20 de outubro de 2014

Hoje há passarinhos, amanhã não sabemos

Manuel S. Fonseca (www.expresso.pt) |
Hoje há passarinhos. Pelo menos havia: nas esquinas do passado, alegrando as montras das cervejarias com clamorosos atentados ortográficos. Escrevia-se com desembaraço: "à passarinhos". Juraria que vi até um "á paçarinhos", assim, cedilhado, na limpa janela dum restaurante de Campo de Ourique. Cedilhas destas cortam um passarinho ao meio. Não ...

Pub