50
Anterior
Crise também afeta restaurantes de luxo
Seguinte
Mais de 41 mil idosos deixaram de comprar o passe
Página Inicial   >  Atualidade / Arquivo   >   Fundações autárquicas na mira do Governo

Fundações autárquicas na mira do Governo

Um terço das fundações em que o Executivo quer mexer pertencem às autarquias. Depois das empresas municipais, nova guerra à vista entre o Governo e a administração local?
|

Das cerca de 150 fundações que o Governo prevê extinguir, retirar o estatuto de utilidade pública, diminuir ou mesmo cessar a totalidade dos apoios do Estado, entre 50 a 60 pertencem às autarquias.

Ainda sem ter tido tempo de analisar o o relatório que traça o retrato nacional das fundações - divulgado na quinta-feira -, a Associação Nacional de Municípios Portugueses espera para ver o que quer exatamente o Governo.

Em declarações ao Expresso, Fernando Ruas, presidente da ANMP, afirma-se disponível "para esclarecer tudo o que haja para esclarecer"; "Defendemos as fundações se elas se justificarem, se não, não", diz o também presidente da Câmara de Viseu. "O que não queremos é que o Governo se focalize só nas fundações municipais, como aconteceu com as empresas municipais", acrescenta.


Escolha uma das opções para ler o artigo inteiro


Compre o Expresso na banca
Assine o Expresso no site
Aceda ao Expresso no iPad

Opinião


Multimédia

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 

Crumble. A sobremesa mais fácil do mundo

Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida, especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 50 Comentar
ordenar por:
mais votados
CONTRIBUINTES A SUBSIDIAR CENTRO DE ESTÁGIO DRAGÃO
A PortoGaia, fundação criada em 1999 para construir e gerir o centro de estágios do Futebol Clube do Porto, é uma das que pode ser extinta por ter tido uma das piores avaliações no censo efectuado pelo Governo. 84,4% das suas receitas provêm de dinheiros públicos.
A fundação obteve uma classificação de 26,1 (numa escala de 0 a 100) na avaliação que o Governo conduziu e que se integra no censo que analisou todas as fundações nacionais.
A PortoGaia é uma entidade pública de direito privado, que, quando foi constituída, era detida maioritariamente pelo FC Porto, com uma quota de 51% (de acordo com os critérios do Governo, teria de ser uma fundação público-privada para o clube poder ter a maioria).
Em 2004, uma reportagem da revista Visão citava um relatório da Inspecção-Geral de Finanças que, numa fiscalização à Câmara de Gaia, que concluía que a autarquia pagou a totalidade dos custos do centro de treinos: 16 milhões de euros. O FC Porto teria assegurado o direito de superfície dos terrenos por 50 anos e apenas paga uma renda mensal de 500 euros pelo centro de estágio.
Jornal de negócios online

O dinheiro dos contribuintes ... tratado ao pontapé ...
As famosas entidades públicas de direito privado..
Re: As famosas entidades públicas de direito priva
Re: CONTRIBUINTES A SUBSIDIAR CENTRO DE ESTÁGIO DR
Re: CONTRIBUINTES A SUBSIDIAR CENTRO DE ESTÁGIO DR
Re: CONTRIBUINTES A SUBSIDIAR CENTRO DE ESTÁGIO DR
Re: CONTRIBUINTES A SUBSIDIAR CENTRO DE ESTÁGIO DR
Re: CONTRIBUINTES A SUBSIDIAR CENTRO DE ESTÁGIO DR
Re: CONTRIBUINTES A SUBSIDIAR CENTRO DE ESTÁGIO DR
Re: CONTRIBUINTES A SUBSIDIAR CENTRO DE ESTÁGIO DR
Re: CONTRIBUINTES A SUBSIDIAR CENTRO DE ESTÁGIO DR
!
Um completa vergonha! Um país sem rei ne roca e entregue a larápios, corruptos e oportunistas durante muitos anos. Os dinheiros públicos delapidados de qualquer maneira e o POVO carregado de impostos até mais não. Um aperto de cinto dos maiores, enquanto alguns nadam em dinheiro roubado e ninguém é responsável por nada neste Portugal de Abril. Quem pode acreditar nesta democracia? Quem pode continuar a pactuar com ela? Quem pode acreditar nos vigaristas que estiveram no poder e a quem a comunicação social dá tanto tempo de antena? Quem pode continuar a ouvir e a dar o voto a essa cambada??
Re: !
Os países pobres são-no, porque desperdiçam...
É uma vergonha vermos o dinheiro dos nossos impostos ser desperdiçado e desviado para aplicações/funções que nos põem cada vez mais pobres.

Sempre ouvi dizer que só os pobres é que desperdiçam...

Estas gestão dos dinheiros públicos não implica responsabilidade para ninguém. Uma vergonha!!!
Para quê....
tantas fundações? Para que quem lhes dá o nome tenho mais um tacho....?
Acabem com todas as que não sejam autosuficientes...
Comecem pela do Mario Soares esse chupista....
Re: Para quê....
Re: Para quê....
Re: Para quê....
Re: Para quê....
Re: Para quê....
Re: Para quê....
O plantio do mamão
Ameaçado, a ver vamos se o povo consegue obter mais fontes de rendimento para comerem, e ver se a praga do mamão começa a acabar.
Certas famílias começam a ficar desesperadas com esta razia!
Fundações ou mamadeiras?
Tradicionalmente as fundações eram formas organizativas utilizadas por pessoas bastante ricas para devolver à sociedade parte da sua riqueza através da prestão de serviços e diferentes formas de apoio em particular às camadas mais desfavorecidas dessa mesma sociedade.

Posteriormente o Estado começou a compensar as fundações pelos serviços prestados à sociedade com isenções fiscais e até ajudas financeitas. E, a partir daí, a imaginação criativa do tuga criou a "mamadeira". A mamadeira é assim uma espécie de Fundação de "pernas para o ar": em vez de prestar serviços à sociedade retira riqueza à sociedade sem nada devolver e em benefício dos fundadores, repectiva família e amigos!

A esmagadora maioria das Fundações são mamadeiras como já se vai percebendo do estudo recente, e como se verá ainda de forma mais clara se o Governo não se acobardar aos vários interesses à volta das ditas mamadeiras.

Uma forma, entre outras, de evitar a proliferação de mamadeiras a multilplicarem-se como verdadeiros cogumelos à volta do humus da manjedora pública, seria obrigar os fundadores a colocarem lá um boa parte do seu património e rendimentos. E cortar-lhes de imedito todo e qualquer benefício fiscal e financiamento se durante um certo período de tempo mínimo (p.e. um ano) não apresentassem qualquer actividade relevante relacionada com a sua missão.

Soluções e ideias não faltam para acabar com este forrobodó das mamadeiras. Poderá faltar é vontade política. A ver vamos!
Oh Ruas !!

Pois... O Ruas da ANMP - Associação Nacional de Municípios Portugueses... Ele não quer...

"O que não queremos é que o Governo se focalize só nas fundações municipais, como aconteceu com as empresas municipais".

Então se não quer, apresente a lista das fundações autárquica que a seu juízo devem ser extintas... Se fizer isso já poupa algum trabalho e tempo ao governo.

Quanto àquelas que você julga que podem continuar, apresente as devidas justificativas ,para serem analisadas pelo governo.

Mexa-se... Que já se faz tarde..

Ruas !! Chega de palpites parta para a ação... Não crie caso... Não disfarce... Não complique!!!

Na mira.... mas vesga !!!

A avaliação deu à Fundação PSD Madeira 66,5%.

Não teve um utente, não teve um beneficiado, fez uma acção: aluguer dos terrenos para a Festa Laranja.

Ou seja, o PSD Madeira dá uma chitada à Gulbenkian !!!

Com a mira vesga, vão passar as Fundações e Institutos que a laranjada quiser !!!
Re: Na mira.... mas vesga !!!
Re: Na mira.... mas vesga !!!
Re: Na mira.... mas vesga !!!
Re: Na mira.... mas vesga !!!
Re: Na mira.... mas vesga !!!
Fundações... Fundações... Fundações...

Sim... Da lista de fundações avaliadas consta a Fundação Social Democrata da Madeira. Para o que ela existe? Eu não sei, não beneficiou ninguém, mas também de acordo com o relatório do governo, não recebeu qualquer apoio financeiro público entre 2008 e 2010... Menos mal...

Agora, a Fundação Mário Soares recebeu, entre 2008 e 2010, cerca de um milhão e 272 mil euros de apoios financeiros públicos, de acordo com o relatório do Governo. Além do apoio financeiro, esta fundação teve um valor patrimonial tributário isento de mais de 268 mil euros.

A Fundação Mário Soares conta com 43 colaboradores, para o que ela serve, sinceramente, eu não sei. Quanto aos colaboradores? Devem servir para babar o ovo do patrono e mais nada.... Aqui, há muito desperdício

Ah... E não falei da Fundação da mulher do gajo... Não sei o porquê, mas eles adoram uma Fundação... Elas devem servir para acariciar os egos imensos dessa gente tão importante...
Fecundações
As fundações vão dar lugar a centros de fecundação de políticos na esperança que nos próximos 100 anos apareça um Politico HONESTO.
Re: Fecundações
Para quando o fim das empresas municipais de água?
trata-se do maior roubo feito à população portuguesa. O pagamento de uma taxa de disponibilidade mesmo que uma pessoas nao habite ou se s eencontre ausente da habitação largos períodos de tempo.

Taxa de disponibilidade de um serviço que não usufriu, onde está o principio do po utilizador pagador? Teremos nós, no Porto, de futuro pagar uma taxa de disponiblidade pela existência do Metro???

Re: Para quando o fim das empresas municipais de á
Vejam!
Então, aqui vai para quem quiser responder!

www.youtube.com/watch?v=a8cMpKvzoPQ&feature=player_embedded

lol
Recordo-me de há bem pouco tempo atrás, na sic noticias pelo Tiago Caiado Guerreiro, ter ouvido falar na totalidade de cerca de 13000 fundações. Se o estado vai mexer apenas em 150, quer isto dizer que mexe apenas em cerca de 1% desse universo. Não entendo estes jornalistas. Com este material todo porque é que não fazem uma reportagem mais abrangente. A parte do bolo que vai para estas 150 fundações corresponde a que valor em euros? Quanto é que vale o bolo todo que vai para as fundações? Jornalismo da treta que não esclarece nada...
Re: lol
Re: Fundações autárquicas na mira do Governo
Que grande negócio!!!
Só para cobrir os custos com terrenos e construção (excluindo os custos financeiros) são necessários quase 2.667 anos = 32.000 meses = 960.000 dias
País da tanga, em que tudo vale por uns votos... estes senhores que fazem uso do dinheiro público como se fosse seu, deviam era estar todos PRESOS!!!
Cambada de FDP
Os contribuintes é que pagam os salários milionários dos jogadores de matraquilhos.
É um fartar vilanagem dos dinheiros públicos para sustentar meia dúzia de parasitas que vivem à grande e à francesa à custa dos "parolos" dos portugueses e até dá para mudar de mulher todos os anos. A última foi buscá-la ao Brasiil com 22 anos de idade, para o Pinto da Costa fazer maravilhas com a língua...
Comentários 50 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub