Anterior
Calçada portuguesa descurada no Porto
Seguinte
"O que a troika faz é ganhar o seu dinheirinho", critica Mário ...
Página Inicial   >  Atualidade / Arquivo   >   França: Eurobonds na UE só dentro de "vários anos"

França: Eurobonds na UE só dentro de "vários anos"

O chefe do Governo francês, Jean-Marc Ayrault, reconhece que adoção das das eurobonds pela União Europeia vai necessitar de "vários anos".
|
França: <i>Eurobonds</i> na UE só dentro de 'vários anos'

A França continua a defender as obrigações europeis (eurobonds), mas reconhece que a mutualização das dívidas dos Estados da União Europeia (UE) implica uma mais forte integração política, com novas transferências de soberania, que "necessitará certamente de vários anos".

Este esclarecimento, feito hoje pelo primeiro-ministro, Jean-Marc Ayrault, pode ser visto como um recuo do novo poder francês em relação a um dos pontos mais importantes do programa do ex-candidato e atual Presidente, François Hollande.

Jean-Marc Ayrault almoçou hoje, em Paris, com os embaixadores em França dos países da UE, a quem transmitiu as grandes linhas das propostas francesas para o próximo Conselho Europeu de 28 e 29 de junho. À mesa desenvolveu esta ideia sobre as eurobonds, que explica também numa entrevista que será publicada amanhã pelo jornal alemão "Die Zeit".

Proposta de 120 mil milhões de investimentos


Na cimeira europeia, a França deverá, no entanto, defender que sejam adotadas rapidamente medidas favoráveis ao crescimento na Europa no valor de 120 mil milhões de euros, financiados por fundos estruturais da UE, pelo Banco Europeu de Investimento e por "Project bonds" (empréstimos lançados em conjunto por vários países europeus para financiamentos de grandes projetos de infraestruturas na Europa).

De acordo com o gabinete do chefe de Governo, Jean-Marc Ayrault transmitiu aos embaixadores as principais linhas das propostas francesas para favorecer o crescimento e a estabilidade financeira na zona euro, procurando "um melhor equilíbrio entre crescimento e consolidação orçamental na Europa".

A França defende também a criação de uma taxa sobre as transações financeiras, que pretende que alguns países europeus adotem já em 2013. 

A questão das eurobonds tem sido motivo de importantes dissensões entre a França e a Alemanha.


Opinião


Multimédia

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 

Crumble. A sobremesa mais fácil do mundo

Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida, especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.


Comentários 9 Comentar
ordenar por:
mais votados
Realidade: 1 - Hollande: 0!
Tudo a correr conforme previsto!
Leiam...
guardian.co.uk/business/economics-blog/2012/jun/15/germany-eurobonds-idea-upside-down
PRUDENTES PALAVRAS...atenção aos nacionalismos
Por vezes fico com a impressão q os temas são lançados, em geral, d forma muito leviana. A impreparação é um dos fortes sinais dos tempos em q vivemos e, no tema dos Eurobonds tudo tem servido p manipular e intoxicar a malta. Saliente-se q a ignorância neste tema é supina por essa Europa fora e, no caso das famílias políticas q pior serviços prestaram aos seus países ainda não percebi se estamos perante grave impreparação ou idiotice pura d quem não sabe o q mais dizer. Sou dos q acreditam q é imperioso a consolidação orçamental e a implementação d reformas numa óptica d competitividade. O mundo d hoje é global e implacável. Sem este trabalho países economicamente frágeis como Portugal nunca o deixaram d ser. Considero q algumas das condições impostas deviam ser flexibilizadas mas nunca perdendo o norte ou seja não gastar o q não se tem nem se pode vir a pagar. Cingir a solução aos Eurobonds é como se diz em Portugal “fugir do sol com uma peneira” pois inerente ao surgimento deste instrumento financeira há um debate q no actual contexto pode sim ser mortal p o permanente projecto d construção europeia. Os eurobonds implicam uma forçosa perda d soberania orçamental e financeira e, seria da mais mínima higiene intelectual, q os opnion makers, os ditos experts (Portugal é o ultimo paraíso dos macroeconomistas q só sabem falar do passado. Evitam um juízo d valor sobre o presente e, sobre o futuro fogem como o diabo da cruz) tivessem a noção d q esta é a pior altura p lançar ...
R:PRUDENTES PALAVRAS...atenção aos nacionalismos 2
Já está a recuar, o Holande!
Passou a campanha,prometeu bacalhau aos franceses a todas ass refeições,mas afinal, já recua.
O PS é assim.
Ma próxima os franceses mostrem-lhe o vermelho!
Era uma vez uma campanha eleitoral, com promessas!
Cada vez mais o discurso do novo Chefe do Governo Francês, já para não falar do Presidente François Hollande, se afastam daquela propaganda eleitoral demagógica de há uns meses atrás.
Nada como estarem enfronhados perante a realidade dos números macroeconómicos e a "real politik", para constatarem que tudo aquilo que prometeram na campanha eleitoral, não era para ser levado a sério.
Diríamos que foi só a brincar !!!
Re: Era uma vez uma campanha eleitoral, com promes
Tozé Seguro
O Tozé também se podia calar de uma vez por todas com esta história das eurobonds. Já dá dó ouvi-lo! Ou então, em alternativa, explicar de uma forma clara as consequências que as eurobonds teriam para Portugal: troika perpétua. Tudo o que for menos, é pura desonestidade intelectual.
Resumindo e concluindo
Tudo na mesma. Ao menos o Sarkozy era sincero e mostrava de que lado estava, já este diz uma coisa e faz outra... Nada vai mudar! A alemanha e a França continuam a mandar... (mais a alemanha que a frança!)
Comentários 9 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub