda não tem a certeza da origem dos seus diamantes ou se estes estão ou não a financiar situações de violência".

O Processo Kimberley, que resulta de uma ação conjunta entre a indústria de diamantes, governos e organizações não-governamentais, impõe que todos os diamantes vendidos internacionalmente sejam certificados, de forma a garantir que são provenientes de zonas livres de conflito.

Situação no Zimbabué causou o divórcio


Em novembro, o Processo Kimberley voltou a autorizar a exportação de diamantes provenientes dos campos de exploração de Marange, no Zimbabué, cuja venda tinha proibido em 2009 devido às alegadas violações dos Direitos Humanos por parte do Exército, que detinha o controlo das explorações

Segundo o comunicado da Global Witness, as concessões das explorações foram então entregues a grupos ligados ao Governo do Presidente Robert Mugabe. Organizações como a Global Witness e a Human Rights Watch teriam já alertado para a continuidade da violência nas explorações de diamantes de Marange, onde em agosto a BBC avançou a descoberta de campos de tortura de mineiros.

A aprovação da exportação de diamantes provenientes destes campos por parte do Processo Kimberley foi definida pela Global Witness como "desapontante" e terá originado a sua saída do grupo.

"Na última década, as eleições no Zimbabué têm sido associadas à intimidação dos eleitores e orquestrar este tipo de violência exige dinheiro. O facto de o Processo Kimberley se recusar a confrontar esta realidade é um ultraje", refere Charmian Gooch.

"Os consumidores não deveriam comprar diamantes de Marange e a indústria não os deveria fornecer", conclui a diretora da Global Witness.


Opinião


Multimédia

Cheesecake com manjericão e doce de tomate

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 0 Comentar

Últimas

Itália endivida-se em mais €5,5 mil milhões pagando juros mais baixos de sempre

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub