Anterior
Entrevista exclusiva a Woody Allen
Seguinte
Invasão de cadeiras em Paredes
Página Inicial   >  Atualidade / Arquivo   >   Fundação Champalimaud dá um milhão à ciência da retina

Fundação Champalimaud dá um milhão à ciência da retina

Seis cientistas americanos foram galardoados em Lisboa com o Prémio de Visão António Champalimaud 2012, no valor de um milhão de euros. O prémio é considerado o maior do mundo na área da visão.
|
Os premiados, fotografados junto ao Centro de Investigação Champalimaud, em Lisboa: Joel Schuman (Universidade de Pittsburg), David Williams (Universidade de Rochester), Carmen Puliafito (Universidade da Califórnia do Sul), James Fujimoto (MIT), Eric Swanson (NinePoint Medical) e David Huang (Oregon Health and Science University)
Os premiados, fotografados junto ao Centro de Investigação Champalimaud, em Lisboa: Joel Schuman (Universidade de Pittsburg), David Williams (Universidade de Rochester), Carmen Puliafito (Universidade da Califórnia do Sul), James Fujimoto (MIT), Eric Swanson (NinePoint Medical) e David Huang (Oregon Health and Science University) /  Rui Ochoa
A cerimónia decorreu no auditório do Centro de Investigação Champalimaud e contou com a presença do Presidente da República
A cerimónia decorreu no auditório do Centro de Investigação Champalimaud e contou com a presença do Presidente da República / Rui Ochoa

Seis cientistas americanos receberam hoje das mãos de Cavaco Silva e de Leonor Beleza, presidente da Fundação Champalimaud, o Prémio de Visão António Champalimaud 2012, pelas suas abordagens inovadoras na visualização da retina em pessoas saudáveis e doentes.

A cerimónia decorreu no auditório do Centro de Investigação Champalimaud, em Lisboa, e o prémio de um milhão de euros é considerado o maior do mundo na área da visão.

David Williams (Universidade de Rochester), na Ótica Adaptativa, e uma equipa constituída por James Fujimoto (MIT), David Huang (Oregon Health and Science University), Carmen Puliafito (Universidade da Califórnia do Sul), Joel Schuman (Universidade de Pittsburg) e Eric Swanson (NinePoint Medical), na Tomografia de Coerência Ótica, desenvolveram tecnologias para observar com elevada resolução a estrutura e as propriedades da retina, o que vai levar a novas descobertas científicas e a melhores cuidados de saúde.

O prémio é atribuído anualmente desde 2007 às organizações ou grupos que se distinguiram por contributos excecionais para a compreensão dos mecanismos da visão - nos anos pares - ou no combate à cegueira nos países em desenvolvimento - nos anos ímpares.

Desvendar a estrutura da retina


As novas tecnologias premiadas permitem o estudo de questões decisivas relacionadas com a estrutura da retina e a descoberta de mecanismos envolvidos nas doenças dos olhos, levando também a uma melhor monitorização de resultados clínicos.

A primeira chama-se Tomografia de Coerência Ótica (OCT, do inglês Optical Coherence Tomography) e visualiza com grande resolução secções transversais da estrutura interna dos tecidos vivos. A OCT é uma tecnologia de diagnóstico em que não é necessário o contacto físico com os instrumentos usados, garantindo maior conforto ao doente e maior facilidade de uso ao médico.

Foi desenvolvida conjugando métodos de ótica (interferometria de baixa coerência) desenvolvidos pelos investigadores americanos James Fujimoto e Eric Swanson, com a sua aplicação na clínica ocular por David Huang, Carmen Puliafito e Joel Schuman.

Antes do seu uso, os métodos de imagiologia da retina eram invasivos, envolvendo a injeção de compostos químicos no olho que podiam desencadear reações alérgicas.

Ao permitir a visualização da retina humana com uma grande resolução e de forma não invasiva, a nova tecnologia é hoje fundamental no diagnóstico e tratamento clínico da degeneração macular, retinopatia diabética e glaucoma, e no desenvolvimento e avaliação de tratamentos para estas (e outras) doenças da retina. As três doenças são as principais causas da diminuição da visão e da cegueira nos países desenvolvidos.

James Fujimoto: o sucesso da investigação interdisciplinar


Em declarações ao Expresso, James Fujimoto afirma que o grupo de cinco investigadores que recebeu o Prémio de Visão devido ao desenvolvimento da OCT, "está especialmente grato por o júri ter escolhido uma equipa que inclui cientistas, engenheiros e clínicos".

Com efeito, essa escolha "destaca a importância do trabalho interdisciplinar na investigação médica e nos cuidados de saúde, e mostra que a abordagem interdisciplinar pode ser bem sucedida e ter um impacto na ciência e na medicina".

A equipa começou por desenvolver a OCT nos anos de 1990 e hoje a tecnologia é considerada "um avanço revolucionário na oftalmologia clínica e na investigação da visão". Por isso, já são feitas 40 milhões de aplicações oftálmicas por ano em todo o mundo com base na OCT.

Fujimoto salienta as vantagens da nova tecnologia, que gera imagens transversais e em 3D "que fornecem informação compreensiva sobre a patologia da retina que não pode se obtida por qualquer outra técnica". Por isso, a OCT "pode detetar as doenças dos olhos mais cedo do que todas as outras tecnologias, permitindo o tratamento e a prevenção da perda de visão".

Da astronomia para a oftalmologia


A segunda abordagem inovadora premiada pela Fundação Champalimaud baseia-se nas tecnologias de ótica adaptativa (AO, do inglês Adaptive Optics), inicialmente desenvolvidas por astrónomos.

David Williams, investigador da Universidade de Rochester (Nova Iorque), criou uma aplicação oftalmológica da AO que permite ver com grande nitidez células da retina. Graças à correção de imperfeições óticas naturais que ocorrem no cristalino e córnea, possibilita a visualização e quantificação dos cones fotorrecetores da retina.

"Esta invenção representa um avanço notável na nossa capacidade de avaliar os componentes celulares da retina, até aqui um fator limitante na investigação e na clínica oftalmológica", destaca um comunicado da Fundação Champalimaud sobre os prémios, acrescentando que "a visualização de células-cone individuais ao longo de semanas, meses e anos está a levar a novas descobertas sobre as alterações da retina causadas por envelhecimento e doença".

David Williams: restaurar a visão


Os métodos e tecnologias desenvolvidos pela equipa de David Williams têm duas grandes aplicações: medir e corrigir aberrações na retina, restaurando a visão através do uso de cirurgia laser refrativa obter pela primeira vez imagens da retina com uma resolução que permite identificar células fotorrecetoras individuais, a forma como estão organizadas e a sua quantificação no olho humano, abrindo caminho a uma melhor deteção e à descoberta de novos tratamentos de doenças da retina.

David Williams explica ao Expresso que a tecnologia desenvolvida "permite medidas automáticas e mais apuradas dos defeitos ópticos dos olhos que antes não eram possíveis". E quando este avanço é combinado com um método para corrigir estes defeitos ópticos, "somos capazes de produzir ao mesmo tempo melhor visão e melhores imagens do interior dos olhos".

Em particular, quando a Ótica Adaptativa "é incorporada numa câmara para tirar fotos da retina dentro dos olhos, converte essa câmara num microscópio onde as células mais pequenas da retina podem ser vistas de forma rotineira".

A capacidade de medir automaticamente e de uma forma tão precisa todos os defeitos ópticos dos olhos de um paciente "transformou o campo da correção da visão", sublinha Williams. Com efeito, "esta tecnologia é usada na cirurgia laser (Lasik) e de forma rotineira no desenvolvimento de todos os tipos de aplicações para a correcção da visão, desde as lentes de contacto às lentes intra-oculares e aos óculos".

Ao mesmo tempo, a alta resolução da Ótica Adaptativa "pode potencialmente permitir diagnósticos precoces das doenças da retina e acelerar o desenvolvimento de novas terapias".

 


Opinião


Multimédia

Os assassínios, as execuções, as decapitações são as imagens mais chocantes de uma propaganda cada vez mais sofisticada. É a Jihad, que recruta guerrilheiros no ocidente para matar e morrer na Síria. O Expresso seguiu as pisadas de cinco jiadistas portugueses, mostrando quem são e como foram convertidos e radicalizados. E como lutam, como foram morrer - e como já haverá arrependidos com medo de fugir. Reportagem em Londres, no café onde viam jogos de futebol, na universidade onde estudavam e na mesquita onde rezavam. Autoridades e especialistas em terrorismo estão alerta sobre este pequeno mas perigoso grupo, onde corre sangue português - e de onde escorre sangue por Alá.

Desacelerámos a realidade para observar a euforia da liberdade

Ela, Jacarandá, é algarvia. Ele, Katmandu, é espanhol. São linces e agora experimentam a responsabilidade da liberdade: foram soltos esta terça-feira numa herdade alentejana, próxima de Mértola, eles que saíram de centros de reprodução em cativeiro. Foi inédito: nunca tinha acontecido algo assim em Portugal. Estivemos lá e ensaiámos o slow motion.

Geração Z

Mais rápidos, mais capazes, mais solitários, os Z vivem agarrados aos ecrãs, pensam com a ajuda da internet e estão permanentemente preocupados com a bateria do telemóvel. Que geração é esta que nasceu com a viragem do século?

Desaparecidos para sempre no Mar do Norte

O dia 15 de novembro já foi feriado, há 90 anos. A razão foi o desaparecimento de Sacadura Cabral algures no Mar do Norte. Depois de fazer mais de oito mil quilómetros de Lisboa ao Rio de Janeiro, o aviador pioneiro não conseguiu completar o voo entre a cidade holandesa de Amesterdão e a capital portuguesa. Ainda hoje, não se sabe o que aconteceu ao companheiro de Gago Coutinho e tio-avô de Paulo Portas, a quem o Expresso pediu um sms.

Os muros do mundo

Novembro relembrou-nos os muros que caem, mas também os que permanecem e os que se expandem. Berlim aproximou-se de si própria há 25 anos, mas há muros que continuam a desaproximar. Esta é a história de sete deles - diferentes, imprevisíveis, estranhos.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

O papa-medalhas que veio do espaço

O atleta português mais medalhado de sempre, Francisco Vicente, regressou dos campeonatos europeus de veteranos, na Turquia, com novas lembranças ao pescoço. Três de ouro e duas de prata para juntar à coleção. Tem 81 medalhas, uma por cada ano de vida.

Terror religioso está a aumentar

Relatório sobre a Liberdade Religiosa é divulgado esta terça-feira em todo o mundo. Dos 196 países analisados, só em 80 não há indícios de perseguições motivadas pela fé.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.


Comentários 20 Comentar
ordenar por:
mais votados
Champalimauds fazem falta a Portugal!
Era uma pessoa dinâmica que apostou muito em Portugal.
Depois de morto deixa-nos esta Fundação que muito prestigio dá a Portugal, e que contribui para o desenvolvimento da ciência. Outros arranjam fundações com o nosso dinheiro, e dizem-se democratas!
E como e porquê conseguiu tantos milhôes?...
Re: E como e porquê conseguiu tantos milhôes?...
Re: E como e porquê conseguiu tantos milhôes?...
Re: E como e porquê conseguiu tantos milhôes?...
Re: E como e porquê conseguiu tantos milhôes?...
Re: E como e porquê conseguiu tantos milhôes?...
Re: Champalimauds fazem falta a Portugal!
Re: Champalimauds fazem falta a Portugal!
!
Esta fundação até parece quase a fundação mário soares. É que este era fascista e os "democratas" fazem fundações mas é para os contribuintes meterm lá 500 mil euros todos os anos. De 2008 a 2010 foi só um milhõa e duzentos mil euros. Alguém me sabe dizer para que serve a fundação soares??
Estes que por aqui vagueiam a defender essa corja que expliquem. Mas que expliquem bem. Por isso é que eu quanto mais vou conhecendo os "democratas" mais me lembro dos fascistas!
Re: !
Re: !
Re: !
Um dia hei-de aqui contar o bandidismo no Banco
Pinto & Sotto Mayor que eu passei com provas documentais originais. Prometo..............
Queria dizer banditismo.
JÁ SABEMOS!!!FOSTE CORRIDO A PONTAPÉ!!
Re: Fundação Champalimaud dá um milhão à ciência d
Sem a ciência da natureza, a ciência da retina serve para remediar (o que não é nada mau!), mas apenas isso.

Nós já andamos a remediar, vai aí para uns milhares bons de anos.
Algum dia vamos ter que concertar isto.

(Admiro o Espírito do fundador que pôs o SEU dinheiro para ajudar outros).
A Fundação Champalimauds:
Vamos vêr a diferênça entre um fascista e um democrático, o fascista António Chanpalimauds, grande empresário deu trabalho a muita gente, deixou cá em Portugal uma Fundação, que não recebe um centavo do estado e trabalha para BENEFICIO DA HUMANIDADE.
Mário soares, nunca fez nada na pwta da vida, nunca contribuio em nada nem em beneficio de ninguem, a não ser da própria família a arranjou uma FUNDAÇÃO PARA ROUBAR AINDA MAIS OS CONTRIBUINTES, como esta fundação deste CHULO, DESTE PARASITA há mais como a Berard e outras mais.
Re: A Fundação Champalimauds:
Recentrar o comentário
Na tentativa de recentrar o comentário ao assunto em si, penso dever dizer-se o seguinte:
-Uma fundação que atribui prémios a group leaders de centros já por si muito prestigiados, fatalmente vislumbra a possibilidade de se publicitar a si própria.
-Isto nada tem que ver com o indiscutível mérito das descobertas.
-Ficaram esquecidos os investigadores nacionais de mérito indiscutível e os verdadeiros investigadores abaixo dos group leaders. Por isso a atribuição de prémios por artigo ou projeto é mais justo.
-A ciência também envolve dinheiro, muito dinheiro. E publicidade, TV e dinheiro caminham a par...
Comentários 20 Comentar

Últimas


Pub