Anterior
Grécia garante ter verbas até meados de novembro (vídeo)
Seguinte
UE tomará medidas "fortes" para conter a crise da dívida
Página Inicial   >  Economia  >   Frente Comum diz não haver argumento para cortes nos vencimentos

Frente Comum diz não haver argumento para cortes nos vencimentos

A proposta de alteração à lei da mobilidade levará a cortes nos vencimentos dos trabalhadores superiores a 20%. (Veja vídeo SIC no final do texto)
Lusa |
Atualmente encontram-se em mobilidade especial 1.135 funcionários públicos
Atualmente encontram-se em mobilidade especial 1.135 funcionários públicos / Nuno Botelho
A coordenadora da Frente Comum dos Sindicatos da Função Pública, Ana Avoila, considerou hoje não haver "nenhum argumento sustentado" para reduzir a retribuição dos trabalhadores colocados em mobilidade especial.

Em declarações aos jornalistas no final de uma reunião negocial com o Governo, a sindicalista avisou que a proposta de alteração à lei da mobilidade levará a cortes nos vencimentos dos trabalhadores que ultrapassarão os 20%.

"Não se percebe. As pessoas que estão em mobilidade especial sentem-se mal, não estão em casa porque querem. Estes cortes vão colocar muitos trabalhadores no limiar da pobreza", disse Ana Avoila.

A reunião de hoje com os sindicatos da Função Pública centra-se na discussão da proposta enviada pelo Ministério das Finanças para reduzir a retribuição dos trabalhadores colocados em situação de mobilidade especial.

Três fases da mobilidade especial


O documento define que os trabalhadores em situação de mobilidade especial passem a receber 66,7% ou metade da remuneração base mensal consoante o tempo de permanência em inatividade.

A mobilidade especial funciona atualmente em três fases, que implicam a perda gradual de remuneração, mas não de direitos (antiguidade, proteção na doença, subsídio de férias e de Natal) nem de deveres.

A primeira fase (de transição) tem a duração de dois meses e o trabalhador recebe a remuneração base por inteiro.

A segunda fase (de requalificação) dura 10 meses e o funcionário recebe cinco sextos da sua remuneração base, que correspondem a 83,3% do salário base.

Com a proposta do Governo, para entrar em vigor no âmbito da Lei do Orçamento do Estado para 2012, os trabalhadores em mobilidade especial passarão a receber nesta fase dois terços do salário base, o que corresponde a 66,7% do mesmo.

Plenário geral a 21 de outubro


A terceira fase (de compensação) segue-se ao primeiro ano de inatividade e o trabalhador passa a receber quatro sextos da remuneração base, que correspondem a 66,7%, mas pode ter outra atividade fora da função pública.

Se a proposta do Governo se concretizar os funcionários nesta fase passarão a receber metade da remuneração base.

Atualmente encontram-se em mobilidade especial 1.135 funcionários públicos e reiniciaram funções 695 trabalhadores, de um total de 3.913 que já passaram por esta situação.

A Frente Comum, filiada na CGTP, tem agendado para 21 de outubro um plenário geral, seguido de um desfile em Lisboa, no qual é esperada a participação de cerca de seis mil pessoas.


Opinião


Multimédia

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 

Crumble. A sobremesa mais fácil do mundo

Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida, especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 1 Comentar
ordenar por:
mais votados
Cortes e jobs for the boys
Enquanto vai colocando os seus boys em comissões de estudo e de técnicos especializados nos ministérios, o governo lança-se a um ataque desenfreado a quem trabalha. Ver o ar sorridente destes senhores, do Presidente da República ao Primeiro Ministro, "explicando" s apontando com esperanças vãs num futuro risonho que temos de sofrer agora para melhorar depois, estes senhores escondem que não vai haver nada risonho amanhã. Trata-se, isso sim, de devolver o poder absoluto ao patronato perdido com o 25 de Abril. este sistema não é temporário. O objetivo é torná-lo definitivo. Devolver a arbitrariedade, a facilidade de despedimento e os salários indignos que vigoravam antes do 25 de Abril, nos tempos do "saudoso" (para alguns) Salazar em que, nas casas dos trabalhadores, se comia pão, café e sopa, o desemprego era grande, os patrões despediam quando queriam, sem direito a indemnização e sem lei. Lembram-se os mais velhos de quando calçaram pela primeira vez um par de sapatos, de quando iam para a cama com o estômago mal forrado ou nada forrado de alimento, qualquer que ele fosse! Tomara muitos, nesses tempos "gloriosos" sem défice em que, sem direitos, encherem a barriga de pão. Quantas famílias tinham de recorrer à sopa do Barroso para mitigar a fome dos filhos. É bom relembrarmos as condições para que querem atirar os povos europeus. Para salvar uma Banca e um sistema que condena quem trabalha.
Comentários 1 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub