50
Anterior
Crise também afeta restaurantes de luxo
Seguinte
Mais de 41 mil idosos deixaram de comprar o passe
Página Inicial   >  Atualidade / Arquivo   >   Fundações autárquicas na mira do Governo

Fundações autárquicas na mira do Governo

Um terço das fundações em que o Executivo quer mexer pertencem às autarquias. Depois das empresas municipais, nova guerra à vista entre o Governo e a administração local?
|

Das cerca de 150 fundações que o Governo prevê extinguir, retirar o estatuto de utilidade pública, diminuir ou mesmo cessar a totalidade dos apoios do Estado, entre 50 a 60 pertencem às autarquias.

Ainda sem ter tido tempo de analisar o o relatório que traça o retrato nacional das fundações - divulgado na quinta-feira -, a Associação Nacional de Municípios Portugueses espera para ver o que quer exatamente o Governo.

Em declarações ao Expresso, Fernando Ruas, presidente da ANMP, afirma-se disponível "para esclarecer tudo o que haja para esclarecer"; "Defendemos as fundações se elas se justificarem, se não, não", diz o também presidente da Câmara de Viseu. "O que não queremos é que o Governo se focalize só nas fundações municipais, como aconteceu com as empresas municipais", acrescenta.


Escolha uma das opções para ler o artigo inteiro


Compre o Expresso na banca
Assine o Expresso no site
Aceda ao Expresso no iPad

Opinião


Multimédia

Lombinho de porco com broa e batata a murro

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Desaparecidos para sempre no Mar do Norte

O dia 15 de novembro já foi feriado, há 90 anos. A razão foi o desaparecimento de Sacadura Cabral algures no Mar do Norte. Depois de fazer mais de oito mil quilómetros de Lisboa ao Rio de Janeiro, o aviador pioneiro não conseguiu completar o voo entre a cidade holandesa de Amesterdão e a capital portuguesa. Ainda hoje, não se sabe o que aconteceu ao companheiro de Gago Coutinho e tio-avô de Paulo Portas, a quem o Expresso pediu um sms.

Os muros do mundo

Novembro relembrou-nos os muros que caem, mas também os que permanecem e os que se expandem. Berlim aproximou-se de si própria há 25 anos, mas há muros que continuam a desaproximar. Esta é a história de sete deles - diferentes, imprevisíveis, estranhos.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

O papa-medalhas que veio do espaço

O atleta português mais medalhado de sempre, Francisco Vicente, regressou dos campeonatos europeus de veteranos, na Turquia, com novas lembranças ao pescoço. Três de ouro e duas de prata para juntar à coleção. Tem 81 medalhas, uma por cada ano de vida.

Terror religioso está a aumentar

Relatório sobre a Liberdade Religiosa é divulgado esta terça-feira em todo o mundo. Dos 196 países analisados, só em 80 não há indícios de perseguições motivadas pela fé.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 


Comentários 50 Comentar
ordenar por:
mais votados
CONTRIBUINTES A SUBSIDIAR CENTRO DE ESTÁGIO DRAGÃO
A PortoGaia, fundação criada em 1999 para construir e gerir o centro de estágios do Futebol Clube do Porto, é uma das que pode ser extinta por ter tido uma das piores avaliações no censo efectuado pelo Governo. 84,4% das suas receitas provêm de dinheiros públicos.
A fundação obteve uma classificação de 26,1 (numa escala de 0 a 100) na avaliação que o Governo conduziu e que se integra no censo que analisou todas as fundações nacionais.
A PortoGaia é uma entidade pública de direito privado, que, quando foi constituída, era detida maioritariamente pelo FC Porto, com uma quota de 51% (de acordo com os critérios do Governo, teria de ser uma fundação público-privada para o clube poder ter a maioria).
Em 2004, uma reportagem da revista Visão citava um relatório da Inspecção-Geral de Finanças que, numa fiscalização à Câmara de Gaia, que concluía que a autarquia pagou a totalidade dos custos do centro de treinos: 16 milhões de euros. O FC Porto teria assegurado o direito de superfície dos terrenos por 50 anos e apenas paga uma renda mensal de 500 euros pelo centro de estágio.
Jornal de negócios online

O dinheiro dos contribuintes ... tratado ao pontapé ...
As famosas entidades públicas de direito privado..
Re: As famosas entidades públicas de direito priva
Re: CONTRIBUINTES A SUBSIDIAR CENTRO DE ESTÁGIO DR
Re: CONTRIBUINTES A SUBSIDIAR CENTRO DE ESTÁGIO DR
Re: CONTRIBUINTES A SUBSIDIAR CENTRO DE ESTÁGIO DR
Re: CONTRIBUINTES A SUBSIDIAR CENTRO DE ESTÁGIO DR
Re: CONTRIBUINTES A SUBSIDIAR CENTRO DE ESTÁGIO DR
Re: CONTRIBUINTES A SUBSIDIAR CENTRO DE ESTÁGIO DR
Re: CONTRIBUINTES A SUBSIDIAR CENTRO DE ESTÁGIO DR
Re: CONTRIBUINTES A SUBSIDIAR CENTRO DE ESTÁGIO DR
!
Um completa vergonha! Um país sem rei ne roca e entregue a larápios, corruptos e oportunistas durante muitos anos. Os dinheiros públicos delapidados de qualquer maneira e o POVO carregado de impostos até mais não. Um aperto de cinto dos maiores, enquanto alguns nadam em dinheiro roubado e ninguém é responsável por nada neste Portugal de Abril. Quem pode acreditar nesta democracia? Quem pode continuar a pactuar com ela? Quem pode acreditar nos vigaristas que estiveram no poder e a quem a comunicação social dá tanto tempo de antena? Quem pode continuar a ouvir e a dar o voto a essa cambada??
Re: !
Os países pobres são-no, porque desperdiçam...
É uma vergonha vermos o dinheiro dos nossos impostos ser desperdiçado e desviado para aplicações/funções que nos põem cada vez mais pobres.

Sempre ouvi dizer que só os pobres é que desperdiçam...

Estas gestão dos dinheiros públicos não implica responsabilidade para ninguém. Uma vergonha!!!
Para quê....
tantas fundações? Para que quem lhes dá o nome tenho mais um tacho....?
Acabem com todas as que não sejam autosuficientes...
Comecem pela do Mario Soares esse chupista....
Re: Para quê....
Re: Para quê....
Re: Para quê....
Re: Para quê....
Re: Para quê....
Re: Para quê....
O plantio do mamão
Ameaçado, a ver vamos se o povo consegue obter mais fontes de rendimento para comerem, e ver se a praga do mamão começa a acabar.
Certas famílias começam a ficar desesperadas com esta razia!
Fundações ou mamadeiras?
Tradicionalmente as fundações eram formas organizativas utilizadas por pessoas bastante ricas para devolver à sociedade parte da sua riqueza através da prestão de serviços e diferentes formas de apoio em particular às camadas mais desfavorecidas dessa mesma sociedade.

Posteriormente o Estado começou a compensar as fundações pelos serviços prestados à sociedade com isenções fiscais e até ajudas financeitas. E, a partir daí, a imaginação criativa do tuga criou a "mamadeira". A mamadeira é assim uma espécie de Fundação de "pernas para o ar": em vez de prestar serviços à sociedade retira riqueza à sociedade sem nada devolver e em benefício dos fundadores, repectiva família e amigos!

A esmagadora maioria das Fundações são mamadeiras como já se vai percebendo do estudo recente, e como se verá ainda de forma mais clara se o Governo não se acobardar aos vários interesses à volta das ditas mamadeiras.

Uma forma, entre outras, de evitar a proliferação de mamadeiras a multilplicarem-se como verdadeiros cogumelos à volta do humus da manjedora pública, seria obrigar os fundadores a colocarem lá um boa parte do seu património e rendimentos. E cortar-lhes de imedito todo e qualquer benefício fiscal e financiamento se durante um certo período de tempo mínimo (p.e. um ano) não apresentassem qualquer actividade relevante relacionada com a sua missão.

Soluções e ideias não faltam para acabar com este forrobodó das mamadeiras. Poderá faltar é vontade política. A ver vamos!
Oh Ruas !!

Pois... O Ruas da ANMP - Associação Nacional de Municípios Portugueses... Ele não quer...

"O que não queremos é que o Governo se focalize só nas fundações municipais, como aconteceu com as empresas municipais".

Então se não quer, apresente a lista das fundações autárquica que a seu juízo devem ser extintas... Se fizer isso já poupa algum trabalho e tempo ao governo.

Quanto àquelas que você julga que podem continuar, apresente as devidas justificativas ,para serem analisadas pelo governo.

Mexa-se... Que já se faz tarde..

Ruas !! Chega de palpites parta para a ação... Não crie caso... Não disfarce... Não complique!!!

Na mira.... mas vesga !!!

A avaliação deu à Fundação PSD Madeira 66,5%.

Não teve um utente, não teve um beneficiado, fez uma acção: aluguer dos terrenos para a Festa Laranja.

Ou seja, o PSD Madeira dá uma chitada à Gulbenkian !!!

Com a mira vesga, vão passar as Fundações e Institutos que a laranjada quiser !!!
Re: Na mira.... mas vesga !!!
Re: Na mira.... mas vesga !!!
Re: Na mira.... mas vesga !!!
Re: Na mira.... mas vesga !!!
Re: Na mira.... mas vesga !!!
Fundações... Fundações... Fundações...

Sim... Da lista de fundações avaliadas consta a Fundação Social Democrata da Madeira. Para o que ela existe? Eu não sei, não beneficiou ninguém, mas também de acordo com o relatório do governo, não recebeu qualquer apoio financeiro público entre 2008 e 2010... Menos mal...

Agora, a Fundação Mário Soares recebeu, entre 2008 e 2010, cerca de um milhão e 272 mil euros de apoios financeiros públicos, de acordo com o relatório do Governo. Além do apoio financeiro, esta fundação teve um valor patrimonial tributário isento de mais de 268 mil euros.

A Fundação Mário Soares conta com 43 colaboradores, para o que ela serve, sinceramente, eu não sei. Quanto aos colaboradores? Devem servir para babar o ovo do patrono e mais nada.... Aqui, há muito desperdício

Ah... E não falei da Fundação da mulher do gajo... Não sei o porquê, mas eles adoram uma Fundação... Elas devem servir para acariciar os egos imensos dessa gente tão importante...
Fecundações
As fundações vão dar lugar a centros de fecundação de políticos na esperança que nos próximos 100 anos apareça um Politico HONESTO.
Re: Fecundações
Para quando o fim das empresas municipais de água?
trata-se do maior roubo feito à população portuguesa. O pagamento de uma taxa de disponibilidade mesmo que uma pessoas nao habite ou se s eencontre ausente da habitação largos períodos de tempo.

Taxa de disponibilidade de um serviço que não usufriu, onde está o principio do po utilizador pagador? Teremos nós, no Porto, de futuro pagar uma taxa de disponiblidade pela existência do Metro???

Re: Para quando o fim das empresas municipais de á
Vejam!
Então, aqui vai para quem quiser responder!

www.youtube.com/watch?v=a8cMpKvzoPQ&feature=player_embedded

lol
Recordo-me de há bem pouco tempo atrás, na sic noticias pelo Tiago Caiado Guerreiro, ter ouvido falar na totalidade de cerca de 13000 fundações. Se o estado vai mexer apenas em 150, quer isto dizer que mexe apenas em cerca de 1% desse universo. Não entendo estes jornalistas. Com este material todo porque é que não fazem uma reportagem mais abrangente. A parte do bolo que vai para estas 150 fundações corresponde a que valor em euros? Quanto é que vale o bolo todo que vai para as fundações? Jornalismo da treta que não esclarece nada...
Re: lol
Re: Fundações autárquicas na mira do Governo
Que grande negócio!!!
Só para cobrir os custos com terrenos e construção (excluindo os custos financeiros) são necessários quase 2.667 anos = 32.000 meses = 960.000 dias
País da tanga, em que tudo vale por uns votos... estes senhores que fazem uso do dinheiro público como se fosse seu, deviam era estar todos PRESOS!!!
Cambada de FDP
Os contribuintes é que pagam os salários milionários dos jogadores de matraquilhos.
É um fartar vilanagem dos dinheiros públicos para sustentar meia dúzia de parasitas que vivem à grande e à francesa à custa dos "parolos" dos portugueses e até dá para mudar de mulher todos os anos. A última foi buscá-la ao Brasiil com 22 anos de idade, para o Pinto da Costa fazer maravilhas com a língua...
Comentários 50 Comentar

Últimas


Pub