Anterior
Veja o vídeo da declaração do PM sobre o OE 2012
Seguinte
Leia a declaração do PM sobre o Orçamento do Estado para 2012
Página Inicial   >  Dossiês  >  Dossies Economia  >  Orçamento do Estado 2012  >   Funcionários Públicos e pensionistas perdem subsídio de férias e de Natal em 2012 e 2013

Funcionários Públicos e pensionistas perdem subsídio de férias e de Natal em 2012 e 2013

O primeiro-ministro anunciou que os funcionários públicos  e pensionistas que recebem acima de 1000 euros por mês vão perder o subsídio de férias e de Natal em 2012 e 2013. Clique para visitar o dossiê Orçamento do Estado 2012 (Veja o vídeo da declaração do primeiro-ministro)
Pedro Passos Coelho sublinhou que a eliminação dos subsídios de férias e de Natal será uma medida temporária
Pedro Passos Coelho sublinhou que a eliminação dos subsídios de férias e de Natal será uma medida temporária / Alberto Frias

O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, anunciou hoje que o Orçamento do Estado para 2012 "prevê a eliminação dos subsídios de férias e de Natal para todos os vencimentos dos funcionários da Administração Pública e das empresas públicas acima de mil euros por mês".

Clique para aceder ao índice do dossiê Orçamento do Estado 2012

Numa declaração ao país sobre o Orçamento do Estado para 2012, na residência oficial de São Bento, em Lisboa, Pedro Passos Coelho anunciou que também serão eliminados os subsídios de férias e de Natal "para quem tem pensões superiores a mil euros por mês".

"Os vencimentos situados entre o salário mínimo e os mil euros serão sujeitos a uma taxa de redução progressiva, que corresponderá em média a um só destes subsídios. Como explicaremos em breve aos partidos políticos, aos sindicatos e aos parceiros sociais, esta medida é temporária e vigorará apenas durante a vigência do Programa de Assistência Económica e Financeira", acrescentou.

Passos Coelho referiu que a redução das pensões por via da eliminação dos subsídios de férias e de Natal é igualmente "evidentemente temporária e vigorará durante a vigência do Programa de Assistência" e salientou que o Governo cumprirá o "compromissos de descongelar as pensões mínimas e atualizá-las".

Além disso os trabalhadores serão obrigados a mais meia hora por dia de trabalho e terão menos férias.


Declaração do Primeiro-Ministro sobre o Orçamento do Estado para 2012

Portugueses, boa noite.

Não preciso de vos dizer que vivemos momentos da maior gravidade. Todos os Portugueses estão a sentir nas suas vidas os efeitos de um terrível estrangulamento financeiro da nossa economia.

O Estado depende em absoluto da assistência externa para cumprir as suas funções básicas, desde o pagamento de salários a enfermeiros, professores ou polícias, até à realização das mais variadas prestações sociais.

Também o sector privado sofre cada vez mais com a escassez de crédito, do crédito de que precisa para financiar a aquisição de matérias-primas e de equipamento, para financiar o pagamento de salários e preservar o emprego. Vivemos um momento de emergência nacional.

Quando no ano passado ajudei a viabilizar o orçamento para 2011, fiz questão que nele estivessem contidas reduções significativas da despesa pública. Foi esse o compromisso que estabeleci com o Governo de então, porque sem essas reduções seria impossível resolvermos os nossos problemas.

Quando tomei posse sensivelmente a meio do ano, eu esperava que metade desse orçamento tivesse sido devidamente executado.

Porém, tal como foi recentemente mostrado pelo INE, nesses primeiros meses que antecederam a minha posse no Governo, 70% do défice permitido para a totalidade do ano fora já esgotado.

É preciso que os Portugueses compreendam todos os contornos da situação atual. No passado, habituámo-nos a tolerar as derrapagens orçamentais.

Tornou-se num hábito político que é urgente reparar. Mas este ano todos tinham a obrigação de já ter aprendido a lição.

As derrapagens orçamentais num País que enfrenta a perda da credibilidade externa e a vê secar as suas fontes de financiamento têm consequências muito mais gravosas do que é habitual.

Temos de acrescentar a tudo isto uma contração económica prevista para 2012 maior do que foi antecipado e uma deterioração severa das circunstâncias externas à economia portuguesa.

E é preciso sublinhar que se agravou substancialmente o peso dos prejuízos e do endividamento do Sector Público Empresarial, o que vai obrigar a uma profunda reestruturação do sector.

Como sabem, elegemos um número de medidas temporárias que nos permitem compensar a situação negativa que encontrámos. Mas no próximo ano essa compensação já não poderá ser temporária.

O ajustamento terá de ser muito profundo. Isso implica um esforço adicional aos objetivos já exigentes a que estávamos comprometidos para 2012. E significa que neste orçamento que será apresentado aos Portugueses nos próximos dias teremos de fazer um esforço redobrado de consolidação.

Para atingir o mesmo resultado de contas públicas a que nos obrigámos externamente temos agora de fazer mais do que estava inicialmente previsto.

Perante as atuais dificuldades, é compreensível que cresça a tentação de abandonarmos o caminho que foi traçado até agora. Mas por essa razão é imprescindível que estejamos bem conscientes dos terríveis perigos que tal opção necessariamente materializaria.

Se nos víssemos privados da assistência externa, e sem a possibilidade de nos financiarmos no exterior, teríamos de enfrentar o imediato encerramento de muitas atividades do Estado, o não pagamento de salários, incumprimentos em cadeia pela economia que conduziriam a falências em massa, o prolongamento indefinido da nossa falta de competitividade, a incapacidade instantânea de importar bens que neste momento são absolutamente necessários para o nosso modo de vida, como os alimentos e os medicamentos.

Com a concretização dum cenário deste tipo, as pressões para abandonarmos a zona euro seriam imensas.

Nada disto é aceitável e eu nunca permitirei que tal aconteça. Daí que seja, e tenha de ser, inabalável o compromisso deste Governo com o processo de consolidação orçamental associado à agenda de competitividade e transformação estrutural da nossa economia. Temos objetivos para cumprir e iremos cumpri-los. Não tenho dúvidas de que dou voz ao País quando recuso o cenário negro que resultaria das nossas eventuais hesitações.

Por tudo isto, o orçamento para 2012 é absolutamente decisivo e coincide com o momento em que muito duramente enfrentamos a realidade. Em tempos de emergência, o tempo é ainda mais precioso, o rigor ainda mais indispensável, a coesão interna ainda mais necessária. Mas não há emergência que dispense o dever de procurar as soluções mais equilibradas, que não coloquem em causa os compromissos do Estado, nem sacrifiquem os nossos objetivos de médio e longo prazo. As medidas que constam do orçamento que vamos apresentar são as respostas mais prudentes e eficazes às ameaças reais de uma espiral económica descendente e da paralisia de algumas das funções centrais do Estado.

Permitam-me que vos explique agora com mais algum detalhe a nossa rejeição de ambos os riscos. Para contrariar o risco da deterioração económica, incluindo uma contracção profunda e prolongada do nosso produto e do nosso tecido empresarial, o Governo decidiu permitir a expansão do horário de trabalho no setor privado em meia hora por dia durante os próximos dois anos, e ajustar o calendário dos feriados.

Estas medidas respondem diretamente à necessidade de recuperar a competitividade da nossa economia e evitam o desemprego exponencial que a degradação da situação das nossas empresas produziria. Este é o modo mais eficaz e mais seguro de operar um efeito de competitividade.

Substitui a descida da TSU, que requer condições orçamentais particulares que neste momento o País não reúne.

Estou confiante que esta decisão terá um efeito sensível no abrandamento da recessão económica prevista para o próximo ano e contribuirá significativamente para relançar o crescimento em 2013. Quero dizer aos Portugueses que conto sobretudo com a sua capacidade e ambição.

Este Governo não se limita a pedir sacrifícios e a impor limites. Queremos resolver os nossos problemas com mais trabalho, mais ideias, mais espírito de entreajuda e cooperação entre todos. Este é o meio mais adequado para, no meio de tantas restrições, ampliarmos a nossa capacidade económica de criação de riqueza.

Já no sector público as consequências de um incumprimento, ou de uma vacilação na realização dos objetivos para o défice que pusesse em causa a assistência externa, seriam fáceis de prever.

Se nos víssemos privados dessa assistência, e sem a possibilidade de nos financiarmos no exterior, o Estado seria forçado, em desespero, a proceder a medidas intoleráveis como os despedimentos indiscriminados de funcionários públicos ou medidas comparáveis, o que de resto já sucedeu noutros países da zona euro. Ora, o Estado tem compromissos a que não deve renunciar, nem mesmo numa situação de emergência.

Não nos devemos permitir decisões de último recurso. Temos de salvaguardar o emprego. É a pensar na conjugação das necessidades financeiras com a prioridade do emprego que o orçamento para 2012 prevê a eliminação dos subsídios de férias e de Natal para todos os vencimentos dos funcionários da Administração Pública e das Empresas Públicas acima de 1000 euros por mês.

Os vencimentos situados entre o salário mínimo e os 1000 euros serão sujeitos a uma taxa de redução progressiva, que corresponderá em média a um só destes subsídios. Como explicaremos em breve aos partidos políticos, aos sindicatos e aos parceiros sociais, esta medida é temporária e vigorará apenas durante a vigência do Programa de Assistência Económica e Financeira.

Mas estes não são os únicos compromissos inquebráveis do Estado. É preciso evitar também o colapso da estrutura básica do Estado social. Para este efeito estavam já previstas algumas medidas no Memorando de Entendimento assinado com a União Europeia e o FMI.

Contudo, foi necessário reforçá-las. Foi necessário porque os desvios na execução orçamental de 2011 relativamente ao que estava previsto no Programa de Assistência são superiores a 3000 milhões de euros.

No orçamento para 2012 haverá cortes muito substanciais nos sectores da Saúde e da Educação. Neste aspeto, fomos até onde pudemos ir - no combate ao desperdício, nos ganhos de eficiência.

Não podemos ir mais longe nestes cortes sem pôr em causa a qualidade dos serviços públicos, sem pôr em causa o acesso dos cidadãos a estes serviços. E isso não faremos.

Uma vez mais de acordo com o Memorando de Entendimento, serão eliminadas as deduções fiscais em sede de IRS para os dois escalões mais elevados, e os restantes verão reduzidos os limites existentes. Mas serão salvaguardadas majorações por cada filho do agregado familiar.

E. ao contrário do que estava previsto no Programa de Assistência, acautelaremos a fiscalidade das Instituições Públicas de Solidariedade Social e isentaremos de tributação em sede de IRS a maioria das prestações sociais, como, por exemplo, o subsídio de desemprego, de doença ou de maternidade.

No caso do IVA, teremos de obter mais receitas do que o que estava desenhado no Memorando de Entendimento. Para este efeito, o orçamento para 2012 reduz consideravelmente o âmbito de bens da taxa intermédia do IVA, embora assegure a sua manutenção para um conjunto limitado de bens cruciais para sectores de produção nacional, como a vinicultura, a agricultura e as pescas.

Como garantia aos Portugueses, não haverá alterações na taxa normal do IVA e mantemos os bens essenciais na taxa reduzida, com a preocupação de proteger os mais vulneráveis.

Como sabem, a redução das pensões de reforma era uma medida prevista no Memorando de Entendimento. Tal como para os salários da Administração Pública e das Empresas Públicas, teremos de eliminar os subsídios de férias e de Natal para quem tem pensões superiores a 1000 euros por mês. As pensões abaixo deste valor e acima do salário mínimo sofrerão em média a eliminação de um só destes subsídios.

Esta redução é também ela evidentemente temporária e vigorará durante a vigência do Programa de Assistência. Mas não prescindimos do nosso compromisso de descongelar as pensões mínimas e atualizá-las.

Nunca nos deveríamos ter permitido chegar a este ponto. Quando fui eleito Primeiro-Ministro nunca pensei que tivesse de anunciar ao País medidas tão severas e tão difíceis de aceitar. Sei muito bem que a obediência ao meu dever e a necessidade da tomada destas decisões não as tornam menos custosas, nem aligeiram os sacrifícios.

Compreendo muito bem a frustração de todos os Portugueses que olham para trás, para estes últimos anos, e se perguntam como foi possível acumular tantos erros e somar tantos excessos. Tivemos tantas oportunidades para inverter o rumo e limitámo-nos a encolher os ombros.

Uma coisa é certa: não sairemos deste vale de dificuldades com fugas à realidade, nem com excessos retóricos, mas apenas com decisões tomadas com determinação, responsabilidade e método.

Um orçamento do Estado é muito mais do que um simples exercício de contabilidade. Nele estão vertidas escolhas políticas fundamentais. Escolhas para o nosso presente e para o nosso futuro.

Num momento como aquele que estamos a viver é ainda mais importante que façamos escolhas consequentes e resolutas: para reparar as escolhas do passado de muitos anos que nos conduziram até ao difícil estado atual de coisas; para enfrentar os graves problemas do presente; e para preparar um futuro mais livre, com mais escolhas e com novos horizontes.

Nas rubricas deste orçamento não estão inscritos apenas números. Está inscrita a rejeição do colapso do País. Estão inscritos os laços europeus de um País que quer honrar os seus compromissos, a sua história e a sua democracia.

Está inscrito um novo rigor no respeito pela lei e pelo Estado de Direito, pelo princípio da responsabilidade social, o que significa que seremos implacáveis com a evasão fiscal e agravaremos a tributação das transferências para off-shores e paraísos fiscais.

No nosso País existe como sabemos um coro de vozes sempre pronto a dizer que não seremos capazes, que os obstáculos são demasiado grandes, que a resignação é o melhor caminho, ou que outros devem ser chamados a resolver os nossos problemas. Muitas vezes no passado foram estas vozes que impediram qualquer esforço sério de renovação das nossas capacidades.

Ora, é precisamente porque este esforço de renovação nunca foi feito que podemos acreditar que desta vez seremos capazes.

Seremos capazes de pôr um fim definitivo aos nossos problemas e dificuldades. É aqui que começamos a reconquistar a nossa credibilidade, e em breve conheceremos os efeitos benéficos dos nossos sacrifícios.

Temos de olhar para os exemplos recentes de países que, optando por fazer os seus processos de ajustamento com inteligência e responsabilidade, souberam ultrapassar as suas dificuldades bem mais rapidamente do que diziam as previsões e abriram um período de prosperidade que seria impossível de outro modo.

Não adiar o mais difícil e inevitável pode custar muito, mas custa seguramente menos do que se teria de fazer mais à frente no futuro.

Assim que o Governo assumiu funções tratou de inverter as perigosas tendências que vinham de trás. Agimos preventivamente com medidas que hoje, depois de serem revelados problemas adicionais nas nossas contas públicas, todos reconhecem que foram absolutamente necessárias para nos manter em linha com os nossos compromissos.

Foram igualmente decisivas para retomar o caminho da credibilidade e confiança externas. As últimas semanas foram pródigas em sinais do exterior que credibilizam a estratégia e as decisões do Governo. Da parte dos nossos parceiros europeus e das instituições internacionais recebemos numerosas manifestações públicas e privadas de apoio e de confiança na nossa estratégia de estabilização da economia.

Precisamos de ver este apoio como um bem precioso, que é difícil e demorado de adquirir, que tem de ser reconquistado todos os dias, mas que as hesitações e o laxismo podem rapidamente desbaratar.

Mais do que isso, nós já sabemos que podemos contar com os nossos parceiros internacionais para além do atual Programa de Ajustamento, desde que o cumpramos, o que nos deve dar um estímulo e uma segurança adicionais para os nossos esforços.

Quis nesta ocasião falar a todos os Portugueses porque mais do que nunca o cumprimento dos objetivos nacionais, a cabal execução do orçamento para 2012, a superação da emergência nacional depende em absoluto do contributo de todos.

Depende da competência e liderança do Governo, da diligência e dedicação das Administrações Públicas, da inovação e criatividade dos empresários, da confiança e serenidade dos investidores, do profissionalismo e energia dos trabalhadores. Depende da cooperação dos parceiros sociais, do dinamismo das instituições da sociedade civil, do diálogo construtivo com os partidos da oposição, em particular com o maior partido da oposição que tem nesta matéria uma oportunidade de evidenciar um elevado sentido de responsabilidade e de serviço ao País.

A eficácia deste orçamento dependerá de todos. A gravidade da situação assim o exige. Mas também o exige a grandeza do propósito.

Perante um mundo cheio de riscos e de incertezas, nós temos um programa que responde a todos os riscos e a certeza de que seremos bem-sucedidos.


Opinião


Multimédia

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 

Crumble. A sobremesa mais fácil do mundo

Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida, especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 267 Comentar
ordenar por:
mais votados
Curiosa estupidez
Faz pena ler alguns comentários.
Ao que nós chegamos...
Ainda por aqui gravitam alminhas que acham que o estado a que chegou o País se deve a 4 meses de austeriade.
Em relação aos 6 anos e meio de mentira e "governação" CRIMIMOSA, todos batem palmas e até reclamam pelo regresso do principal responsável pelo descalabro a que chegou Portugal.
Se são asim tão fãs do indivíduo e o idolatram tanto, escrevam-lhe a pedir algum. Talvez ele se comova e vos ajude.
Para quando a CRIMINALIZAÇÃO dos tipos que praticam gestão danosa e fraudulenta ?
Na Islândia não tiveram com meias medidas e sentaram mesmo o aldrabão no banco dos réus. E nós por cá ? Infelizmente, alguns ainda lhe batem palmas.
Re: Curiosa estupidez
Re: Curiosa estupidez
Re: Curiosa estupidez
Re: Curiosa estupidez
Re: Curiosa estupidez
Re: Curiosa estupidez
Re: Curiosa estupidez
Re: Curiosa estupidez
Re: Curiosa estupidez
Re: Curiosa estupidez
Re: Curiosa estupidez
Re: Curiosa estupidez
Re: Curiosa estupidez
Re: Curiosa estupidez
Re: Curiosa estupidez
Re: Curiosa estupidez
Re: Curiosa estupidez
Re: Curiosa estupidez
Re: Curiosa estupidez
Re: Curiosa estupidez
Re: Curiosa estupidez
Re: Curiosa estupidez
Re: Curiosa estupidez
Re: Curiosa estupidez
Re: Curiosa estupidez
Re: Curiosa estupidez
Re: Curiosa estupidez
Re: Curiosa estupidez
Re: Curiosa estupidez
Re: Curiosa estupidez
Re: Curiosa estupidez
Re: Curiosa estupidez
Re: Curiosa estupidez
Re: Curiosa estupidez
Re: Curiosa estupidez
Re: Curiosa estupidez
Re: Curiosa estupidez
Re: Curiosa estupidez
Re: Curiosa estupidez
Re: Curiosa estupidez
Re: Curiosa estupidez
Re: Curiosa estupidez
Re: Curiosa estupidez
Re: Curiosa estupidez
Re: Curiosa estupidez
Re: Curiosa estupidez
Re: Curiosa estupidez
Re: Curiosa estupidez
Re: Curiosa estupidez
A culpa não é do SOCAS, é dos portugueses ...TODOS
Re: Curiosa estupidez Marradas Beligerante
CORTES DOS AJUSTES DE VENCIMENTO A Q CHAMAM SUBSID
Re: Curiosa estupidez
Re: Curiosa estupidez
Re: Curiosa estupidez
Re: Curiosa estupidez
Enfim, um PM RESPONSÀVEL
Sócrates conseguiu DUPLICAR o Défice do Estado e chegou mesmo a dizer, em 2010, que o aumento da dívida era proposital para proteger o País.

Sócrates nos colocou ao nível de BANCARROTA e agora mudar de rumo, da esquerda para a direita, é muito difícil. Se o caminho escolhido por PASSOS COELHO é o melhor eu não sei, mas é certo que não podíamos continuar no caminho anterior, pois a explosão ao fim seria muito maior (os danos seriam muito piores).

Essas MEDIDAS DE AUSTERIDADE NÂO SÃO A CAUSA DA CRISE, MAS O SEU RESULTADO, cujo caminho foi estabelecido pelo anterior PM.
Re: Enfim, um PM RESPONSÀVEL
Re: Enfim, um PM RESPONSÀVEL
Re: Enfim, um PM RESPONSÀVEL
Re: Enfim, um PM RESPONSÀVEL
Re: Enfim, um PM RESPONSÀVEL
Re: Enfim, um PM RESPONSÀVEL
Re: Enfim, um PM RESPONSÀVEL
Re: Enfim, um PM RESPONSÀVEL
Re: Enfim, um PM RESPONSÀVEL
Re: Enfim, um PM RESPONSÀVEL
Re: Enfim, um PM RESPONSÀVEL
Re: Enfim, um PM RESPONSÀVEL
Re: Enfim, um PM RESPONSÀVEL
Re: Enfim, um PM RESPONSÀVEL
Re: Enfim, um PM RESPONSÀVEL
Re: Enfim, um PM RESPONSÀVEL
Re: Enfim, um PM RESPONSÀVEL
Re: Enfim, um PM RESPONSÀVEL
Re: Enfim, um PM RESPONSÀVEL
Re: Enfim, um PM RESPONSÀVEL
Re: Enfim, um PM RESPONSÀVEL
Entretanto, as gorduras não se tocam!..
Mais uma golpada - Jorge Viegas Vasconcelos despediu-se da ERSE é uma golpada com muita classe, e os golpeados somos nós....
Era uma vez um senhor chamado Jorge Viegas Vasconcelos, que era presidente
de uma coisa chamada ERSE, ou seja, Entidade Reguladora dos Serviços
Energéticos, organismo que praticamente ninguém conhece e, dos que conhecem,
poucos devem saber para o que serve.
 
Mas o que sabemos é que o senhor Vasconcelos pediu a demissão do seu cargo
porque, segundo consta, queria que os aumentos da electricidade ainda fossem
maiores. Ora, quando alguém se demite do seu emprego, fá-lo por sua conta e
risco, não lhe sendo devidos, pela entidade empregadora, quaisquer reparos,
subsídios ou outros quaisquer benefícios.
 
Porém, com o senhor Vasconcelos não foi assim. Na verdade, ele vai para casa
com 12 mil euros por mês durante o máximo de dois anos, até encontrar um novo emprego.
Aqui, quem me ouve ou lê pergunta, ligeiramente confuso ou perplexo: «Mas
você não disse que o senhor Vasconcelos se despediu?». E eu respondo: «Pois disse. Ele demitiu-se, isto é, despediu-se por vontade própria!».
E você volta a questionar-me: «Então, porque fica o homem a receber os tais
12 000 por mês, durante dois anos? Qual é, neste país, o trabalhador
que se despede e fica a receber seja o que for?».
Se fizermos esta pergunta ao ministério da Economia, ele responderá, como já
respondeu, que «o regime aplicado aos membros do conselho de administração ...
Re: Entretanto, as gorduras não se tocam!..
Re: Entretanto, as gorduras não se tocam!..
Passos Coelho ganhou as ultimas eleições a partir
Passos Coelho ganhou as ultimas eleições a partir do debate com José Sócrates, na pré campanha das ultimas eleições, quando foi debatida a “taxa social única”, em que Sócrates insistia que a ser implementada tinha que ser alvo de rigoroso estudo e que nunca podia ir além de 2% no máximo, ao que Passos Coelho retorquiu com toda a veemência que, esta teria que ser entre 4 e 8% e aplicada de imediato para ter efeitos na economia, o que foi então considerado pela maioria dos comentadores e observadores políticos, que com essa determinação, Passos Coelho teria ganho o debate, começando então a disparar nas sondagens, culminando com a vitória em 5 de Junho.
  Ora já passaram mais de 6 meses, Passos Coelho é P. Ministro, apresentou as linhas gerais do Orçamento para 2012 e sobre essa matéria, nada, afirmou na campanha eleitoral que nunca iria aumentar os impostos nem cortar o 13.º mês e o que é que assistimos, aumenta impostos, corta o 13.º e o 14.º mês, dizia que ia cortar nas gorduras do estado e o que é que vemos, cortar nos funcionários públicos, é caso para perguntar? Então as gorduras do Estado são os funcionários públicos que ganham acima de 1.000€ mensais?
Passos Coelho terão legitimidade para governar depois de todas estas mentiras com que ganhou as eleições?... ...
Re: Passos Coelho ganhou as ultimas eleições a par
Re: Passos Coelho ganhou as ultimas eleições a par
Re: Passos Coelho ganhou as ultimas eleições a par
Sr. P. da República, nomei outro Primeiro Ministro
O momento é de tragédia.

Este Primeiro Ministro, este Governo não tem arcaboiço para governar Portugal.

Há muito que se topa isso.

Só há uma saída:

Este Governo deve demitir-se para que o Presidente da República nomeie outro Primeiro Ministro e dar lugar a outro Governo mais abrangente e mais competente.

Este Governo não vai chegar à primavra.

É melhor actuar já. Eles não tinham a mínima ideia ao que íam.

Garotos e bandos, é o que são.
Re: Sr. P. da República, nomei outro Primeiro Mini
Re: Sr. P. da República, nomei outro Primeiro Mini
Re: Sr. P. da República, nomei outro Primeiro Mini
Re: Sr. P. da República, nomei outro Primeiro Mini
Re: Sr. P. da República, nomei outro Primeiro Mini
Re: Sr. P. da República, nomei outro Primeiro Mini
Re: Sr. P. da República, nomei outro Primeiro Mini
Re: Sr. P. da República, nomei outro Primeiro Mini
Re: Sr. P. da República, nomei outro Primeiro Mini
Re: Sr. P. da República, nomei outro Primeiro Mini
Trambolhão
Isto é um grande terramoto. Vai afectar muita gente, com perdas de dinheiro disponível da ordem dos 25 a 30%.

Haverá gente de meia tijela que tem que largar o café, falar menos no telemóvel e passar a ver os 4 canis de TV. Vai ser um caso sério de quebra de consumo, de desemprego e de falências.

Começo a acreditar na possibilidade de algum desassossego social. Espero que saibam o que estão a fazer.

Ficámos a saber a profundidade do buraco em que nos puseram e espero que os defensores da gerência anterior comecem a ver onde leva a irresponsabilidade e a ganância.

Nenhum PM se meteria nestas medidas se o caso não fosse dramático.
É a derrota garantida em próximas eleições...

Registe-se a coragem...
Re: Trambolhão
Re: Trambolhão
Re: Trambolhão
Re: Trambolhão
Re: Trambolhão
Re: Trambolhão
Re: Trambolhão
Re: Trambolhão
Re: Trambolhão
Re: Trambolhão
Re: Trambolhão
Re: Trambolhão
É raro o dia....

... em que não dou uma valente risada !!!

Continuo à espera do corte nas gorduras; do plano de relançamento da economia !!

Re: É raro o dia....
Re: É raro o dia....
Re: É raro o dia....
Re: É raro o dia....
Re: É raro o dia....
Re: É raro o dia....
Re: É raro o dia....
Re: É raro o dia....
Re: É raro o dia....
Re: É raro o dia....
Re: É raro o dia....
Re: É raro o dia....
Re: É raro o dia....
Re: É raro o dia....
Re: É raro o dia....
Re: É raro o dia....
Re: É raro o dia....
ÁS ARMAS, ÁS ARMAS !!!
Pela Pátria lutar
Contra a "canalha" machar, marchar !!!

A "canalha" ...
Como dizia o outro ... - "Vocês sabem do que é que eu estou a falar ..."
Re: ÁS ARMAS, ÁS ARMAS !!!
Isso é como fazer uma autópsia num ser
vivente, sem anestésico e com cortes profundos. Se sobreviver, foi Deus quem o desejou; se calhou de virar cadáver, era mesmo um dos culpados... É vivendo que se aprende (de acordo com meu falecido avô materno), sendo que nunca se dever achar o presente, o pior momento, pois o futuro poderá desmentir a crença. Rio Grande
O fato de Coelho
O facto de Coelho ser irmão de Sócrates é facilmente demonstrado pela qualidade do fato com que se apresentou ontem.

Estes selvagens - outros adjectivos me vêm à mente, constantemente - e nos quais incluo Coelho, Sócrates, o actual PR e a todos os outros (des)governantes têm o desplante de nos roubar e nem sequer têm a vergonha necessária para FINGIR que também se sacrificam?

Em vez de seguirmos os exemplos do "norte" da Europa, atrelamo-nos ao sul?

Por que razão os milionários franceses exigiram um imposto especial? Porque ao contrário destes animais, sabem perfeitamente que se a classe média ficar como a nossa, eles vão pelo cano. A classe média é formada por aqueles que lhes dão o dinheiro a ganhar!

Agora, tenho a certeza que iremos sair do euro, logo a seguir à Grécia.

Mas, Coelho, esse animal, em 3 meses renovou o guarda-roupa.
Mementos...
Re: Mementos...
áhhh, já me esquecia...o fato.
Re: áhhh, já me esquecia...o fato.
Re: O fato de Coelho
Re: O fato de Coelho
Re: O fato de Coelho
Re: O fato de Coelho
Re: O fato de Coelho
Re: O fato de Coelho
O mito, acabou!
Durante anos dizíamos que trabalhar para o Estado era ordenado garantido. Graças a esse mito, o estado do Estado chegou onde chegou. O crédito mal parado nos bancos é de 5 mil milhões, relativo aos particulares, mas como isso resulta de uma forma de pensar colectiva, os governantes fizeram o mesmo e o descalabro chegou a isto. Vamos ter de pagar as dívidas primeiro. Até lá, devemos ir à igreja todos os dias e pedir desculpa pelos pecados cometidos!
Terá Passos legitimidade para governar?
Passos Coelho ganhou as ultimas eleições a partir do debate com José Sócrates, quando foi debatida a taxa social única, em que Sócrates insistia que a ser implementada tinha que ser alvo de rigoroso estudo e que nunca podia ir além de 2% no máximo, ao que Passos Coelho retorquiu com toda a veemência que esta teria que ser entre 4 e 8% e aplicada de imediato para ter efeitos na economia, ora já passaram mais de 6 meses, Passos é P. Ministro, apresentou o Orçamento para 2012 e sobre essa matéria, nada, afirmou na campanha eleitoral que nunca iria aumentar os impostos nem cortar o 13.º mês e o que é que assistimos, aumenta impostos, corta o 13.º e o 14.º mês, dizia que ia cortar nas gorduras do estado e o que é que vemos, cortar nos funcionários públicos, é caso para perguntar? As gorduras do Estado são os funcionários públicos que ganham acima de 1.000€ mensais, Passos Coelho terá legitimidade para governar depois de todas estas mentiras com que ganhou as eleições.
Passos Coelho ganhou as ultimas eleições a partir
...A resposta terá que ser dada por aqueles que quando Sócrates procurava cortar aqui e ali sem causar grandes prejuízos para equilibrar as contas, logo era apelidado de ladrão e mentiroso e que deram maioritariamente a vitória a Passos Coelho e entre esses estão muitos milhares de funcionários públicos, que participaram nas grandes manifestações de 2008/2009/2010/2011, que deram origem á queda do governo Sócrates e abriram caminho para que Passos Coelho chegasse ao almejado pote, onde agora põe e dispõe a seu bel prazer para favorecer as classes mais favorecidas, prejudicando os que trabalham, não tocando nem beliscando os capitalistas, ou não seja ele o moço de recados dos barões tais como Belmiro de Azevedo, Américo Amorim e Jerónimo Martins.
Votaram nele?
aí têm.
Feliz (subsidio de) Natal
Re: Votaram nele?
Re: Votaram nele?
Re: Votaram nele?
Re: Votaram nele?
Re: Votaram nele?
Re: Votaram nele?
Re: Votaram nele?
Re: Votaram nele?
Re: Votaram nele?
Re: Votaram nele?
Re: Votaram nele?
Re: Votaram nele?
Re: Votaram nele?
Re: Votaram nele?
Re: Votaram nele?
Re: Votaram nele?
Re: Votaram nele?
Re: Votaram nele?
Re: Votaram nele?
Re: Votaram nele?
Re: Votaram nele?
TOMA
Quando não se sabe o que fazer, aumentam-se os impostos e roubam-se nos ordenados. Assim até eu era PM. Ainda vou passar pela vergonha de ter o Sócrates como PM outra vez... MENTIROSOS
Re: TOMA
Re: TOMA
qual atento?
Re: qual atento?
Re: qual atento?
Re: qual atento?
Re: TOMA
Comentários 267 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub